Rede Cultura do Pará

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rede Cultura do Pará
Fundação Paraense de Radiodifusão - FUNTELPA
Belém, Pará
Brasil
Tipo Educativa
Canais Digital: 41 UHF
Virtual: 2 PSIP
Outros canais 2 (NET)
4 e 504 HD (ORM Cabo)
ver mais
Analógico:
02 VHF (1987-2018)
Sede Bandeira de Belém.svg Belém, PA
Avenida Almirante Barroso, 735 - Marco
Slogan Você tem escolha, você tem Cultura
Rede TV Cultura
Rede(s) anterior(es) TVE Brasil (1987-1990; 2002-2004)
Rede Bandeirantes (1990-1993)
TV Cultura (1993-1998; 2002-2008)
TV NBR (1998-2004)
TV Brasil (2008-2015)
Fundador Hélio Gueiros
Pertence a FUNTELPA
Proprietário Governo do Estado do Pará
Administração Tim Penner
Presidente Adelaide Oliveira
Fundação 31 de março de 1987 (30 anos)
CNPJ 11.953.923/0001-84
Prefixo ZYB 202
Nome(s) anteriore(s) TV Cultura do Pará (1987-2007)
Emissoras irmãs Rádio Cultura do Pará
Cobertura Cerca de 40% do estado do Pará
Coord. do transmissor 1° 26' 33.2" S 48° 27' 47.3" O
Página oficial portalcultura.com.br

Rede Cultura do Pará é uma emissora de televisão educativa brasileira sediada em Belém, capital do estado do Pará. Opera no canal 2 (41 UHF digital), e é afiliada à TV Cultura. Pertence a FUNTELPA, órgão do Governo do Estado do Pará, juntamente com a Rádio Cultura do Pará. Foi inaugurada em 1987, com objetivo de produzir conteúdos educativos que valorizem a cultura paraense.

História[editar | editar código-fonte]

1987 a 1999[editar | editar código-fonte]

A TV Cultura do Pará entrou no ar em 2 de janeiro de 1987 em caráter experimental, apenas servindo como retransmissora da TVE Brasil do Rio de Janeiro. A emissora passa a operar em definitivo em 31 de março, e estreia o Jornal Cultura, com 30 minutos de duração. Em janeiro de 1988, a emissora amplia a programação local com os programas do Sem Censura exibido pela TV Brasil)Revista Feminina, entre outros.

Em 1º de novembro de 1990, após o fim da parceria da Rede Bandeirantes com a TV Guajará (quando a rede decidiu não renovar contrato de afiliação que possuía desde 1976, por conta das condições precárias da emissora), a Cultura passa a retransmitir ou exibir por meio de video-tape alguns dos programas da rede. Na época, o Pará ainda era governado por Hélio Gueiros (já no final de mandato) e o recém-eleito governador Jader Barbalho havia comprado quase um ano antes a RBA TV da família de Jair Bernardino, falecido em um acidente de avião na Ilha das Onças, em Belém.

Em junho de 1993, a emissora deixou de retransmitir os programas da Rede Bandeirantes, após a RBA TV trocar a Rede Manchete pela emissora paulista, e volta a retransmitir exclusivamente o sinal da TVE Brasil. Em 1995, após oito anos como afiliada à TVE Brasil, a emissora passa a retransmitir o sinal da TV Cultura.

Em 22 de junho de 1998, a emissora trocou a TV Cultura pela recém-criada TV Nacional Brasil.[1]

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Em 2002, a emissora passou por afiliação independente, exibindo tanto a programação das TVs Cultura, Nacional Brasil, incluindo com a recém-renomeada TVE Brasil, a Rede Brasil, até 2004, quando passa exibir apenas a TV Cultura.

No período de 2007 a 2010 , a Cultura Rede de Comunicação foi gerida pela comunicóloga Regina Lima. Em 13 de março do mesmo ano, a emissora completou 20 anos e para comemorar o aniversário, foi exibido no dia 18 de março, documentário sobre a retrospectiva das principais noticias que foram exibidos ao longo dos 20 anos pelo Jornal Cultura.

Em 2008, a Rede Cultura do Pará deixa de retransmitir o sinal da TV Cultura de São Paulo e passa a retransmitir o sinal da TV Brasil, tornando-se uma das mais primeiras afiliadas da nova rede que sucedeu a TVE Brasil. Em 2009, a emissora passa a transmitir o Campeonato Paraense de Futebol.[2] O campeonato é transmitido até os tempos atuais.

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

Em 2011, quando foi realizada a posse do governador Simão Jatene, a Cultura Rede de Comunicação passou por novas mudanças e a jornalista Adelaide Oliveira assumiu uma nova gestão. No mesmo ano, passou a exibir programas do TV Senado que posteriormente passou a ter seus horários preenchidos durante as madrugadas.

Em 19 de maio de 2014, estreou novos interprogramas na programação diária, com duração de um minuto, ao ressaltar particularidades da cultura e educativo no Estado, reunidos sob o selo “É Cultura”.[3][4] O primeiro vídeo educativo exibido pela emissora foi produzido pela TV Paragominas, repetidora da programação da Cultura.[3][4] Já outros vídeos, exibidos pela emissora, presta homenagem à arquitetura raio-que-o-parta, surgida nos anos 1950, com influência modernista, fachadas de residências com desenhos geométricos, produzidos com cacos de azulejos; outro vídeo apresenta o pintor, escultor e artesão Alrimar Leal, responsável pelo Museu João Fona, em Santarém; outros vídeos são a travessia de búfalos na região do Marajó e o pôr-do-sol em Marabá também renderam vídeos com belas imagens.[3][4]

O diretor da TV Cultura, Tim Penner, explicou que, além de renovar a programação nos intervalos, a emissora valorizou novas parcerias com repetidoras e produtoras independentes: “Paragominas é o primeiro município que nos envia suas produções, mas queremos estender essa parceria para os outros municípios. Nossa ideia é mostrar o Pará inteiro.”, completa.[3][4] O responsável pelos vídeos “É Cultura”, o jornalista Junior Braga, contou que tem se deixado levar pela inspiração, não restringindo a produção a determinados temas ou abordagens: “No primeiro dia, saí com a equipe para gravar algo sobre a chuva, mas coincidentemente não choveu. Foi então que resolvi revirar o arquivo da TV, onde existe muito material inédito, com imagens belíssimas.”, disse.[3][4]

Em 11 de agosto de 2015, a TV Cultura do Pará confirmou que a emissora voltaria a transmitir a partir de 17 de agosto o sinal da TV Cultura de São Paulo, sete anos após a emissora paraense ter migrado para a TV Brasil . Por volta das 6h20 da manhã de 17 de agosto, a emissora substitui o sinal da TV Brasil pelo da TV Cultura, encerrando assim a afiliação com a emissora carioca. Mesmo assim, os programas da TV Brasil exibidos entre 16h00 e 18h30, de segunda a sexta, e algumas atrações esportivas do canal ainda são exibidos pela emissora.

Sinal digital[editar | editar código-fonte]

Canal virtual Canal físico Proporção de tela Programação
2.1 41 UHF 1080i Principal programação da Rede Cultura do Pará / TV Cultura

A Rede Cultura do Pará iniciou suas transmissões digitais em 14 de dezembro de 2012, através do canal 41 UHF para Belém e áreas próximas. Em 17 de janeiro de 2017, começou a exibir seus primeiros programas em alta definição, enquanto o restante da programação passou a ser no novo formato em 30 de outubro do mesmo ano.[5]

Transição para o sinal digital

Por determinação da ANATEL, a emissora cessou suas transmissões analógicas pelo canal 02 VHF em 15 de janeiro de 2018, pouco mais de 4 meses antes da data estipulada pelo cronograma oficial de desligamento do sinal analógico.[6]

Retransmissoras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Escândalo: NBr, a TV do FHC». TV Crítica (no GeoCities). 30 de julho de 2003. Consultado em 4 de maio de 2010. Cópia arquivada em 18 de junho de 1998 
  2. Otto Rezende (12 de fevereiro de 2016). «TV Cultura do Pará lança novidades para transmissão do Campeonato Paraense». Portal Midia Esporte. Consultado em 12 de fevereiro de 2016 
  3. a b c d e Da Redação (20 de maio de 2014, 13hs39min). «TV Cultura estreia nova interprogramação». Agência Pará de Notícias. Consultado em 10 de junho de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. a b c d e Agência Pará de Notícias (sem data, depois de 20 de maio de 2014). «TV Cultura estreia nova interprogramação». Portal Cultura. Consultado em 10 de junho de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. «TV Cultura do Pará passa a exibir toda programação em HD». Portal Cultura. 30 de outubro de 2017. Consultado em 25 de janeiro de 2018 
  6. Higa, Paulo. «Quando a TV analógica será desligada na sua cidade». 30-01-2017. Tecnoblog. Consultado em 25 de janeiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Emissora inexistente
Canal 2 de Belém
Desde 1987
Sucedido por
-
Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.