Carnaval de Belém

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carnaval de Belém
Local(is) Aldeia de Cultura Amazônica Davi Miguel
Data(s) Primeira ou segunda semanas de fevereiro
Gênero(s) Marchinhas de tradição e principalmente Samba, mas também apresenta Maracatu e Axé.

Carnaval de Belém é um evento da cidade de Belém do Pará, no Brasil. Tem como ponto alto os desfiles de escolas de samba,[1] mas também participam blocos afro como os da Bahia. No passado, havia também o concurso de ranchos, tendo um deles, o Rancho Não Posso Me Amofiná, posteriormente se transformado em escola de samba.[2][3][4]

História[editar | editar código-fonte]

O carnaval paraense datam do período compreendido entre 1695 e 1844, diz respeito ao entrudo trazido pelos colonizadores portugueses, o carnaval pós-entrudo de 1844 a 1934 e o carnaval da era do samba que se inicia a partir de 1934.[5]

O carnaval de Belém dos anos 1950-60, foi palco para ícones com funções específicas nos desfiles de cordões, blocos e escolas de samba, são eles: o porta-estandarte e a sambista. A figura do porta-estandarte surgida do maracatu pernambucano foi adaptada ao carnaval paraense no início do século XX. O porta-estandarte era o responsável por exibir o estandarte com a inscrição do enredo da escola. As sambistas tinham referência da rumba, tornaram-se populares principalmente nos anos 1950. A figura da sambista existiu até 1978, sendo substituída pelas atuais madrinhas de bateria e passistas.[5]

Nos anos de 2017, o carnaval de Belém foi cancelado devido o município não conseguir subvenção para as escolas de samba[6] e no ano seguinte, o desfile das escolas de samba foi transferido para Avenida Marechal Hermes e retornando no ano de 2019, a Aldeia de Cultura Amazônica Davi Miguel e passando a ser antes do carnaval oficial, semelhante aos Carnavais de Vitória e Santos, a fim de não coincidir com os grandes carnavais[7].

Durante as décadas de 80 e 90, o carnaval de Belém passou a ser transmitido ao vivo pela televisão, entre os canais de televisão que cobriam a apresentação das escolas de samba, estavam a TV Liberal Belém e a RBA TV que faziam a cobertura dos desfiles, principalmente do grupo especial, no caso da ultima a transmissão aconteceu um ano após a fundação da emissora. Durante os anos 2000 a transmissão passou a ser pelo SBT Pará e pela Rede Cultura do Pará. Nos anos de 2011 e 2012, a RBA volta a cobrir os desfiles.[8]Entre os anos de 2013 e 2016 a TV Liberal volta a ter os direitos de transmissão do Carnaval de Belém, porém exibiu apenas os compactos dos desfiles das escolas de samba durante as madrugadas de domingo. Já em 2019, os direitos do carnaval voltam para Cultura que transmitiu com exclusividade o desfile do grupo especial.[9]

Carnaval pós-entrudo[editar | editar código-fonte]

O carnaval pós-entrudo surgiu das novas práticas carnavalescas que chegaram ao Estado, destacando-se:

Baile de máscaras
Ver artigo principal: Baile de máscaras

O primeiro baile de máscara em Belém ocorreu no Teatro Providência, em 1844.

Zé Pereira
Ver artigo principal: Zé Pereira

Era uma passeata que acontecia pelas ruas da cidade, animada por bumbos e com paradas estratégicas em bares e botecos. Em geral, a passeata se unia aos blocos de sujos e mascarados e desfiles de carros alegóricos durante o trajeto.

Corso
Ver artigo principal: Corso

Era uma espécie de carreata onde brincanlhões sentados no encosto de conversíveis mostravam suas fantasias e jogavam lança perfume, confete e serpentina sobre as pessoas que assistiam nas calçadas do Largo da Pólvora.

Batalha de confetes
Ver artigo principal: Batalha de confetes

Disputa das primeiras escolas de samba de Belém. Eram realizadas em locais como Bosque Rodrigues Alves, Largo da Pólvora, Aldeia do Rádio e avenida Nazaré. Os foliões somavam-se aos desfiles na disputa pela taça e outra premiações.

Referências

  1. O Liberal. «Carnaval de rua retorna à Cidade Velha - 05/02/2006». Consultado em 1º de fevereiro de 2009 
  2. Portal ORM. «Bloco afro abre carnaval de Belém e Ananindeua». Consultado em 1º de fevereiro de 2009 
  3. Prefeitura Municipal de Belém. «Escolas cantam Amazônia no Carnaval de Belém». Consultado em 1º de fevereiro de 2009 
  4. O Batuque. «Carnaval na Amazônia - Sete escolas desfilam na Aldeia». Consultado em 15 de fevereiro de 2010 
  5. a b Carnaval paraense: um antigo enredo Portal ORM.
  6. G1 (12 de janeiro de 2017). «Prefeitura de Belém cancela o desfile das escolas de samba do Carnaval». Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  7. G1 (22 de fevereiro de 2019). «Desfiles do Carnaval de Belém começam nesta sexta-feira; veja a programação». Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  8. «RBA transmite carnaval 2012 para a população paraense. – Correio do Brasil». Consultado em 26 de fevereiro de 2019 
  9. «Cultura transmite o desfile das Escolas de Samba de Belém | Portal Cultura». portalcultura.com.br. Consultado em 26 de fevereiro de 2019