Bombardeio da Praça de Maio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bombardeio da Praça de Maio
Plaza-Mayo-bombardeo-1955.JPG
Bombardeo-Plaza-Mayo-1955..png
Vítimas do bombardeio
Data 16 de junho de 1955
Local Praça de Maio, Buenos Aires
 Argentina
Desfecho Massacre de civis e golpe de estado fracassado
Beligerantes
Peronistas e forças armadas oficiais argentinas Elementos antiperonistas das Forças Armadas
Comandantes
Juan Domingo Perón
Franklin Lucero
Samuel Toranzo Calderón
Benjamín Gargiulo
Aníbal Olivieri
Unidades
Regimento de Granadeiros Montados General San Martín[1]
Guarnição Motorizada Buenos Aires[2]
1º Regimento[2]
3º Regimento[2]
Força Aérea Argentina
Aviação Naval Argentina
7ª Brigada Aérea
4º Batalhão de Infantaria Naval
Parte da Força Aérea Argentina
Forças
330 Granadeiros[1]
4 aeronaves
4 tanques de Sherman[2]
Civis peronistas armados[2]
700 marinheiros
30-34 aeronaves
Pelo menos 875 civis anti-peronistas
Baixas
17 mortos[1][3][4]
55 feridos[3]
30 rebeldes mortos[5]
3 aeronaves derrubadas
308 civis mortos e um número adicional que não pôde ser identificado[6]

Bombardeio da Praça de Maio foi um massacre ocorrido em Buenos Aires, Argentina, em 16 de junho de 1955. Naquele dia, 30 aeronaves da Marinha e da Força Aérea arrasaram e bombardearam a Praça de Maio na capital argentina, no que que foi o maior bombardeio aéreo da Argentina continental. O ataque tinha como alvo uma grande multidão que expressava apoio ao presidente Juan Perón e que estava adjacente à Casa Rosada, a sede oficial do governo. O bombardeio ocorreu durante um dia de manifestações públicas oficiais para condenar a queima de uma bandeira nacional supostamente realizada por detratores de Perón durante uma recente procissão de Corpus Christi. O ataque foi o primeiro passo de um golpe de estado fracassado. O número de corpos identificados foi de 308, incluindo seis crianças, além de um número indeterminado de vítimas que não puderam ser identificadas.[6]

O desrespeito absoluto com a vida humana e a violência com que o ato foi realizado, o torna comparável à onda de terrorismo de Estado que apareceria anos mais tarde no país.[7]

Ataque[editar | editar código-fonte]

Bombardeio, tiroteio e combate em solo[editar | editar código-fonte]

Às 12h40, 30 aviões da aviação naval argentina, constituídos por 22 North-American T-6, cinco Beechcraft AT-11 e três Consolidated PBY Catalina, decolaram da Base Aérea de Morón. Perón tinha sido avisado dos movimentos de antemão pelo Ministro da Guerra, Franklin Lucero, que o aconselhou a retirar-se para um bunker sob o Edifício Libertador.[6]

O fator surpresa foi crucial no número de baixas civis, visto que era uma quinta-feira. Entre as primeiras vítimas registradas estavam ocupantes de veículos de transporte público. A primeira bomba a cair explodiu sobre um carrinho cheio de crianças, matando todos a bordo.[8]

As tropas rebeldes do 4º Batalhão foram implantadas em torno da Casa Rosada com a intenção de capturá-la. Eles foram divididos em dois: uma companhia foi implantada a 40 m da esplanada do norte e a outra se refugiou no estacionamento do Automóvil Club Argentino, entre o Parque Colón e o Correio Central, a 100 m da parte traseira do prédio.[2] No entanto, eles foram repelidos de dentro por membros do Regimento de Granadeiros Montados e de fora por tropas do Exército Argentino que marchavam do setor do Ministério das Finanças, sob o comando do General Lucero.[6] A defesa da Casa Rosada consistiu em duas metralhadoras Browning M2 de 12,7 mm localizadas no telhado, enquanto os defensores dos andares inferiores usavam várias armas menores, incluindo os rifles Mauser 1909.[9] As tropas leais foram acompanhadas por civis peronistas que pegaram em armas.[10]

Às 01:12 horas, o líder sindical Héctor Hugo Di Pietro, responsável pela Confederação Geral do Trabalho (CGT) devido à ausência do Secretário-Geral, falou sobre a transmissão nacional e convocou todos os trabalhadores do Distrito Federal e da Grande Buenos Aires a concentrar-se imediatamente em torno da CGT para defender o governo constitucional. Além disso, funcionários sindicais já estavam mobilizando trabalhadores de fábricas em torno de Buenos Aires em direção ao centro da cidade.[6] Perón ordenou a seu ajudante, a principal Cialceta, que informasse a Di Pietro que um choque estritamente entre soldados estava ocorrendo e que nenhum civil deveria estar na Praça de Maio. O historiador Joseph Page afirmou, citando um relatório proveniente da Embaixada dos Estados Unidos como fonte, que este pedido não foi entregue até às 04:00 da tarde.

Ruas em chamas nas imediações.

A ofensiva rebelde começou a perder vapor às 15:00 da tarde. Os marinheiros da esplanada norte da casa Rosada ficaram sob tiros das unidades de artilharia do Exército posicionadas em um prédio localizado na esquina das ruas Leandro N. Alem e Viamonte. Olivieri entrou em contato com a Escola de Mecânica da Armada em um esforço para ganhar reforços, mas já estava cercado pelo 1º Regimento.[2]

O 4º Batalhão de Infantaria (fuzileiros navais) lutou em desordem para as instalações do Ministério da Marinha, onde foram assediados por unidades do Exército leais. Lucero ordenou o uso de metralhadoras pesadas contra os rebeldes e morteiros de 80 mm foram trazidos para reforçar o ataque. Às 15h17, depois de duas conversas telefônicas entre Olivieri e Lucero, os rebeldes agitaram uma bandeira branca do Ministério da Marinha, mas quando os generais Carlos Wirth e Juan José Valle chegaram para se comunicar com os rebeldes, uma segunda onda de bombardeios começou. O ataque destruiu dois andares da ala sul do edifício, matando um soldado e um general.[2] Um tanque M4 Sherman disparou no segundo andar do Ministério da Marinha, causando um incêndio na sala dos almirantes.[2]

Os comandos civis, sob as ordens de Zavala Ortiz, começaram a lutar com a polícia e atirar-se dos telhados de vários edifícios. Durante a tarde, os reforços rebeldes provenientes do prédio Central Post repetidamente tentaram quebrar o cerco ao Ministério da Marinha, sem sucesso.[6]

Combate aéreo[editar | editar código-fonte]

Marcas do ataque na sede do Ministério da Economia, em 2009.
Cidadãos olham cadáveres de vítimas do ataque.

À medida que o combate terrestre se enfurecia no centro de Buenos Aires, as forças leais pediram que a Base Aérea de Morón interceptasse combatentes rebeldes. Os pilotos estavam em acaloradas discussões sobre se participar do golpe ou não. Um esquadrão de leais Gloster Meteors decolou e um deles derrubou um rebelde AT-6 sobre o Rio da Prata, marcando a primeira morte aérea da Força Aérea argentina. Outros dois aviões de guerra rebeldes seriam derrubados por baterias antiaéreas apressadamente montadas.[6]

Quando os pilotos leais pousaram, descobriram que a Base Aérea de Morón tinha sido capturada. Os rebeldes pegaram os Meteors e os colocaram em serviço. Os ataques aéreos e a batalha continuaram até a rendição final. No último momento, com o golpe à beira do fracasso, os aviões de guerra lançaram um segundo ataque na sede do governo. Tendo ficado sem artilharia, um piloto deixou cair o tanque de combustível auxiliar como se fosse uma bomba incendiária, que caiu nos carros em um estacionamento perto da Casa Rosada.

Retirada e rendição[editar | editar código-fonte]

Após uma intensa luta urbana, que incluiu um incidente de falsa rendição, os rebeldes sitiados finalmente optaram por entregar o Ministério da Marinha às unidades do Exército afixadas no exterior. O incêndio cessou às 17h20 da hora local. Entre as 9,5 e as 13,8 toneladas de munição foram derrubadas, matando entre 150 e 364 pessoas[11] (principalmente civis) e ferindo mais de 800. Nove Grenadeiros Montados, membros da guarda presidencial,[1] e cinco policiais morreram em ação.[12]

Diante do fracasso do golpe (visto que nem o Exército nem a maior parte da Força Aérea o apoiaram), os pilotos receberam ordens para voar para o Uruguai e solicitar o asilo político. Trinta aviões de combate dirigiram-se para o Aeroporto de Carrasco, destruindo qualquer coisa que se movesse ao longo do caminho. Alguns pilotos não chegaram ao solo uruguaio, já que consumiram o combustível durante o ataque na Praça de Maio. Assim, eles tiveram que aterrissar no Rio da Prata ou nos campos de Carmelo.

Às 03:00 da manhã de 17 de junho, os líderes do malogrado golpe de Estado, Olivieri, Toranzo Calderón e Gargiulo foram informados de que deveriam ser julgados sob a lei marcial e todos receberam uma pistola para acabar com suas vidas. Olivieri e Toranzo Calderón declinaram. Às 05:45, antes do amanhecer, Gargiulo cometeu suicídio em seu escritório.[13]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Capa da revista Ahora de 16 de junho de 1955.

Naquela mesma noite, multidões peronistas irritadas queimaram oito igrejas, duas basílicas e uma catedral, em vingança pelas centenas de civis mortos durante os ataques e por causa do apoio da Igreja Católica ao golpe. Nem a polícia nem os bombeiros intervieram para detê-los.

Em setembro desse ano, a maior parte das forças armadas se uniriam a um golpe de estado conhecido como Revolução Libertadora, que derrubou o presidente Perón e iniciou um período de ditadura militar que terminou com as eleições presidenciais de 1958, conquistadas por Arturo Frondizi da UCRI. Mesmo que o partido peronista não tenha permitido entrar na cédula, a vitória de Frondizi foi influenciada por um pacto entre Perón e Frondizi.[14]

Um dos líderes rebeldes, o radical Miguel Ángel Zavala Ortiz, foi oficial durante a ditadura da Revolução Libertadora e, em 1963, foi nomeado Ministro dos Negócios Estrangeiros e do Culto pelo presidente radical Arturo Illia.[6]

Um dos pilotos navais que participaram dos bombardeios, Máximo Rivero Kelly, foi promovido e foi o segundo comandante da Marinha Argentina durante a presidência de Raúl Alfonsín. Ele afirmou que os pilotos navais visavam atingir o palácio presidencial, mas que uma aeronave se perdeu, causando cerca de 20 mortes entre os civis.[15] As marcas de balas e estilhaços ainda são visíveis em alguns edifícios no lado sul da praça.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Enrique Oliva. «9 Granaderos» (em espanhol). Nac&Pop 
  2. a b c d e f g h i «El bombardeo a Plaza de Mayo» (em espanhol). El Ortiba 
  3. a b «Recuperar la historia, a 60 años del bombardeo». InfoNews (em espanhol). 14 de junho de 2015. Consultado em 30 de outubro de 2015 
  4. Clarín, 18 de junho de 1955. Página 4.
  5. Rouquié, Alain (1982). Poder militar y sociedad política en la Argentina: 1943–1973 (em espanhol). [S.l.]: Emecé Editores. p. 108 
  6. a b c d e f g h Portugheis, Elsa (2010). Bombardeo del 16 de junio de 1955 (PDF) (em espanhol). Buenos Aires: Secretaría de Derechos Humanos de la Nación Argentina 
  7. «Celebran resarcimiento a sobrevivientes del bombardeo» (em espanhol). Parlamentario. 5 de dezembro de 2008. Consultado em 23 de maio de 2015 
  8. Moreno, Isidoro Ruiz (2013). La Revolución del 55 (em Spanish). [S.l.]: Claridad. p. 193. ISBN 978-950-620-336-8 
  9. «Bombardeo del '55: testimonios de los que defendieron la Casa Rosada». Puntal. 18 de junho de 2012. Consultado em 25 de outubro de 2015 
  10. 56 years Bombardment in the Plaza de Mayo (em castelhano)
  11. Bombas sobre Buenos Aires: Gestación y desarollo del bombardeo aéreo sobre la Plaza de Mayo del 16 de junio de 1955, Daniel E. Cichero, p.163, Vergara Grupo Zeta, 2005.
  12. Alfredo Aulicino, Rodolfo Nieto, José María Bacalja, Ramón Alderete e César Augusto Puchulu, de acordo com a página 4 do jornal Clarín de 18 de junho de 1955
  13. Moreno, Isidoro Ruiz (2013). La Revolución del 55 (em espanhol). [S.l.]: Claridad. pp. 280–282. ISBN 978-950-620-336-8 
  14. Luna, Félix (1995). «La Propuesta Desarrollista». Historia de la Argentina (em Spanish). Buenos Aires: Hyspamerica. ISBN 950-752-292-1 
  15. Testimonios del Bombardeo

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Cichero, Daniel (2005). Bombas sobre Buenos Aires. Gestación y desarrollo del bombardeo aéreo sobre Plaza de Mayo (em espanhol). Buenos Aires: Vergara. ISBN 950-15-2347-0 
  • Portugheis, Elsa (2010). Bombardeo del 16 de junio de 1955 (PDF) (em espanhol). Buenos Aires: Secretaría de Derechos Humanos de la Nación Argentina 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bombardeio da Praça de Maio