Administração Central Tibetana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Administração Central Tibetana
བཙན་བྱོལ་བོད་མིའི་སྒྲིག་འཛུགས་
btsan-byol bod-mi'i sgrig-'dzugs
Tsänjöl Bhömī Drikdzuk
Bandeira Brasão das Armas
Gentílico: Tibetanos

Localização de Tibete
Localização de Tibete

Capital Dharamsala, Himachal Pradesh, Índia
Língua oficial Língua tibetana
Governo Governo no exílio
• Sikyong Lobsang Sangay
• Estabelecido 28 de abril de 1959 (64 anos) 

A Administração Central Tibetana (ACT), oficialmente a Administração Central Tibetana de Sua Santidade o Dalai Lama, é uma organização política sem fins lucrativos com sede na cidade de Dharamshala, na Índia, que reclama ser o governo legítimo por direito do Tibete.[1][2] Entre 1963 e 2011, foi encabeçada por Tenzin Gyatso, o décimo-quarto Dalai Lama, desde 1991 intitulado "Chefe Permanente" da organização. Em 2012, após Gyatso decidir não assumir autoridades políticas ou administrativas, a liderança política da entidade passou a ser exercida por um Sikyong, eleito periodicamente por voto popular direto.

É comumente referida como Governo Tibetano no Exílio.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Chinese police search door-to-door in Lhasa» (em inglês). CNN. 16 de março de 2008. Arquivado do original em 28 de outubro de 2008. Dharmsala is home to the Tibetan exile government and the Dalai Lama. 
  2. «Tibet is rightfully an independent state» (em inglês). Tibet Justice Center. Consultado em 2 de agosto de 2021 


Ligação externa[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um(a) cientista político(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.