Tratado sobre Reduções Estratégicas Ofensivas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Assinatura do tratado em 2002

O Tratado sobre Reduções Estratégicas Ofensivas (SORT sigla para Treaty on Strategic Offensive Reductions em inglês), mais conhecido como o Tratado de Moscou (português brasileiro) ou de Moscovo (português europeu), foi assinado em 2002 entre a Rússia e os Estados Unidos visando à limitação de seus arsenais nucleares para um máximo de 2200 ogivas operacionais para cada país. O tratado foi assinado em Moscou, no dia 24 de Maio de 2002. Este é o mais recente de uma longa série de tratados e negociações para um desarmamento nuclear mútuo entre a Rússia (e seu predecessor, a União Soviética) e os Estados Unidos. Entre os acordo firmados, incluem-se o SALT I (1969-1972), Tratado ABM (1972), SALT II (1972-1979), Tratado INF (1987), START I (1991) e START II (1993).

O tratado de Moscou diverge do START em dois pontos: primeiro, ele limita as ogivas atualmente em operação, enquanto o START I limita-as apenas através de seus meios de entrega (ICBMs, SLBMs, e Bombardeiros Pesados). Em segundo lugar, a administração de Bush e Putin escreveram o tratado num panorama de grande confiança, fato que os escritores do START I não possuíam. Como resultado, o Tratado de Moscou não possui verificações e inspeções tão arraigadas quanto as do START I.

Delegações da Rússia e dos Estados Unidos encontram-se duas vezes por ano para discutir a implementação do Tratado de Moscou pela Comissão de Implementação Bilateral, ou "BIC".

O tratado tem sido criticado por várias razões:

  • Não existem protocolos de verificação.
  • As reduções não são necessariamente permanentes; as ogivas podem ser armazenadas e depois reutilizadas.
  • As reduções só precisam ser concluídas na data de expiração do tratado, em 31 de Dezembro de 2012.

SORT, Controle de Armamentos e a Administração Bush[editar | editar código-fonte]

As críticas acima são mais bem analisadas quando vistas em conjunto com as circunstâncias relevantes da administração atual. Durante a Guerra Fria, tornou-se claro para a maior parte das pessoas em ambos os lados da Cortina de Ferro que uma corrida armamentísta num ambiente tão carregado podia apenas levar ao desastre, sendo então criado o controle de armamento. Assim sendo, avanços no controle de armas tornaram-se a norma para os líderes tanto em Washington quanto Moscou. O Tratado de Moscou, portanto, aparenta ser a contribuição de George W. Bush nesse processo.

Em 2002, informações obtidas do documento confidencial Revisão da Postura Nuclear (NPR), requerido por lei para garantir a situação atual do arsenal nuclear dos Estados Unidos, deixaram claras as projeções e a política de armamentos do país. Essas informações demonstraram o interesse do governo Bush em montar uma nova tríade nuclear, consistindo de novos sistemas de ataque, defesa antimisseis e uma infraestrutura nuclear revitalizada.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]