Associação Desportiva Classista Pirelli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Associação Desportiva Classista Pirelli
Voleibol Volleyball (indoor) pictogram.svg
Coats of arms of None.svg
Cores amarelo, azul, vermelho
Informações
Cidade São Paulo Santo André
País  Brasil
Competição Brasil Superliga Brasileira
Fundação 1948
Resultados
Brasil Superliga Brasileira 1992-93
Títulos
Conquistados
South America (orthographic projection).svg Campeonato Sul-Americano de Clubes(2 vezes)
Brasil Superliga Brasileira (4 vezes)
Uniformes
Kit left arm yellowborder.png Kit body redhorizontal.png Kit right arm yellowborder.png
Kit shorts.png
Cores do Time
Principal
Kit left arm yellowborder.png Kit body yellowhorizontal.png Kit right arm yellowborder.png
Kit shorts.png
Cores do Time
Alternativo
Kit left arm.png Kit body whitehorizontal.png Kit right arm.png
Kit shorts.png
Cores do Time
Líbero

A Associação Desportiva Classista Pirelli foi uma entidade desportiva, fundando em 1948, que desenvolveu um trabalho profissional no voleibol masculino e feminino, cujas cores eram amarelo, azul e vermelho[1], além de êxitos em outras modalidades.

História[editar | editar código-fonte]

A multinacional Pirelli,instalada na cidade de Santo André desde 1929, com apoio incondicional fez tal cidade ser reconhecida como a capital do esporte[2], criou sua Associação Desportiva Classista no ano de 1948, e a partir da fundação ocorreram sucessivos títulos no boxe, ciclismo, em várias modalidades do atletismo e em praticamente todos os esportes disputados nacionalmente[3].

O departamento de voleibol surgiria a partir de 1974 quando um grupo de funcionários, estes praticantes do referido esporte, resolveram apresentar um ambicioso plano visando a formação da melhor equipe de voleibol do país, fazia parte deste Vincenzo Roma, que mais tarde seria um dos técnicos do futuro departamento , declarando em entrevista que a inspiração era semelhante ao modelo utilizado na Itália, ou seja, clube-empresa, onde as equipes de vôlei filiavam-se as empresas e garantiriam a sobrevivência dos atletas, que passariam a ser funcionários, o que agradou a diretoria da empresa que logo efetivou o projeto, em pouco tempo os títulos surgiram, o time masculino conquistou o título do estadual[3].

Na história do Campeonato Paulista, o primeiro título no masculino foi em 1976[3], foi em parceria com o Esporte Clube Santo André, com a mesma parceria foi vice-campeão no seguinte, depois como Associação Desportiva Classista Pirelli obteve os vice-campeonatos na edições de 1979 e 1980, conquistando o tricampeonato consecutivo nos anos de 1981, 1982 e 1983, e mais cinco títulos consecutivos como "Clube Atlético Pirelli" nos anos de 1984, 1985, 1986, 1987 e 1988[4], e depois os vice-campeonatos nos anos de 1989 e 1991[5] e alcançou o terceiro lugar na edição do ano de 1992[6], e disputou edição de 1993 com o Clube Atlético Pirelli utilizando a alcunha Rhodia/Pirelli, na estreia em jogos oficiais do técnico de William Carvalho da Silva, antes estrela do time como jogador, e contrataram apenas três jogadores, o levantador Maurício Gozzi, os meios de rede Cidão e Eduzão, reintegrando ao elenco os atacantes Orlando e Marcelão, estes estavam cedidos por empréstimo a outro clube, além de contar com Marcelo Madeira, Luís Alexandre, Mauricio Pagnotta, Levi César Gomes, e estiveram até Liga Nacional de 1992-93: Bráulio José Vogt, Talmo Oliveira, Celsinho, Claudinei, Douglas Chiarotti , Kid[7].

O elenco principal feminino da ADC Pirelli conquistou o primeiro título na divisão de elite do Campeonato Paulista em 1980, na sequencia obtendo três vice-campeonatos nos anos de 1981, 1982 e 1983, voltando a conquistar o título em 1984 como Clube Atlético Pirelli, e com este mesmo nome os vice-campeonatos nos anos de 1985, 1987 e 1988[8].

Em 1986 foi construído o Ginásio de Esportes Pirelli, primeiro clube que teve um centro de treinamento e vários técnicos estrangeiros, também vestiram a camisa além dos atletas da dita Geração de Prata, Carlão e José Roberto Guimarães., que estiveram na conquista do primeiro olímpico do esporte coletivo em Barcelona 1992[9].

Na temporada de 1982 a empresa investiu cerca de 450 milhões de cruzeiros, mantendo quatro titulares da seleção masculina vice-campeã mundial daquele ano, William Carvalho da Silva, Amauri Ribeiro, Mário Xandó e José Montanaro Júnior, além de promessas como Maurício Jahu, Ronaldo Macedo e Marcão; uma empresa que esmerava-se pelo bem-estar de seus atletas, como declarou na época aVera Mossa que residia em 1980 em São José dos Campos e um veículo da empresa a conduzia para os treinamentos e jogos em santo André. Contratou Domingos Maracanã que passou a ganhar 700 000 cruzeiros por mês, e apresentava uma infra-estrutura esportiva de qualidade: escolhinhas para diversas modalidades, oito técnicos de voleibol, seis de basquete, três de natação; judô, tênis de mesa , boxe, saltos ornamentais e futebol, todos com dois técnicos cada, e tinha um técnico de ciclismo, outro para futsal e mais um para tênis[3].

Na edição dos Jogos Olímpicos de Moscou 1980, dos dezenove atletas participantes paulistas, nove eram da Pirelli.Nos Jogos Pan-Americanos de Porto Rico em 1979, dos 27 atletas de São Paulo, dezenove eram vinculados a Pirelli, além dos feitos esportivos, tinha o retorno da veiculação de seu nome nas transmissões esportivas e estimativas da época enaltecem o retorno caso a empresa tivesse que efetuar o pagamento de 15 horas de transmissão dos cinco jogos decisivos das equipes masculinas e femininas de vôlei ao aparecer sua logomarca no vídeo, gastaria 680 milhões, cerca de dez vezes o que insistiu em 1982[3]..

O levantador William Carvalho da Silva ingressou em 1971 na equipe juvenil da Pirelli, e retornou para o elenco profissional na década de 1980, participando dos principais títulos do clube, depois iniciou como auxiliar técnico do time adulto e juvenil no masculino e depois passou a preparar as equipes do feminino[10].Em 1986 outros jogadores da seleção brasileira passaram pelo clube Rui Campos do Nascimento e Pampa[11]; e técnico José Carlos Brunoro permaneceu durante 13 anos à frente da equipe de 1978 a 1991[12].

Em 1980 o time masculino conquista seu primeiro título nacional na edição do Campeonato Brasileiro[3] derrotando na final o Fluminense, e no mesmo ano obteve o terceiro lugar no Campeonato Sul-Americano de Clubes realizado em Santo André ao derrotar o Universidad Católica[13]; na temporada seguinte terminou com o vice-campeonato nacional concluído em 18 de janeiro de 1982, ocasião da derrota por 3-0 (15-9,15-10,15-13) para Atlântica Boavista diante do recorde público de 13 150 expectadores no Maracanãzinho [14] e conquistou pela primeira vez a medalha de ouro no Campeonato Sul-Americano de Clubes de 1981 realizado novamente em Santo André derrotando na final o Ferro Carril Oeste [13], por 3-2, após iniciar a partida perdendo por 2-0 e a entrada do atacante Marcão contribuiu para a virada[15].

Chegou à final do Campeonato Brasileiro de 1982 e na revanche da temporada passada derrotou o Atlântica Boavista e repetindo o feito sobre o mesmo rival na decisão de 1983 pelo placar de 3-2 em 19 de dezembro de 1983 no Ginásio do Ibirapuera[16], mas perdeu na final pro mesmo rival na edição do Campeonato Sul-Americano de Clubes de 1982 sediada no Rio de Janeiro[13].Em 28 de outubro de 1983 conquistou o título da primeira Copa Intercontinental sediada em San Juan (Argentina), participaram do evento o Santal Parma (Itália), La Habana (Cuba), Tóquio (Japão), Bradesco Atlântica (Brasil), Obras Sanitarias (Argentina) , Son Amar Palma (Espanha) e Nautilus Pacífica (Estados Unidos)[17], no mesmo ano representou a cidade de Santo André na edição dos Jogos Abertos do Interior[18] e voltou a conquistar o título do Campeonato Sul-Americano de Clubes de 1983 também em San Juan em novo confronto diante da Bradesco Atlântica[13].

Em 30 de março de 1983 apresentaram os times feminino e masculino no Ginásio Municipal de Esportes Doutor Gualberto Moreira, um público de quase cinco mil torcedores prestigiou as vitórias dos elencos[19], fez amistosos com seleções mundiais, venceu a Seleção Francesa em 1986, na época terceira colocada no Campeonato Europeu, por 3-1 (15-10, 15-11, 9-15, 15-13)m causando espanto ao capitão da equipe o jogador Alain Fabiani[20], em 1987 Montanaro demitido do clube após desentimentos com direção, técnico e companheiro de time, transferindo-se para o Esporte Clube Banespa[21].

Foi semifinalista no Campeonato Brasileiro de 1984, tal fase ocorreu em janeiro do ano seguinte e encarou a Bradesco/Atlântica [22] terminando em terceiro lugar[23], nesta temporada alcançou o bicampeonato na Copa Intercontinental realizada em Parma[24], já no mês de outubro do mesmo ano conquistou o título do primeiro Campeonato Mundial de Clubes, este não chancelado pela FIVB, realizado em São Paulo, derrotando o Bradesco Atlântica na final, depois de vencer CSKA Moscou, o All Star, tanto dos Estados Unidos quanto de Cuba[15][25], conquistou o título da Copa dos Campeões de 1984 e da Copa Brasil de 1985[26].

No Campeonato Brasileiro de 1986 terminou em terceiro outra vez[27], retornou a final do Campeonato Brasileiro em 1987, mas terminou com o vice-campeonato ao perder para o Banespa por 3-2(16-14,3-15,5-15,15-11 e 15-7) diante de 17 mil expectadores no Ginásio do Ibirapuera em 31 de janeiro de 1988[28].Houve mudança na nomenclatura do Campeonato Brasileiro, passou a chama-se Liga Nacional e a primeira edição foi na temporada 1988-89 quando sagrou-se campeão[29], competindo outra vez numa edição do Campeonato Sul-Americano de Clubes em 1989 em Santiago (Chile) conquistando a medalha de prata após derrota diante do Banespa[13].

Em 1989 ocorreu a primeira edição do Campeonato Mundial de Clubes, sob a chancela da Federação Internacional de Voleibol e participou da competição e conquistou a medalha de bronze [30].Na segunda edição da Liga Nacional no período 1989-90 terminou com o vice-campeonato ao ser derrotado pelo Banespa, o mesmo acontecendo na edição no Campeonato Sul-Americano de Clubes disputado em 1990 em Buenos Aires [13], disputou a Liga Nacional de 1990-91, e conquistou o pódio novamente na edição de 1991-92, outro vice-campeonato diante do Banespa e disputou o Campeonato Sul-Americano de Clubes de 1992 sediado em São Paulo, e para este mesmo rival termina com o vice-campeonato[13].E com a alcunha “Rhodia/Pirelli” disputou a Liga Nacional de 1992-93 e terminou com o vice-campeonato após perder para o Hoechst/Suzano e disputou a última Liga Nacional na temporada de 1993-94[31].

O time feminino chegou em terceiro lugar na edição do Campeonato Brasileiro de 1980, a final na edição de 1982 perdendo para o Paulistano [32], chegou as semifinais na edição do ano de 1984 diante do plantel da Bradesco-Atlântica[33], disputou a edição do ano de 1986 [34], ficando de fora da fase final[35].Em 1986 conquistando a medalha de prata na edição do Campeonato Sul-Americano de Clubes em La Paz ao perder para o time peruano Deportivo Power[36][37]. Entre os grandes nomes do time feminino da Pirelli está a atacante Fernanda Emerick que chegou a ser capitã da equipe em 1983[38], Vera Mossa, Adriani Paulo Suely, Ciça, Verônica Sena e Rita de Cássia Teixeira [39].

A ADC Pirelli possuía uma academia de qualidade para o boxe, e em 1983 lá treinava o pugilista Chiquinho de Jesus[40] e patrocinava um dos principais pugilistas da história do país, o Servílio de Oliveira que conquistou a medalha de bronze na edição dos Jogos Olímpicos de Verão de 1968 na Cidade do México, e nas outras modalidades também alcançaram o êxito ao patrocinar o judoca Aurélio Miguel que se tornou o primeiro medalhista de ouro olímpico na modalidade em [[Jogos Olímpicos de Verão de 1988Seul em 1988[6].

Outros esportes, como ciclismo e o basquete feminino também eram mantidos com as verbas de patrocínio da fábrica de pneus, no basquete tinha as jogadoras: Nilza Monte Garcia, Odila Fernandes de Camargo, Arilza Coraça, Nadir Léa Bazzani, Valquíria Aparecida Turco e a técnica Laís Elena Aranha.O voleibol alcançou a marca de 57 troféus conquistados em catorze temporadas, mas em 1992, a empresa descontinuou abruptamente o patrocínio, desligando 300 atletas dos times da região, retirando-se dos times da região e direcionando os recursos para competições e esportes envolvidos com esportes a morto; permanecendo apenas com o voleibol masculino até 1994[6].

Em 1998 voltou a investir na cidade quando patrocinou a Copa Inter Pirelli Campus, que ocorreu também no ano seguinte, na ocasião era parceira da Inter de Milão, quando optou em realizar as edições no Brasil visando visibilidade no mercado nacional e incentivando a prática do futebol em comunidades carentes; e o evento teve repercussão de muitos garotos no campo do Esporte Clube Santo André, pois, os campeões receberam o troféu das mãos de Ronaldo Nazário, na época jogava pelo clube supracitado[6].

Em outubro de 2001 o clube da Pirelli foi vendido para a Universidade do Grande ABC (UniABC), do Grupo Anhanguera, por R$ 7 milhões, rompendo de vez o elo da fábrica de pneus com o esporte de alto rendimento de Santo André.Sendo uma área de 39 mil metros quadrados, localizado na Vila Homero Thon, destinada a construção de campus da universidade, mantiveram a estrutura do clube, incluindo-se o ginásio, palco de muitas conquistas do voleibol; assim como o campo de futebol que permaneceu praticamente inalterado e utilizado para treinamentos com frequência pelo time de futebol profissional do São Caetano; mas o projeto não saiu do papel e o espaço da chamada Cidade Pirelli acabou sendo comprado pela construtora Brooksfield, que ergueu no local o Atrium Shopping e conjuntos de prédios comerciais e residenciais[6].

Em março de 2010, por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, a empresa voltou a investir na cidade no projeto da ex-basquetebolista Janeth Arcain, fundou um instituo que trabalha a inclusão social através do esporte e atividades sociais, com seis unidades sendo dois núcleos em Santo André e outros em Mauá, Cubatão, Atibaia e Bragança Paulista, abrangendo 700 jovens com idade entre 7 e 14 anos, e mais 5.000 jovens já passaram pelo instituto[6].

Voleibol masculino[editar | editar código-fonte]

Títulos e resultados[editar | editar código-fonte]

Sciences de la terre.svg Mundial de Clubes:

  • Campeão: 1984[25]
  • Terceiro posto:1989[30]

Trofeo-mini-copa-intercontinental-2.png Copa Intercontinental:

South America (orthographic projection).svg Campeonato Sul-Americano de Clubes:

Brasil Superliga Brasileira:

Brasil Copa Brasil:

Brasil Copa dos Campeões:

São Paulo Campeonato Paulista:

São Paulo Jogos Abertos do Interior de São Paulo:

Voleibol feminino[editar | editar código-fonte]

Títulos e resultados[editar | editar código-fonte]

South America (orthographic projection).svg Campeonato Sul-Americano de Clubes:

  • Vice-campeão:1986[36]

Brasil Superliga Brasileira:

  • Vice-campeão:1982[32]
  • Terceiro posto:1980

São Paulo Campeonato Paulista:

Referências

  1. «Placar Magazine - Nº 745- Págs60». Placar. 31 de agosto de 1984. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  2. Anderson Fattori (30 de março de 2015). «Pirelli se distancia do esporte regional». Diário do Grande ABC. Consultado em 6 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 5 de abril de 2018 
  3. a b c d e f g «Placar Magazine - Nº 662- Págs.62-65». Placar. 28 de janeiro de 1983. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  4. «Placar Magazine - Nº 966- Pág.34». Placar. 9 de dezembro de 1988. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  5. a b c d e f g h i j k l m n o «Vôlei Futuro é campeão paulista de 2010». FPV (em portugues). 20 de novembro de 2010. Consultado em 6 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2019 
  6. a b c d e f g «Folha ABCD-Vôlei-William é atração na estréia do Rhodia/Pirelli- Página 04-Campeonato vai até outubro». Folha de S.Paulo. 18 de junho de 1993. Consultado em 6 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2018 
  7. «Folha ABCD-Vôlei-William é atração na estréia do Rhodia/Pirelli- Página 05-Campeonato vai até outubro». Folha de S.Paulo. 18 de junho de 1993. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  8. a b c d e f g h i «Paulista 2010: Pinheiros/Mackenzie e Vôlei Futuro, uma decisão equilibrada». FPV (em portugues). 7 de dezembro de 2010. Consultado em 6 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2019 
  9. «Construção Ginásio de Esportes Pirelli». ARC Engenharia. (em portugues). 14 de novembro de 1986. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  10. «Conheça um pouco da trajetória do Capitão William, o tecnico da equipe feminina de SBC». Jornal Hoje Livre. 15 de junho de 2015. Consultado em 4 de janeiro de 2019 
  11. «Placar Magazine - Nº 852 - Pág.77». Placar. 22 de setembro de 1986. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  12. «PERFIL-José Carlos Brunoro». Folha de S.Paulo. 24 de abril de 1997. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  13. a b c d e f g h i j k l m n «Ranking - Piso». CSV (em espanhol). Consultado em 5 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2015 
  14. a b «Renan tenta conquista título para cariocas depois de 17 anos». UOL (em portugues). 4 de abril de 1998. Consultado em 5 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2019 
  15. a b «História de Um Atleta Campeão». Blog da Floresta (em portugues). 24 de maio de 2016. Consultado em 5 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2019 
  16. a b c «Placar Magazine - Nº 712 - Pág.71». Placar. 13 de janeiro de 1984. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  17. a b «1983-2008: De la Copa Intercontinental de Clubes al World Challenge». Somos Vòley. 9 de setembro de 2008. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  18. a b «Placar Magazine - Nº 712 - Pág.71». Placar. 13 de janeiro de 1984. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  19. «Um dia na história». Jornal Cruzeiro. 30 de março de 2017. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  20. «Placar Magazine - Nº 830 - Pág.70». Placar. 21 de abril de 1986. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  21. «Placar Magazine - Nº 877 - Pág.65». Placar. 23 de março de 1987. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  22. «Placar Magazine - Nº 765 - Págs. 4-7; 80». Placar. 18 de janeiro de 1985. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  23. a b «Linha do tempo - Campeonato Brasileiro (profissionalismo de algumas equipes a partir da década de 1980; no RS Sulbrasileiro e Frangosul)». Correio do Povo. 8 de novembro de 2010. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  24. a b «Jose Montanaro Jr. - Superação de Desafios / Mudanças Presença Vi». Grandes Profissionais. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  25. a b «Placar Magazine - Nº 763 - Pág.58». Placar. 4 de janeiro de 1985. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  26. a b c «Placar Magazine - Nº 829 - Pág.72». Placar. 14 de abril de 1986. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  27. a b «Placar Magazine - Nº 871 - Pág.70». Placar. 9 de fevereiro de 1987. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  28. a b «Placar Magazine - Nº 922 - Pág. 59». Placar. 5 de fevereiro de 1988. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  29. a b «Placar Magazine - Nº 979 - Pág. 36». Placar. 17 de março de 1989. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  30. a b FIVB.org. «FIVB Men's Club World Volleyball Championship» (em inglês). Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  31. a b c d «Superliga Masculina 2005/2006». UOL (em portugues). 2006. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  32. a b «Superliga Feminina 2005/2006». UOL (em portugues). 2006. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  33. «Placar Magazine - Nº 765 - Págs.8; 80». Placar. 18 de janeiro de 1985. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  34. «Placar Magazine - Nº 860 - Págs.63». Placar. 17 de novembro de 1986. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  35. «Placar Magazine - Nº 869 - Págs.60-62». Placar. 26 de janeiro de 1987. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  36. a b Mateus Friedrich (9 de março de 2017). «Uma história de paixão e glórias». Jornal Ibiá (em portugues). Consultado em 5 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2019 
  37. «Ranking - Piso». CSV (em espanhol). Consultado em 4 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2015 
  38. «Placar Magazine - Nº 676 - Págs.60». Placar. 6 de maio de 1983. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  39. «Placar Magazine- Págs.40». Placar. 6 de julho de 1984. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  40. «Placar Magazine - Nº 685 - Pág.69». Placar. 8 de julho de 1983. Consultado em 5 de janeiro de 2019