Leontopithecus chrysomelas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Mico-leão-de-cara-dourada)
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaMico-leão-de-cara-dourada[1] [2]
Leontopithecus chrysomelas (in tree).jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 EN pt.svg
Em perigo (IUCN 3.1) [3]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Parvordem: Platyrrhini
Família: Cebidae
Subfamília: Callitrichinae
Género: Leontopithecus
Espécie: L. chrysomelas
Nome binomial
Leontopithecus chrysomelas
(Kuhl, 1820)
Distribuição geográfica
Leontopithecus chrysomelas distribution.svg
Sinónimos
  • chrysurus I. Geoffroy, 1827

O mico-leão-de-cara-dourada (nome científico:Leontopithecus chrysomelas) é um primata brasileiro, pertencente a família Cebidae e subfamília Callitrichinae e gênero Leontopithecus. Ocorre no sul da Bahia e extremo nordeste de Minas Gerais, ocupando uma área de aproximadamente 20 000 km². Entretanto, a única unidade de conservação nessa área é a Reserva Biológica de Una. Foi a primeira espécie de mico-leão a se diversificar, e portanto, é o táxon basal do gênero Leontopithecus. Assim como as outras espécies de micos-leões, já foi considerado uma subespécie, sendo uma espécie propriamente dita atualmente.

Possui um padrão de pelagem de cor característica, possuindo o corpo todo negro, com mãos, pelos da face e ponta da cauda de cor dourada, o que conferiu o nome popular. São animais insetívoros e frugívoros e muitas vezes se associam ao sagui-de-wied quando buscam alimento.

É uma espécie que corre considerável risco de extinção, entretanto, das quatro espécies de mico-leões, é a que corre menos risco de extinção e que possui a maior população em liberdade.

Taxonomia e Evolução[editar | editar código-fonte]

O mico-leão-de-cara-dourada pertence ao gênero Leontopithecus, grupo monofilético da família Cebidae e subfamília Callitrichinae.[2] Foi descrito e classificado por Heinrich Kuhl, em 1820.[4] [1] Já houve dúvida se era de fato um mico-leão, por alguns autores do início do século XX, como Elliot (1913) e Thomas (1922).[4] O gênero Leontopithecus foi proposto por Hershkovitz (1977) como monotípico, sendo Leontopithecus rosalia a única espécie: o mico-leão-de-cara-dourada era uma subespécie (L. r. chrysomelas), junto com o mico-leão-dourado (L. r. rosalia) e mico-leão-preto (L. r. chrysopygus).[2] [5] Essa classificação foi revisada, e atualmente, é considerado, junto com as outras espécies de micos-leões, uma espécie propriamente dita.[1] [2] [3] [6]

Evidências genéticas apontam para um período muito recente de diversificação dos micos-leões, a partir de refúgios de floresta no Pleistoceno.[7] Estudos filogenéticos corroboram com a hipótese de que o mico-leão-de-cara-dourada foi a primeira espécie a se separar das demais, sendo o táxon basal do clado do gênero Leontopithecus.[8] [9] [10] [11]

Não foi encontrado nenhum fóssil da linhagem do mico-leão-de-cara-dourada.[12]

Distribuição Geográfica e Hábitat[editar | editar código-fonte]

O mico-leão-de-cara-dourada é endêmico da Mata Atlântica, do sul da Bahia, tendo o limite norte de sua distribuição como rio das Contas e o limite sul como o rio Pardo.[13] [14] [15] Coimbra-Filho (1973) sugere a ocorrência da espécie mais ao sul, perto do limite com o Espírito Santo, ao sul do rio Mucuri.[13] Estudos posteriores mostraram que tal hipótese não era válida.[15] Outrora, pareciam abundantes na região de Ilhéus.[13] Sua área de ocorrência chega a quase 20.000 km², mas parece que já se extinguiu de sua distribuição mais ao norte, entre o rio das Contas e o rio Ilhéus.[14] [3] Sua ocorrência a oeste chega até a 150 km do litoral, já não ocorrendo mais à medida que aumenta a altitude, próxima a chapada de Vitória da Conquista, se distribuindo ao longo do rio Gongoji no noroeste.[14] Pode ser encontrado também no extremo nordeste de Minas Gerais, ao sul do rio Jequitinhonha.[14]

Habita principalmente a floresta ombrófila de terras baixas, sendo também encontrados nas restingas e florestas secundárias.[16] Na área de ocorrência da espécie, não existe sazonalidade no regime de chuvas, que ocorrem de forma relativamente constante o ano todo.[16] Nota-se, que o mico-leão-de-cara-dourada, ao contrário do mico-leão-dourado, evita áreas pantanosas, principalmente para dormir.[16] A cabruca, onde é feito o plantio de cacau, eventualmente é utilizada pelo mico-leão-de-cara-dourada, desde que persistam altas árvores nativas.[16] Aparentemente, o mico-leão-de-cara-dourada ocorre em quase todos os ambientes florestados de sua distribuição geográfica.[16] Habita, principalmente, os estratos mais altos da floresta, entre 12 m e 19 m de altura, em que tenha abundância e diversidade de bromélias.[17]

É a espécie de mico-leão que teve sua distribuição geográfica pouco reduzida se comparada com as outras, e parece ocorrer em quase toda a sua ocorrência original.[18] [14] Foi registrado sua presença em cerca de 94 localidades no estado da Bahia e Minas Gerais.[14] Entretanto, a única unidade de conservação dentro de sua área de distribuição geográfica é a Reserva Biológica de Una, e seu habitat se encontra cada vez mais fragmentado, o que é preocupante em termos conservacionistas.[14] [4]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O mico-leão-de-cara-dourada é a espécie do gênero que ocorre no sul da Bahia.

Possui toda a pelagem de cor negra e brilhante, exceto ao redor da face, membros anteriores e posteriores, que são douradas, o que conferiu o nome popular da espécie.[19] Possui um crânio com conformação única dentre os mico-leões, com uma face mais alongada em comparação às outras três espécies e também mais robusta.[20] Pesam entre 534 g (fêmea) e 620 g (macho), com até 25 cm de comprimento, sem a caudal, que não é preênsil.[21]

Ecologia[editar | editar código-fonte]

Os micos-leões são animais frugívoros e insetívoros que apesar de seu pequeno tamanho ocupam áreas de vida relativamente grandes.[22] No caso do mico-leão-de-cara-dourada, foi constatado em Una, que sua área de vida tem em média 123 hectares (trata-se de um território muito maior do que constatado para o mico-leão-dourado), entretanto, a maior parte do tempo é passada em apenas 11% de todo esse território.[22] Sua área de distribuição é simpátrica com Callithrix kuhlii, do qual se diferencia ecologicamente: o mico-leão possui maior território, forrageia nos estratos mais altos da floresta e uso como sítios de dormida buracos em troncos de árvore.[17] Foram reportadas associações mistas com essa mesma espécie, embora não seja frequente.[19] [12] Sua dieta constitui-se predominantemente de frutos maduros, néctar, insetos e pequenos vertebrados, sendo que néctar também tem menor importância na dieta comparado às outras espécies de mico-leão.[22]

Conservação[editar | editar código-fonte]

O mico-leão-de-cara-dourada consta como "Em Perigo", segundo a IUCN e na lista do IBAMA.[3] [23] A Reserva Biológica de Una é a principal unidade de conservação dessa espécie, embora seja de tamanho reduzido para manter uma população viável a longo prazo.[14] Ademais, ao longo de sua distribuição geográfica, houve uma extrema redução da cobertura vegetal e de seu hábita.[14] Ainda sim, é a espécie do gênero Leontopithecus que possui a maior população na natureza, com estimativas entre 6.000 e 15.000 indivíduos.[14]

Referências

  1. a b c Groves, C.. In: Wilson, D. E., and Reeder, D. M. (eds). Mammal Species of the World. 3rd edition ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 16 de novembro de 2005. Capítulo: Order Primates. , 133 p. ISBN 0-801-88221-4 OCLC 62265494
  2. a b c d Rylands AB e Mittermeier RA. In: Garber PA, Estrada A, Bicca-Marques JC, Heymann EW, Strier KB (eds). South American Primates: Comparative Perspectives in the Study of Behavior, Ecology, and Conservation. Nova Iorque: Springer, 2009. Capítulo: The Diversity of the New World Primates (Platyrrhini): An Annotated Taxonomy. , 23–54 p. ISBN 978-0-387-78704-6
  3. a b c d Kierulff, M. C. M., Rylands, A. B., Mendes, S. L. & de Oliveira, M. M. (2008). Leontopithecus chrysomelas (em Inglês). IUCN . Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de . Página visitada em 01 de outubro de 2012.
  4. a b c Rylands, A.B.; Mallinson, J.J.; Kleiman, D.G.; Coimbra-Filho, A.F.; Mittermeier, R.A.; Câmara, I.G.; Valladares-Pádua, C.B.; Bampi, M.I.. In: Kleiman, D.G.; Rylands, A.B.. Mico-leões: Biologia e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2008. Capítulo: História da pesquisa e da conservação do mico-leão. , 23-69 p. ISBN 978-85-7300-101-2
  5. Seuánez, H.N.; Di Fiore, A.; Moreira, M.A.; Almeida, C.A.S.; Canavez, F.C.. In: Kleiman, D.G.; Rylands, A.B.. Mico-leões: Biologia e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2008. Capítulo: Genética e Evolução dos mico-leões. , 165-186 p. ISBN 978-85-7300-101-2
  6. Horovitz, I.; Meyer, A.. (1995). "Systematics of New World Monkeys (Platyrrhini, Primates) Based on 16S Mitochondrial DNA Sequences: A Comparative Analysis of Different Weighting Methods in Cladistic Analysis". Molecular Phylogenetics and Evolution 4 (4): 448-456.
  7. Forman,L.; Kleiman, D.G.; Bush, R. M.; Dietz, J.M.; Ballou, J.D.; Phullips, L.G.; et al. (1986). "Genetic variation within and among Lion Tamarins". American Journal of Physical Anthropology 71: 1-11. DOI:10.1002/ajpa.1330710102.
  8. Mundy,N.;Kelly, J.. (2001). "Phylogeny of lion tamarins (Leontopithecus spp) based on interphotoreceptor retinol binding protein intron sequences". American Journal of Primatology 54 (1): 33-40. DOI:10.1002/ajp.1010.
  9. Perez-Sweeney BM. 2002. The molecular systematics of Leontopithecus, population genetics of L. chrysopygus and the contribution of these two sub-fields to the conservation of L. chrysopygus. PhD Thesis, Columbia University, New York.
  10. Chaterjee, H.J.; Ho, S.Y.; Barnes, I.; Groves, C.. (2009). "Estimating the phylogeny and divergence times of primates using a supermatrix approach". BMC Evolutionary Biology 9: 1-19. DOI:10.1186/1471-2148-9-259.
  11. Perez-Sweeney, B.M.; et al. (2008). "Examination of the Taxonomy and Diversification of Leontopithecus using the Mitochondrial Control Region". International Journal of Primatology 29 (1): 245-263. DOI:10.1007/s10764-007-9224-7. ISSN 1573-8604.
  12. a b Kleiman, D.G.. (1981). "Leontopithecus rosalia". Mammalian Species 148: 1-7.
  13. a b c Coimbra-Filho, A.C.; Mittermeier, R.A.. (1973). "Distribution and Ecology of the Genus Leontopithecus Lesson, 1840 in Brazil.". Primates 14 (1): 47-66.
  14. a b c d e f g h i j Pinto,L.P.S.; Rylands, A.. (1997). "Geographic Distribution of the Golden-Headed Lion Tamarin, Leontopithecus chrysomelas: Implications for Its Management and Conservation". Folia Primatologica 68: 161-180. DOI:10.1159/000157244.
  15. a b Rylands, A.B.; Santos, I.B.; Mittermeier, R.A.. (1991). "Distribution and Status of Golden Lion Tamarin, Leontopithecus chrysomelas, in the Atlantic forest of Southern Bahia, Brazil". Primate Conservation 12-13: 15-24.
  16. a b c d e Raboy,B.E.; Christman, M.C.; Dietz, J.M.. (2004). "The use of degraded and shade cocoa forests by Endangered golden-headed lion tamarins Leontopithecus chrysomelas". Oryx 38 (1): 75-83. DOI:10.1017/S0030605304000122.
  17. a b Rylands, A.B.. (1989). "Sympatric Brazilian callitrichids: The Black Tufted-Ear Marmoset, Callithrix kuhli, and the Golden-headed Lion Tamarin, Leontopithecus chrysomelas". Journal of Human Evolution 18 (7): 679-695. DOI:10.1016/0047-2484(89)90100-0.
  18. Rylands, A.B.; Kierulff, M.C.M.; Pinto, L.P.S.. In: Kleiman, D.G.; Rylands, A.B.. Mico-leões: Biologia e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2008. Capítulo: Distribuição e status dos mico-leões. , 69-105 p. ISBN 978-85-7300-101-2
  19. a b Auricchio, P.. Primatas do Brasil. São Paulo - Brasil: Terra Brasilis Comércio de Material didático e Editora LTda - ME, 1995. Capítulo: Gênero Leontopithecus. , 168 p. ISBN 85-85712-01-5
  20. Rosenberger,A.L.; Coimbra-Filho,A.F.. (1984). "Morphology, Taxonomic Status and Affinities of the Lion Tamarins, Leontopithecus (Callitrichinae, Cebidae)". Folia Primatologica 42: 3-4. DOI:10.1159/000156159.
  21. Cawthon Lang KA. (2005). Primate Factsheets: Golden-headed lion tamarin (Leontopithecus chrysomelas) Taxonomy, Morphology, & Ecology .. Primate Info Net. Página visitada em 01 de outubro de 2012.
  22. a b c Raboy,B.E.; Dietz, J. M.. (2004). "Diet, Foraging, and Use of Space in Wild Golden-Headed Lion Tamarins". American Journal of Primatology 63 (1): 1-15. DOI:10.1002/ajp.20032.
  23. Costa, L.; et al. (2005). "Conservação de Mamíferos no Brasil". Megadiversidade 1 (1): 103-112.
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Leontopithecus chrysomelas
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Leontopithecus chrysomelas