Robert Langdon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Robert Langdon
Tom Hanks as Robert Langdon.JPG

Robert Langdon em ação em cenas do filme anjos e demónios
Nascimento 22 de junho de 1956
Exeter, Nova Hampshire
Estados Unidos
Idade 46 anos (no romance O Símbolo Perdido
Sexo Masculino
Actividade(s) Professor de iconografia religiosa e simbologia de Harvard
Família O único parente conhecido de Robert Langdon é Howard Langdon, seu bisavô
Criado por Dan Brown
Primeira aparição Anjos e Demônios
Última aparição Inferno
Interpretado por Tom Hanks
Projecto Cinema  · Portal Cinema

Robert Langdon (Exeter, Nova Hampshire, 22 de junho de 1956) é um personagem fictício, professor de iconografia religiosa e simbologia da Universidade de Harvard, criado pelo escritor americano Dan Brown, para os romances de Anjos e Demônios, O Código da Vinci , O Símbolo Perdido e Inferno.

Tom Hanks, interpretou Robert Langdon, na adaptação do filme de 2006, The Da Vinci Code, e repetiu o seu papel na adaptação cinematográfica da sequência, Angels & Demons.

O desenvolvimento do personagem[editar | editar código-fonte]

A personagem foi criado por Dan Brown como uma ficção de "alter ego" de si mesmo ou "o homem que deseja que poderia ser". O próprio Brown nasceu a 22 de junho de 1964 em Exeter, New Hampshire, e a personagem fictícia de Langdon, é descrito como ter nascido em 22 de junho, também em Exeter, e frequentando a mesma escola que Brown fez, Universidade de Phillips Exeter.

Brown deu o nome da personagem em homenagem a John Langdon[1] , um professor de tipografia na Universidade de Drexel, que é conhecido por sua criação de ambigramas, desenhos tipográficos que pode ser lida de várias formas, por exemplo, tanto do lado direito para cima e para baixo. Um exemplo de ambigramas feitos por Langdon, apareceu na capa da primeira edição do romance de Brown, no romance Anjos e Demônios, entre outros ambigramas em destaque em todo o romance, também projetado por Langdon. Na página de agradecimentos, Brown chama Langdon de "um dos artistas mais engenhoso e talentosos vivos..." que do qual se levantou de forma brilhante para o seu desafio impossível e criou os ambigramas para este romance". John Langdon também criou o logotipo para o fictício Banco de Depósitos de Zurique, que aparece no filme O Código Da Vinci.

Linha da história[editar | editar código-fonte]

Robert Langdon (nascido em 22 de junho de 1956 em Exeter, New Hampshire, Estados Unidos) é descrito como um Harrison Ford em "tecido de lã"[2] . Ele era um mergulhador na Universidade de Phillips Exeter, e jogou também polo aquático, na Escola Preparatória. Ele sofre de claustrofobia, o medo de espaços fechados, por ter caído em um poço quando tinha 7 anos de idade. Conhecido por um problema de resolução de mente brilhante, ele tem uma memória eidética e um conhecimento enciclopédico de semiótica. Professor da Universidade de Harvard, ele ensina Iconografia Religiosa e Simbologia.

Anjos e Demônios[editar | editar código-fonte]

Robert Langdon é chamado à sede do CERN, na Suíça para desvendar as implicações religiosas e simbólicas da morte de um dos melhores e mais bem conhecidos cientistas, Leonardo Vetra. Quando ele começa a investigar o assassinato, sua obsessão pela história assunto vem à tona. Langdon, junta-se mais tarde, na investigação com Vittoria Vetra (filha de Leonardo) e iniciam a sua viagem ao Vaticano para desvendar o mistério por detrás dos Illuminati[3] , uma sociedade secreta anticristã, que, de acordo com o enredo, infiltrou-se profundamente em muitas instituições globais, como a política, económia e a religião. Langdon e Vetra resolvem o mistério dos Illuminati, seguindo o Caminho da Iluminação (Path of Illumination)[4] , para explicar o desaparecimento de quatro cardeais durante um conclave papal, o assassinato de Leonardo Vetra, e do roubo da antimatéria (uma substância que pode ser usado para destruição em massa). No final da novela Langdon acaba tendo um relacionamento com Vittoria Vetra. Nas últimas frases de Anjos e Demônios, Vittoria Vetra pergunta se ele já teve uma experiência divina. Quando ele responde pela negativa, Vittoria desnuda-se e em inteligência diz : "Você nunca foi para a cama com um mestre de yoga, não é?" O relacionamento deles, no entanto, só é mencionada brevemente em O Código Da Vinci, que citam o fato de que Langdon tinha visto pela última vez Vittoria um ano antes.

O Código Da Vinci[editar | editar código-fonte]

No início de 2003, em O Código Da Vinci, Robert Langdon está em Paris, para dar uma conferência sobre sua obra. Tendo marcado uma reunião para se encontrar com Jacques Saunière, curador do Louvre, a polícia francesa bate em sua porta do quarto do hotel e informam a Langdon, que Saunière foi assassinado e que gostariam da sua assistência imediata no Louvre para ajudá-los a resolver o crime. Desconhecido para Langdon, ele é de fato, o principal suspeito do assassinato e foi convocado para a cena do crime para que a polícia pudessem extrair uma confissão dele. Enquanto ele está no Museu do Louvre, ele conhece Sophie Neveu, uma jovem criptologista. Quando Langdon e Sophie conseguem ficar a sós, Langdon descobre que Jacques Saunière é avô de Sophie. Saunière instruiu Sophie para "Encontrar Robert Langdon", de acordo com a mensagem que ele deixou para ela no chão, por isso, Sophie acredita que ele é inocente pelo assassinato de seu avô.

Ele passa o resto do romance, esquivando-se da polícia e tentando resolver o mistério de uma antiga sociedade secreta, que foi liderado pelo próprio Leonardo da Vinci, o Priorado de Sião. No final do romance, Langdon descobre o mistério por trás de Maria Madalena e o Santo Graal também chamado de Sangreal. Ele e Sophie, acabam, aparentemente, se apaixonando um pelo outro e marcam um encontro em Florença, Itália por uma semana, um mês mais tarde e combinam de não visitar nenhum museu, exposições de arte, etc, durante esse tempo. No final, Langdon termina exatamente onde começou: no Museu do Louvre onde descobre o que esteve procurando desde o início da trama.

O Símbolo Perdido[editar | editar código-fonte]

Em 2009, em The Lost Symbol, Langdon encontra-se numa competição de habilidade de pensar rápido, com um vilão tatuado chamado Mal'akh, que sequestra o grão-mestre maçonico Peter Solomon e leva Langdon em uma caçada através dos símbolos maçônicos e sobre a história da cidade de Washington, D.C. e seus símbolos escondidos em uma corrida contra o tempo para salvar o grão-mestre. Langdon embarca nessa aventura com a irmã de Peter, Katherine Solomon uma grande ciêntista especializada em uma nova ciência chamada Ciência Noética.

Inferno[editar | editar código-fonte]

Em 2013, em Inferno, no coração da Itália, Langdon é arrastado para um mundo angustiante centrado em uma das obras literárias mais duradouras e misteriosas da história: Inferno, de Dante Alighieri.

Numa corrida contra o tempo, Langdon luta contra um adversário assustador e enfrenta um enigma engenhoso que o arrasta para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística. Tendo como pano de fundo o sombrio poema de Dante, Langdon mergulha numa caçada frenética para encontrar respostas e decidir em quem confiar, antes que o mundo que conhecemos seja destruído.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Robert Langdon em:

Referências

  1. Naughton, Philippe (13 de março de 2006). Dan Brown sprinkles statement with clues about next book The Times Online. Visitado em 1-3-2008.
  2. http://www.infoplease.com/biography/var/robertlangdon.html
  3. Brown, Dan. Angels & Demons. Nova York: Simon and Schuster. 5 pp.
  4. Brown, Dan. Angels & Demons. Nova York: Simon and Schuster. 191-92 pp.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]