Minas Tênis Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
MTC
Minas Tênis Clube
Escudo do Minas Tenis Clube.svg
Lema Cultura, Esporte e Educação
Fundação 15 de novembro de 1935 (78 anos)
Fundador(es) Necésio Tavares
Waldomiro Salles Pereira
Otacílio Negrão de Lima
José Mendes Junior
Benedicto Valladares
Tipo Social / Esportivo / Recreativo
Sócios 73000
Atletas +1000
Funcionários 900
Presidente Luiz Gustavo Lage
Sede Brasão de Belo Horizonte (Minas Gerais).svg Belo Horizonte
Estado Minas Gerais Minas Gerais
Cores Azul e Branco
Página oficial http://www.minastenisclube.com.br/
Escudo minas tenis clube.jpg
Escudo no topo do da sede social do Minas I.


O Minas Tênis Clube é uma agremiação desportiva e social com sede em Belo Horizonte, Minas Gerais. O clube possui destaque nacional e internacional em diversas modalidades de esportes olímpicos. Seu patrimônio é formado por duas unidades urbanas, o Minas I e Minas II, uma unidade campestre, o Minas Country e, ainda, o Minas Tênis Náutico Clube. Somadas as áreas, as quatro unidades totalizam cerca de 471 mil m²[1] . O Minas conta ainda com um ginásio próprio para esportes indoor, a Arena Vivo.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1935, a área que fora destinada na planta da cidade de Belo Horizonte para a criação de um Jardim Zoológico mantinha-se desocupada, com problemas de saneamento e sem aproveitamente efetivo. Situada em local nobre, na rua da Bahia, próxima ao Palácio da Liberdade, era o sinal de uma cidade descuidada de seus valores de lazer, turismo e educação.

Manter uma atividade ligada a uma mentalidade moderna de desenvolvimento era uma das preocupações evidentes do governo mineiro que, no entanto, não tinha como administrar a área. Um Jardim Zoológico traria inúmeros inconvenientes, não só por se tratar de um local próximo à sede do governo - um espaço nobre - mas também pela dificuldade em se manter um trabalho zoológico em um bairro residencial.

Outra iniciativa se fazia premente, algo que pudesse ser compatível com o bairro nobre e ao mesmo tempo mantivesse um caráter socializante. A sugestão para o aproveitamento do terreno com a construção de um local para a prática de atividades esportivas partiu de Dona Geni Silveira Lima, esposa do então prefeito de Belo Horizonte Otacílio Negrão de Lima. "Certa vez veio-lhe as mãos uma revista americana, narando, com profusão de fatos, caso semelhanre ocorrido em uma cidade dos Estados Unidos. os americanos criaram brilhante utilidade para um local parecido com o da capital mineira, urbanizando-o e nele instanlando um clube recreativo de grande beleza. Para Otácilio o problema iria se resolver. Iria reproduzir na área mal aproveitada a imgem de um centro esportivo, com suas vertentres e seus barrancos sabiamente aproveitados", segundo depoimento de Evaldo Tavares.

Estátua de Mendes Júnior, um dos fundadores do clube.

A idéia veio ao encontro de uma carência da cidade. As poucas oportunidades de lazer esportivo e a falta de uma tradição desportista, com poucos clubes amadores nos quais o esporte se desenvolvia precariamente, se aliou à necessidade de urbanizar um local que estava sendo utilizado como um depósito de lixo.

Numa dessas conjunções de idéias, havia um grupo de personalidades mineiras que já vinha se preocupando com a formação de um clube esportivo em Belo Horizonte. Em uma reunião que se deu no Automóvel Clube de Minas Gerais, em 15 de novembro de 1935, foi fundado o Minas Tênis Clube. Buscava-se uma "instituição de finalidade social, esportiva e recreativa, que tem por escopo o desenvolvimento da cultura física racional e, principalmente, da cultura física infantil", dentro das perspectivas ideológicas do desenvolvimento do esporte no Brasil. (retirado do livro "Minas Tênis Clube - Tradição e Modernidade").

O grande idealizador do Serra Tênis Clube foi Necésio Tavares. Ele fundou o primeiro clube de vôlei de Belo Horizonte, o Clube Necésio Tavares, que na verdade era apenas um campo de vôlei que funcionava no quintal de sua residência no Bairro da Serra. Daí nasceu a idéia de se criar um clube com proporções maiores, então, ao lado de seus vizinhos da Serra (Gamaliel Soares, Everardo Borges, Augusto Couto, Mendes Jr., Nansen Araújo, Paulo Gontijo, dentre outros) Necésio decidiu organizar o Serra Tênis Clube. Para concretizar o novo Clube, Necésio e seus amigos decidiram apresentar a proposta a pessoas influentes da sociedade de Belo Horizonte. Estas pessoas contribuiriam com 1 conto de réis para ajudar na implantação do Clube com as proporções sonhadas. Porém, nem todos os procurados aderiram à idéia. Neste mesmo contexto, Waldomiro Salles Pereira, então um jovem tenista de apenas 23 anos, planejava fundar um clube para a prática do tênis. Ao saber da intenção de Necésio de fundar o Serra Tênis Clube, Waldomiro resolveu procura-lo para propor-lhe que unissem forças, visando construir um único Clube. Paralelamente à esta movimentação de Necésio e Waldomiro, a prefeitura de BH construía em uma área delimitada pelas Ruas da Bahia, Emboabas (atual Antônio Aleixo, Antônio de Albuquerque e Espírito Santo (área esta que era conhecida como buracão) uma praça de esportes que seria dotada de uma piscina olímpica e campos para a prática de vôlei,basquete e tênis.

Liderados por Necésio Tavares, os participantes do Serra Tênis Clube, reforçados por Waldomiro Salles resolveram então procurar o então prefeito Otacílio Negrão de Lima para propor-lhe que o local fosse cedido ao grupo, que passaria a administra-lo. Otacílio concordou com a idéia, porém exigiu que o clube mudasse de nome, passando a se chamar Minas Tênis Clube e que o presidente do Clube fosse de escolha do Governador do Estado (naquela ocasião, Benedicto Valladares). Com todos os interesses aliados, fez-se em uma memorável reunião em um dos salões nobres do Automóvel Clube de Minas Gerais, a assinatura da Ata de Fundação do Minas Tênis Clube no dia 15 dia de Novembro de 1935 [2] , sendo Necésio Tavares aclamado como o primeiro presidente da instituição, sendo também seu sócio fundador número 1.

Sedes sociais[editar | editar código-fonte]

Entrada do clube no bairro de Lourdes, em Belo Horizonte.

Minas I[editar | editar código-fonte]

Placa na Rua da Bahia indicativa do clube, que estava em obras de reforma no momento da foto, no início de 2010.

O complexo do Minas I ocupa um terreno com área superior a 31 mil m² (com área construída de 71 mil m²) no bairro de Lourdes, e ocupa o quarteirão inteiro delimitado pelas ruas da Bahia, Antônio Aleixo, Espírito Santo e Antônio de Albuquerque. Fazem parte do complexo a Arena Juscelino Kubitschek, o Parque Aquático, a Sede Social e a Praça de Esportes.

A construção da Praça de Esportes foi iniciada em 1935. O projeto do engenheiro civil Romeo de Paoli, em parceria com a firma de Alfredo Carneiro Santiago, continha o playground, a piscina, o trampolim e o Prédio do Relógio. A Praça foi inaugurada em 27 de novembro de 1937[3] , ficou famosa por, além de abrigar a primeira piscina olímpica de Belo Horizonte, ser um espaço reservado para que a população da capital pudesse desenvolver a cultura física tão decantada pela ideologia da época.

Em 1940 foi inaugurada a Sede Social. A obra seguia a tendência das obras arquitetônicas públicas da Belo Horizonte de então. A arquitetura marcou profundamente o perfil da jovem cidade que crescia de modo acelerado e se integrava ao Brasil urbano.

Com sua localização privilegiada, cercado de novos e populosos bairros que surgiam em ritmo frenético e freqüentado por famílias que passavam aos filhos a paixão pelo Clube, o Minas não demorou a se ver diante da necessidade de reformas físicas.

Já na década de 70, intervenções inadiáveis foram feitas nas edificações do Clube, como por exemplo, aquecimento da piscina, construção de nova lanchonete, vestiários, centro médico e ginásio de judô. Era preciso mais. Uma comissão foi instituída pelas instâncias superiores do Minas para estudar e propor a modernização das instalações e uma adequação aos novos tempos e demandas. Em 1987, uma grande reforma foi proposta, visando, em especial, tornar o parque aquático apto a sediar competições oficiais.

Em dezembro de 1991 as obras foram concluídas e inaugurava-se o novo "Parque Aquático Abdalla Fábio Couri", que trazia em seu nome uma homenagem póstuma àquele que havia presidido a Comissão de Obras do Clube.

Minas II[editar | editar código-fonte]

A Unidade II ocupa um quarteirão no bairro Serra, e é delimitado pelas ruas Trifana, Oriente, Ivaí e Avenida Bandeirantes. A área total terreno é superior a 34 mil m² [4] .

Em abril de 1982 foi lançada a pedra fundamental do que seria a tão esperada ampliação do Minas Tênis Clube. O projeto foi do arquiteto Fernando Graça, vencedor da seleção denominada "Estudo Preliminar de Arquitetura do Minas II". O conjunto esportivo foi inaugurado em dezembro de 1984. Logo depois, em março de 1985 e sem interrupção das atividades esportivas no novo complexo, foram iniciadas as obras de construção da Sede Social, que iniciou suas atividades em outubro de 1986.

Minas Tênis Country Clube[editar | editar código-fonte]

Em 2000, o Minas Tênis Country Clube nasceu da incorporação, pelo Minas, do Country Club de Belo Horizonte, fundado em 1933, por Alcindo Vieira[5] . A atual sede da Unidade tem projeto de Rafael Hardy Filho, começou a ser construída em 1954 e foi inaugurada em 6 de junho de 1958.

Com 285.750 m², a Unidade é o espaço ideal para passar o dia com a família e os amigos. São 19 churrasqueiras à disposição do minastenista que podem ser usadas e escolhidas pelo sócio à medida que chegam ao Clube. A única atenção que ele deve ter é preservar a natureza que cerca cada uma das áreas com o equipamento.

A localização do Minas Country é seu grande diferencial. A apenas 6 km da Savassi, a Unidade tem cerca de 148 mil m² de mata nativa. Nela, duas trilhas - uma com 1,4 km de extensão e outra com 2,2 km - prometem uma experiência inesquecível ao associado.

Minas Tênis Náutico Clube[editar | editar código-fonte]

Idealizado em 1995 através de uma parceria com a Lisa - Lagoa dos Ingleses Urbanismo, o Minas Tênis Náutico Clube oferece uma completa infra-estrutura para recreação. O Náutico possui estatuto e normas próprios. Cotistas do Minas Tênis Clube podem associar-se mediante assinatura de termo de adesão, além de pagar uma mensalidade à parte.

A construção da primeira etapa do Clube, com 29.346 m² de área, teve início em 1998 e foi concluída em março de 2000[6] . A área total do Minas Náutico é de 117.000 m², e as próximas três etapas do projeto serão executadas conforme a demanda dos sócios.


Modalidades Esportivas[editar | editar código-fonte]

Basquetebol[editar | editar código-fonte]

O basquete foi um dos primeiros esportes a se organizar e ter bons resultados no Minas e destaca-se por uma atuação constante, com equipes de alto nível. A modalidade continua sendo um dos destaques coletivos do Minas.

A primeira medalha olímpicas conquistada por um atleta do Minas, foi com o jogador de basquete Moisés Blás, que integrou a seleção brasileira nos Jogos de Roma, em 1960. Já em Jogos Pan-Americanos, os resultados mais recentes do basquete minastenista vieram com o técnico Flávio Davis. Como assistente técnico da Seleção Brasileira, Flávio sagrou-se, em 2007, bicampeão da competição.

Futsal[editar | editar código-fonte]

A primeira equipe de futebol de salão do Minas foi formada na mesma época do nascimento do esporte no país, em meados dos anos 50. Depois de algum tempo inativa, a modalidade no Clube voltou com força total em 1987. Desde a década de 80, o time do Minas vem se destacando em competições estaduais e nacionais e coleciona diversos títulos.

Judô[editar | editar código-fonte]

Implantado em 1948, o judô do Minas originou-se do Departamento de Defesa Pessoal, criado um ano antes, por iniciativa do professor Albano Augusto Pinto Corrêa Filho, precursor da modalidade em Minas Gerais.

Os minastenistas tem bom histórico em competições internacionais. Dentre as conquistas mais significativas dos judocas do Minas estão a medalha de prata da meio-leve Érika Miranda, e a de bronze do meio-pesado Luciano Corrêa nos Jogos Pan-Americanos do Rio, e |medalhe de bronze da leve Ketleyn Quadros nos Jogos Olímpicos de Pequim em 2008.

Ginástica Artística[editar | editar código-fonte]

A ginástica artística do Minas tem raízes no começo da história do Clube, nos anos 40, quando era praticada de forma lúdica, no gramado, sob o comando do professor Antônio Mendes Macedo. Em 1977, tornou-se uma modalidade competitiva, através do esforço do professor Mário Pardini. Desde então, tem participação efetiva na formação das crianças e dos jovens associados, revelando atletas de nível nacional.

Ginástica de Trampolim[editar | editar código-fonte]

Em 1999, foi implantada no Clube a prática do trampolim acrobático, popularmente conhecido como cama elástica. A modalidade passou a ser internacionalmente considerada competitiva em 1998 e fez sua estréia olímpica nos Jogos de Sydney, em 2000. A equipe Minastenista de Ginástica de Trampolim, foi implatada no clube pelo Coordenador da Ginástica Professor Eduardo Moreira da Silva e pelos Professores Klayler Mourthé e Katya Mourthé, já em 2001, o Minas Tênis Clube sagrou-se Campeão Brasileiro e ganhador do Troféu Eficiência na modalidade feminina, feito que repetiu-se até o ano de 2009. Os irmãos Mourthé, eneacampeões brasileiros, ainda colocaram o Trampolim Minastenista no cenário internacional, conquistando em 2003, no Duplo Mini Trampolim os títulos de Vice Campeões Mundiais na categoria infantil com a ginasta Ingrid Silva Alves e ainda, no mesmo ano, o terceiro e quarto lugares na categoria infanto-juvenil com as ginastas Renata Pinto França Teles e Bárbara Martins Silva, respectivamente, e em 2005 Campeões Mundiais na categoria adulta com a ginasta Samantha Zeferino de Oliveira, título inédito na ginástica de trampolim feminina do Brasil. Em 2007, a ginasta Samantha, após um ano afastada dos treinamentos devido a uma cirurgia cardíaca, sagrou-se finalista no Campeoanto Mundial da categoria elite, recebendo assim, a condecoração de ginasta de classe mundial, sendo novamente pioneira na modalidade feminina. Em 2009, fechando a primeira década de vida do trampolim, o vitorioso Minas Tênis Clube e os Irmãos Mourthé classificam novamente seus campeões para o Campeonato Mundial.

Natação[editar | editar código-fonte]

A natação surgiu no Minas Tênis Clube em 1938 e desde então manteve-se como um dos esportes mais populares entre os sócios do clube. Já no ano seguinte à fundação, a equipe do Clube conquistou o Campeonato Brasileiro Infanto-juvenil. A equipe de natação do Minas é uma das principais do Brasil, sendo a atual campeã dos dois principais torneios nacionais: Troféu Maria Lenk e Troféu José Finkel. Atualmente a equipe disputa competições com o nome Fiat/Minas.

Os atletas do Minas tem grande histórico de competições internacionais. O primeiro atleta olímpico do clube, Fernando Pavan, veio da natação. Ele integrou a Seleção Brasileira nos Jogos Olímpicos de 1952, e chegou em 6º lugar nas semifinais dos 100m costas. Marcus Mattioli participou dos Jogos Olímpicos de 1980, e ganhou a medalha de bronze ao participar do quarteto brasileiro no revezamento 4x200m livre. Teófilo Laborne participou dos Jogos Olímpicos de 1992 e foi bi-recordista e campeão mundial em piscina curta no revezamento 4x100m livre, em 1993. Quatro nadadores do clube participaram das Jogos Olímpicos de 2004: Thiago Pereira, Rogério Romero, Rodrigo Castro e Joanna Maranhão; além do então técnico Omar Rodriguez. O campeão olímpico César Cielo assinou contrato com o Minas em março de 2014[7] . Ele será parte da equipe do clube até as Jogos Olímpicos de 2016.

Em Jogos Pan-Americanos, a presença minastenista é ainda mais forte. Desde o Pan de Havana, em 1991, atletas minastenistas voltam para casa com medalhas. Na participação no Jogos Pan-Americanos de 2007, os nadadores do Minas conquistaram 14 medalhas, com destaque para Thiago Pereira (oito ouros, uma prata e um bronze).

Tênis[editar | editar código-fonte]

Esporte em voga nas décadas de 30 e 40, o tênis foi trazido ao Minas pelo Dr. Waldomiro Salles Pereira que contou com a grande ajuda do professor Augusto Gagetti, por volta de 1936, quando o Clube ainda iniciava a sua vida esportiva.

Hoje, o Minas conta com uma equipe de aproximadamente 64 atletas, que disputam competições oficiais, nacionais e internacionais. Esta equipe é comandada por técnicos de renome internacional tais como: Roberto Carvalhais e Henrique Quintino.

Vôlei[editar | editar código-fonte]

Dentre as categorias esportivas, porém, a que o clube mais se destacou em toda a sua história, foi, sem dúvida, o vôlei. O clube se especializou em formar grandes atletas de renome, dentre eles Leila, Ana Paula, Hilma, Ana Flávia, Fabiana, no feminino, e Samuel, Henrique e Serginho, no masculino. Minas Gerais, hoje, é considerado o grande celeiro de atletas de vôlei devido, em grande parte, ao trabalho desenvolvido no clube.

Na Superliga masculina e feminina, equipes mineiras sediadas no MTC sempre figuraram na ponta. O Masculino, que hoje conta com o patrocínio da Vivo, conta com 9 títulos nacionais conquistados e sempre forma equipes fortes a cada ano, decidindo sempre. O feminino já conquistou o torneio duas vezes.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Sobre o Minas. Página oficial do Minas Tênis Clube. Página visitada em 13 de Dezembro de 2013.
  2. História. Página oficial do Minas Tênis Clube. Página visitada em 13 de Dezembro de 2013.
  3. Minas I. Página oficial do Minas Tênis Clube. Página visitada em 13 de Dezembro de 2013.
  4. Minas II. Página oficial do Minas Tênis Clube. Página visitada em 13 de dezembro de 2013.
  5. Minas Country (em português). Página oficial do Minas Tênis Clube. Página visitada em 13 de Dezembro de 2013.
  6. Minas Náutico (em português). Página oficial do Minas Tênis Clube. Página visitada em 13 de Dezembro de 2013.
  7. Cesar Cielo assina com o Minas Tênis Clube até as Olimpíadas do Rio 2016. Globo.com. Página visitada em 10 de Março de 2014.