Nárnia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nárnia
Mundo fantástico de As Crônicas de Nárnia
Fundador: Aslam
Ano de fundação 1900 (no calendário gregoriano)
Países sobressalentes: Nárnia
Arquelândia
Calormânia

Nárnia é um mundo fantástico criado pelo escritor Irlandês Clive Staples Lewis[1] [2] como local narrativo para As Crônicas de Nárnia, uma série de sete livros. O mundo é chamado assim em homenagem ao país de Nárnia, onde acontece a maior parte da história.

Em Nárnia, alguns animais podem falar, as criaturas mitológicas abundam[3] , e a magia é comum. As pessoas, geralmente crianças, entram no mundo narniano provenientes do "nosso mundo", a Terra.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa do mundo de Nárnia.

Nárnia é um mundo plano e geocêntrico, ao contrário do nosso, conforme é narrado em A Viagem do Peregrino da Alvorada. No limiar do mundo de Nárnia, o oceano tem água doce, é coberto por flores, e o céu encontra o mar. Além do mais, no extremo leste deste oceano está o país de Aslam.

O solo é uma camada morta como a pele que recobre o nosso corpo, mas no interior da terra, as rochas também são criaturas vivas como é relatado em A Cadeira de Prata.

O céu é habitado pelas estrelas, que também são vivas e realizam danças que os sábios podem interpretar para fazer predições sobre a chegada de Aslam e outros acontecimentos.

O sol é um disco em chamas que dá a volta em torno do mundo de Nárnia uma vez a cada dia. É no sol que estão as flores de fogo, cujo extrato compõe o líquido do frasco de diamante entregue para Lúcia por Papai Noel no livro O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa.

Lista de localidades[editar | editar código-fonte]

Nárnia é o principal país dentro do mundo de Nárnia; porém este mundo contém outros locais, como a Arquelândia, Cair Paravel, Ermo do Lampião, a Calormânia, a Charneca de Ettin, o Grande Deserto, Telmar, os Campos Agrestes do Norte, e os Campos Ocidentais.

Multiverso[editar | editar código-fonte]

Lewis descreve nos livros um multiverso onde Nárnia é um dos vários universos existentes juntamente com o mundo em que vivemos. Isto pode ser observado no Bosque entre Mundos de O Sobrinho do Mago, que possui lagos que ligam diversos universos, entre eles o nosso, o de Nárnia e o de Charn, de onde provém a Feiticeira Branca.

Cada história propicia uma passagem diferente do nosso mundo para o mundo de Nárnia, de modo que algumas crianças de nosso mundo possam entrar no mundo de Nárnia. O primeiro meio de passagem foram os anéis mágicos do Tio André em O Sobrinho do Mago, passando pelo guarda-roupa de O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa, e também a própria vida, como acontece em A Última Batalha.

Passagem do tempo[editar | editar código-fonte]

O tempo em Nárnia não passa da mesma forma que em nosso mundo. Em geral ele passa muito mais rápido em Nárnia, como acontece em O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa quando as crianças crescem e se tornam grandes reis, mas voltam pelo guarda-roupa de volta ao nosso mundo como se não houvesse passado tempo algum. Em Príncipe Caspian, é revelado que o tempo em Nárnia é muito rápido ao compará-lo ao tempo do nosso mundo, quando Susana diz que 1300 anos em Nárnia correspondem a 1 ano em nosso mundo.

A ideia de que o tempo passa de maneira diferente em locais diferentes nos remete a Teoria da Relatividade de Albert Einstein[4] e alguns versículos da Bíblia como Salmo 90:4 Porque mil anos são aos teus olhos como o dia de ontem que passou, e como a vigília da noite.

Os livros narram vários trechos da história de Nárnia, começando com a criação em O Sobrinho do Mago, até que o fim é decretado em A Última Batalha.

História[editar | editar código-fonte]

O autor forneceu uma linha do tempo que enumera os acontecimentos relevantes de Nárnia, em anos daquele mundo. Eis uma lista dos fatos mais relevantes:

Fato ou acontecimento Ano na linha do tempo de Nárnia
Criação do universo de Nárnia, e fatos narrados em O Sobrinho do Mago Ano 1
Fundação do reino da Arquelândia Ano 180
Incorporação das Ilhas Solitárias à Nárnia Ano 302
Chegada dos telmarinos a Telmar Ano 460
Jadis retorna para Nárnia Ano 898
Início do inverno de cem anos Ano 900
Acontecimentos narrados em O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa Ano 1000
Acontecimentos narrados em O Cavalo e seu Menino Ano 1014
Fim da época de ouro Ano 1015
Os telmarinos invadem e conquistam Nárnia Ano 1998
Acontecimentos narrados em O Príncipe Caspian Ano 2303
Acontecimentos narrados em A Viagem do Peregrino da Alvorada Ano 2306
Casamento de Caspian X Ano 2310
Morte da rainha (esposa de Caspian X) e desaparecimento de Rilian, o príncipe herdeiro ao trono Ano 2345
Acontecimentos narrados em A Cadeira de Prata Ano 2356
Acontecimentos narrados em A Última Batalha Ano 2555[5]

Habitantes[editar | editar código-fonte]

Nárnia é habitada pelos animais e criaturas mitológicas criadas por Aslam conforme é narrado em O Sobrinho do Mago.

Aslam[editar | editar código-fonte]

Leão redentor de Nárnia[6] , responsável pela sua criação e destruição. Criou Nárnia através do seu canto, como é relatado em O Sobrinho do Mago. Ele é referenciado como filho do Imperador de Além-Mar, e aparece em Nárnia quando o país precisa de ajuda.

Anões[editar | editar código-fonte]

Há dois tipos de anões habitando Nárnia, os vermelhos e os negros, cuja diferença está justamente na cor dos cabelos. Além disso, os anões de cabelo vermelho são mais fiéis a Aslam, enquanto os de cabelo escuro são mais inclinados à batalha e a seus próprios problemas. Também é relatado que há anões renegados que são mestiços com humanos. Isso nos leva a crer que também existem anãs.

Exemplos de anões citados são Nikabrik (um anão negro) e Trumpkin (um anão vermelho). Também temos o anão mestiço Dr. Cornelius, o mentor de Caspian X na sua juventude. Todos estes aparecem em O Príncipe Caspian.

Animais falantes[editar | editar código-fonte]

Há diversas espécies de animais falantes, desde roedores até lobos e cavalos. Apesar destes animais se parecerem com os que encontramos em nosso mundo, possuem algumas diferenças além da habilidade de falar. Por exemplo, o tamanho diferente dos animais que não sabem falar nem pensar.

Os animais que falam são poupados dos serviços pesados em respeito ao intelecto atribuído a eles no momento da criação de Nárnia. Em todos os livros é dito que matar um destes animais é um crime odioso. O mesmo não acontece com os animais não falantes.

Exemplos de animais falantes citados nos livros são Maugrim, Caça-Trufas, Ripchip e Plumalume. Em A Cadeira de Prata, também há a alusão a um Cervo Falante que foi caçado pelos gigantes.

Criaturas mitológicas[editar | editar código-fonte]

Inúmeras criaturas mitológicas também habitam o mundo de Nárnia, grande parte vinda da mitologia grega. Por exemplo, o Sr. Tumnus é um fauno[7] , e Passofirme é um centauro.

Em O Príncipe Caspian também são citadas divindades mitológicas como Baco, Sileno e , que na história se sujeitam à autoridade de Aslam.

Veja-se também: Lista de criaturas mitológicas de Nárnia

Feiticeiras[editar | editar código-fonte]

É relatada a aparição de duas feiticeiras em Nárnia em duas épocas distintas[8] .

A primeira é a Feiticeira Branca, também conhecida como Jadis, imperatriz de Charn. Esta feiticeira esteve presente em Nárnia desde a sua criação, conforme é narrado em O Sobrinho do Mago, sendo rainha ilegítima mantendo o país castigado por um inverno de cem anos, até que foi derrotada em O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa por Aslam.

A segunda é a Dama do Vestido Verde, também conhecida como Feiticeira Verde. Ela aparece em A Cadeira de Prata, e possuia planos de conquistar Nárnia, raptando o príncipe da época, Rilian, filho do rei Caspian X.

Outras criaturas[editar | editar código-fonte]

Entre outras criaturas, podemos citar o pessimista paulama Brejeiro (de A Cadeira de Prata). Os paulamas possuem o corpo de um homem alto e magro com mãos e pés de sapo, além de morarem em pântanos e terem hábitos pouco higiênicos. Aparentemente são criação de C.S. Lewis.

Também podemos citar os terrícolas que habitam o mundo inferior (mostrados em A Cadeira de Prata) e os tontópodes, criaturas de uma perna só, e com tendência a seguirem cegamente os pensamentos dos mais influentes, conforme narrado em A Viagem do Peregrino da Alvorada.

Por final também temos a citação do Papai Noel em O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa, e a aparição do temido Tash, venerado como divindade pelos calormanos, e tido como alegoria para Satanás[9] . Também aparece na história o Pai Tempo, que aparece em A Cadeira de Prata dormindo no Reino Profundo, e novamente na A Última Batalha para chamar as estrelas e apagar o sol.


Referências

  1. Tracy Wilson. Como funciona Nárnia - Como a vida de Lewis influenciou Nárnia comotudofunciona. Página visitada em 6 de abril de 2013.
  2. Karkainen, Paul A.. Narnia: Unlocking the Wardrobe. [S.l.]: Open Court Publishing. Capítulo: Introdução. , ISBN 0800787609 Página visitada em 11 de abril de 2013.
  3. What is Narnia? WiseGEEK. Página visitada em 6 de abril de 2013.
  4. Gregory, Bassham; Jerry L. Walls. The Chronicles of Narnia And Philosophy: The Lion, The Witch, And The Worldview. [S.l.]: Open Court Publishing. Capítulo: 17. , p. 207. ISBN 0812695887 Página visitada em 6 de abril de 2013.
  5. Schakel, Peter J.. The way into Narnia: a reader's guide. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. Capítulo: 9. , p. 102. ISBN 0802829848 Página visitada em 6 de abril de 2013.
  6. What's Christian About Narnia? beliefnet. Página visitada em 6 de abril de 2013.
  7. Lewis, C. S.. As Crônicas de Nárnia: Volume Único. [S.l.]: Martins Fontes. p. 107. ISBN 8533622104
  8. Schakel, Peter J.. The way into Narnia: a reader's guide. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. Capítulo: 7. , p. 74. ISBN 0802829848 Página visitada em 6 de abril de 2013.
  9. Wagner, Richard. C.S. Lewis & Narnia For Dummies. [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 130. ISBN 0764583816 Página visitada em 11 de abril de 2013.

Ver também[editar | editar código-fonte]