V for Vendetta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
V for Vendetta
Capa-da-edicao-de-setembro-de-1988-da-hd-v-de-vingancade-alan-moore-e-david-lloyd.jpg

Capa original da 1ª edição de 1988.
Editora Reino Unido:
Quality Comics
Estados Unidos:
Vertigo (DC Comics)
França:
Delcourt
Brasil:
Abril Jovem
Panini Comics
Publicação
Formato de publicação série limitada
Publicação original 1982
Última Publicação 1989
Qte. de edições 10
Gênero (s) anarquismo, mistério, pós-apocalipse, Anti-herói
Personagens V
Evey Hammond
Eric Finch
Equipe criativa
Roteirista(s) Alan Moore
Argumentista(s) Alan Moore
Arte David Lloyd
Desenhista(s) David Lloyd
Tony Weare
Arte-finalista(s) David Lloyd
Tony Weare
Colorista(s) Steve Whitaker
Siobhan Dodds
David Lloyd
Projecto Banda Desenhada  · Portal da Banda Desenhada

V de Vingança (versão em português para V for Vendetta) é uma série de romances gráficos escrita por Alan Moore e em grande parte desenhada por David Lloyd. A história se passa em um distópico futuro de 1997 no Reino Unido, em que um misterioso Revolucionário tenta destruir o Estado, através de ações diretas.

V de Vingança foi publicado originalmente entre 1982 e 1983 em preto e branco pela editora britânica Warrior, mas não chegou a ser finalizado. Em 1988, incentivados pela DC Comics, Allan Moore e David Lloyd retomaram a série e a concluíram com uma edição colorida. A série completa foi republicada nos EUA pelo selo Vertigo da DC e no Reino Unido pela Titan Books. No Brasil, foi publicada em 1989 em cinco edições em cores pela editora Globo e mais tarde pela Via Lettera, em dois volumes em preto e branco; em 2006 teve uma edição especial pela Panini, em volume único, colorido e com material extra. Atendendo a pedidos, em 2012 a Panini relançou esta edição especial.

Enredo[editar | editar código-fonte]

O enredo é situado num passado futurista (uma espécie de passado alternativo), numa realidade em que um partido de índole totalitária ascende ao poder, após uma guerra nuclear. A analogia com o regime fascista é inevitável: o governo tem o controle da mídia, há uma polícia secreta e campos de concentração para minorias raciais e sexuais - à semelhança do que escreveu Hannah Arendt no seu livro "Origens do totalitarismo", de 1951. Existe também um sistema de monitoramento mediante o uso de câmeras, nos moldes de 1984, de George Orwell, escrito em 1948, quando o CFTV ainda não existia tal como é hoje.

A história em quadrinho foi escrita no momento em que a Inglaterra, sob a liderança da primeira ministra Margaret Thatcher, estava implementando o modelo econômico neoliberal, ao mesmo tempo em que o chamado socialismo real entrava em colapso na U.R.S.S..

"V" (codinome do protagonista) tem uma postura anarquista.

Nesta obra, o Estado é mostrado o caráter totalitário do Estado, tal como escreveram vários teóricos anarquistas - Enrico Malatesta (nos seus Escritos revolucionários), Mikhail Bakunin, Pierre Joseph Proudhon, Max Stirner, Emma Goldman, Piotr Kropotkin e Henry David Thoreau.

História[editar | editar código-fonte]

A história começa após o fim do conflito político, com os campos de concentração desativados e a população complacente com a situação, até que surge "V" — um Anarquista que veste uma máscara estilizada de Guy Fawkes e é possuidor de uma vasta gama de habilidades e recursos. Ele então inicia uma elaborada e teatral campanha para derrubar o Estado.

No processo, conhece Evey, garota que perdeu os pais durante a guerra. Evey é tratada por V como aprendiz, sempre sendo apresentada à resquícios de uma cultura perdida por causa da guerra e degradação da sociedade.

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

O Anonymous, um grupo baseado na Internet, adotou a máscara de Guy Fawkes como seu símbolo (em referência a um meme da internet). Os membros do grupo usavam tais máscaras, por exemplo, durante os protestos do Projeto Chanology contra a Igreja da Cientologia em 2008. Alan Moore, o autor dos quadrinhos, falou sobre o uso das máscaras de Guy Fawkes, adotado a partir de V for Vendetta, em uma entrevista à Entertainment Weekly:

Cquote1.svg Eu também estava bastante animado outro dia quando assisti ao noticiário ao ver que houve manifestações em frente à sede da Cientologia por aqui e, de repente, vi uma filmagem mostrando todos esses manifestantes vestindo as máscaras de Guy Fawkes de V for Vendetta. Isso me agradou. Isso me deu um pouco de entusiasmo. Cquote2.svg
[1]

Segundo a revista Time, a adoção da máscara por manifestantes levou a se tornar a máscara mais vendida na Amazon.com, vendendo centenas de milhares de exemplares anualmente.[2]

Membros do grupo Anonymous usando a máscara de Guy Fawkes em Los Angeles, Estados Unidos, em 2008.

O filme supostamente inspirou alguns dos jovens egípcios, antes e durante a revolução egípcia de 2011.[3] [4] [5] [6]

Em 23 de maio de 2009 manifestantes vestidos como o personagem V e usaram um barril de pólvora falso no Parlamento do Reino Unido, em Londres, enquanto protestavam contra as despesas dos deputados britânicos.[7]

Durante o movimento Occupy Wall Street, nos Estados Unidos, e em outras manifestações semelhantes ao redor do mundo, a máscara tornou-se conhecida internacionalmente[8] como um símbolo da revolução popular. O artista David Lloyd, declarou: "A máscara de Guy Fawkes tornou-se uma marca comum e um cartaz conveniente para usar em protestos contra a tirania — e eu estou feliz que as pessoas a usem, parece bastante original, um ícone da cultura popular sendo usado para este caminho."[9]

Em 17 de novembro de 2012, policiais em Dubai advertiu contra o uso de máscaras de Guy Fawkes pintadas com as cores da bandeira dos Emirados Árabes Unidos durante qualquer celebração associada com o "Dia Nacional dos Emirados Árabes Unidos "(2 de dezembro), declarando que tal uso um ato ilegal.[10]

Durante os protestos no Brasil em 2013, vários manifestantes também usaram a máscara como símbolo de suas reivindicações.[11] [12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Gopalan, Nisha. "Alan Moore Still Knows the Score!", Entertainment Weekly, 21 de julho de 2008. Página visitada em 27 de julho de 2013.
  2. Carbone, Nick. "How Time Warner Profits from the 'Anonymous' Hackers", Time, 29 de agosto de 2011. Página visitada em 27 de julho de 2013.
  3. "V for Vendetta": The Other Face of Egypt's Youth Movement, Jadaliyya
  4. http://www.youm7.com/News.asp?NewsID=583542
  5. http://www.myegyptmag.com/articles/4023/
  6. http://english.ahram.org.eg/NewsContent/5/35/34075/Arts--Culture/Stage--Street/V-for-Vendetta-masks-From-a-s-comic-book-to-the-Eg.aspx
  7. "BBC.com news report, Saturday, 23 May 2009 16:49 UK", BBC News, 23 de maio de 2009. Página visitada em 27 de julho de 2013.
  8. Erro: campo title é obrigatório.
  9. Waites, Rosie. "V for Vendetta masks: Who", BBC News, 20 de outubro de 2011. Página visitada em 27 de julho de 2013.
  10. Barakat, Noorhan. "Vendetta masks in UAE colours draw warning", Gulf News, 17 de novembro de 2012. Página visitada em 27 de julho de 2013.
  11. Portal TerraManifestantes adotam máscara de 'V de Vingança' como símbolo de protestos (20 de junho de 2013). Página visitada em 27 de julho de 2013.
  12. Mariana Zylberkan (30 de junho de 2013). Revista VejaMáscara de V de Vingança vira alvo de pirataria. Página visitada em 27 de julho de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]