Neil Young

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Neil Young
Ny-ottawa-jul-2006.jpg
Neil Young em concerto no Canadá em 2006
Informação geral
Nome completo Neil Percival Young
Também conhecido(a) como Bernard Shakey, Helmer Bernard Shakey, Joe Yankee, Joe Canuck, Phil Perspective, Shakey Deal, Clyde Coil, Shakey, Dr. Shakes
Nascimento 12 de Novembro de 1945 (68 anos)
Origem Toronto, Ontário
País  Canadá
Gênero(s) Rock, folk rock, hard rock, country rock, rock psicodelico
Instrumento(s) Guitarra, Harmônica, Piano, Banjo, Synclavier
Período em atividade 1960 - presente
Gravadora(s) Reprise, Geffen
Afiliação(ões) The Jades, The Squires, The Mynah Birds, Buffalo Springfield, Crosby, Stills, Nash & Young, Crazy Horse, The Band, The Stray Gators, The Stills-Young Band, The Ducks, Pearl Jam, Northern Lights
Página oficial NeilYoung.com

Site de fãs

Neil Percival Young (Toronto, 12 de novembro de 1945) é um músico e compositor de origem canadense, que fez sua carreira nos Estados Unidos. Conhecido por sua voz suave e suas letras pungentes, Young é uma lenda do rock americano, mas seu estilo musical também inclui o folk e o country rock, alternando com álbuns mais "pesados" em que algumas músicas se aproximam do hard rock, com guitarras "sujas" e longos solos improvisados com muita distorção. Seus shows são verdadeiras celebrações de rock usualmente acompanhado da banda Crazy Horse, que o acompanha desde o início da carreira. Foi considerado o 17º melhor guitarrista do mundo pela revista norte-americana Rolling Stone.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Neil Percival Kenneth Robert Ragland Young nasceu em Toronto, no Canadá, mas ainda jovem, devido a separação dos pais, mudou-se para Winnipeg, capital da província de Manitoba, localizada na região central do Canadá. Começou sua carreira tocando no circuito folk/rock local.

Durante meados dos anos cinquenta, em torno da idade de dez ou onze anos, o jovem foi atraído para uma variedade de gêneros musicais, incluindo rock and roll, rockabilly, doo-wop, R&B, country e western pop.

Ele ouvia a música pop na estação de rádio CHUM[2] , em seu rádio transistor [3] , quando era garoto. Young afirmou em entrevistas que idolatrava Elvis Presley e esforçou-se para ser como ele. Ao ser entrevistado pela Guitare & Claviers Magazine, Yong afirmou que a vida de Presley inspirou algumas de suas canções mais famosas, como "Hey, Hey, My, My" e "He Was The King"[4] .

Young admirava Chuck Berry e Little Richard e adorava assisti-los na televisão[5] . Young afirma em uma entrevista com McDonough que os grupos e artistas que ele descobriu mais influentes no início de sua carreira foram: Elvis Presley[2] , Fats Domino, The Chantels, The Monotones, Ronnie Self[6] , The Fleetwoods, Chuck Berry, Little Richard, Jerry Lee Lewis[5] Johnny Cash,[3] e Grant Gogi[2] .

Em 1965 resolve voltar para Toronto, onde em 1966 se junta a banda The Mynah Birds, gravando alguns compactos. Após isso, mudou-se para Los Angeles e juntamente com Stephen Stills formou o Buffalo Springfield, uma banda de folk-rock inovadora, mas que na época teve apenas uma relativa repercussão (seu trabalho só foi de fato reconhecido mais tarde). Quando o grupo acabou em 1968, Young partiu para a carreira solo. De seus álbuns iniciais, Everybody Knows this is nowhere (1969) e o essencial After the Gold Rush (1970) foram aclamados pela crítica, ao mesmo tempo em que aceitou participar do Crosby, Stills & Nash, como membro efetivo. Acrescido de Young no nome, o quarteto fez muito sucesso nos anos 1969/70, principalmente o álbum Deja Vu. Após uma turnê pelos EUA, separaram-se amigavelmente; Neil Young voltaria ocasionalmente a gravar com os ex-companheiros.

Estrela de Neil Young na Calçada da fama do Canadá.[7]

O espetacular sucesso comercial de Harvest (1972), torna Young um "superstar" do folk-rock, mas a morte de dois amigos seus neste mesmo ano, o guitarrista Danny Whitten e o roadie Bruce Berry o colocam numa longa fase depressiva, em que envolve-se com drogas e álcool, acabando por influenciar seu trabalho. Os álbuns gravados neste período são marcados por temas como a morte, a solidão, a loucura, as drogas, trazendo um som mais áspero, cru e pesado, que o afastam do grande público e descontentam a crítica. Entre 1973 e 1975, lança o que é considerada a sua "trilogia suja" (ditch trilogy), bem representativa de sua fase emocional na época: Time Fades Away, On The Beach e Tonight's The Night; à época bastante criticados, hoje são considerados grandes clássicos dos anos 70 e de sua discografia. Esta fase em parte é rompida com "Zuma"(75) e um retorno ao folk e ao country-rock, principalmente em Comes a time (1978), um celebrado álbum embasado no country. Influenciado pelo impacto cultural do punk, Neil Young lança Rust Never Sleeps (1979), uma elegia ao espírito do rock'roll, seguido de Rust live, talvez seu melhor álbum ao vivo.

Nos anos 80, Neil Young desenvolveu uma carreira errática, gravando álbuns de rockabilly, clássicos do country (Old Ways, de 1984) e blues, não se fixando numa linha de atuação. O álbum Freedom (1989) o recoloca em evidência, depois de um período de obscuridade e marca uma retomada bem-sucedida da carreira. "Rockin' in the Free World" é a música-símbolo desta nova fase, assim como a crescente preocupação política de Neil Young, marcada principalmente pelas críticas ao então presidente dos EUA, George H.W. Bush.

Nos anos 1980/1990 destaca-se ainda pela aproximação de Neil Young com a nova geração do rock pesado, principalmente com o movimento grunge. Em 1989, um disco-tributo ao guitarrista contou com a participação de artistas como Nick Cave, Dinosaur Jr. e Pixies. Influenciado por Sonic Youth (que também participou do disco-tributo), gravou os disco ao vivo Weld, em 1991, enquanto o álbum Arc (também de 1991) contou com a participação do guitarrista Thurston Moore. O maior marco desse diálogo de Young com novas bandas foi o disco Mirror Ball, gravado em parceria com o Pearl Jam em 1995, assim como a turnê em conjunto com a banda liderada por Eddie Vedder.

Nos anos 2000, Neil Young continua com uma carreira ativa e, principalmente durante o governo de George W. Bush, intensifica as críticas à política dos EUA.

Seu mais recente álbum de estúdio é "Americana", gravado com a banda Crazy Horse e lançado em 5 de Julho de 2012.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Com Crosby, Stills, Nash & Young[editar | editar código-fonte]

  • 1970 Déjà Vu
  • 1971 Four Way Street
  • 1974 So Far
  • 1988 American Dream
  • 1999 Looking Forward

Com Buffalo Springfield[editar | editar código-fonte]

  • 1967 Buffalo Springfield
  • 1967 Buffalo Springfield Again
  • 1968 Last Time Around
  • 1973 Buffalo Springfield (compilação)
  • 2001 Buffalo Springfield (box set)

Solo[editar | editar código-fonte]

  • 1968 Neil Young
  • 1969 Everybody Knows This Is Nowhere (com Crazy Horse)
  • 1970 After the Gold Rush
  • 1972 Harvest (com The Stray Gators)
  • 1972 Journey Through the Past
  • 1973 Time Fades Away (com The Stray Gators)
  • 1973 Tonight's the Night (com The Santa Monica Flyers, editado apenas em 1975)
  • 1974 On the Beach
  • 1975 Zuma (com Crazy Horse)
  • 1976 Long May You Run (com Stephen Stills, the "Stills-Young Band")
  • 1977 American Stars'n'Bars
  • 1977 Decade
  • 1978 Comes A Time
  • 1979 Rust Never Sleeps (com Crazy Horse)
  • 1979 Live Rust (ao vivo, com Crazy Horse)
  • 1980 Where the Buffalo Roam
  • 1980 Hawks and Doves
  • 1981 Re-ac-tor (com Crazy Horse)
  • 1982 Trans
  • 1983 Everybody's Rockin' (com Shocking Pinks)
  • 1985 Old Ways
  • 1986 Landing on Water
  • 1987 Life (com Crazy Horse)
  • 1988 This Note's For You (com The Bluenotes)
  • 1989 Eldorado (EP) (com The Restless)
  • 1989 Freedom
  • 1990 Ragged Glory (com Crazy Horse)
  • 1991 Weld (ao vivo, com Crazy Horse)
  • 1991 Arc (ao vivo, with Crazy Horse)
  • 1992 Harvest Moon
  • 1993 Lucky Thirteen
  • 1993 Unplugged
  • 1994 Sleeps With Angels (com Crazy Horse)
  • 1995 Mirror Ball (com Pearl Jam)
  • 1996 Dead Man (banda sonora)
  • 1996 Broken Arrow (com Crazy Horse)
  • 1997 Year of the Horse (ao vivo, com Crazy Horse)
  • 2000 Silver & Gold
  • 2000 Road Rock Vol. 1
  • 2002 Are You Passionate? (com Booker T. & the MG's)
  • 2003 Greendale (com Crazy Horse)
  • 2004 Greatest Hits
  • 2005 Prairie Wind
  • 2006 Living With War
  • 2006 Live At Fillmore East 1970-2006 (with Crazy Horse)
  • 2007 Chrome Dreams II"
  • 2009 Fork in the Road
  • 2010 Le Noise
  • 2011 A Treasure
  • 2012 "Americana"(Com Crazy Horse)
  • 2012 "Psychedelic Pill" (Com Crazy Horse)

Referências

  1. The 100 Greatest Artists of All Time: Neil Young (em inglês) Rolling Stone. Página visitada em 12 de janeiro de 2012.
  2. a b c McDonough, Jimmy. Shakey: Neil Young’s Biography. New York: Random House Inc., 2002. p. 50
  3. a b McDonough, Jimmy. Shakey: Neil Young’s Biography. New York: Random House Inc., 2002. p. 51
  4. Ostrosser, David. “Neil Young Interview on Guitars.” Guitare & Claviers Magazine. Neil Young News, 17 April 1992. Web.
  5. a b McDonough, Jimmy. Shakey: Neil Young’s Biography. New York: Random House Inc., 2002. p. 53
  6. McDonough, Jimmy. Shakey: Neil Young’s Biography. New York: Random House Inc., 2002. p. 52
  7. (em inglês) Canadaswalkoffame - Página acessada em 3 de Maio de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Neil Young