Príncipe Mikasa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Príncipe Mikasa em 2012.

O Príncipe Mikasa (三笠宮崇仁, Mikasa-no-miya?), nascido em 2 de dezembro de 1915, é o quarto filho do Imperador Taishō do Japão e de sua consorte, a Imperatriz Teimei.

É o irmão caçula do Imperador Shōwa (Hirohito) e o único tio paterno sobrevivente do atual Imperador, Akihito. Com a morte de sua cunhada, a Princesa Takamatsu, em 17 de dezembro de 2004, o Príncipe Mikasa se tornou o membro mais velho da Casa Imperial do Japão.

Depois de servir como oficial de cavalaria na Segunda Guerra Mundial, o Príncipe Mikasa tornou-se um letrado conferencista do Oriente Médio e de línguas semitas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família e carreira militar[editar | editar código-fonte]

Takahito (criança) ao lado de seus irmãos mais velhos, em 1921.

O Príncipe Takahito nasceu no Palácio Imperial, em Tóquio, durante o terceiro ano do reinado de seu pai. Na infância, era chamado de Príncipe Sumi. Entre 1922 e 1932, ele fez sua educação elementar e secundária em Gakushuin, instituição que, à época, educava meninos da nobreza japonesa.

Quando seu irmão mais velho, Hirohito, ascendeu ao Trono do Crisântemo, os demais irmãos de Takahito, o Príncipe Chichibu e o Príncipe Takamatsu, já haviam entrado no Exército Imperial Japonês e na Marinha Imperial Japonesa, respectivamente. Ele foi então matriculado na Academia Militar, sendo comissionado como subtenente do 5.° Regimento de Cavalaria, em junho de 1936.

Quando adquiriu maioridade em dezembro de 1935, seu irmão, o Imperador, concedeu-lhe o título de Príncipe Mikasa e a autorização de estabelecer um novo ramo na Casa Imperial, isto é, contrair matrimônio e ter filhos.

O Príncipe Mikasa foi elevado a tenente em 1937; a capitão em 1939; e a major em 1941. Ele serviu como oficial de Estado-Maior no quartel das Forças Expedicionárias do Japão em Nanquim, China, entre janeiro de 1943 e janeiro de 1944. Depois, serviu como oficial de Estado-Maior no Quartel Geral Imperial, em Tóquio, até a rendição incondicional japonesa em agosto de 1945.

Em 1994, um jornal revelou que, durante a Guerra do Pacífico, o Príncipe Mikasa escrevera uma polêmica indiciação da conduta do Exército Imperial do Japão na China, tendo testemunhado as atrocidades japonesas contra civis chineses. Embora o documento tivesse sido abafado, restara uma cópia, que circulou naquele ano.

Casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

Casa Imperial do Japão
Dinastia Yamato
Imperial Seal of Japan.svg


SAI o Príncipe Mikasa
SAI a Princesa Mikasa

No dia 22 de outubro de 1941, o Príncipe Mikasa desposou Yuriko Takagi (nascida em 1923), a segunda filha do visconde Masanori Takagi. O Príncipe a Princesa Mikasa tiveram cinco filhos, dos quais três ainda estão vivos. As duas filhas do casal deixaram a Casa Imperial com seus casamentos.

  • Masako Sen (23 de outubro de 1951), nascida Princesa Masako de Mikasa; desposou, em 14 de outubro de 1983, Masayuki Sen, o décimo sexto grão-mestre hereditário (iemato) da Escola de Cerimônia do chá Urasenke. Eles têm três filhos: Akifumi, Takafumi e Makiko.

Visita ao Brasil[editar | editar código-fonte]

Em 1958, por ocasião do cinqüentenário da imigração japonesa, o então jovem Príncipe Mikasa veio ao Brasil para participar das comemorações. Juscelino Kubitschek trouxe-o para conhecer Brasília (em construção), onde, após um almoço no Palácio da Alvorada, o ex-presidente brasileiro quis apresentá-lo aos colonos japoneses. Embora o embaixador japonês no Brasil tivesse explicado a ele o protocolo imperial, que proíbe qualquer cidadão comum de ficar muito próximo de um membro da Casa Imperial, Juscelino desobedeceu a tradição. Os imigrantes japoneses emudeceram e, logo depois, choraram com a presença do Príncipe Mikasa[1] . Esteve na Cidade de Marília (SP) em 22 de junho de 1958 onde foi recebido pelo Prefeito Miguel Argolo Ferrão, em solenidade diante de autoridades locais, inaugurou um Jardim e plantou um Ipê no Paço Municipal de Marilia. O Monumento feito em pedra rústica esta neste Jardim com os dizeres: "Este ipê foi plantado por sua Alteza Imperial o Príncipe Mikasa . Marilia, 22 de Junho de 1958".

Ele também esteve em Santos, onde foi recebido pelo então prefeito Sílvio Fernandes Lopes[2] .

Carreira pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Após a guerra, o Príncipe Mikasa estudou na Faculdade de Literatura da Universidade de Tóquio, estudando arqueologia, o Oriente Médio e línguas semitas. Desde 1954, ele tem dirigido a Sociedade Japonesa de Estudos do Oriente Médio, realizando palestras em várias universidades do país e do exterior, tais como a Universidade de Londres.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. O Dia em que JK fez os Japoneses Chorarem
  2. O príncipe e as belonaves japonesas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]