Bom Dia Rio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Bom Dia Rio
Logotipo utilizado desde 22 de janeiro de 2018.
Informação geral
Formato Telejornal
Gênero jornalismo
Duração 120 Minutos
Criador(es) Central Globo de Jornalismo
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es)
Apresentador(es) Flávio Fachel
Elenco
Exibição
Emissora de televisão original TV Globo Rio de Janeiro
Formato de exibição 480i
Transmissão original 3 de janeiro de 1983 (36 anos)
Cronologia
Programas relacionados Bom Dia Praça

Bom Dia Rio[1] é um telejornal brasileiro produzido e exibido pela TV Globo Rio de Janeiro, no horário dedicado pela Rede Globo à exibição dos telejornais locais matinais de suas emissoras próprias e afiliadas, denominados de Bom Dia Praça. É exibido diariamente no início da manhã, exceto nos fins de semana. A apresentação é de Flávio Fachel, além de contar com a participação de Silvana Ramiro no Radar RJ.

História[editar | editar código-fonte]

1ª fase[editar | editar código-fonte]

O Bom Dia Rio foi transmitido pela primeira vez em 3 de janeiro de 1983, juntamente com o RJTV, com uma proposta similar a do telejornal Bom Dia São Paulo no ar desde 1977: conjugar noticiário local e dinâmico com prestação de serviço, entrevistas em tom descontraído e entradas ao vivo dos repórteres, a partir de diferentes pontos da cidade.

Em 29 de junho de 1984, o Bom Dia Rio deixou de ser exibido. Neste último programa, a apresentadora Zaira Martins abriu o jornal dizendo que o programa estava de luto pela morte de vários jornalistas na explosão de um avião em Barra de São João. Entre os mortos, estavam os profissionais da Rede Globo Luis Eduardo Lobo, Dario Duarte, Jorge Antonio Leandro e Levy Dias da Silva, além das equipes de jornalismo das TVs Educativa, Bandeirantes e Manchete.

2ª fase[editar | editar código-fonte]

O Bom Dia Rio retornou cinco anos depois, em 22 de maio de 1989, no mesmo horário e com o mesmo tempo de duração. Seu retorno foi acompanhado pela implantação de telejornais locais matutinos também em Minas Gerais e Pernambuco (respectivamente, o Bom Dia Minas e o Bom Dia Pernambuco).

Apresentado por Leda Nagle e Marcos Hummel, o telejornal tinha meia hora de duração, e ia ao ar de segunda a sexta, às 7h30, logo após o Bom Dia Brasil.

Flávio Fachel, atual apresentador do Bom Dia Rio.
Silvana Ramiro, atual apresentadora do Radar RJ e eventual do Bom Dia Rio.

A jornalista Cláudia Cruz, que vinha da TV Educativa, assumiu a apresentação do Bom Dia Rio em 1989. Bruno Cartier Bresson fazia os comentários políticos e as entrevistas no estúdio eram realizadas por Paulo Roberto Amaral e Marcos Hummel.

Cláudia Cruz apresentou o Bom Dia Rio até 1992, quando foi substituída por Marcos Hummel, que vinha do Jornal Hoje. Marcos ficou na apresentação do jornal até 1994; em 1994, Priscila Brandão assumiu a bancada do Bom Dia- no lugar de Marcos Hummel- ficando até 1996, quando se tornou apresentadora do RJTV, quem a sucedeu foi Renata Capucci; em 1997 foi a vez de Isabela Scalabrini assumir o comando do telejornal. Essa mudança coincidiu com a estreia do novo cenário do Bom Dia Rio. Isabela ficou no comando da atração por 1 ano; em 1998, Márcio Gomes, que apresentava o jornalístico Em Cima da Hora da Globo News, assumiria a bancada do jornal também por 1 ano; em 1999, por um curto período de tempo, Ana Paula Araújo foi a apresentadora do Bom Dia. No final do mesmo ano, Helter Duarte foi o apresentador do Bom Dia Rio, ficando até meados de 2001. Em 2001 o Bom Dia Praça passou por uma reformulação geral, com novos cenários, novas vinhetas e mudanças no quadro de apresentadores. No Bom Dia Rio, quem assumiu foi Sidney Rezende, que ficou até 2005.

O Bom Dia Rio chegou à década de 2000 mantendo o perfil de jornal dinâmico, com entrevistas ao vivo, matérias de serviço e informações quentes da cidade. O assassinato do jornalista Tim Lopes, em junho de 2002, levou à exibição de três séries, nos jornais locais, exaltando a paz, o exercício da cidadania e a justiça. O Bom Dia Rio apresentou "A paz que eu quero", mostrando cidades do interior do estado que conviviam com índices baixos de violência.

No ano de 2004, entre outras novidades, o telejornal ganhou um novo cenário para a previsão do tempo. Em agosto de 2005, Ana Luiza Guimarães foi convidada para ser a apresentadora e editora executiva do telejornal, cargos que ocupou até 2013, quando assumiu o RJTV 2ª edição, sendo substituída por Flávio Fachel.

Em 4 de abril de 2011, o Bom Dia Rio inaugurou um novo estúdio, chamado de Glass Studio, no último andar do prédio da Rede Globo.[2] O enquadramento natural da câmera permitiu ao telespectador observar a Lagoa Rodrigo de Freitas e o Arquipélago das Cigarras. Com o movimento, o Jardim Botânico, Cristo Redentor, Dois Irmãos, e os bairros de Ipanema e do Leblon, na Zona Sul. O mesmo cenário também é utilizado pelo RJTV.

No dia 6 de maio de 2013, juntamente em todas as praças do Brasil, o Bom Dia Rio mudou o padrão gráfico, uma espécie de padronização nos jornais locais, já que agora a vinheta e o logo parecem com o do Radar RJ e o do RJTV.

No dia 18 de novembro de 2013, segue o mesmo horário do Bom Dia São Paulo devido a forte concorrência da Rede Record, passando a ser exibido as 6h15.[3]

Com a nova programação jornalística matinal que estreou no dia 1 de dezembro de 2014, o Bom Dia Rio ganhou mais 15 minutos, passando a iniciar às 6h.

Em março de 2015, o jornal estreia um novo pacote sonoro.

Em fevereiro de 2016, o jornal começou a ter o reforço do repórter aéreo Genilson Araújo, vindo da Rádio Globo.[4]

Em 22 de janeiro de 2018, o telejornal ganhou o novo pacote gráfico e sonoro do Bom Dia Praça e Praça TV estreados primeiramente em São Paulo em 8 de maio de 2017. A iluminação do cenário do telejornal também foi alterada seguindo a proposta de seu pacote gráfico, que acompanha as fases do dia.

Em 21 de janeiro de 2019, o jornal passou a ter duas horas de duração. O jornal agora inicia às 6h e terminará às 8h.

O telejornal[editar | editar código-fonte]

Globocop em atividade nos protestos de 7 de Setembro de 2013

Apresenta as notícias da manhã e da madrugada, além de dar continuidade às principais notícias dos telejornais noturnos. Traz também entrevistas eventuais no estúdio de relevância, previsão do tempo, condições do trânsito na cidade, campanhas sociais, oportunidades no mercado de trabalho, assim como assuntos relevantes de todo o Estado do Rio de Janeiro.[2] Um diferencial importante é a forte presença opinativa do apresentador Flávio Fachel que costuma chamar a atenção do telespectador para os assuntos mais importantes relacionados à política, à cidadania e aos direitos do consumidor. Além disso, tem a constante presença do Globocop, helicóptero da Rede Globo que monitora diariamente as condições do trânsito da cidade e faz flagrantes importantes que repercutem nas manchetes dos demais telejornais durante o dia. Sempre que necessário, conta também com a participação dos jornalistas Raphael Rezende e André Loffredo nos comentários sobre futebol. O último bloco até 2019 era destinado às notícias locais em cada praça retransmissora. A TV Rio Sul até 2016 posuía um bloco local que foi extinto e desde então exibe integralmente o Bom Dia Rio gerado da capital fluminense. Em 1 de fevereiro de 2019, a InterTV anunciou também a extinção do bloco local do Bom Dia Rio passando a exibir integralmente o telejornal gerado da capital fluminense em 4 de fevereiro.

O telejornal tem ainda várias entradas do Radar RJ, apresentado pela jornalista Silvana Ramiro. Nesse espaço, o telespectador fica sabendo das condições do tempo e do trânsito na cidade do Rio de Janeiro. O telespectador pode também enviar vídeos, fotos e sugestões pelo WhatsApp e pelas redes sociais.

Referências

  1. http://memoriaglobo.globo.com/programas/jornalismo/telejornais/bom-dia-rio.htm
  2. a b Natelinha (29 de março de 2011). «Globo inaugura estúdio panorâmico no Rio». Consultado em 4 de maio de 2011 
  3. NaTelinha (15 de novembro de 2013). «Globo antecipará início do "Bom Dia Rio" para se distanciar da Record». 14:33:12. Consultado em 17 de novembro de 2013 
  4. Redação (5 de fevereiro de 2016). «Especializado em noticiário aéreo, Genilson Araújo troca o rádio pela TV Globo». Comunique-Se. Consultado em 8 de fevereiro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]