SNZ

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
SNZ
Informação geral
Origem São Paulo, SP
País  Brasil
Gênero(s) Pop, dance-pop
Período em atividade 1999–2007
Gravadora(s) Warner (1999–04)
Universal (2006–07)
Afiliação(ões) Baby do Brasil, Pepeu Gomes
Influência(s) Spice Girls, TLC
Integrantes Sarah Sheeva
Nãna Shara
Zabelê Gomes

SNZ foi um girl group brasileiro de música pop formado em 1999 pelas irmãs, Sarah Sheeva, Nãna Shara e Zabelê Gomes, filhas da cantora Baby do Brasil com o guitarrista Pepeu Gomes.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

1997–00: Início e SNZ[editar | editar código-fonte]

Em 1997, inspiradas pelo sucesso de girl groups como Spice Girls e TLC, decidiram formar um grupo e cantar em bares e festivais, decidindo pelo nome SNZ, sigla para Sarah, Nãna, Zabelê. Na época realizaram backing vocal em todas as faixas do disco Um de Baby do Brasil, além de realizarem participação na canção "Baby Toque", lançada como single. Em 1998 gravaram um álbum demo e enviaram para a Warner, que se interessou pelo conteúdo e fechou contrato com as irmãs semanas depois.[1]

Em agosto de 1999 o grupo lançou o primeiro single, "Longe do Mundo", que fez parte da trilha sonora do filme de Renato Aragão, O Trapalhão e a Luz Azul, no qual o grupo cantou pela primeira vez a faixa.[2] A canção ajudou o grupo a se tornar conhecido, figurando entre as cinco mais tocadas nas rádios da época.[3] Em janeiro de 2000 foi a fez do single "Dancin' Days", regravação do grupo feminino As Frenéticas. A faixa recebeu o primeiro videoclipe da carreira do grupo, mostrando-as em uma balada.[3] Em 14 de maio é lançado o primeiro disco, o homônimo SNZ, focado especialmente influência da música pop norte-americana.[2] O álbum homônimo é composto por faixas escritas, em sua maioria, pelas próprias integrantes do trio. As três escreveram juntas as canções "Nada é Igual a Esse Amor", Venha Dançar" e "Posso Ouvir Você Chamar", enquanto Nãna Shara e Zabelê escreveram "É Só se Entregar". Nãna Shara foi a maior compositora do álbum, escrevendo sozinha as canções "Só Você", "Traga Só a Música", "Me Protejo" e "Não Posso Esperar", além de ter a ajuda de Dudu Caribé nas faixas "Longe do Mundo", "Retrato Imaginário" e "Tudo o Que Eu Tenho".

O terceiro single, "Retrato Imaginário", impulsionou as vendas do álbum, ao ser lançada uma versão remix, intitulada "G-Vô Remix", que continha batidas mais dançantes, semelhantes as canções "Oops! I Did It Again" e "Baby One More Time" da cantora Britney Spears.[3] A canção atingiu as primeiras posições das rádios brasileiras na época, se tornando o maior sucesso da carreira do grupo.[3] Para encerrar os trabalhos do álbum, a canção "Venha Dançar" foi lançada como último single, sendo promovida no filme "Xuxa Popstar", de 2000.

2001–02: Sarahnanazabele[editar | editar código-fonte]

Em 2001 o grupo começou a trabalhar com o produtor Paulo Jeveaux, responsável por leva-las ao palco do Festival Rock in Rio 3, que aconteceu no Rio de Janeiro. O trabalho do próximo disco foi anunciado como uma mistura de pop dançante com batidas R&B.[2] O primeiro single, "Nothing's Gonna Change My Love For You", foi lançado em julho de 2001, entrando para a trilha sonora internacional da novela global "Um Anjo Caiu do Céu". Por conta disso, Caio Blat, protagonista da novela, fez uma participação especial no clipe da música. A canção trazia a participação do cantor estadunidense Richard Lugo e se tornou uma das mais executadas das rádios na ocasião.[4] Uma versão em português foi liberada para as rádios pouco tempo depois.[5] O segundo disco Sarahnãnazabelê foi lançado em 23 de agosto de 2001. O trabalho trouxe um diferencial do anterior ao ser menos autoral, uma vez que metade do disco era composto de regravações de artistas internacionais.[2]

Apesar das duras críticas, o grupo afirmou na época que era uma estratégia pensada: "Tínhamos um monte de composições próprias, mas recebemos várias músicas da Warner e gostamos de algumas, que têm a ver com o que curtimos agora. Ao receber essas músicas, a gente se sentiu desafiada a fazer um trabalho com uma qualidade internacional, mas com o suingue brasileiro".[4] Em janeiro de 2002 é lançado o segundo single, "Se Eu Pudesse",[6] que levou o grupo a ganhar um troféu no Prêmio Multishow de Música Brasileira e uma indicação pelo videoclipe no VMB da MTV Brasil.[5] A canção atingiu uma posição nas quinze mais tocadas nas rádios,[7] além de ter ficado em oitenta e dois na lista das canções mais tocadas de 2002.[8] A faixa "Já Foi" foi liberada como último single do álbum, porém não recebeu promoção devido ao trabalho no próximo disco.

2002–03: Remix Hits e saída de Sarah[editar | editar código-fonte]

Em 12 de agosto de 2002 é lançada a primeira coletânea, Remix Hits, o qual trouxe remixes das canções lançadas anteriormente, além de novas produções de "Outra Chance", presente no último disco do grupo.[9] A única faixa inédita do álbum, "DNA do Som", foi liberada como single no mesmo dia de seu lançamento.[10] A faixa trouxe referências de vários estilos musicais que influenciaram as cantoras, como música pop, bossa nova, hip hop e rock, além de artistas admirados por elas como Stevie Wonder, Novos Baianos, Michael Jackson, Jimi Hendrix e Rita Lee.[10] Em janeiro de 2003 Sarah Sheeva anunciou que estava saindo do grupo, porém negou desavenças com as irmãs. A cantora anunciou que havia se convertido e seguiria carreira na música gospel.[11] Na época, durante entrevista para o Jornal Gênesis, Sarah explicou que já havia pensado em sair antes. "No início de 2002 tentei sair do grupo. Meus pastores pediram que eu ficasse. E no início de 2003 consegui sair do grupo. Oficialmente consegui encerrar todos os meus contratos". Entre 2003 grupo anunciou que entraria em férias por dois anos para se recompor da saída de uma das integrantes e dedicar-se à vida pessoal. As remanescentes Nãna Shara e Zabelê, porém, anunciaram que continuariam com o título de girl group e não mudaria o nome, aderindo agora à explicação que a sigla significava "Só Nãna e Zabelê", em referência ao novo momento. Nessa época a nova formação gravou a faixa "O Passo De Elefantinho" para o álbum Jovens Tardes, trilha sonora do programa com mesmo título.[12]

2004–07: Zunzum e Pronto e separação[editar | editar código-fonte]

Em 26 de dezembro de 2004 apareceram pela primeira vez na televisão com a nova formação, no programa Estação Globo durante o especial de programas infantis, onde interpretaram a canção "Lindo Balão Azul" e entraram no palco descendo de um balão.[13] Em 2005 as irmãs começam o trabalho de compor novas faixas e, em dezembro, Nãna se casa em no Rio de Janeiro.[14] Em 2006 o grupo deixa a Warner e assina com a Universal, começando a produzir o terceiro álbum de estúdio inspirado na sonoridade do groove e do black. Em 12 de janeiro de 2007 é lançado o primeiro single da nova formação do grupo, "Busca", apresentando um som mais pop rock. Em 2 de março o disco Zunzum e Pronto é lançado,[15] titulo do qual foi inspirado na letra de "Acabou Chorare", canção dos Novos Baianos a qual o grupo regravou para o trabalho.[16] A composição e produção do álbum ficou por conta de Nãna e Zabelê, que pela primeira vez tiveram autonomia nas canções, em parceria com músicos como Davi Moraes, Gil Oliveira, Betão Aguiar e o irmão Pedro Baby.[17] A sonoridade do grupo saiu do dance-pop e electropop antigo e focou-se no pop rock, folk rock e R&B neste álbum, o que gerou comparações com outra dupla de irmãs com o mesmo estilo em acensão na época, o K-Sis.[15] O segundo single, "Maravilha", trouxe a participação do rapper De Leve.

Logo após o grupo anunciou seu fim, uma vez que Nãna precisava de mais tempo para se dedicar à família[18] e Zabelê preparava seu primeiro trabalho solo com Moreno Veloso e Domenico, inspirada nos Novos Baianos.[19]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Filmes
Ano Título Personagem
1999 O Trapalhão e a Luz Azul Elas mesmas
2000 Xuxa Popstar Elas mesmas

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Integrantes 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007
Nãna Shara
Zabelê Gomes
Sarah Sheeva

Turnês[editar | editar código-fonte]

  • SNZ Tour (2000–01)
  • Turnê Sarahnanazabele (2001–02)
  • Turnê Remix (2002)
  • Tunrê Zunzum (2007)

Referências

  1. a b Biografia >>> SNZ SNZ. Visitado em 14 de setembro de 2013.
  2. a b c d Filhas de Baby lembram Harmony Cats no début em CD Clique Music. Visitado em 14 de setembro de 2013.
  3. a b c d Data Clipe: Desenterrando Sarah, Nãna, Zabelê e o Pop dignamente chiclete que elas faziam no SNZ! Data Clipe. Visitado em 14 de setembro de 2013.
  4. a b Música: SNZ volta com pop meloso Folha de São Paulo. Visitado em 25 de setembro de 2013.
  5. a b POP Veins: SNZ Pop Veins. Visitado em 25 de setembro de 2013.
  6. Brazil Top 20 - 12-01-2002 Brazil Top 20. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  7. Brazil Top 20 - 09-02-2002 Brazil Top 20. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  8. Veja quais músicas estiveram entre as 100 músicas mais tocadas em cada ano. Mofolandia. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  9. SNZ » REMIX HITS Catálogo Musical. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  10. a b SNZ - DNA do Som Sonichits. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  11. Anos 2000: o que aconteceu com o SNZ? Pop. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  12. Jovens Tardes - Various Artists Allmusic. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  13. SNZ NA ESTAÇÃO GLOBO - "LINDO BALÃO AZUL" Palco Principal. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  14. Filha de Baby Consuelo se casa no Rio de Janeiro O Fuxico. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  15. a b Nana Shara e Zabele voltam ao disco junto com outros filhos dos Novos Baianos Globo. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  16. Nãna Shara, do SNZ, em entrevista exclusiva à Rádio Criciúma, fala de música, sexo e religião Rádio Criciuma. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  17. Grupo SNZ vira dupla e lança CD pop Terra. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  18. Brinco e Nãna Shara falam sem reservas sobre sexo Lagoinha. Visitado em 28 de setembro de 2013.
  19. Zabelê se une a Domenico Lancellotti e Moreno Veloso na produção de um disco solo O Globo. Visitado em 28 de setembro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]