Isabela Scalabrini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2019).
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Isabela Scalabrini
Nome completo Isabela Scalabrini Matte
Nascimento 9 de maio de 1957 (62 anos)
Rio de Janeiro, RJ
 Brasil
Ocupação Jornalista e apresentadora de televisão
Nacionalidade Brasil brasileira
Atividade 1980 - presente

Isabela Scalabrini Matte (Rio de Janeiro, 9 de maio de 1957) é uma jornalista brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carioca de Copacabana, se formou em jornalismo na Faculdades Integradas Hélio Alonso, no Rio de Janeiro. Repórter da Globo desde 1979, ela foi contratada depois de um estágio remunerado de um ano. Começou na apuração e seis meses depois foi para o Departamento de Esportes. Quando ela chegou na Globo, não havia nenhuma mulher trabalhando lá. A jornalista começou fazendo reportagens para o Globo Esporte, e cobria diversas modalidades esportivas, com exceção do futebol, que era sempre destinado aos homens da redação.[1]

Foi nos jogos Pan-Americanos na Venezuela, 1983, que Scalabrini teve sua primeira oportunidade de realizar um trabalho de destaque. De acordo com a própria jornalista, ela só foi escalada para cobrir a competição porque tinha um chefe "muito moderno". Durante a competição, o Brasil conseguiu várias medalhas nos esportes amadores, justamente aquele que Scalabrini era designada a cobrir, como remo e natação. Dessa forma, conseguiu pela primeira vez, que suas matérias entrassem no Jornal Nacional, um dos principais programas da emissora. Após o bom desempenho no Pan-Americano de 1983 na Venezuela, Scalabrini foi escalada para cobrir os Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles, e 1988 em Seul (Coreia do Sul) e a Copa do Mundo de 1986, no México, além de muitos campeonatos mundiais de vôlei e basquete. Apresentou o Globo Esporte, Esporte Espetacular e Fantástico na década de 80, e o RJTV na década de 90.[2]

Em 1992, trocou o esporte pela editoria geral. Em 1998, foi transferida para a Globo Minas. Isabela foi uma das primeiras mulheres a cobrir esporte na Globo, durante muitos anos. Ela admite ter enfrentado algum preconceito, na cobertura de futebol, por exemplo, mas nunca foi desrespeitada. A jornalista costuma dizer que o único espaço que não conquistou no mundo esportivo foi o vestiário. Apresentou o MGTV 1ª Edição até agosto de 2019. Hoje faz reportagens de rua para jornais locais da Globo Minas e para o JN.[3][4][2]

Em Setembro de 2009, Isabela foi uma das entrevistadas para falar sobre os 40 anos do Jornal Nacional, sendo a primeira repórter esportiva do Jornal. A entrevista foi no estúdio do JN no Rio de Janeiro.[5]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. «ISABELA SCALABRINI - TRAJETÓRIA». memoriaglobo.globo.com. Consultado em 18 de agosto de 2019 
  2. a b «ISABELA SCALABRINI - FOTOS E VÍDEOS». memoriaglobo.globo.com. Consultado em 18 de agosto de 2019 
  3. Entretenimento, Portal Uai; Entretenimento, Portal Uai (2 de agosto de 2019). «Jornalista Isabela Scalabrini segura o choro ao se despedir da bancada do MG1». Portal Uai Entretenimento. Consultado em 18 de agosto de 2019 
  4. «Isabela Scalabrini deixará de apresentar jornal da Globo em Minas». Observatório da Televisão. 29 de julho de 2019. Consultado em 18 de agosto de 2019 
  5. «Últimas Edições - notícias recentes do Jornal Nacional - NOTÍCIAS - A repórter Isabela Scalabrini vai à bancada do JN». jornalnacional.globo.com. Consultado em 18 de agosto de 2019