Waldemar Fiúme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde setembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Waldemar Fiúme (São Paulo, 12 de outubro de 1922São Paulo, 6 de novembro de 1996) foi um futebolista brasileiro, que jogou no Palmeiras entre as décadas de 40 e 50.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido no dia 12 de outubro de 1922, Waldemar Fiúme surgiu para o futebol ao final da década de 30, nos gramados da extinta e histórica Várzea do Glicério, um dos maiores celeiros do futebol paulistano em todos os tempos. De todos os jogadores que deram seus primeiros chutes naqueles campos de terra, nenhum alcançou a projeção daquele jovem magro, alto, esguio e de enorme habilidade.

Ganhou o apelido de o pai da bola, porque durante a carreira de 17 anos passou por várias posições. Começou como meia direita, passou a volante e terminou na quarta-zaga. Seu nome era Waldemar Fiume (sem acento) e a pronúncia correta em italiano é "filme", mas muitos conhecem seu nome como "Fiúme" por engano.

Da várzea paulistana para o Palmeiras, onde chegou em 1941 e no qual parou em 1958, Waldemar Fiúme foi de um brilho constante.

Com 601 jogos (337 vitórias, 120 empates, 144 derrotas), ele é o quarto jogador da história do alviverde em números de partidas, ficando atrás apenas de Ademir da Guia (901 jogos), Emerson Leão (617 jogos) e do volante Dudu (609 jogos).

Como reconhecimento de seu desempenho e de sua dedicação, há um busto seu nos jardins do clube. Era um jogador versátil e disciplinado taticamente. Morreu do coração.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Sociedade Esportiva Palmeiras

Ícone de esboço Este artigo sobre futebol brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.