Sinfonia n.º 3 (Beethoven)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Sinfonia n.º 3"
Composição Beethoven
Época de composição 1803-1804
Estreia Verão de 1804, Boêmia
Dedicatória Príncipe Lobkowitz
Tonalidade Mi bemol maior
Tipo Sinfonia
Catalogação Opus 55
Duração Entre 44 a 55 minutos
Instrumental 2 flautas, 2 oboés, 2 clarinetes, 2 fagotes, 3 trompas, 2 trompetes, tímpano e cordas.
Andamentos

A Sinfonia n.º 3, Em Mi Bemol Maior (Op. 55) de Ludwig van Beethoven (conhecida como Eroica que em italiano significa "heroica") é uma obra musical, por vezes citada como marco do fim da Era Clássica e o começo da música romântica.

Instrumentos[editar | editar código-fonte]

A sinfonia é composta por 2 flautas, 2 oboés, 2 clarinetes em si bemol, 2 fagotes, 3 trompas em mi bemol, fá e dó, 2 trompetes em mi bemol e dó, tímpano e cordas.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A obra é constituída de quatro movimentos:

  1. Allegro con brio
  2. Marcia funebre: Adagio assai em dó menor
  3. Scherzo: Allegro vivace
  4. Finale: Allegro molto

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

Beethoven em 1804, quando estava compondo Eroica.

Dedicação e Estreia[editar | editar código-fonte]

Beethoven tinha inicialmente a ideia de dedicar a sinfonia à Napoleão Bonaparte. O biógrafo Maynard Solomon relata que Beethoven admirava os ideais da Revolução Francesa, e Napoleão era como se fosse sua personificação. No outono, o compositor começou a repensar sobre a dedicação. O príncipe Lobkowitz disse que se dedicasse a sinfonia a ele, não precisaria de pagar um imposto. No entanto, ele continuou com a dedicação a Bonaparte.

Quando Napoleão proclamou-se Imperador da França em Maio de 1804, Beethoven se revoltou e foi à mesa onde estava a obra já pronta. Ele pegou a página-título e riscou o nome Bonaparte tão violentamente com uma faca que criou um buraco no papel.[1] Mais tarde ele mudou o nome para Sinfonia eroica, composta per festeggiare il sovvenire d'un grand'uomo ("sinfonia heróica, composta para celebrar a memória de um grande homem"). Seu assistente Ferdinand Ries conta a história em sua biografia de Beethoven:

No entanto, o caminho para a titulação da obra Eroica tinha mais história. Após a conclusão da obra, Beethoven escreveu a seu editor no verão de 1804 que "O título da sinfonia é realmente Bonaparte." O título final não foi aplicado ao trabalho até que as partes foram publicadas em outubro de 1806. Na verdade, Anton Felix Schindler diz que na audiência sobre a morte de Napoleão na ilha de Santa Helena em 1821, Beethoven diz: "Eu escrevi a música para este triste acontecimento dezessete anos atrás" - referindo-se a Marcha Fúnebre (segundo movimento).

Beethoven escreveu a maior parte da sinfonia no final de 1803 e completou no início de 1804. A sinfonia foi estreada em particular no Verão de 1804, no castelo de seu protetor Príncipe Lobkowitz em Eisenberg (Jezeri) na Boêmia. A primeira apresentação pública foi dada no Teatro an der Wien, em Viena, no dia 7 de Abril de 1805 com o compositor de condução. Para a performance, o trabalho foi apresentado em D#.[3]

Recepção Crítica[editar | editar código-fonte]

A obra é um marco na história da sinfonia clássica por várias razões. A obra é duas vezes mais longa que as sinfonias de Haydn ou Mozart—o primeiro movimento sozinho é quase tão longo quanto muitas sinfonias clássicas, se a repetição for observada. A obra tem uma abrangência emocional maior que os seus outros trabalhos, e é frequentemente citada como o início do período romântico na música. O segundo movimento, em particular, exibe uma grande gama de emoção - da miséria do tema principal marcha fúnebre, para o conforto relativo de felicidade. O final da sinfonia mostra uma organização semelhante, e é dada uma importância no esquema geral que era virtualmente desconhecido antes — ao passo que em sinfonias anteriores o final era rápido e alegre, aqui é um conjunto extenso de variações e fuga sobre um tema de Beethoven tinha escrito originalmente para a sua música de balé "As Criaturas de Prometeu".

De acordo com Harold C. Schonberg, “O Musical de Viena ficou dividida sobre o mérito da Eroica. Alguns diziam que era a obra-prima de Beethoven. Outros disseram que o trabalho apenas ilustrou "uma busca de originalidade que não teve." [4] A Sinfonia em mi bemol pelo desconhecido Anton Eberl (1765-1807) foi também estreada no concerto e recebeu um pouco mais opiniões positivas do que a Sinfonia de Beethoven.[3]

O crítico de música J. W. N. Sullivan escreveu[5] que o primeiro movimento é uma expressão de coragem de Beethoven em confrontar sua surdez, o segundo, lento e triste, retratando o desespero esmagador que sentia, o terceiro, Scherzo, uma revolta "indomável de energia criativa", e o quarto um derramamento de exuberante energia criativa. Hector Berlioz discutiu sbre o uso da trompa e do oboé no seu Grande Tratado de Instrumentação.

A música de luto de Richard Strauss Metamorphosen é baseada no tema da marcha fúnebre da Eroica, e combina harmonicamente variantes distorcidas de seus motivos principais. Logo no final das barras de abertura da marcha fúnebre são citadas literalmente no baixo.

Escritores sobre a arte da tradição marxista, frequentemente fazem uso da Eroica. Gareth Jenkins escreveu que "Beethoven estava fazendo a música que Napoleão estava fazendo para a sociedade—virando a tradição de cabeça para baixo", e que a sinfonia estava carregada de "sentido do potencial humano e liberdade" pela primeira vez no período da Revolução Francesa..[6]

Anedota do Solo de Trompa[editar | editar código-fonte]

No primeiro movimento, o solo de trompa entra com o tema principal quatro compassos antes da "real" recapitulação. O discípulo de Beethoven Ferdinand Ries contou:[7]

Uso do Segundo Movimento em Funerais[editar | editar código-fonte]

Eroica nas Telas[editar | editar código-fonte]

Em 2003 um filme de Simon Cellan Jones-BBC/Opus Arte Eroica foi lançado, sendo que Ian Hart interpretou Beethoven. A Orchestre Révolutionnaire et Romantique, conduzida pelo Sir John Eliot Gardiner, apresentou a Eroica inteiramente. O tema do filme é a estréia em 1804 privada da Sinfonia Eroica, no palácio do príncipe Lobkowitz (interpretado por Jack Davenport). O filme é baseado, em parte, das lembranças de Ferdinand Ries do evento. [11]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Steinberg, Michael. "A sinfonia: um guia para ouvintes". p. 12. Oxford University Press, 1995.
  2. Eroica, A Era Napoleônica.
  3. a b Dicionário Grove de Música e Músicos, 5ª ed., 1954, Eric Blom, ed.
  4. Aaron Green. "Notas Histórica na Sinfonia n.º 3 de Ludwig van Beethoven, Op. 55." About.com http://classicalmusic.about.com/od/symphonies/a/aaeroica.htm
  5. Eroica Symphony, Wiſdom Portal.
  6. Gareth Jenkins. "Grito de Liberdade de Beethoven" Trabalhador Socialista (Reino Unido) 4 de Outubro de 2003. http://www.socialistworker.co.uk/art.php?id=2496
  7. Ries, Ferdinand; Franz Wegeler; Frederick Noonan, trans.. Beethoven lembrou: as notas biográficas de Wegeler e Franz Ferdinand Ries. Arlington, Va.: Great Ocean Publishers, 1987. p. 69. ISBN 0-915556-15-4.
  8. American Heritage.
  9. Music and Arts.
  10. Wilfrid Blunt, Nas Asas da Canção, uma biografia de Felix Mendelssohn, Londres, 1974.
  11. Sinfonia n.º 3 (Beethoven) (em inglês) no Internet Movie Database

Referências[editar | editar código-fonte]

Links Externos[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.