Callithrix kuhlii

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Sagui-de-wied)
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaSagui-de-wied[1] [2]
O sagui-de-wied no sul da Bahia.

O sagui-de-wied no sul da Bahia.
Estado de conservação
Status iucn3.1 NT pt.svg
Quase ameaçada (IUCN 3.1) [3]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Família: Cebidae
Subfamília: Callitrichinae
Género: Callithrix
Espécie: C. kuhlii
Nome binomial
Callithrix kuhlii
Coimbra-Filho, 1985
Distribuição geográfica
Área de distribuição
Área de distribuição

Sagui-de-wied (nome científico: Callithrix kuhlii) é uma espécie de macaco do Novo Mundo da família Callitrichidae e gênero Callithrix. É endêmico do Brasil, ocorrendo em florestas tropicais úmidas do leste e sul da Bahia, principalmente na região de Ilhéus.

Este macaco suplementos sua dieta de seiva de frutas, néctars, flores e sementes, bem como aranhas e insetos. Eles são encontrados na parte central e inferior da floresta, o Sagüi de Wied freqüentemente viaja e forrageia na companhia do Mico-leão-de-cara-dourada, que forrageia no dossel.

Sagui de Wied é comido pelas aves de rapina (a Harpia, o Gavião-pedrês, o Gavião-carijó e o Gavião-de-rabo-branco) e pelos felinos (o Jaguar,Jaguarundi e jaguatirica) e cobras.

Sagui de Wied é altamente social, gastando muito do seu tempo "se arrumando". Tem chamadas individualmente distintivas, e ele se comunica através de gestos e de marcação olfactiva também.

A coloração do Sagui de Wied é principalmente preta, com manchas brancas nas bochechas e na testa. Tem anéis na cauda e tufos de pelo negro que sai de suas orelhas.

Distribuição Geográfica e Hábitat[editar | editar código-fonte]

Essa espécie é típica das florestas costeiras do sul da Bahia, ocorrendo entre os rios das Contas e Jequitinhonha, ocorrendo também no nordeste de Minas Gerais.[4] Sua distribuição geográfica parece limitada de acordo com a ocorrência da Mata Atlântica costeira, à medida que a espécie da lugar à Callithrix penicillata quanto mais longe do litoral.[4]

Quimerismo[editar | editar código-fonte]

Provou-se que uma troca mútua de células germinativas geralmente acontece entre os gêmeos em desenvolvimento no útero quimeras como a produção dos chamados - organismos contendo dois conjuntos de células, decorrente de dois zigotos diferentes - óvulos fecundados por dois espermatozóides diferentes (possivelmente produzida por dois diferentes machos). Isto implica que alguns tecidos de um organismo do sagui-de-wied poderia vir de um segundo ( "menor") pai.[5]

Na primeira os investigadores encontraram o quimerismo entre as células do tecido sanguíneo, depois, no entanto, ficou provado que este fenômeno ocorre em todo o tipo de tecido. A implicação mais interessante deste facto consiste na possibilidade de que mesmo um espermatozóide ou um óvulo produzido por um indivíduo que podem resultar de células germinativas seu irmão - assim como uma prole de um indivíduo geneticamente acontece a descendência de seu irmão.[5]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Callithrix kuhlii

Referências

  1. Groves, C.P.. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. 3. ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. Seção Order Primates. 131 pp. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494.
  2. Rylands AB e Mittermeier RA. In: Garber PA, Estrada A, Bicca-Marques JC, Heymann EW, Strier KB (eds). South American Primates: Comparative Perspectives in the Study of Behavior, Ecology, and Conservation. Nova Iorque: Springer, 2009. Capítulo The Diversity of the New World Primates (Platyrrhini): An Annotated Taxonomy. 23–54 pp. ISBN 978-0-387-78704-6.
  3. Rylands, A. B. & Kierullf, M. C. M. (2008). Callithrix kuhlii (em Inglês). IUCN 2012. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 Versão 2. Página visitada em 27 de dezembro de 2012.
  4. a b Rylands, A.B.; Coimbra-Filho, A.F. e Mittermeier, R.A.. In: Ford, S.M.; Porter, L.M. e Davis, L.L.C. (eds). The Smallest Anthropoids: The Marmoset/callimico Radiation. Nova Iorque: Springer, 2009. Capítulo The Sistematics and Distribution of the Marmosets (Callithrix, Calibella, Cebuella, and Mico) and Callimico (Callimico) (Callitrichidae, Primates). 25-63 pp. ISBN 978-1-4419-0292-4.
  5. a b Ross, C.N., French, J.A., and Ortí, G.. (2007). "Germ-line chimerism and paternal care in marmosets (Callithrix kuhlii)". Proc. Natl. Acad. Sci. USA 104: 6278. DOI:10.1073/pnas.0607426104. PMID 17389380.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]