8chan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
8chan
Logotipo do 8chan
Slogan Welcome to 8chan, the Darkest Reaches of the Internet
Bem-vindo ao 8chan, a Superfície Mais Escura da Internet
Proprietário(s) Jim Watkins
Requer pagamento? Não
Gênero Imageboard
Cadastro Não disponível
Idioma(s) Inglês
Lançamento Outubro de 2013
Extinção 5 de agosto de 2019
Posição no Alexa 5 436 ()
Desenvolvedor Fredrick Brennan
Endereço eletrônico www.8ch.net

8chan, também chamado de Infinitechan ou Infinitychan (às vezes estilizado como ∞chan), era um imageboard americano composto de sub-fóruns criados pelos usuários. Cada sub-fórum é moderado pelo seu proprietário, com interação mínima da administração do site.[1] Para ter um conselho, é preciso criá-lo ou reivindicá-lo se o conselho tiver inatividade por mais de uma semana.

Vários dos sub-fóruns do site têm desempenhado um papel ativo na controvérsia Gamergate, encorajando afiliados ao Gamergate a frequentarem o 8chan depois que o tópico foi banido no imageboard não afiliado 4chan.

O site entrou em destaque na mídia com o atentado terrorista de Christchurch, na Nova Zelândia, que foi planejado por supremacistas brancos sob a política de ultra liberdade de filtro do serviço.

Em abril de 2018, era o 3 857.º site mais visitado do mundo e, em novembro de 2014, recebia uma média de 35 mil visitantes únicos por dia e quatrocentos mil mensagens por semana.[2]

8chan foi encerrado em no dia 5 de agosto de 2019, dias após o massacre de viés étnico em El Paso nos Estados Unidos, que também revelou ligações diretas com o site.

História[editar | editar código-fonte]

O 8chan foi criado em outubro de 2013 pelo analista de sistemas Fredrick Brennan, então conhecido na internet pelo apelido de "Hotwheels". Brennan criou o site depois de observar o que percebeu ser uma vigilância cada vez maior e uma perda da liberdade de expressão na Internet. Brennan era um frequentador assíduo do 4chan, e em sua perspectiva, 4chan teria se tornado um imageboard autoritário, e então descreveu o 8chan como uma alternativa "amiga da liberdade de expressão".

Nenhuma experiência ou conhecimento de programação é necessário para os usuários criarem suas próprias placas. Desde o início de março de 2014, seu FAQ declarou apenas uma regra que deve ser aplicada globalmente: "Não poste, solicite ou crie links para qualquer conteúdo ilegal nos Estados Unidos da América. Não crie painéis com o único propósito de postar ou divulgar tal conteúdo." Brennan afirmou que, embora tenha achado parte do conteúdo postado por usuários "repreensível", ele se sentiu pessoalmente obrigado a defender a integridade do site tolerando discussões que não necessariamente apóia, independentemente de sua postura moral.

Em 2014, 8chan formou uma parceria com o imageboard japonês 2channel.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Pornografia infantil[editar | editar código-fonte]

The Washington Post descreveu o site como "o segmento mais ilegal, mais libertário e mais 'livre' do 4chan".[3] Sub-fóruns foram criados para discutir tópicos como estupro infantil. Embora o compartilhamento de conteúdo ilegal seja contra as regras do site, The Daily Dot escreveu que existem sub-fóruns para compartilhar imagens sexualizadas de menores em poses provocativas, e que alguns usuários desses sub-fóruns postam links para pornografia infantil explícita hospedada em outros lugares.[2] Quando perguntado se tais sub-fóruns eram um resultado inevitável da liberdade de expressão, Brennan respondeu: "Infelizmente, sim. Eu não apoio o conteúdo dos sub-fóruns que você mencionou, mas é simplesmente o custo da liberdade de expressão e ser o único site ativo a não impor mais 'leis' do que aquelas que foram aprovadas em Washington, DC".[2]

Tiroteio em massa de Christchurch[editar | editar código-fonte]

Antes do tiroteio na mesquita de Christchurch em 15 de março de 2019, um de seus autores postou seu manifesto no sub-fórum /pol/, juntamente com um link para o perfil no Facebook onde eles transmitiram o ataque.[4][5][6]

Outros tiroteios[editar | editar código-fonte]

Ocorreram mais tiroteios e mortes, que antes de os assassinos fazer-los, postaram uma declaração no 8chan contando tudo o que iriam fazer (sem referências).

Referências

  1. «FAQ». 8chan.co. Consultado em 15 de março de 2019. Arquivado do original em 1 de março de 2019 
  2. a b c Patrick Howell O'Neill (17 de novembro de 2014). «8chan, the central hive of Gamergate, is also an active pedophile network». The Daily Dot. Consultado em 15 de março de 2019 
  3. Caitlin Dewey (13 de janeiro de 2015). «This is what happens when you create an online community without any rules». The Washington Post. Consultado em 15 de março de 2019 
  4. «Christchurch mosque shooting: Gunman posts manifesto detailing reasons for attack». news.com.au. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  5. Charlotte Graham-McLay; Austin Ramzy; Daniel Victor (14 de março de 2019). «New Zealand Police Say Multiple Deaths in 2 Mosque Shootings in Christchurch». The New York Times. Consultado em 15 de março de 2019. (pede registo (ajuda)) 
  6. «Christchurch Shooting Updates: 40 Are Dead After 2 Mosques Are Hit». The New York Times. 14 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019. (pede registo (ajuda)) 
Ícone de esboço Este artigo sobre um website é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.