Yazid I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Yazid I
Califa Omíada
Governo
Reinado 680683
Antecessor Muawiya I
Sucessor Muawiya II
Dinastia Omíadas
Vida
Nome completo ´Yazīd ibn Mu‘āwiya ibn Abī Sufyān
Nascimento 645
Morte 683 (38 anos)
Sepultamento  Síria, Damasco
Pai Muawiya I
Mãe Maysun

´Yazīd ibn Mu‘āwiya ibn Abī Sufyān (645683), conhecido pelo título de califa Yazid I, foi o segundo califa omíada de Damasco e o primeiro a herdar o título por direito de primogenitura. Reinou de 680 até à sua morte, em 683. Ao contrários dos seus antecessores no Califado, não foi eleito ou escolhido por um conselho, pois auto nomeou-se depois da morte do seu pai, Muawiya I Abi Sufyan.

Ascensão a califa[editar | editar código-fonte]

Yazid herdou sucessoriamente o califado do seu pai Muawiya I após a morte deste. Quando tomou o poder, Yazid pediu aos governadores de todas as províncias do Califado que lhe jurassem lealdade solenemente, o que foi aceite pela generalidade, mas foi recusado por Abdullah ibn al-Zubair e pelo filho de Ali, Hussein ibn Ali. O pai de Yazid tinha chegado a acordar com Hussein que ele seria o seu sucessor como califa, o que tinha posto termo à guerra que ocorreu aquando da ascensão de Muawiya ao poder. No entanto, posteriormente, Hussein quebrou o acordo nomeando o seu filho como sucessor.

Hussein, juntamente com muitos dignitários muçulmanos promeninentes, não só desaprovava a nomeação de Yazid como califa, como a declarou como sendo contra o espírito do Islão. Quando a questão da nomeação foi deliberada em Medina, Abdullah ibn al-Zubair foi com Hussein para Meca, pois alguns muçulmanos notáveis era da opinião que Meca seria o melhor lugar para criar um reduto ou base para lançar uma campanha para virar a opinião pública contra a herança de Yazid. No entanto, antes dessa campanha tivesse sido realmente posta em marcha, Muawiya morreu e Yazid tomou as rédeas do poder.

Conflito com Hussein e al-Zubair[editar | editar código-fonte]

Mapa da expansão islâmica
  Expansão até à morte de Maomé, 622-632
  Expansão durante o Califado Rashidun, 632-661
  Expansão durante o Califado Omíada, 661-750
Nota: os países e suas fronteiras não são os da época, mas os atuais

A cidade fortemente militarizada de Kufa, no que é hoje o Iraque, tina sido a capital do califa Ali e lá viviam muitos dos seus apoiantes (opositores de Muawiya). Hussein recebeu muitas cartas de gente de Kufa oferecendo o seu apoio no caso dele clamar o califado. Enquanto Hussein preparava a sua jornada para Kufa, Abdullah ibn Abbas e Abdullah ibn Umar manifestaram-se contra o seu plano e rogaram-lhe que ao menos deixasse as mulheres e filhos em Meca se estivesse determinado a ir para Kufa, mas Hussein ignorou as sugestões. No caminho, recebeu a notícia da morte do seu primo Muslim ibn Aqeel às mãoes dos homens de Yazid e da apatia e indiferença mostrada pelas gentes de Kufa. Os kufanos tinham passado a apoiar Yazid, tendo pedido ajuda a este contra Hussein e o seus seguidores. Tentavam assim restaurar o poder de Kufa frente a Damasco, a capital omíada, escolhendo a via diplomática às custas da rejeição Hussein.

Apesar disso, Hussein e os seus seguidores, onde os quais se encontravam familiares de Muslim ibn Aqeel, continuaram decididos a prosseguir para Kufa. Enquanto isso, Ubayd-Allah ibn Ziyad, governador de Baçorá, executou um dos mensageiros de Hussein, após o que se dirigiu ao povo advertindo-o a evitarem insurgir-se. Ubayd enviou uma mensagem a Hussein de acordo com as instruções de Yazid: «Não podes ir para Kufa nem regressar a Meca, mas podes ir para qualquer outro sítio que queiras.» Apesar disso, Hussein dirigiu-se para Kufa e durante o caminho foi morto na batalha de Kerbala, travada a 10 de outubro de 680, onde também morreram ou foram feitos prisioneiros muitos membros da sua família.[carece de fontes?]

No entanto, as complicações de Yazid para assegurar o poder não acabaram com o desparecimento de Hussein. Muitos dos Sahaba (companheiros de Maomé) e outros muçulmanos recusaram jurar fidelidade a Yazid porque o viam como um usurpador que tinha chegado ao poder sem seguir os meios próprios de escolha do califa pela Chura (conselho islâmico mencionado no Alcorão). Entre os opositores mais proeminentes destacava-se Abdullah ibn al-Zubair, que liderou uma rebelião no Hejaz, na Arábia ociental. Em 683, Yazid enviou tropas para esmagar essa rebelião, que tomaram Medina após a batalha de Harrah. Durante o cerco a Meca que se seguiu, a Caaba foi danificada. O cerco a Meca terminou quando Yazid morreu subitamente em 683.

Situação externa[editar | editar código-fonte]

Durante o reinado de Yazid, os muçulmanos sofreram vários revezes. Em 682, Uqba ibn Nafi foi reposto como governador do Norte de África (Ifriqiya). Uqba ganhou várias batalhas contra os berberes e os bizantinos. Uqba marchou depois milhares de quilometros para ocidente, chegando a Tânger e à costa atlântica, e seguidamente marchou para leste através das montanhas do Atlas. Com uma cavalaria com cerca de 300 cavaleiros, dirigiu-se para Biskra, onde caíram numa emboscada de tropas berberes comandadas por Kaisala. Uqba e todos os seus homens morreram no combate. Os berberes chegaram mesmo a expulsar os muçulmanos de todo o Norte de Àfrica durante algum tempo, o que constituiu um sério revés, que contribuiu para o fim da supremacia naval e para o abandono das ilhas de Rodes e Creta.

Situação interna[editar | editar código-fonte]

O evento pelo qual Yazid é mais célebre (tristemente, principalmente para os xiitas) na história islâmica é a Batalha de Kerbala, na qual morreram o neto de Maomé, Hussein, e outros 32 membros da família do Profeta. No entanto registaram-se pelo menos mais dois acontecimentos frequentemente descritos como tragédias, que contribuíram decisivamente para a imagem negativa que perdurou ao longo da história do reinado de Yazid. O primeiro desses acontecimentos foi a Batalha de Harrah e o saque de Medina que se lhe seguiu. Segundo o académico muçulmano do século XX Abul Ala Maududi, os residentes de Medina rebelaram-se contra a crueldade e conduta pecaminosa de Yazid, removendo o governador e escolhendo Abdullah bin Hanzalah como seu governante. Yazid enviou então um exército de 12 000 soldados comandados por Oqba Al-Murri para esmagar a revolta, com ordens claras para se renderem e obedecerem em três dias; caso resistissem, a cidade devia ser tomada e os soldados ficavam autorizados a saquear a cidade durante três dias da forma que mais lhes aprouvesse. As tropas fizeram isso mesmo e, após conquistarem a cidade, pilharam a cidade durante três dias, durante os quais mataram 10 000 residentes, incluindo 700 da aristocracia e as mulheres foram violadas indiscriminadamente.

A terceira "tragédia" cometida por Yazid foi o envio de um exército a Meca para esmagar a rebelião de Abdullah bin Zubair, que atacou a Caaba sagrada e causou estragos na "Casa de Deus", nomeadamente incendiando a tela que a cobria, o que alegadamente teria provocado a ira de Alá, que esteve na origem na morte súbita de Yazid poucos dias depois com a idade de 38 anos.

Morte e sucessão[editar | editar código-fonte]

Yazid morreu em 683 e foi sepultado em Damasco. Muitos acreditam que o seu túmulo já não existe, enquanto que outros acreditam que o seu túmulo se encontra numa ruela perto da Mesquita dos Omíadas, sem qualquer inscrição ou marca distintiva. O lugar de califa foi ocupado pelo seu filho Muawiya II.[1]

Notas e referências

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Yazid I», especificamente desta versão.
  1. Hitti, Philip. K. The History Of Arabs (em inglês). [S.l.: s.n.].