Aliança do Pacífico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alianza del Pacífico
Aliança do Pacífico

Localização de {{{nome_pt}}}

Países-membros da Aliança do Pacífico
Língua oficial castelhano
Modelo bloco comercial 
 - Estabelecido em 6 de junho de 2012 
 - Países membros  Chile
 Colômbia
 México
 Peru 
 - Observadores  
População  
 - Estimativa para 2012 206.831.371a hab. 
PIB (base PPC) Estimativa de 2012
 - Total US$ 2,883 trilhões 
 - Per capita US$ 13.036,00 
IDH (2011) 0,752   (alto)  
Website oficial http://alianzapacifico.net/
a. Estimativas combinadas dos censos dos 4 países membros fundadores

A Aliança do Pacífico (AP; em castelhano: Alianza del Pacífico) é um bloco comercial latino-americano criado formalmente em 6 de junho de 2012 no Chile, mais especificamente no Observatório Paranal em Antofagasta, durante a 4.ª cúpula da organização. Os membros fundadores foram Chile, Colômbia, México e Peru. A Costa Rica incorporou-se ao grupo em 2013.[carece de fontes?]

A AP tem origem no Fórum do Arco do Pacífico Latino-Americano, formada por Colômbia, Costa Rica, Chile, Equador, El Salvador, Honduras, Nicarágua e México e criada a partir de discussões no governo peruano em 2006 em função da saída da Venezuela da Comunidade Andina.[1][2]

Objetivos[editar | editar código-fonte]

Logotipo da Aliança

Os objetivos da organização incluem comércio livre e integração econômica, com uma "orientação clara em direção à Ásia".[3] Para tal, estão a negociar uma política conjunta de redução agressiva da tarifa de exportação entre suas fronteiras, englobando a totalidade dos produtos, devendo ser eliminada completamente dentro de cinco anos.[4]

Em maio de 2013, foi decidido em sua sétima cúpula presidencial, realizada na cidade colombiana de Cáli, iniciar estudos para acolher à Costa Rica como membro pleno.[5]

Foto oficial da 4.º Cúpula (2012). Da esquerda para a direita: Andreas Kaufer (ESO); Xavier Barcons (ESO); John Baird, Ministro de Assuntos Exteriores do Canadá; Francisco Álvarez De Soto, Vice-ministro de Relações Exteriores do Panamá; Ollanta Humala, Presidente do Peru; Juan Manuel Santos, Presidente da Colômbia; Sebastián Piñera, Presidente do Chile; Felipe Calderón, Presidente do México; José Enrique Castillo, Ministro de Relações Exteriores da Costa Rica; Virginia Greville, Embaixadora da Austrália no Chile; Hidenori Murakami, Embaxador do Japão no Chile; Tim de Zeeuw (ESO) e Massimo Tarenghi (ESO).

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Os países-membros da Aliança do Pacífico representam aproximadamente 36% do PIB da América Latina, e se vistos como um único país, seriam a 8ª maior economia do mundo. De acordo com dados da Organização Mundial do Comércio, as exportações totais dos países-membros foram de US$ 445 bilhões em 2010, quase 60% mais do que o Mercosul (principal bloco econômico da América Latina) exportou no mesmo ano.

País Superfície
(km²)[6]
População
2013[7][8]
PIB (PPA) 2013
(dólar intl.)
(bilhões)[9]
PIB (PPA) 2013
per cápita
(dólar intl.)[10]
PIB (Nominal)
2013 (USD)
(bilhões)[11]
PIB (Nominal)
per cápita
2013 (USD)[12]
IDH
2013[13]
Exportações
2012 (USD)
(bilhões)[14]
Importações
2012 (USD)
(bilhões)[15]
IED
2012 (USD)
(bilhões)[16]
 Chile 756 102 16 823 000 340,093 19 475,00 291,115 16 273,038 0,819 83 660 70 200 30 323
 Colômbia 1 138 910 47 151 000 532,653 11 284,00 394,134 8 237,727 0,719 59 960 55 490 15 823
Costa Rica 51 100 4 718 000 62,300 13 206,00 48,886 10 362,610 0,773 11 470 16 790 2 265
 México 1 964 375 116 021 000 1 834,438 15 932,00 1 277,369 10 989,103 0,775 370 900 379 400 12 659
 Peru 1 285 216 30 946 000 347,293 11 403,00 215,222 7 135,888 0,741 47 380 41 150 12 240
Total 5 195 703 216 659 000 3 110,538 14 356,84 2 212,650 10 212,590 0,767 573 870 563 030 73 310

Países observadores[editar | editar código-fonte]

Atualmente a Aliança conta com 20 países observadores,[17] dois dos quais (Costa Rica e Panamá) em processo de se tornarem membros; sete deles foram aceites durante a VII Cimeira da Aliança do Pacífico, ocorrida em Cáli, na Colômbia: El Salvador, Equador, França, Honduras, Paraguai, Portugal e República Dominicana.[18] Após ser re-eleita no Chile, Michelle Bachelet diz que irá reorientar a participação do Chile na Aliança, dando maior prioridade aos demais projetos de integração dos quais o Chile faz parte.[19] Outro país relevante da América Latina e que se juntou recentemente aos outros países observadores é a Argentina.[11]

  Membros da Aliança do Pacífico
  Países observadores

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «La Iniciativa del Arco del Pacífico Latinoamericano. Un nuevo actor en el escenario de la integración regional | Nueva Sociedad». Nueva Sociedad | Democracia y política en América Latina. 1 de julho de 2010. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  2. Caribe, Comisión Económica para América Latina y el (1 de outubro de 2010). El Arco del Pacífico Latinoamericano: construyendo caminos de complementación e integración con Asia (em espanhol). [S.l.]: CEPAL 
  3. Associated Press (31 de julho de 2011). «Pacific Alliance unites Mexico, Colombia, Peru and Chile economies; 1st step: dropping visas». The Washington Post. Consultado em 7 de junho de 2012 
  4. Portal Terra (28-03-2013): Aliança do Pacífico quer ampliar comércio com Ásia e rivalizar com Mercosul Arquivado em 29 de março de 2013, no Wayback Machine.. Página visitada em 10-05-2013.
  5. Portal Exame.com (24-05-2013):Aliança Pacífico acolhe Costa Rica e liberaliza comércio.Página visitada em 01-06-2103.
  6. [1]
  7. [2]
  8. «Cada año la población peruana aumenta en 335 mil habitantes» (PDF) (em espanhol). Lima: INEI. 10 de julho de 2012. Consultado em 27 de agosto de 2012 
  9. [3]
  10. [4]
  11. [5]
  12. [6]
  13. «Informe sobre Desarrollo Humano 2013 – Anexo estadístico del desarrollo humano» (PDF). Informes sobre Desarrollo Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. pp. 144–147. Consultado em 19 de março de 2013 
  14. [7]
  15. [8]
  16. [9]
  17. «La Alianza del Pacífico hoy». Consultado em 23 de outubro de 2013. Arquivado do original em 29 de outubro de 2013 
  18. RTP (26-05-2013): Portugal admitido como observador da Aliança do Pacífico
  19. [10]