Mote (alimento)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Mote cozido, ingrediente principal da patasca, Perú.

Mote (do quíchua: mut'i) nome genérico para diferentes grãos ou legumes cozidos em água, consumidos em muitas zonas do continente americano.

Milho[editar | editar código-fonte]

Descascado[editar | editar código-fonte]

A forma mais comum de consumir o mote de milho é descascado. Para isso o grão de milho é fervido com cinza de carvão, lenha ou cal. Na Argentina são fervidos com cinza de jume, uma planta do gênero Allenrolfea. No México e América Central esse processo é chamado nixtamalização, e usa-se principalmente para produzir a massa da tortilla.

Preparações[editar | editar código-fonte]

Na Argentina o mote é consumido principalmente na região do Norte (NA), e menos frequentemente no Cuyo e a Patagônia argentina. Fora desta ampla zona do país, só é consumido nos restaurantes dedicados à culinaria telúrica ou em festas típicas. Os grãos geralmente são acompanhados com pedacinhos de carne (lhamas, caprinos, ovinos, bovinos, suínos, aves e raramente de viscacha, tatu, etc.). Também é consumido em forma de humita.

Na Patagônia, na zona Norte, além de ser consumida em guiso, é acompanhado com algum tipo de bebida fria, como, suco, cha, refrigerante, com ou sem adição de açúcar.

No Equador, o grão de milho após ser fervido e cozido, é servido descascado. É utilizado em muitas sopas. Também é a base para alguns pratos típicos da cidade de Cuenca, como o "motepillo" ou o "mote sucio". Em Cusco (Perú) há una variedade chamada mote gigante del Cusco, que destaca por seu tamanho.

Na Bolívia se chama mote ao grão de milho seco, fervido em água com a sua casca.

No Chile, na culinária mapuche o mote é empregado para elaborar um tipo de massa chamada catuto (mültrün em mapudungun), para uma bebida de baixa graduação alcoólica chamada muday e como ingrediente de diversas comidas, tais como cazuelas ou o kakoiyael o kako, "comida de mote".

Na Colômbia e na Venezuela este prato é conhecido como mute. Na região central venezuelana adiciona-se porco e especiarias. No departamento de Santander e na região andina venezuelana faz-se com estômago de vaca, e nos estados de Lara e Yaracuy com vísceras (fígado ou rins) de chibo. Também com o milho preparado desta forma, faz-se a arepa em diferentes regiões da Clômbia e a Venezuela.

Trigo[editar | editar código-fonte]

Venda de mote (amarelo atrás) numa feira no Chile.

No Chile, mote refere-se ao "mote de trigo", ou seja, ao grão de trigo fervido e descascado, comumente em um proceso industrial. Usa-se principalmente para fabricar o brebagem doce mote con huesillos. Salgado é usado como acompanhamento em guisos, pelo qual recebe o nome de "porotos con mote" (feijões com mote) ou "papas con mote" (batatas com mote) e em algumas sopas, chamadas de trigo. Na Bolivia, por sua vez, esta preparação é o trigo pelado, e usa-se principalmente em sopas.

No Peru, o trigo é conhecido como mote de trigo.

Na Bolivia e Chile, os grãos de trigo são descascados com batán, (pedra de moer semelhante ao pilão).

Outros usos[editar | editar código-fonte]

Existe também um mote de feijões, mote de fava, de fava verde e seca, cozido igual ao milho. Em Chiloé há um prato de favas ou ervilhas fervidas consumido diretamente; "mote de arvejas" (ervilhas) e "mote de habas" (favas)