August Macke

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
August Macke
Nascimento August Robert Ludwig Macke
3 de janeiro de 1887
Meschede
Morte 26 de setembro de 1914 (27 anos)
Souain-Perthes-lès-Hurlus
Sepultamento Marne
Cidadania Império Alemão, Alemanha
Cônjuge Elisabeth Erdmann-Macke
Filho(s) Wolfgang Macke
Irmão(s) Ottilie Macke
Ocupação pintor, desenhista, escultor, artista gráfico, relator de parecer, cenógrafo
Obras destacadas Mädchen unter Bäumen, Porträt mit Äpfeln: Frau des Künstlers, Gartentor
Movimento estético expressionismo
Causa da morte morto em combate

August Macke (Meschede, 3 de janeiro de 1887Perthes-lès-Hurlus, Champanhe, 26 de setembro de 1914) foi um pintor expressionista alemão.[1]

Ele viveu um período particularmente inovador na arte alemã, com o desenvolvimento do expressionismo e a chegada dos sucessivos movimentos de vanguarda que foram surgindo no resto da Europa. Como verdadeiro artista de seu tempo, Macke soube integrar em sua pintura os elementos que mais lhe interessavam da vanguarda.[2][3]

Vida[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Meschede, Alemanha. Seu pai, August Friedrich Hermann Macke (1845-1904) era um empreiteiro, e sua mãe, Maria Florentine (1848-1922), vinha de uma família de agricultores da região de Sauerland. A família morou em Colônia, na Brüsseler Straße, até os 13 anos de idade. Depois disso, viveu a maior parte de sua vida criativa em Bonn, com exceção de alguns períodos passados ​​no Lago Thun (Suíça) e algumas viagens a Paris, Itália, Holanda e Tunísia. Em Paris, onde chegou pela primeira vez em 1907, Macke entrou em contato com o trabalho dos impressionistas. Em 1910, através de seu amigo Franz Marc, conheceu Kandinsky e por um tempo compartilhou a estética não-objetiva e os interesses simbólicos e místicos de Der Blaue Reiter.[4][5][6]

O encontro de Macke com Robert Delaunay em Paris em 1912 foi uma revelação para ele. O Cubismo Cromático de Delaunay, chamado Orfismo por Guillaume Apollinaire, definitivamente influenciou a arte de Macke daquele ponto em diante. Suas vitrines podem ser consideradas uma interpretação pessoal das vitrines de Delaunay, combinadas com as imagens futuristas que ele viu na Itália. O ambiente exótico da Tunísia, que Macke visitou com Paul Klee e Louis Moilliet em 1914, foi fundamental na abordagem da luz em sua etapa final, na qual criou uma série de obras que atualmente são consideradas obras-primas. A carreira de Macke foi interrompida por sua morte prematura em setembro de 1914, na linha de frente da Primeira Guerra Mundial.[7][8]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • 1905, "Angler am Rhein"
  • 1909, "Selbstportrait mit Hut", Städtisches Kunstmuseum Bonn
  • 1910, "Akt mit Korallenkette", Sprengel Museum Hanôver
  • 1910, "Bildnis Franz Marc", Neue Nationalgalerie, Berlim
  • 1911, "Marienkirche im Schnee", Hamburger Kunsthalle
  • 1911, "Dorfstrasse mit Kirche in Kandern", Museum für Neue Kunst Freiburg
  • 1911, "Der Sturm", Saarland-Museum, Saarbrücken
  • 1911, "Gemüsefelder", Städtisches Kunstmuseum Bonn
  • 1912, "Großes helles Schaufenster", Sprengel Museum, Hanôver
  • 1912, "Farbige Komposition (Hommage à Johann Sebastian Bach)"
  • 1913, "Farbige Formen I", Westfälisches Landesmuseum, Münster
  • 1913, "Sonniger Weg", Westfälisches Landesmuseum Münster
  • 1913, "Promenade in Braun und Grün", Clemens-Sels-Museum, Neuss
  • 1913, "Farbige Formen II", Wilhelm-Hack-Museum, Ludwigshafen
  • 1914, "Reiter und Spaziergänger in der Allee", Museum am Ostwall, Dortmund
  • 1914, "Beflaggte Kirche", Städtisches Museum Mülheim an der Ruhr
  • 1914, "Hutladen", Museum Folkwang, Essen
  • 1914, "Kathedrale zu Freiburg in der Schweiz", Kunstsammlung NRW, Düsseldorf
  • 1914, "Rotes Haus im Park" Städtisches Kunstmuseum, Bonn
  • 1914, "Seiltänzer", Städtisches Kunstmuseum, Bonn
  • 1914, "Promenade", Staatsgalerie Stuttgart
  • 1914, "Lesender Mann im Park", Museum Ludwig, Köln

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «August Macke». Encyclopædia Britannica Online (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  2. Birgit Poppe: Macke und seine Zeit. Seemann Henschel, Leipzig 2014, ISBN 978-3-86502-331-5
  3. Elisabeth Erdmann-Macke: Erinnerungen an August Macke. Fischer, Frankfurt am Main 1987, ISBN 3-596-25660-7
  4. Aurel Bongers, Joachim Heusinger von Waldegg, Dierk Stemmler (Hrsg.): Die Rheinischen Expressionisten – August Macke und seine Malerfreunde. Bonn 1984, ISBN 3-7647-0323-7
  5. Astrid von Friesen: August Macke: ein Maler-Leben. Ellert & Richter, Hamburg 1989, ISBN 3-89234-144-3
  6. Westfälisches Landesmuseum für Kunst und Kulturgeschichte Münster, Landschaftsverband Westfalen-Lippe, Kunstmuseum Bonn (Hrsg.): August Macke und die frühe Moderne in Europa. Katalog zur Ausstellung 2001/2002 in Münster und Bonn. Cantz, Ostfildern 2001, ISBN 3-7757-1146-5
  7. Macke, August. In: Josef Niesen: Bonner Personenlexikon. 3., verbess. u. erw. Aufl. Bouvier, Bonn 2011, ISBN 978-3-416-03352-7
  8. Birgit Poppe: Eine himmelstürmende Liebe – August Macke und seine Frau Elisabeth. Parthas, Berlin 2013, ISBN 978-3-86964-078-5
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre August Macke
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: August Macke
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.