The Chariot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Chariot
A banda no Cornerstone Festival, 2006.
Informação geral
Origem Douglasville, Geórgia
País  Estados Unidos
Gênero(s) Mathcore, metalcore, metal cristão
Período em atividade 2003 – presente
Gravadora(s) Solid State Records
Afiliação(ões) Norma Jean
Página oficial www.thechariot.com
Integrantes Josh Scogin
Jon "KC Wolf" Kindler
Bryan Russell Taylor
David Kennedy
Dan Vokey
Ex-integrantes Mark McGee
Jon Terrey
Dan Eaton
Jake Ryan
Joshua Beiser
Keller Harbin
Mark Nicks
Jeff Carter
Tony Medina

The Chariot é uma banda de metal cristão formada em Douglasville, Geórgia, em 2003.

A banda tem sido alvo de mudanças constantes dos seus membros. Atualmente é composta pelo baterista David Kennedy, pelo baixista Jon "KC Wolf" Kindler, pelo vocalista e líder Josh Scogin e pelos guitarristas Bryan Russell Taylor e Dan Vokey. A banda toca uma sonoridade abrasiva do metalcore que não é muito comum numa banda deste género. A banda construiu uma reputação em torno dos seus espetáculos ao vivo, apelidados de "lendários" e "destrutivos". As suas letras referem-se a assuntos tão diversos como o materialismo e mesmo a religião.

A banda foi formada por Scogin pouco depois de abandonar outra banda de metalcore na qual era vocalista, Norma Jean. Em 2004, foi assinado um contrato com a gravadora Solid State Records e estrearam o seu primeiro álbum, Everything Is Alive, Everything Is Breathing, Nothing Is Dead, and Nothing Is Bleeding. A banda entrou em torné desde essa altura. Lançam em 2005 o EP Unsung, que depois foi seguido de dois álbuns de estúdio, The Fiancée em 2007 e Wars and Rumors of Wars em 2009.

História[editar | editar código-fonte]

A banda foi formada por Josh Scogin praticamente a seguir da sua saída de Norma Jean.[1] Scogin foi o vocalista de Norma Jean durante dois anos, tendo participado na gravação do aclamado Bless the Martyr and Kiss the Child em 2002. Norma Jean atuou no festival Furnace Fest em Birmingham, Alabama nesse mesmo ano.[2] No final do espetáculo, Scogin chocou a audiência e os seus colegas de grupo anunciando a sua partida:[3]

Quando questionado se a sua saída era devido a conflitos internos, disse:

O anúncio gerou uma onda de tristeza e choro por parte dos fãs do género hardcore.[5] Scogin regressou a Douglasville em 2003 e começou no projeto com outros músicos da mesma região; o primeiro alinhamento incluía os guitarristas Keller Harbin e Tony "Taco" Medina, o baixista Jason Beiser e o baterista Jeff Carter. O nome da banda foi inspirado na história bíblica de Elias e a sua carroça de fogo.[3]

Em 2004, foi assinado um contrato com a gravadora Solid State Records, uma subdivisão do metal da Tooth & Nail Records.[1] A banda viajou para Atlanta, Geórgia e trabalhou no seu primeiro disco com Matt Goldman.[2] Todo o álbum foi gravado ao vivo e num único take.

O álbum foi lançado em Novembro com o título Everything Is Alive, Everything Is Breathing, Nothing Is Dead, and Nothing Is Bleeding,[5] que era uma paródia a discos com nomes mórbidos: "Morte, Matança, ou Sangue"; Scogin explicou:

O álbum estreou no nº 23 do Top Heatseekers,[7] e recebeu críticas bastante favoráveis por parte dos media.[8] Segui-se uma torné juntamente com As Cities Burn, He Is Legend e Showbread na Young Bloods Tour de Inverno.[9] Medina e Cárter deixaram a banda pouco depois, sendo substituídos por Brian Khounvichit e Mark Nicks respectivamente. Nicks foi mais tarde substituído pelo baterista Jake Ryan. Em Setembro de 2005, The Chariot começou uma torné que iria passar por vinte e sete cidades iniciando em Poughkeepsie, Nova Iorque, juntamente com High on Fire, Every Time I Die e The Red Chord.[3] O EP Unsung, foi editado no início de Dezembro. Contava com duas novas faixas e quatro regravações do seu álbum de estreia.[10] O EP teve uma boa crítica por parte dos media.[11] A banda tocou juntamente com bandas da mesma gravadora, As Cities Burn, MewithoutYou e Underoath nesse mesmo mês.[3] A torné continuou durante o ano de 2006 juntamente com P.O.D. na Primavera,[12] e teve a oportunidade de participar no Sounds of the Underground Tour juntamente com As I Lay Dying no verão.[13] Em Junho de 2006, Beiser e Harbin foram substituídos pelo baixista Dan Eaton e pelo guitarrista Jon Terry respectivamente. Os dois elementos foram e ainda são grandes amigos da banda.[14]

The Chariot entrou novamente em torné, Youngbloods II Tour iniciou-se no Outono com bandas da Solid State, August Burns Red, Destroy the Runner e Inhale Exhale.[15] Em Janeiro de 2007, a banda deslocou-se ao Velho Continente para realizar uma torné junto com Becoming the Archetype e Shaped by Fate.[16] Por essa altura foi recrutado outro membro, o baixista Jon "KC Wolf" Kindler.[1] Em Abril do mesmo ano, e após atrasos relacionados com o alinhamento, a banda edita o seu segundo álbum, The Fiancée.[17] O trabalho de produção e gravação esteve a cargo de Matt Goldman, tendo tido alguns contratempos:

Contudo, Scogin esperou que a música estivesse pronta e só depois é que passaria a escrever a letra, um exercício que jamais quererá fazer.[17] Hayley Williams vocalista dos Paramore teve uma participação na faixa "Then Came To Kill" assim como Aaron Weiss dos MewithoutYou quando tocou harmónica na faixa "Forgive Me Nashville";[17] Scogin já era amigo de ambos os artistas desde há muitos anos.[4] The Fiancée estreou-se no nº 169 da Billboard 200, tendo vendido 6 mil e 800 cópias,[18] e foi alvo de críticas bastante positivas.[19] A banda juntou-se a Misery Signals, I Am Ghost e I Hate Sally,[20] tendo depois feito uma pequena passagem pela Warped Tour no Verão.[20] Quando o vocalista dos Norma Jean, Cory Brandan Putman ficou doente no México, Scogin tomou o seu lugar.[21] Uma outra torné de The Fiancée Tour foi prolongada até à Primavera de 2008, junto com LoveHateHero, Alesana, Our Last Night e Sky Eats Airplane.[22]

O terceiro álbum de estúdio, Wars and Rumors of Wars, foi lançado em Maio de 2009. O alinhamento sofreu de novo alterações, deixando Scogin como o único membro que participou nos discos anteriores,[23] Ryan e Eaton deixaram a banda de forma amigável e juntaram-se à banda de indie pop Queens Club que tinha assinado contrato com a Tooth & Nail Records.[24] O título do disco foi inspirado na passagem bíblica de Mateus 24:6 que diz (em inglês):

Scogin explica que o álbum refere-se ao conflito interno das pessoas, e não a guerra literal.[4] A banda fez todo o trabalho de capa e notas manualmente para as primeiras 25 mil cópias.[25] Wars and Rumors of War estreou no nº 112 da Billboard 200, a melhor estreia de sempre da banda, até à data,[7] tendo obtido igualmente ótimas criticas acerca do disco.[26] The Chariot atuaram na Scream the Prayer Tour junto com Haste the Day, Oh, Sleeper e Project 86 nesse mesmo verão.[27] No início de Novembro, Norma Jean iria iniciar uma torné pelos Estados Unidos, a Explosions 2009 Tour junto com The Chariot, HORSE the band e ainda Arsonists Get All The Girls.[28]

Estilo e influência musical[editar | editar código-fonte]

A música da banda é caracterizada pelo metal extremo,[29] bem como pela potente voz de Josh Scogin.[30] Diversos jornalistas de música referem a música como "caótica";[31] o editor Alex Henderson do Allmusic descreve como sendo "dense, clobbering sledgehammer",[29] enquanto Brian Shultz da Alternative Press define-a como "manically pounding, distortion-soaked exercises of catharsis".[32] The Chariot foi muitas vezes rotulada como uma banda de metalcore.[33] Contudo a sonoridade apresentada foge um pouco ao género, não deixando espaço para "nonstop firestorm of exploding drums, heaving guitars, and visceral shrieking", como refere o editor do Allmusic Corey Apar.[34] A banda apresenta normalmente canções curtas.[17] Alguns jornalista acreditam que assim a música torna-se num desafio e adquire sabor.[35]

As atuações ao vivo são muito importantes para a banda. "Nós adoramos tocar ao vivo", diz Scogin, "É disto que esta banda se trata, tocar ao vivo". Esta mentalidade é passada para o processo de gravação, tendo mesmo o primeiro disco sido gravado ao vivo e de um só take. Os dois trabalhos seguinte seguiram os métodos mais tradicionais:

Apesar da tentativa de mudança do processo de gravação, Scogin manteve a sua atenção nas atuações ao vivo:

Os concertos da banda criaram uma reputação; a MTV apelidou-os de "the thing of metalcore legend".[17] Questionado sobre a sua prestação na Scream the Prayer Tour, o presidente da HM Magazine Doug Van Pelt escreveu:

Artistas com grande presença em palco influenciaram fortemente Scogin; entre eles estão James Brown, Frank Sinatra, Jerry Lee Lewis e Elvis Presley.[4] É igualmente fã de Arcade Fire, The Beatles, Björk, Interpol e The Killers.[36] Numa entrevista dada por Scogin, expressou que gostava de ter visto At the Drive-In e Nirvana antes de terem acabado.[6]

As letras da músicas de Scogin baseavam-se em temas desde o materialismo, morte e a indústria de música cristã de Nashville.[37] As letras para Rumors of Wars foram escritas após uma perda familiar:

Scogin chama as suas músicas de poemas e diz que "uma canção nunca acaba, fica abandonada" e que:

Por vezes as letras revelam temas e crenças cristãs.[34] Por exemplo na faixa "Yellow Dress: Locked Knees" do disco Everything Is Alive, Everything Is Breathing, Nothing Is Dead, and Nothing Is Bleeding, contém letras em espanhol: "Jesus, yo quiero que este mundo te conosca."; que quando traduzido diz: "Jesus, quero que este mundo Te conheça".[38] A música "And Shot Each Other" do álbum The Fiancée contém a quadra: "How happy is a child of grace, who feels his sins forgiven / This world, he cries, is not my place / I seek a place in Heaven".[37]

The Chariot é frequentemente rotulada como uma banda cristã, à qual Scogin concorda e diz numa entrevista de 2005:

Em 2006, mais tarde acrescenta:

Membros[editar | editar código-fonte]

Atuais
Nome Instrumento Anos Outras bandas
Josh Scogin Vocal 2003 - presente A Rose By Any Other Name, Norma Jean
Bryan Russell Taylor Guitarra, vocal de apoio 2008 - presente Slowriter, The Rein
Stephen Harrison Guitarra, vocal de apoio 2009 - presente Written in Red
David Kennedy Bateria 2008 - presente The Rein
Antigos
Nome Instrumento Ano Outras bandas
Mark McGee Bateria 2008 I Hate Sally
Jon "KC Wolf" Kindler Baixo 2006 - 2012 Asleep for Dreaming
Jon Terrey Guitarra, vocal de apoio 2006 - 2008 The James Dean Trio
Dan Eaton Guitarra, vocal de apoio 2006 - 2008 Flattery Leads to Ruins, Brunette, Queens Club
Jake Ryan Bateria 2005 - 2008 Flattery Leads to Ruins, Golden Reach, Queens Club
Joshua Beiser Baixo 2003 - 2006 The Glass Ocean
Keller Harbin Guitarra, vocal 2003 - 2006 The Glass Ocean, Every Time I Die
Mark Nicks Bateria 2005 Cool Hand Luke
Jeff Carter Bateria 2004 - 2005 Deus Invictus
Tony Medina Guitarra 2003 - 2005 Juliette

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

EPs[editar | editar código-fonte]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • 2004: Ladies And Gentlemen… The Chariot
  • 2007: One More Song

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Mason
  2. a b c MTV staff
  3. a b c d Sharpe-Young
  4. a b c d e Koutsou
  5. a b Taylor (2004-11-04)
  6. a b c d Herbel
  7. a b Allmusic staff
  8. Henderson: Everything; Spenceley; Taylor (2004-11-04)
  9. Taylor (2004-12-03)
  10. Taylor (2005-12-06)
  11. Loftus; Langley; Taylor (2005-12-06)
  12. Cromwell (2006-03-23)
  13. Cromwell (2006-04-05)
  14. Harris & Wiederhorn (2006-06-16)
  15. Foucart
  16. Cromwell (2006-11-30)
  17. a b c d e f Goodman
  18. Harris
  19. Apar; Goodman; Whitman
  20. a b Cromwell (2007-05-27)
  21. Blabbermouth.net staff
  22. Sailer
  23. Estabrooks
  24. Van Pelt: New member…
  25. Shultz (2009-02-20)
  26. Estabrooks; Goforth; Henderson: Wars; Shultz (2009-04-14)
  27. a b Van Pelt (2009-07-28)
  28. Karan
  29. a b Henderson: Wars
  30. Langely
  31. Goforth; Goodman; Koutsou; Van Pelt (2009-07-28)
  32. a b c Schultz (2009-04-14)
  33. Goodman; Henderdon: Wars; Karan; Mason; Sharpe-Young
  34. a b Apar
  35. Goodman; Henderson: Wars
  36. Koutsou; Herbel
  37. a b Whitman
  38. Henderson: Everything…

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Flag of the United States.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical dos Estados Unidos, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.