Jailhouse Rock (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jailhouse Rock
Prisioneiro do Rock (BR)
EUA
1957 • P&B • 96 min 
Direção Richard Thorpe
Produção Pandro S. Berman
Roteiro Guy Trosper
Elenco Elvis Presley

Judy Tyler
Mickey Shaugnessey

Género Musical
Drama
Idioma Inglês
Página no IMDb (em inglês)

Jailhouse Rock é o nome do terceiro filme de Elvis Presley de 1957 que tornou-se em um grande clássico da carreira do "rei do rock" e do próprio rock and roll no cinema. Este é o 2º filme de Elvis Presley da chamada "trilogia rebelde" que retratava Elvis como um jovem transgressor e incompreendido. Consolidada por King Creole, essa imagem teve seu início com o filme Loving You, que o retratava como um jovem talento em ascensão.

A cena, que é considerada antológica, onde ele mostra um número de dança na prisão apresentando a canção título do filme, foi coreografada pelo próprio Elvis; muitos a consideram um dos primeiros video-clipes da história do rock.

No ano de 2004, Jailhouse Rock entrou para o "Registro Nacional de Filmes" (United States National Film Registry) dos EUA, sendo introduzido assim, na eternidade do cinema norte-americano, por sua relevância cultural.

Em pelo menos duas oportunidades a famosa cena da prisão foi homenageada em outros filmes. O primeiro é o clássico "The Blues Brothers" de 1980, com John Belushi e Dan Aykroyd, onde na cena final, a canção Jailhouse Rock é executada em uma prisão. A outra é no filme de 1990 chamado "Cry-Baby" com Johnny Depp, em uma outra cena no interior de um presídio, Depp interpreta uma canção que claramente é uma homenagem à tão famosa cena do filme de Elvis.

A interpretação de Elvis neste filme é nitidamente superior ao seu filme anterior e sua evolução como ator é patente. Elvis está mais relaxado, natural e consequentemente mais acostumado com as câmeras, garantindo um desempenho mais verossímil.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Após matar um homem de forma acidental, Vince Everett (Elvis Presley) é levado para a prisão. Na cadeia ele conhece um ex-cantor country chamado "Hunk Houghton" (Mickey Shaugnessy). Vince torna-se seu protegido dentro da prisão, posteriormente, ele aprende a tocar violão graças ao ensinamentos de "Hunk". Após ser libertado, "Vince" inicia sua carreira e sob a proteção de "Peggy Van Aldern" (Judy Tyler) sua caminhada artística avança rumo ao sucesso. O êxito em sua profissão, no entanto, acaba ocasionando no abandono de "Peggy" por parte de "Vince". Esse fato faz com que "Hunk" enfrente "Vince" em uma briga, golpeando-o na garganta e afetando suas cordas vocais. Após esse choque emocional, Vince recupera seu amor e sua voz.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ficha técnica adicional[editar | editar código-fonte]

Informações adicionais[editar | editar código-fonte]

  • "Jailhouse Rock" foi o primeiro filme de Elvis pela MGM, estúdio que ficaria conhecido por ter feito, segundo alguns, os maiores musicais da história do cinema americano.
  • Pode-se afirmar que a imagem de Elvis vestido com roupas de presidiário entrou para história da cultura pop e tornou-se um dos ícones mais conhecidos do cantor em Hollywood.
  • Um fato ocorrido durante as filmagens foi o encontro de Elvis com o coreógrafo e o diretor Richard Thorpe no dia em que iriam filmar a famosa cena em que ele cantaria o tema principal na prisão; quando os dançarinos começaram a desenvolver sua coreografia, Elvis se viu diante de um número completamente baseado no estilo de nomes como Fred Astaire, Gene Kelly, entre outros, ou seja, totalmente fora do contexto do filme, além, segundo a visão de Elvis, ser completamente ultrapassado; por isso Elvis resolveu mudar tudo e começar do zero; o cantor esperou pacientemente tudo aquilo terminar e com educação sugeriu a Thorpe que iria, ele mesmo, desenvolver um número junto com os dançarinos; o que Elvis fez naquela tarde entrou para a história do cinema; em pouco mais de um dia de ensaios, Elvis mostrou a todos como a cena deveria ser feita; procurou determinar o local onde cada dançarino deveria estar e a forma como deveria se apresentar; pela primeira vez em sua vida, Elvis estava desenvolvendo um de seus mais notórios talentos, o de dançarino.
  • Judy Tyler, que contracena com Elvis no filme, foi vítima, juntamente com seu marido "Gregory Lafayette", de um destino trágico; ela morreu logo após as filmagens em um acidente automobilístico próximo a cidade de "Billy The Kid", Wyoming; o fato, como não poderia deixar de acontecer, chocou a todos, e em particular Elvis, que lamentou profundamente o ocorrido, ainda mais em se tratando de uma moça tão jovem, talentosa e com um futuro considerado à època, como promissor; não tardou muito para que "Jailhouse Rock" entrasse na "lista negra" de Elvis; segundo alguns biógrafos, Elvis baniu o filme de sua vida e nunca mais, segundo alguns, o assistiu, tudo isso para evitar ficar deprimido. Sobre o acontecido, Elvis declarou a um repórter do "Memphis Commercial Appel": "Lembro da última vez que a vi. Eles estavam saindo de viagem. Todos nós adorávamos ela. Ela significava muito para nós. Acho que não conseguirei mais assistir o filme que fizemos juntos".
  • Em algumas cenas do filme, Elvis tinha de aparecer com o cabelo bem curto. Mesmo Elvis não se importando com tal situação, foram providenciadas algumas perucas para que ele as usasse nas cenas da prisão, tudo isso devido a supostos protestos de algumas fãs. Vale ressaltar que as tais perucas foram bem feitas, devido ao fato de terem passado despercebidas na época.
  • Segundo a opinião de Lisa, filha de Elvis, "Jailhouse Rock" é um de seus filmes preferidos dentre os que seu pai realizou.
  • Segundo relatos, Elvis ajudou a apagar um incêndio elétrico no camarim de Jennifer Holden, que teria acontecido nos últimos dias de filmagens; sobre o assunto Jennifer disse: "Estava no meu camarim quando um aquecedor pequeno se incendiou. As chamas eram muito altas e eu fiquei presa num canto. Gritei muito alto e apareceram logo Harry Edwards e Elvis. Enquanto Harry apagava o fogo, Elvis levou-me no colo em segurança para fora".
  • Elvis protegeu Juddy Tyler da queda de uma porta de vidro durante as gravações.
  • Ao final das gravações, Elvis distribuiu aos 250 envolvidos nas filmagens, um envelope com um agradecimento, uma foto autografada e um pequeno presente.
  • Análise da revista "Picturegoer" de 25 de Janeiro de 1958 sobre o filme: "Este é o seu terceiro filme e o mais vívido certamente.(...) Embora Elvis não seja o tipo favorito de estrela de muitos, pelo menos ele agora parece ter um futuro como ator".
  • Segundo jornais da época, Elvis levou a soma de 250 mil dólares para estrelar o filme, mais uma porcentagem da bilheteria, estimada em 6 milhões de dólares em 21 de Novembro de 1957.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

ASCAP Film and Television Music Awards[editar | editar código-fonte]

National Film Preservation Board[editar | editar código-fonte]

  • 2004 - National Film Registry (Registro Nacional de Filmes);

Avaliações[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]