RJTV

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2011). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde janeiro de 2016).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


RJTV
Logotipo do telejornal
Informação geral
Formato Telejornal
Duração 1ª edição: 50 Minutos
2ª edição: 15 Minutos
Criador(es) Central Globo de Jornalismo
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Ali Kamel(DGJE)
Silvia Faria(CGJ)
Miguel Athayde(local)
Apresentador(es) Globo Rio:
Mariana Gross[1] (1ª edição)
Ana Luíza Guimarães (2ª edição)
InterTV Alto Litoral:
Ana Paula Mendes (1ª edição)
Cristina Frazão (2ª edição)
InterTV Planície:
Fernanda Corrêa (2ª edição)
InterTV Serra+Mar:
Luciana Thomaz (2ª edição)
TV Rio Sul:
Priscila Tanganelli e Renata Loures (1ª edição)
Diego Gavazzi (2ª edição)
Tema de abertura Instrumental
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil TV Globo Rio de Janeiro (Globo)
Formato de exibição 480i (SDTV) 1080i (HDTV)
Transmissão original 3 de janeiro de 1983 - presente
Cronologia
Programas relacionados Praça TV

RJTV[2] é um telejornal local da cidade do Rio de Janeiro e Grande Rio exibido pela TV Globo Rio de Janeiro em duas edições nos horários destinados ao Praça TV. O RJTV também é transmitido a toda região Norte, Serrana, Lagos e Noroeste Fluminense, tendo sua produção na cidade de Cabo Frio na Região dos Lagos.

História[editar | editar código-fonte]

O RJTV nasceu em 3 de janeiro de 1983 para mostrar as principais notícias da cidade do Rio de Janeiro e do estado homônimo. O jornal estreiou sob o comando de Berto Filho, tinha apenas dez minutos de duração e ia ao ar antes do Jornal Nacional dividido em três blocos.

1ª Edição[editar | editar código-fonte]

O sucesso da edição noturna do RJTV foi tão grande que, seis meses depois, em julho de 1983, o telejornal ganhou uma edição vespertina, se chamando de RJTV 1ª Edição.

Em 1989, o RJTV 1ª Edição saíu do ar, mas voltou em 1992, sob o comando de Marcos Hummel.

Com novo formato desde janeiro de 2000 (que explora os debates entre a população e as autoridades), o RJTV passou a ajudar a resolver os problemas do Rio de Janeiro, com campanhas e discussões, cobrando soluções para melhorar o cotidiano da população. Isso fez com que o programa ganhasse importantes prêmios de telejornalismo. Em 1995, Renata Capucci assume no lugar Marcos Hummel

Ainda em 2000, a Rede Globo reformulou seus telejornais locais, passando a ter duplas de âncoras. Com isso, o RJTV 1ª Edição, além de ganhar novo cenário, vinheta e grafismos, passou a ser ancorado por Ana Paula Araújo e Márcio Gomes.

Em 2003, a série "Rio Engarrafado" ganhou a premiação da Confederação Nacional do Trânsito. No mesmo ano, a série "Os Olhos da Ponte", que mostrava a rotina da Ponte Rio-Niterói, conquistou, para o RJTV, o troféu da Associação Brasileira de Concessionárias e Rodovias. Também em 2003, o telejornal ganhou o prêmio "Qualidade Brasil" de melhor telejornal regional e o de melhor apresentador, entregue ao jornalista Márcio Gomes. E, por fim, no mesmo ano, o prêmio "Austregésilo de Athayde", conferindo, ao RJTV, o prêmio de melhor telejornal local da região metropolitana do Rio de Janeiro.

Em 2006, Renata Capucci reassume o RJTV 1ª Edição, sucedendo Ana Paula Araújo.

Em 2009, Ana Paula Araújo reassume o telejornal e Márcio Gomes é remanejado para o RJTV 2ª Edição.

Em 2011, o RJTV ganha um novo cenário (um glass studio), e no final do mesmo ano ganha nova vinheta e grafismos.

Em 2013, o RJTV completa 30 anos no ar, e em outubro do mesmo ano, Ana Paula Araújo se despede do RJTV 1ª Edição e segue para o Bom Dia Brasil. Mariana Gross assume o RJTV 1ª Edição. Em 02 de dezembro do mesmo ano, o telejornal passou a ser exibido em Alta Definição (HDTV).

2ª Edição[editar | editar código-fonte]

Em 03 de janeiro de 1983, surgia o RJTV (até um momento, sem edições posteriores), às 19:48hs, com duração de 10 minutos, com 3 blocos (cada bloco durava cerca 3 minutos), antecedendo o Jornal Nacional e apresentado por Berto Filho.

Em 1996, o RJTV ganha novo pacote gráfico (novo cenário, vinheta, trilha sonora e grafismos). No ano seguinte, em 1997, Cláudia Cruz assume o RJTV 2ª Edição, no lugar de Isabela Scalabrini.

Em 2001, Helter Duarte assume o RJTV 2ª Edição no lugar Cláudia Cruz.

Em 2004, Leilane Neubarth assume o RJTV 2ª Edição no lugar Helter Duarte. No ano seguinte, em 2005, o telejornal ganha nova vinheta e grafismos.

Em 2009, Márcio Gomes, vindo da edição vespertina, assume a edição noturna, que ganha nova trilha sonora.

Em 2011, o RJTV ganha novo cenário (um glass studio) e no final do mesmo ano, ganha nova vonheta e grafismos.

Em janeiro de 2013, no mês em que o RJTV completava 30 anos, a Rede Globo anunciou que Márcio Gomes iria se tornar correspondente da emissora no Japão. Márcio se despediu da equipe do RJTV em Junho e entregou o posto para Ana Luíza Guimarães. Em 02 de dezembro do mesmo ano, o RJTV passou a ser exibido em Alta Definição (HDTV).

3ª Edição[editar | editar código-fonte]

Entre março de 1983-março de 1989, existiu assim como em outras praças, uma edição do RJTV exibida nas madrugadas, logo após o Jornal da Globo. O RJTV 3ª Edição era dividido em dois blocos: O primeiro trazia notícias ocorridas após o RJTV 2ª Edição e o segundo bloco trazia notícias sobre política, economia e esportes.

Edição de Domingo[editar | editar código-fonte]

Assim como em outras praças, surgiu em 24 de março de 1984 uma edição dominical do RJTV, exibido depois do Fantástico.

O RJTV Edição de Domingo saíu do ar em 21 de junho de 1987.

Radar RJ[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2007, durante os Jogos Pan-Americanos de 2007, o RJTV lançou o Radar RJ, apresentado por Edimilson Ávila, num cenário virtual. O Radar RJ trazia tanto na edição vespertina, quanto na edição noturna, informações ao vivo sobre o trânsito na cidade do Rio de Janeiro.

Hoje, o Radar RJ é exibido nos intervalos do Bom Dia Brasil, Mais Você e durante a tarde, quando nescessário.

Coberturas marcantes[editar | editar código-fonte]

*Sequestro do ônibus 174 (2000):[editar | editar código-fonte]

Em 07 de julho de 2000, Sandro do Nascimento entrou dentro de um ônibus da linha 174, mantendo 10 pessoas reféns dentro do transporte, no bairro do Jardim Botânico. Esse sequestro durou mais de 4hs e ficou conhecido como Sequestro do ônibus 174, sendo acompanhado em tempo real pelo RJTV.

A partir das 15hs, começou a entrar no ar, plantões locais e nacionais, acompanhando o sequestro.

Durante o RJTV 2ª Edição com Márcio Gomes, um policial atirou contra Sandro, mas o tiro acertou a barriga de Geisa Firmo Gonçalves, que estava grávida. Geisa foi a refém que estava sendo usada como escudo pelo sequestrador.

Nesse momento, o RJTV 2ª Edição estava mostrando uma reportagem sobre o assunto, e foi interrompido para mostrar o assunto, juntamente com o restante do Brasil.

Os repórteres Ari Peixoto, Vinícius Dônola, Roberto Kovalick e Eduardo Thao, participaram da cobertura ao vivo.

Pacificação e UPPs (2008-2010):[editar | editar código-fonte]

*Massacre de Realengo (2011):[editar | editar código-fonte]

Em 07 de abril de 2011, Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, invadiu na manhã daquele dia, a Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro de Realengo, zona oeste da cidade. Armado com dois revólveres, Wellington atirou contra funcionários da escola e contra alunos entre 12 e 14 anos. Houve 12 mortos. O episódio ficou conhecido como o massacre de Realengo, sendo acompanhado detalhadamente pelas duas edições do RJTV.

Ana Paula Araújo e grande equipe da Globo Rio, fizeram uma ampla cobertura nacional, cancelando as edições do Mais Você, Bem Estar (que transmitiram ao vivo os acontecimentos) e a TV Globinho.

Com os acontecimentos ainda em curso, o RJTV 1ª Edição mostrou reportagens das repórteres Silvana Ramiro e Flávia Jannuzzi, descrevendo o massacre. Logo depois, Renata Capucci trouxe as informações dos feridos ao vivo, direto do hospital, onde as vítimas eram levadas.

Ainda naquela edição especial do RJTV 1ª Edição, o telejornal transmitiu ao vivo os pronunciamentos do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral e do prefeito do Rio, Eduardo Paes, sobre a tragédia, simuntaniamente com as demais praças da Rede Globo, que interromperam seus telejornais locais para transmitir os pronunciamentos.

Aquela edição especial do RJTV 1ª Edição teve comentários de Rodrigo Pimentel e de Luis Fernando Correia.

Durante a tarde daquele dia, houve plantões locais e nacionais, sob o comando de Ana Paula Araújo, trazendo as últimas informações sobre os feridos e sobre a repercussão nacional e internacional sobre o massacre.

Os repórteres Tiago Elts, Mariana Gross, Alex Cunha, Gabriela de Palhano, Rogério Coutinho e Bette Lucchese, também participam dessa cobertura.

* Desabamentos no centro do Rio (2012):[editar | editar código-fonte]

Na noite de 25 de janeiro de 2012, três prédios desabaram na avenida Treze de Maio, ao lado do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, no centro da cidade. 19 pessoas morreram e 3 permanecem desaparecidas.

No dia seguinte, 26 de janeiro, o RJTV 1ª Edição foi ao ar 1h antes do habitual, sendo exibido para todo o estado, apresentado por Vandrey Pereira e Edimilson Ávila e ficou no ar até o início do Jornal Hoje, trazendo informações ao vivo do desabamento.

Durante a tarde, nos intervalos da programação, Márcio Gomes entrava no ar com o Globo Notícia, atualizando as informações do desastre. Márcio também ancorou o RJTV 2ª Edição daquele dia.

Em 27 de janeiro, Ana Paula Araújo e Márcio Gomes ancoraram respectivamente as duas edições do RJTV direto do local, onde a Globo Rio montou um estúdio.

Os repórteres: Eduardo Thao, Renata Capucci, Monica Sanchez, Fabio Judice e Flávia Januzzi, participaram dessa cobertura.

Apresentadores[editar | editar código-fonte]

Mariana Gross é a atual âncora e editora-executiva do RJTV 1ª Edição, exibido às 12h. Já o RJTV 2ª Edição é apresentado por Ana Luíza Guimarães, às 19h15.

Leda Nagle apresentou o telejornal, no período de 1983 a 1988

Cronologia de apresentadores[editar | editar código-fonte]

Apresentadores Eventuais[editar | editar código-fonte]

Quadros[editar | editar código-fonte]

Quadros Dias de Apresentação Descrição
Diversão e Arte quintas e sextas Fábio Júdice mostra as dicas culturais para o resto e o fim de semana.
Enredo e Samba somente perto do carnaval Milton Cunha traz os sambas-enredo das escolas de samba que disputarão o carnaval.
Os Cariocas somente aos sábados Mostra histórias de pessoas que ajudam a melhorar o Rio.
Parceiro do RJ de segunda a sábado Várias duplas ficam espalhadas em vários pontos do Rio, mostrando problemas, histórias e curiosidades do lugar.
Programão somente aos sábados Mostra as dicas para o fim de semana enviadas pelos telespectadores.
RJ Móvel de segunda a sexta Susana Naspolini mostra problemas da comunidade e cobra soluções das autoridades.
RJ Saúde de segunda a sexta Os telespectador pode enviar perguntas sobre saúde para serem respondidas pelo Doutor Luís Fernando Correa.
Tempo no Rio de segunda a sábado Mostra a previsão do Tempo, com a ajuda de um estúdio Virtual, com apresentação de Edmilson Ávila ou Silvana Ramiro.
Mesa Carioca somente aos sábados Vandrey Pereira percorre bares, restaurantes e food trucks do Rio e Região Metropolitana.

Telejornais do interior do Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

As emissoras da Rede Globo no interior do estado do Rio de Janeiro também produzem telejornais locais que vão ao ar nos mesmos horários do RJTV.

RJ InterTV[editar | editar código-fonte]

Exibido pelas emissoras da Rede InterTV no estado do Rio de Janeiro. Foi lançado no dia 30 de janeiro de 2006, substituindo os antigos Jornal InterTV (ou JITV) e o RJTV (das TVs Alto Litoral e Serra+Mar).

Desde 2006, a primeira edição do RJ InterTV é ancorada diretamente dos estúdios da InterTV Alto Litoral em Cabo Frio para toda a área de cobertura da Rede InterTV no estado do Rio (TVs Alto Litoral, Serra+Mar e Planície). A apresentação é de Ana Paula Mendes.

Já a segunda edição é independente. Desde novembro de 2011, as três emissoras da Rede InterTV geram o RJ InterTV - 2ª Edição para as suas respectivas áreas de cobertura. [11] Antes desta data, a segunda edição do RJ InterTV era gerada a partir da InterTV Alto Litoral para as três emissoras da rede. Atualmente apresentam o telejornal: Cristina Frazão pela Alto Litoral[12] , Luciana Thomaz pela Serra+Mar e Fernanda Corrêa pela Planície[13] .

RJTV - TV Rio Sul[editar | editar código-fonte]

A TV Rio Sul, emissora afiliada da Rede Globo em Resende, produz uma versão inteiramente local do RJTV, cobrindo toda a região sul, centro-sul e da Costa Verde. A primeira edição é apresentada por Priscila Tanganelli direto de Resende junto com Renata Loures, que também entra no ar no outro estúdio do RJ em Volta Redonda. Há participações ao vivo também do estúdio panorâmico da emissora situado no Shopping Piratas, em Angra dos Reis, com Marcos Landim, que se aprofunda nas notícias das duas cidades do litoral cobertos pela TV Rio Sul: Angra e Paraty. Já a segunda edição é comandada por Diego Gavazzi. Desde o dia 6 de dezembro de 2011, passou a ser apresentado de um novo cenário, o padrão dos telejornais locais da Rede Globo, tendo como imagens de fundo Paraty (nos RJTVs), as Ilhas Botinas de Angra dos Reis (no Bom Dia Rio) e na sala de entrevistas a sede da TV Rio Sul em Resende. As edições são eventualmente apresentadas por Ellen Schaphauser (apresentadora do Bom Dia Rio local e do "Repórter Ao Vivo", o Radar Praça local).

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • 2003: Prêmio da Confederação Nacional do Trânsito (com a série Rio Engarrafado)
  • 2003: Troféu da Associação Brasileira de Concessionárias e Rodovias (com a série Os Olhos da Ponte)
  • 2003: Prêmio Qualidade Brasil (de melhor telejornal regional e de melhor apresentador, entregue a Márcio Gomes).
  • 2003: Prêmio Austregésilo de Athayde (como melhor telejornal local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]