Até mais, e Obrigado pelos Peixes!

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde novembro de 2007). Ajude e colabore com a tradução.
So Long, and Thanks for All the Fish
Autor (es) Douglas Adams
Idioma Portugues
País Inglaterra e Estados Unidos
Género ficção científica
comédia
Série The Hitchhiker's Guide to the Galaxy
Arte de capa William Medeiros
Tradutor Carlos Irineu da Costa
Editora Sextante
Lançamento 1984 (Original)
Páginas 208
ISBN ISBN 85-7542-199-9
Cronologia
Último
Último
Life, the Universe and Everything
Mostly Harmless
Próximo
Próximo

So Long, and Thanks for All the Fish (1984) traduzido para português como Até mais, e Obrigado pelos Peixes!' PB é o quarto livro da série The Hitchhiker's Guide to the Galaxy escrita por Douglas Adams. Este título se refere a mensagem deixada pelos golfinhos quando deixaram o planeta Terra um pouco antes de ela ser demolida para a construção de uma via expressa hiperespacial, como descrito em O Guia do Mochileiro das Galáxias (À Boleia pela Galáxia, em Portugal). Ela tem sido adotada por alguns fãs de ficção científica como um jeito bem-humorado de dizer "adeus".

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Depois de ser deixado no planeta por uma espaçonave no meio de um campo aberto com uma chuva torrencial, Arthur Dent anda até a rodovia, no qual é surpreendido por um Carro que carregava uma placa "Meu outro carro também é um Porsche" - está é sua primeira indicação que está de volta a Terra. Ele é atingido por uma cachoeira quando o caminhão dirigido por Rob McKenna (que sempre está chovendo em sua volta, por que mesmo sem saber, ele é o deus da Chuva) passa intencionalmente em uma poça d'agua perto dele. A mesma coisa acontece várias vezes com outros carros que passan na rodovia, até que Arthur consegue finalmente uma carona com o homem chamado Russell.

O ponto de vista muda para Ford Prefect, que está causando problemas na extremamente perigosa Han Dold City. É quase morto quando tenta pagar uma grande quantidade de bebidas com um cartão da American Express, mas consegue escapar de tal situação ao escrever uma crítica favorável sobre o bar no O Guia do Mochileiro das Galáxias. Depois ele encontra uma prostituta nas ruas, cuja especialidade é dizer para as pessoas ricas que não há nada de errado em ser rico; ele tenta mostrar seu artigo sobre a Terra no Guia ("Praticamente Inofensiva"), que lhe valeu 15 anos de sua vida, antes que a próxima atualização do Guia entre e - como ele pensa - delete-o. Ela acaba deixando-o para oferecer seus serviços para um homem numa limusine; Ford percebe que seu artigo havia sido atualizado segundos antes, mas descobre que ele não foi excluído: Ao invés disso, seu artigo a respeito da Terra estava sendo colocado no Guia na íntegra, sem nenhuma edição adicional. Devido a tal acontecimento estranho, sai imediatamente do planeta e vai para a Terra.

Enquanto isso, Arthur percebe logo que ele não gosta nem um pouco de Russell. No banco de trás está a irmã de Russell, uma mulher realmente bela que encontra-se inconsciente e a quem Russell chama de Fenny. Russell diz a Arthur que Fenny aparentemente teve um choque mental num café em Rickmansworth aguns segundos antes do que ele chama de "as alucinações com as espaçonaves amarelas gigantes" - aparentemente, todos acreditam que a destruição da Terra foi uma alucinação em massa planejada pela CIA. Russell acredita que o efeito das drogas que a CIA usou demorou muito tempo para terminar em Fenny, a qual ele acredita que está louca, pois ela vive repetindo que ela está tendo desilusões e que está vivendo no mundo real.


Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Este livro teve assuntos muito diferentes que o outros da série. Em parte porque se baseia em um romance, como também o livro avança no tempo mais que o usual. Douglas Adams, sempre humorado, coloca a história de lado no livro. Talvez o mais notavel é a pequena quantidade de viagem espacial por todo o livro, onde Arthur apenas sai da nova Terra no capítulo final. O editor de Adams, Sonny Mehta, ficou pressionando-o para que o livro fosse terminado antes que o prazo se esgotasse. Como resultado, Adams disse não ter ficado totalmente feliz com o resultado do livro.

O livro reflete significadamente a mudança de visão de Adams dos computadores. Nos livros anteriores, os computadores foram tratados de forma negativa, refletindo o modo de ver de Adams sobre o assunto. Entretanto, entre a escrita do livro A Vida, o Universo e Tudo Mais e Até Mais, e Obrigado pelos Peixes, suas atitudes sobre a tecnologia mudaram consideravelmente. Tendo se distanciado do mundo da computação, ele ficou enormemente entusiasmado com os primeiros modelos Macintosh, começando um caso de amor com os computadores pessoais (ele diz ter sido a segunda pessoa a ter um Macintosh no Reino Unido - o primeiro foi seu amigo Stephen Fry). Em Até mais e Obrigado pelos Peixes, Arthur Dent comprou para mapear as estrelas; Adams faz apenas alguns comentários despreciativos sobre essa decisão.

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.