Penas de voo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Espécie Milvus milvus em voo exibindo as rémiges e as rétrices.

As penas de voo, ou plumas de voo são as penas largas, duras, e assimétrica, mas simetricamente iguais conforme a outra asa, localizadas nas asas e caudas das aves. Essas penas recebem o nome de rémiges e quando situadas na cauda, timoneiras ou rétrices. Sua função primária é atuar como empuxo e sustentação, permitindo desta maneira o voo. A penas de voo de algumas aves se desenvolveram para realizar funções adicionais, geralmente relacionadas com disputas territoriais, cortejo sexual, dança do acasalamento ou métodos de alimentação. Em algumas espécies, estas penas evoluíram para penas mais largas e chamativas utilizadas no cortejo e danças de acasalamento. Pequenas bárbulas situadas na borda das rémiges, ajudam as corujas a voarem silenciosamente, auxiliando nas atividades de rapina, já as rétrices extra duras dos picidae os ajudam a furar troncos de árvores como se fossem martelos. As espécies de aves que são incapazes de voar, conservam suas penas de voo, mesmo que de formas radicalmente modificadas.

A troca das penas de voo nas aves podem causar sérios problemas, como habilidade de voo prejudicada. Diferentes espécies desenvolveram estratégias para contornar esse problema, como abandonar de uma vez suas penas, tornando-se incapazes de voa, mas por um pequeno período de tempo, com isso, estender as novas penas para um período de vários anos.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]