Paulo Caruso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde dezembro de 2014)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Paulo Caruso
Paulo Caruso no Roda Viva.
Informação geral
Nome completo Paulo José Hespanha Caruso
Nascimento 6 de dezembro de 1949 (65 anos)
São Paulo, São Paulo
Outras ocupações Músico, compositor, cantor

Paulo Caruso (São Paulo, 6 de dezembro de 1949) é um chargista e cartunista brasileiro. Trabalhou por muitos anos na revista ISTOÉ, onde assinava a charge da semana com o título Avenida Brasil, que tratava principalmente de aspectos da política brasileira. Atualmente publica suas charges na revista Época e desenha no programa Roda Viva, na TV Cultura. Tem também um trabalho importante com Histórias em Quadrinhos e como músico, através da banda Conjunto Nacional.

É irmão gêmeo de Chico Caruso e tio de Fernando Caruso.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Gêmeos univitelinos, os irmãos cartunistas Paulo e Chico Caruso nasceram em 6 de dezembro de 1949 em São Paulo, com um intervalo de cinco minutos. A obra de ambos os artistas tem especial importância pela sua virtuosidade na caricatura pessoal.

Paulo José Hespanha Caruso, o irmão cinco minutos mais velho, iniciou-se profissionalmente no Diário Popular no final da década de 1960, tendo colaborado nos jornais Folha de São Paulo e Movimento. É um cultor da caricatura pessoal, o que faz com virtuosidade. Até a chegada do AI-5, em dezembro de 1968, fazia charges e ilustrações. A partir do ato institucional inibidor, e durante sua vigência, só ilustrações. Na época, garantiu o seu espaço de expressão com a tira Pô, publicada na Folha da Tarde.

Entre 1969 e 1976, cursou arquitetura na USP. Foi um hippie e chegou a morar com outros 24 em uma comunidade. "Era uma favela de luxo", lembra. A vida de arquiteto não o atraiu, passando dedicar-se exclusivamente aos cartuns e a caricatura.

Nos anos 1970, Paulo foi para O Pasquim, aparecendo ao lado de mestres como Jaguar e Ivan Lessa - a realização de um sonho de adolescente. Nos anos 1980, voltou a grande imprensa: Veja, Isto É, Careta, Senhor e, em 1988, novamente Isto É, onde passou a ser o responsável pela última página da revista.

Seus trabalhos também aparecem em publicações especializadas como Circo, Chiclete com Banana e Geraldão.

Paulo Caruso é conhecido pelos seus cartuns políticos, além de dedicar-se à composição musical e à produção de espetáculos de música e teatro. Em 1985, durante o Salão Internacional de Humor de Piracicaba, Paulo formou com Chico e outros cartunistas a "Muda Brasil Tranquedo Jazz Band". Luis Fernando Veríssimo, Cláudio Paiva e Mariano juntaram-se mais tarde ao conjunto. Mais recentemente lançou o cedê "Pra Seu Governo", uma seleção musical de suas composições apresentada pelo "Conjunto Nacional", sua nova banda, aonde toca piano ao lado de Aroeira e Luis Fernando Veríssimo nos saxofones e Chico Caruso no vocal.

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • As Origens do Capitão Bandeira (1983)
  • Ecos do Ipiranga (1984)
  • Bar Brasil (com a colaboração do jornalista Alex Solnik, 1985)
  • As Mil e Uma Noites (1985)
  • Bar Brasil na Nova República
  • Avenida Brasil - "A Transição Pela Via das Dúvidas"
  • Avenida Brasil - "A Sucessão está nas Ruas"
  • Avenida Brasil - "O Bonde da História"
  • Avenida Brasil - "Assim Caminha a Humanidade"
  • Avenida Brasil - "Se Meu Fusca Falasse"
  • Avenida Brasil - "O Circo do Poder"
  • Avenida Brasil - "Conjunto Nacional"

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre autor ou ilustrador de banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.