Pelágio das Astúrias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pelágio das Astúrias
Rei de Astúrias
Pelágio das Astúrias.png
Pelágio, segundo uma iluminura da Genealogia dos Reis de Portugal (1530-1534).
Governo
Reinado 718 - 737
Consorte Gaudiosa
Antecessor Primeiro Rei
Sucessor Fávila
Dinastia Dinastia Asturo-Leonesa
Vida
Nascimento  ?
Morte 737
Astúrias Cangas de Onis, Astúrias
Sepultamento Santa Eulália de Abamia, Covadonga
Filhos Ermesinda
Fávila
Pai Fávila
Mãe  ?
Santuário de Covadonga, gruta que foi quartel general de Dom Pelágio

Pelágio (em baixo-latim Pelagius, galego Paio e castelhano Pelayo) foi o fundador e o primeiro monarca do Reino das Astúrias (718-737) que governou até sua morte (morreu em Cangas de Onis, Astúrias). Sua origem é controversa, embora a ele se atribuia as mais variadas origens. A Crónica Albeldense faz dele um nobre godo.[1] [2] [3] O testamento de Afonso III, no ano 869,[4] em que o rei Magno fez doação ao presbítero Sisnando, a Igreja de Santa Maria de Tenciana (Tiñana, Siero) que seu tio Afonso, o Casto havia ganho das propriedades pertencentes a seu bisavô Pelágio, víncula territorialmente Pelágio com a área central das Astúrias, mas sem fornecer dados sobre o seu lugar de origem. Ele retardou a expansão para norte pelos muçulmano, iníciou a Reconquista e tem sido tradicionalmente, considerado como o fundador do Reino das Astúrias, embora investigações arqueológicas recentes sugerem que ele podia ter feito em uma organização política local anterior.[5]

A lenda[editar | editar código-fonte]

Monumento a Pelágio em Cangas de Onís, Asturias

Segundo a lenda, Pelágio era un nobre visigodo, filho do duque Fávila. Devido às intrigas entre a nobreza visigoda, o rei Vitiza conspirou para assassinar o seu pai. Pelágio fugiu para as Astúrias, onde tinha amigos ou família. Posteriormente, ao sentir-se inseguro no reino, partiu em peregrinação a Jerusalém. Ali permaneceu até à morte de Vitiza e entronizacão de Rodrigo, de quem era partidário. Com este, ocupou o cargo de conde de espatários ou da guarda do rei e como tal combateu na Batalha de Guadalete em abril ou maio do ano 711. Após a batalha se refugiou em Toledo e, com a queda da cidade em (714), enquanto outros escaparam para França, ele retornou às Astúrias, supostamente para proteger o tesouro do rei visigodo.

As primeiras invasões árabes no norte foram feitas por Muza entre 712 e 714. Entrou nas Astúrias pelo porto de Tarna, subiu o rio Nálon e conquistou Luco dos Astures (Santa Maria de Lugo de Llanera) e Gijón, onde colocou Munuza no cargo de governador. As famílias dominantes do resto das cidades das Astúrias capitularam e provavelmente também a família de Pelágio.

Em 722 Munuza enviou um general, Al Qama, para subjugar os rebeldes. Al Qama se dirigiu para Bres (Piloña), onde se encontrava Pelágio. Este continuou fugindo até ao Monte Auseva, no vale de Cangas e ali, em Covadonga, aniquilou o destacamento de Al Qama. Depois da batalha, o governador militar no comando da metade norte da Península Ibérica, Munuza, que tinha como base Gigia (atual Gijón), tentou escapar das Astúrias e alcançar a segurança de suas posições no planalto, mas foi alcançado e morto junto com seu séquito e suas tropas em um vale no centro das Astúrias.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Após a ocupação da península Ibérica pelos Muçulmanos, Dom Pelágio, juntamente com outros nobres Visigodos foram presos em 716 por ordem de Munuza, o governador muçulmano das Astúrias, e enviados para a sede do reino em Córdova.

Pelágio conseguiu fugir, voltou para as Astúrias e refugiou-se nas montanhas de Cangas de Onis. Em 718, reuniu um grupo de seguidores e iniciou a resistência ao invasor islamita, inicialmente com pequenas escaramuças contra os destacamentos nas vilas.

Em 722, o wali Anbasa ibn Suhaym al-Kalbi enviou um grande contingente militar contra os resistentes cantábricos. Apesar do contingente numericamente muito inferior, Pelágio venceu nas montanhas de Covadonga. Ao final da batalha sobreviveram apenas 10 soldados. Esta batalha foi considerada, pela historiografia tradicional, como o ponto de partida da reconquista cristã.

Após essa vitória, o povo asturiano se rebelou e matou centenas de Mouros. O governador provincial, Munuza, organizou outra força para confrontar o exército rebelde. Próximo a Proaza Pelágio venceu novamente e Munuza morreu. Pelágio foi aclamado rei e fundou o Reino das Astúrias, embrião dos outros reinos cristãos ibéricos responsáveis pela reconquista da península. Pelágio então instalou sua corte em Cangas de Onís.

De sua mulher Gaudiosa teve dois filhos, o seu supracitado sucessor, Fávila, e Ermesinda, que viria a casar com Afonso I das Astúrias, filho de Pedro, duque da Cantábria[6] [7] .

A historiografia moderna[editar | editar código-fonte]

Estátua de Pelágio em Covadonga, Astúrias

A moderna historiografía centra os inícios da Reconquista na antíga província Asturiensis,[8] cuja existência é comprovada por esta série de dados históricos:

  • São Valério de Bierzo escreveu sua vida autobiográfica na segunda metade do século VII, o Ordo Querimonie, onde consta que era originário da província «Asturiensis»;
  • o Cosmógrafo de Ravena, anónimo do século VII, assinala as Astúrias como uma das oito (antes eram somente seis) províncias de Hispania;
  • as actas do XIII Concílio de Toledo registam a presênça de oito Duces Provinciae, mais dois do que em outras épocas;
  • a crónica de Afonso III, na sua versão Rotense, consta que os árabes colocaram governadores à frente de todas as províncias: «Per omnes prouincias Spanie prefectos posuerunt». Munuza foi de prepósito colocado à frente da Asturiensis.

A existência deste ducado é aceite há algum tempo pelos historiadores do reino visigodo,[9] a novidade agora é que Pelágio poderia ser filho do Dux Asturiensis, Fáfila: a Crónica Albeldense, crónica redigida em Oviedo nos tempos de rei asturiano Afonso III, o Grande, diz que o Dux Fáfila -ou Fávila- era o pai de Pelágio e que foi morto por Vitiza nos tempos do rei godo Égica.

Origens do nome[editar | editar código-fonte]

Embora tenham querido fazer dele um nobre godo, o seu nome, que tem as variantes Pelayo e Paio, é grego (Πελάγιος, "marinho"), algo comum entre os nativos ibéricos. Talvez fosse um autótone galaico: um cronista árabe di-lo jiliqi, "galego".

A Crónica de Afonso III das Astúrias, que deve ser analisada com cuidado, dada a sua índole propagandística, coloca-o ao serviço dos reis visigodos Vitiza e Rodrigo. Seria, segundo as mesmas fontes, filho de um Fávila ou Fáfila.

Morte de Pelágio[editar | editar código-fonte]

Com o reino consolidado, Pelágio, faleceu em Cangas de Onís, capital de seu reino, em 737. Foi sepultado na igreja de Santa Eulália de Abamia, próxima a Covadonga, que ele havia fundado. Nesta igreja ainda existe o dólmen sob o qual ele foi inicialmente sepultado. Posteriormente seus restos foram trasladados por Alfonso X para o Santuário de Covadonga.

Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Foi filho de Fávila. Casou com Gaudiosa, de quem teve:

  1. Fávila das Astúrias, seu sucessor no trono, tendo sido o segundo rei das Astúrias. Casou-se com Froiluba e foi sepultado na Igreja de Santa Cruz de Cangas de Onis.
  2. Ermesinda, que viria a desposar Afonso I das Astúrias, filho de Pedro, duque da Cantábria (m. ca. 730) foi duque de Cantábria.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. XV. ITEM ORDO GOTORUM OBETENSIUM REGUM. Primum in Asturias Pelagius rg. in Canicas an. XVIIII. Iste, ut supra diximus, a Uittizzanc rege de Toleto expulsus Asturias ingressus.
  2. LISTA DOS REIS GODOS DE OVIEDO
  3. O primeiro rei das Astúrias foi Pelágio. Reinou em Cangas 18 anos. Este, como foi dito antes, chegou às Astúrias expulso de Toledo pelo rei Vitiza." Crónica Albeldense (CSIC Instituto de Historia).
  4. RISCO, Fr. Manuel, España Sagrada, tomo XXX-VII, Madrid, 1789
  5. Noticia en La Voz de Avilés
  6. BRANDÃO, Frei António (1973), Monarquia Lusitana, Parte Terceira, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, pp. 129–137.
  7. MATTOSO, José (1992), "A Época Sueva e Visigótica", in História de Portugal (dir. por José Mattoso), vol. I: Antes de Portugal, Lisboa: Círculo de Leitores.
  8. Arcadio del Castillo Álvarez, Julia Montenegro Valentín, Dom Pelágio e as orígens da Reconquista. Revista Española de Historia, ISSN 0018-2141, Vol. 52, Nº 180, 1992, págs. 5–32.
  9. Luis A. García Moreno, História da Espanha Visigoda, Madrid, 1989.
Precedido por
Nenhum
Rei das Astúrias
718 - 737
Sucedido por
Fávila