Carlos Arthur Nuzman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos Arthur Nuzman
Nascimento 17 de março de 1942 (74 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasil brasileiro
Cônjuge Márcia Peltier
Ocupação Advogado
Presidente do Comitê Olímpico Brasileiro
Presidente do Organização Desportiva Sul-Americana

Carlos Arthur Nuzman (Rio de Janeiro, 17 de março de 1942) é um advogado, atleta e político brasileiro. Ex-jogador de vôlei, Nuzman presidiu a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). Atualmente é o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

Muitos creditam o ótimo desempenho do vôlei brasileiro na década de 1990 e começo do século XXI em grande parte ao trabalho de Nuzman como presidente da CBV.[carece de fontes?] É casado com a jornalista brasileira Márcia Peltier.

Como jogador de volêi, Nuzman participou em parte da seqüência de onze títulos seguidos do Botafogo no Campeonato Carioca de Voleibol, entre as décadas de 1960 de 1970.

Comandou a candidatura do Rio de Janeiro como sede e organização dos Jogos Pan-americanos de 2007, parte do plano estratégico para transformar a cidade em sede dos Jogos Olímpicos de Verão. Em 2 de outubro de 2009, Carlos Arthur Nuzman completou seu principal objetivo que era trazer o direito do Brasil sediar os Jogos Olímpicos de Verão. Nesse dia, o Comitê Olímpico Internacional oficializou o Rio de Janeiro como cidade sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Em maio de 2.013, tendo em vista os significativos atrasos nas obras de prepação para os Jogos Olímpicos de 2.016, o Comitê Olímpico Internacional decidiu promover uma intervenção branca na organização dos Jogos, durante criticada pela imprensa brasileira e mundial. O fato foi larga e comprovadamente noticiado por órgãos de imprensa em todo mundo, criando enorme expectativa se o Co-Rio será capaz de entregar aquilo que prometeu no dossiê de candidatura.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Desde cedo Carlos Nuzman dedicou-se ao esporte, ainda no pátio da escola onde estudava no Rio de Janeiro. Naquela época ele praticava principalmente natação e tênis no Fluminense. O vôlei era apenas mais uma dentre tantas atividades esportivas de seu cotidiano.

Carlos iniciou sua carreira no vôlei pelo Clube Israelita Brasileiro (CIB). Depois de ter sido campeão pelo clube, ele integrou a delegação brasileira que participou dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 1964, logo na primeira em que teve o vôlei entre suas modalidades.[1] Foi considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009[2].

Presidência do COB[editar | editar código-fonte]

Nuzman é presidente do COB desde 1995. Os principais marcos de sua gestão foram as escolhas do Brasil para sediar importantes eventos esportivos, como as Olimpíadas e Jogos Pan-americanos. A gestão foi criticada pelas sucessivas reeleições de presidentes das federações, inclusive Nuzman; pelos montantes crescentes de recursos públicos empregados, sob acusações de falta de transparência; e pelas denúncias e processos judiciais que moveu contra o advogado Alberto Murray Neto (neto de Sylvio de Magalhães Padilha e ferrenho opositor do atual presidente do COB), e contra a autora e professora Katia Rubio, que empregou o termo "olímpico" em um de seus livros, alegadamente de uso privativo do COB. O COB recebeu pesadas críticas sobre a sua intenção de processar a educadora Katia Rubio, recuando de fazê-lo. Arthur Nuzman também enfrenta a polêmica sobre o custo dos Jogos Pan-americanos do Rio 2007, de cerca de 1000% a mais aos cofres públicos do que o valor inicialmente orçado.[3][4][5][6][7][8][9]

Em setembro de 2012 o colunista Juca Kfouri publicou em seu blog que integrantes do Co-Rio 2016, presidido por Nuzman, violaram arquivos secretos do Comitê Organizador de Londres 2012, gerando um sério incidente entre as duas entidades. O Comitê londrino ameaçou processar o Comitê carioca e enviou representantes ao Brasil para certificar-se que tais arquivos foram destruídos. Com repercussão mundial, o fato manchou a credibilidade do Co-Rio 2016 e de seu presidente, Nuzman, que procurou abafar o fato. Apenas admitiu-o quando Juca Kfouri tornou público o assunto. Onze funcionários do Co-Rio 2016 foram demitidos. Nuzman não revelou a mando de quem agiram.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Nuzman é casado com a ex-apresentadora do Jornal Hoje e Jornal da Manchete Márcia Peltier. Recebeu a Medalha do Mérito Desportivo Militar[10].

Referências

Olympic pictogram Volleyball.png Este artigo sobre um(a) voleibolista, integrado ao Projeto Desporto, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.