Boaventura de Sousa Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde junho de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Boaventura de Sousa Santos
Boaventura de Sousa Santos no 6.° Fórum Mundial de Juízes. Porto Alegre, 2010.
Data de nascimento 15 de novembro de 1940 (74 anos)
Local de nascimento Quintela,  Portugal
Prémios Grande Oficial da Ordem Militar de Sant'iago de Espada
Página oficial www.boaventuradesousasantos.pt

Boaventura de Sousa Santos (Quintela, 15 de Novembro de 1940) é um Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

Licenciou-se em Direito pela Universidade de Coimbra em 1963. No final do curso, rumou a Berlim para estudar filosofia do direito. Fez uma pós-graduação e viveu a experiência dos dois mundos da guerra fria separados pelo Muro de Berlim. Dois anos depois, regressou a Coimbra e durante um breve período foi assistente da Faculdade de Direito. Em finais dos anos 1960, partiu para a Universidade de Yale com o objetivo de se doutorar. A sua tese de doutoramento, publicada pela primeira vez em português em 2015 (Direito dos Oprimidos, Almedina), é um marco fundamental na sociologia do direito, que resultou do trabalho de campo centrado em observação participante numa favela do Rio de Janeiro.

Foi um dos fundadores da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra em 1973, onde veio a criar o curso de sociologia. Em meados da década de 1980, começou a assumir estruturalmente o papel de um investigador para quem a compreensão do mundo é muito mais ampla que a compreensão ocidental do mundo. Fez investigação no Brasil, em Cabo Verde, Macau, Moçambique, África do Sul, Colômbia, Bolívia, Equador e Índia. Viaja por múltiplos lugares, dando aulas e palestras e alargando o seu leque de experiências de aprendizagem. Foi um dos principais impulsionadores do Fórum Social Mundial. O espirito que envolve o Fórum é fundamental nos seus estudos da globalização contra-hegemónica, mas também na promoção da luta pela justiça cognitiva global que subjaz ao seu conceito de Epistemologias do Sul.

Atualmente, Boaventura de Sousa Santos é professor catedrático jubilado da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Distinguished Legal Scholar da Faculdade de Direito da Universidade de Wisconsin-Madison e Global Legal Scholar da Universidade de Warwick. É também director do Centro de Estudos Sociais e Coordenador Científico do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa[1] - ambos da Universidade de Coimbra. Foi fundador e director do Centro de documentação 25 de Abril entre 1985 e 2011.[2]

Dirige atualmente o amplo e ambicioso ALICE, Espelhos Estranhos, Lições Imprevistas, um projeto que pretende dar continuidade à Reivenção da Emancipação Social, repensando e renovando o conhecimento científico-social à luz das Epistemologias do Sul com o objetivo de desenvolver novos paradigmas teóricos e políticos de transformação social.

Tem trabalhos publicados sobre globalização, sociologia do direito, epistemologia, democracia e direitos humanos. Os seus trabalhos encontram-se traduzidos em espanhol, inglês, italiano, francês e alemão.[3]

Dos seus conceitos fundamentais, destacam-se a sociologia das ausências, a sociologia das emergências, a ecologia de saberes, a linha abissal, o pensamento pós-abissal, o epistemicídio, a interlegalidade, o Estado heterogéneo, a razão indolente, a razão metonímica e o fascismo social.

Também é poeta, autor do livro Escrita INKZ: antimanifesto para uma arte incapaz.

Participa da coordenação científica dos seguintes Programas de Doutoramento do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra:
- Direito, Justiça e Cidadania no Século XXI
- Democracia no Século XXI
- Pós-Colonialismos e Cidadania Global

Dirige as seguintes colecções:

  • Saber imaginar o social[4]
  • A sociedade Portuguesa perante os desafios da globalização[5]
  • Reinventar a emancipação social: para novos manifestos[6]

Algumas obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • 1987: Um Discurso Sobre as Ciências
  • 1988: O Social e o Político na Transição Pós-moderna
  • 1989: Introdução a uma ciência pós-moderna
  • 1990: O Estado e a Sociedade em Portugal (1974-1988). Porto: Afrontamento.
  • 1993 (org.): Portugal: um retrato singular, Porto: Afrontamento.
  • 1994:"Pela mão de Alice - o social e o político na pós-modernidade". Porto: Afrontamento.
  • 2000 Para uma concepção pós-moderna do direito. Acrítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência, Porto: Afrontamento.
  • 2001 (org.): Globalização: Fatalidade ou Utopia?, Porto: Afrontamento.
  • 2004 : Escrita INKZ, Rio de Janeiro: Aeroplano.
  • 2005: " A Universidade do Século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade". 2.ed. São Paulo: Cortez Editora, 2005. (Coleção questões de nossa época; v.120).
  • 2005: O Fórum Social Mundial: manual de uso. São Paulo: Cortez Editora.
  • 2006 : Viagem ao centro da pele. Rio de Janeiro: Revista Confraria do Vento [7]
  • 2006 : A gramática do tempo: para uma nova cultura política, S. Paulo, Porto : Cortez Ed., Afrontamento.
  • 2006 : The Heterogeneous State and Legal Pluralism in Mozambique, Law & Society Review, 40, 1: 39-75.
  • 2007: La Reinvención del Estado y el Estado Plurinacional. Cochabamba: Alianza Internacional CENDA-CEJIS-CEDIB, Bolívia
  • 2007: El derecho y la globalización desde abajo. Com Rodriguez Garavito, César A. (Orgs), México: Anthropos.
  • Cognitive Justice in a Global World: Prudent Knowledge for a Decent Life (Org.). Lanham: Lexington,
  • 2007: Para uma revolução democrática da justiça. São Paulo: Cortez Editora
  • 2008 Conocer desde el Sur: Para una cultura política emancipatoria. La Paz: Plural Editores.
  • 2008: Diritto ed emancipazione sociale. Troina: Città Aperta Edizioni
  • 2008: As Vozes do Mundo (Org.). Porto: Edições Afrontamento.
  • A universidade no século XXI. Para uma universidade nova (com Naomar de Almeida Filho). Coimbra: Edições Almedina, 2008.
  • 2009: Epistemologias do sul. Com Maria Paula (Orgs.) Coimbra: Edições Almedina.
  • 2009: Sociología Jurídica crítica: Para un nuevo sentido común del derecho. Madrid: Trotta.

Prêmios e honrarias[editar | editar código-fonte]

  • 1994 - Prémio Pen Club Português 1994 (Ensaio).
  • 1996 - Grande Oficial da Ordem Militar de Sant'iago de Espada, concedido pelo Presidente da República Portuguesa.
  • 1996 - Grande Oficial da Ordem de Rio Branco, concedido pelo Presidente da República Federativa do Brasil.
  • 1996 - Prêmio Gulbenkian de Ciência 1996.
  • 2001 - Prémio Jabuti (Brasil) - Área de Ciências Humanas e Educação.
  • 2005 - Prêmio “Reconocimiento al Mérito”, concedido pela Universidade Veracruzana, México.
  • 2006 - Prêmio de Ensaio Ezequiel Martínez Estrada 2006, da Casa de las Américas, Cuba.
  • 2007 - Menção honrosa do "Prémio Libertador ao Pensamento Crítico - 2006", Venezuela.
  • 2009 - Prêmio Adam Podgórecki, atribuído pela Associação Internacional de Sociologia.
  • 2012 - Título doutor honoris causa atribuído pela Universidade de Brasília Brasil.
  • 2013 - Prémio Nacional de Poesia da Vila de Fânzeres, com a obra "Pomada em Pó" Portugal.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.