Carnaval de Olinda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2013).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Carnaval de Olinda
Foliões em frente à Prefeitura de Olinda no Carnaval de 2015.
Local(is) Olinda, Pernambuco
 Brasil
Gênero(s) Frevo, Maracatu, Manguebeat, Ciranda, Coco, Caboclinhos

O Carnaval de Olinda, em Pernambuco, é reconhecido mundialmente pelos desfiles dos Bonecos de Olinda, bonecos de mais de dois metros, coloridos e de fácil localização, que saem às ruas junto com os foliões. É realizado no Centro Histórico de Olinda, ou Cidade Alta.

Reúne mais de um milhão de pessoas durante o evento, com participação de cerca de 500 grupos carnavalescos.[1]

A festa[editar | editar código-fonte]

Bloco de Maracatu Nação em Olinda.
Bonecos de Olinda em meio aos foliões durante o Carnaval no Centro Histórico.
Foliões nas ruas de Olinda.
Foliões no Carnaval de Olinda. Ao fundo o skyline da Zona Norte do Recife.

Inicialmente a abertura simbólica do carnaval de Olinda era feita pelo Cariri Olindense, quando o Velho do Cariri, símbolo do bloco, sai às 4h20 montado em um jumento e desce as ladeiras.[2] Foi assim até 1931, quando alguns de seus membros fundaram O Homem da Meia-Noite, que sai na meia noite do sábado de Zé Pereira e o domingo de rei Momo.[3] Então, a partir de 1932, O Homem da Meia-Noite abre o carnaval de Olinda. Anos depois os blocos se reconciliaram, e hoje o Homem entrega-lhe as chaves da cidade após o seu desfile.[2][4]

Entre as suas atrações, ostenta dezenas de bonecos gigantes, sendo o mais conhecido deles é O Homem da Meia-Noite. Além dos tradicionais blocos e troças que percorrem suas ladeiras, embalados pelo ritmo do frevo. São exemplos destes a Pitombeira dos Quatro Cantos, fundada em 1947, quando um grupo de rapazes desfilou pelas ruas da Cidade Alta cantando e empunhando galhos de pitombeira; e o "Elefante de Olinda", fundado em 1952 por um grupo de rapazes da Cidade Alta, que durante o Carnaval saíram pelas ruas com um elefante de porcelana cantando uma música improvisada em homenagem ao animal. A grande concentração destes blocos e troças se dá na frente da Prefeitura Municipal, onde pode-se encontrar o maior número de foliões por metro quadrado.

Blocos[editar | editar código-fonte]

Dezenas de blocos desfilam pelas ruas de Olinda, tocando troças e portando estandartes e alguns são associados a algum boneco. Dentre estes, podemos citar:

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «O frevo em Olinda». Carnaval.olinda.pe.gov.br. Consultado em 12 de fevereiro de 2015 
  2. a b «Homem da Meia-Noite entrega chave de Olinda à troça Cariri Olindense». G1 PE. 19 de fevereiro de 2012. Consultado em 26 de fevereiro de 2013 
  3. Gaspar, Lúcia (26 de fevereiro de 2007). «O Homem da Meia-Noite». Fundação Joaquim Nabuco. Consultado em 25 de fevereiro de 2013 
  4. Saraiva, Roberto (10 de fevereiro de 2013). «Homem da Meia-Noite emociona Olinda». Uol Carnaval 2013. Consultado em 25 de fevereiro de 2013 
  5. James Cimino (10 de fevereiro de 2013). «Bloco Enquanto Isso na Sala de Justiça tem show de rapel com Homem-Aranha». Uol carnaval 2013. Consultado em 22 de fevereiro de 2013 
  6. «Bloco Mangue Beat suja todo mundo de 'lama' de argila, em Olinda». G1. 9 de fevereiro de 2013. Consultado em 22 de fevereiro de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Carnaval de Olinda