Macintosh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Macintosh, ou Mac, é o nome dos computadores pessoais fabricados e comercializados pela empresa Apple Inc. desde janeiro de 1984. O nome deriva de McIntosh, um tipo de maçã apreciado por Jef Raskin. O Apple Macintosh foi o primeiro computador pessoal a popularizar a interface gráfica, na época um desenvolvimento revolucionário. Ele é muito utilizado para o tratamento de vídeo, imagem e som.

Apple iMac em 1998.

Os primeiros modelos foram construídos em torno dos microprocessadores da família 68000 da Motorola. Com o surgimento de arquiteturas mais poderosas, a partir de 1994 foi empregada a família de processadores PowerPC da IBM e Motorola. Em 2006, uma nova transição ocorreu, com a adoção de processadores Intel, da família Core.

Em setembro de 2006, três diferentes processadores são utilizados nos diferentes modelos de Macintosh à venda:

  • Core Solo: processador menos poderoso, usado em modelos mais simples de Mac Mini
  • Core 2 Duo: processador voltado para uso em notebooks de alta performance, usado em Mac Mini, MacBook, MacBook Pro e iMac
  • Xeon 5100: processador voltado para uso em servidores, usado na workstation Mac Pro e nos servidores Xserve.

Os Macintosh funcionam normalmente com o sistema operacional Mac OS, mas outros sistemas também são disponíveis, como o Linux ou FreeBSD. Um cluster de PowerMac G5 apelidado de Big Mac era um dos computadores mais rápidos em 2003.

Em 2010 iniciou a adoção dos processadores da serie core nos Macs, como o Corei3, Corei5 e Corei7, sendo estes atualizados em 2011 para a segunda geração destes processadores, e em 20 de julho de 2011 a Apple lança o Mac OS X 10.7 codenome Lion. Este sistema operativo exige máquinas com processadores Intel Core 2 Duo e mais recentes.

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

O projeto Macintosh começou a se desenhar no princípio de 1979 com Jef Raskin, que imaginou um computador fácil de utilizar e barato para o consumidor comum. Em Setembro do mesmo ano, Jef Raskin foi autorizado a oficialmente lançar o projeto e começou a procurar um engenheiro capaz de construir o primeiro protótipo.[1]

Bill Atkinson, um membro do projeto Lisa, apresentou-o a Burrell Smith, um técnico que acabara de ser contratado pela Apple naquele ano. Segundo certas fontes, Bill Atkinson teria dito a Jef Raskin: Jef, this is Burrell. He's the guy who's going to design your Macintosh for you (Jef, este é o Burrell. Ele é o cara que vai projetar o Macintosh para você).[2]

O primeiro protótipo[editar | editar código-fonte]

O primeiro protótipo produzido por Burrell Smith obedecia às especificações de Jef Raskin: tinha 64 kB de memória, utilizava o lento microprocessador 6805E da Motorola e tinha um monitor de 256x256 pixeis em preto e branco. Bud Tribble, um programador trabalhando no projeto Macintosh, propôs que se adaptassem os programas gráficos do Apple Lisa e perguntou se seria possível integrar o processador Motorola 68000 do Lisa ao Macintosh, mas mantendo o baixo custo de produção. A partir de dezembro de 1980, Burrell Smith desenvolveu uma placa que continha não somente um processador 68000, mas que, além disso, fazia-o rodar a uma frequência de 8 MHz em vez de 5 MHz. Este tinha também um monitor com 384x256 pixeis. Esta máquina utilizava menos controladores de memória que o Lisa, tornando sua fabricação bem mais barata.

Steve Jobs e o PARC[editar | editar código-fonte]

O projeto inovador do Macintosh atraiu a atenção de Steve Jobs, que saiu do projeto Lisa com sua equipe para se concentrar no projeto Macintosh. Em janeiro de 1981, ele tomou a direção do projeto, forçando Jef Raskin a deixá-lo.

Steve Jobs tinha visitado os laboratórios de desenvolvimento da Xerox em Palo Alto, Califórnia (Palo Alto Research Center, o PARC), em dezembro de 1979, três meses antes do lançamento dos projetos Lisa e Macintosh. Tendo descoberto que a Xerox desenvolvia uma tecnologia de interface gráfica, ele havia negociado essa visita em troca de ações da Apple. É evidente que essa visita influenciou muito Steve Jobs no desenvolvimento do Lisa e do Macintosh.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O Macintosh foi lançado em 24 de janeiro de 1984, com um preço de US$2495. Vinha equipado com 128 KB de memória (por isso é conhecido hoje como Macintosh 128k, para diferenciá-lo de modelos posteriores, também chamados Macintosh) e rodava com o Sistema Operacional System 1, que mais tarde, já na versão 7.6, seria chamado de Mac OS.

Apesar de uma acolhida entusiástica, ele era radical demais para alguns: como a máquina era construída em torno da interface gráfica, todos os programas em linha de comandos existentes tiveram que ser completamente adaptados. Isso contrariou a maior parte dos desenvolvedores de software, sendo a causa principal da falta de programas para o Macintosh no início.

O PowerPC[editar | editar código-fonte]

No início dos anos 1990, a aliança AIM Apple Computer-IBM-Motorola anuncia a série de processadores PowerPC com arquitetura RISC. Os primeiros Macintosh utilizando o PowerPC surgiram em 1994. Devido à incompatibilidade dos processadores PowerPC e 68000, todas as aplicações Macintosh tiveram de ser reescritas, inclusive o sistema operacional Mac OS. A Apple, reconhecendo o problema, desenvolveu um software emulador para rodar programas escritos para a família 68000 nos PowerPC, mas essa solução intermediária tornava as aplicações bem mais lentas do que os programas compilados diretamente para o PowerPC. À medida que o tempo foi passando, cada vez mais programas foram sendo desenvolvidos diretamente para o PowerPC, e o uso do emulador tornou-se desnecessário. A escolha de utilizar processadores a arquitetura RISC em vez de CISC (como os x86 da Intel) foi (e ainda é) uma decisão controversa. E tambem é conhecido como o maior e mais rápido do mundo.

Os clones[editar | editar código-fonte]

Desde a criação do Macintosh, a maçã sempre resistiu a licenciar sua arquitetura para outras empresas, mantendo-se a fornecedora exclusiva.

Em 1995, criticada pelo alto custo e performance da linha, e com sua fatia no mercado de computadores diminuindo rapidamente, a Apple autorizou um grupo de empresas, incluindo Umax e Power Computing, a fabricar clones do Macintosh. Esperava-se que estas empresas conquistassem outros segmentos do mercado, com modelos diferenciados de Macintosh, preenchendo nichos não explorados pela Apple.[3]

No entanto, a maioria do fabricantes de clones apenas produziu versões dos designs projectados pela Apple, com pequenas variações de velocidade de processador e similares. Efectivamente, a Apple estava fazendo todo o trabalho de pesquisa e desenvolvimento de novos modelos, enquanto os clones apenas produziam modelos equivalentes a preços menores. Como não existiam grandes diferenças entre as linhas, a iniciativa teve um efeito contrário ao do esperado: a fatia de mercado dos modelos Macintosh não aumentou significativamente, mas a fatia proporcional da Apple diminuiu, perdendo espaço para os clones.

Em 1997, a Apple lançou uma nova versão de seu sistema operacional, o Mac OS 8, e Macintoshs baseados numa nova linha de processadores, os PowerPC G3. Nenhuma destas inovações foi liberada para os fabricantes de clones, que abandonaram o mercado em seguida, deixando a Apple como única fornecedora de Macintosh novamente.

O que um chip Intel faz dentro de um Mac?[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2005[4] , Steve Jobs anuncia que a Apple estava prestes a trocar os processadores PowerPC de seus computadores por processadores da Intel. Os primeiros modelos de Macintosh equipados com chips da Intel apareceram à venda em janeiro de 2006: o MacBook Pro e o iMac, ambos equipados com o processador Intel Core Duo. A Apple anuncia que o MacBook Pro é quatro vezes mais rápido do que o PowerBook G4, e o iMac duas vezes mais rápido que o iMac G5. A frase de campanha comercial da Apple para os novos modelos, bastante provocante, é: "O que um chip Intel faria dentro de um Mac? Muito mais do que já fez em qualquer PC."

Boot Camp[editar | editar código-fonte]

Em 5 de abril de 2006 a Apple anuncia a disponibilidade de Boot Camp, uma coleção de tecnologias que auxilia usuários na instalação de Windows XP Service Pack 2 (edições Home ou Professional) em computadores Macintosh baseados em processadores intel. A Apple acredita, com esse lançamento, que Boot Camp torne o Mac ainda mais atraente para os usuários de Windows que consideram a possibilidade de trocar seu PC por um Macintosh.

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

iMac modelo 2007.

O sistema operacional, originalmente chamado System OS, tornou-se oficialmente conhecido como Mac OS na versão 3.6 (apesar de, mais precisamente, a versão 3.5.1 ter sido a primeira a mostrar o logo Mac OS e ser a primeira versão do Mac OS sob este nome).[carece de fontes?] Em Março de 1994, a Apple introduziu um sucessor moderno e mais seguro, baseado no sistema operacional Unix, o Mac OS X (o X é pronunciado "dez", sendo a décima versão do Sistema Operacional.).[carece de fontes?]

Desde o seu início, o Macintosh introduziu ou popularizou um grande número de inovações adotadas mais tarde por outros PCs e sistemas operacionais.

As primeiras inovações introduzidas ou popularizadas com o Macintosh original foram:

  • Uma interface gráfica, ícones, um desktop, etc.
  • O uso do mouse
  • O clique duplo (double click) e o drag-and-drop (clicar-e-arrastar) para realizar ações com o mouse.
  • WYSIWYG em edição de texto e gráficos ("what you see is what you get" - “O que você vê é o que você obtém”)
  • Nomes de arquivo longos, com espaços e sem extensão (até 31 caracteres antes do Mac OS X, aumentado para 255 caracteres com o Mac OS X)
  • O leitor de disquetes 3.5" de série
  • Áudio de série, incluindo um alto-falante de qualidade
  • Design industrial estético e ergonômico (melhorado com os modelos mais recentes, particularmente o iMac original em 1998)

Mais tarde, outras inovações foram sendo introduzidas ou popularizadas, como:

  • A impressora laser PostScript
  • Publicação pessoal (Desktop publishing)
  • Programação pelo usuário através do HyperCard e AppleScript
  • A interface SCSI (Mac Plus, 1986)
  • Entrada de Áudio de série (Mac IIsi & Mac LC, 1990)
  • Leitor de CD-ROM de série (Quadra 900, 1991)
  • Um ambiente de trabalho único distribuído em diversos monitores
  • Suporte Ethernet de série (Quadra 700 & 900, 1991)
  • Universal Serial Bus, a popular entrada USB que substituiu diversas outras, se tornando um padrão mundial e atualmente usada em Pen Drives e MP3 Players.
  • FireWire, também conhecido como IEEE 1394, um standard desenvolvido pela Apple e promovido também pela Sony sob o nome iLink (G3 Azul e Branco, 1998)
  • Rede sem fio IEEE 802.11b e IEEE 802.11g (wireless networking), denominados comercialmente AirPort, AirPort Extreme, e AirPort Express pela Apple (iBook original, 1999)
  • O abandono do leitor de disquetes (iMac original, 1998)
  • O primeiro computador disponível comercialmente a se basear principalmente no USB para a conexão de periféricos. (iMac original, 1998)
  • Arquitetura RISC na forma do processador PowerPC, desenvolvido conjuntamente pela Apple, IBM e Motorola (Power Macintosh 6100, 1994)
  • O primeiro leitor DVD-R a preço popular ("SuperDrive", Power Mac G4, 2000)
  • Monitores planos de série (iMac G4, 2002)
  • Primeiros notebooks com mouse de série e teclados externos (série PowerBook 100, 1991)
  • Primeiro notebook com replicador de portas, para uso como desktop (PowerBook Duo, 1992)
  • Primeiro notebook com monitor de tela larga (PowerBook G4, 2000)
  • Primeiro computador pessoal a arquitetura 64-bit (PowerMac G5, 2003)

Fim da era PowerPC[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2011 com o lançamento do seu novo sistema operacional, o Mac OS Lion (10.7), a Apple encerra o suporte aos programas que rodavam em processadores PowerPC, pois o novo OS não seria compatível mais com programas emuladores de PowerPC para arquitetura Intel.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Modelos[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons
O Commons possui multimídias sobre Macintosh


Apple logo black.svg Portal Apple Inc.