Hispânia Cartaginense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cartaginense)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Cartaginense redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Civilização cartaginesa ou Cartago.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2016)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Provincia Hispania Carthaginensis
Província da Hispânia Cartaginense
Província do(a) Império Romano

284—meados do séc. V
Location of Cartaginense
Mapa da Diocese da Hispânia (ca. 400) mostrando o território da Cartaginense.
Capital: Cartago Nova
Governador: Praeses
Período : Antiguidade Tardia
 -  Reforma de Diocleciano 284 d.C.
 -  Invasão dos vândalos, suevos e alanos 409 d.C.
 -  Conquista final pelos visigodos e anexação ao Reino Visigótico meados do séc. V
 -  Invasão muçulmana da península Ibérica 711 d.C.

Hispânia Cartaginense (em latim: Hispania Carthaginensis ou Carthaginiensis) foi uma província romana que resultou da divisão da antiga província da Hispânia Tarraconense em três por Diocleciano durante a sua reforma administrativa: a Tarraconense propriamente dita e as novas Cartaginense e Galécia. Situada no centro-sudeste da península Ibérica, com capital em Cartago Nova, (a moderna Cartagena, Espanha), o território da Cartaginense corresponde, a grosso modo, às modernas regiões da Múrcia, Alicante e Valência.

O termo "cartaginense" é o nome de uma província eclesiástica cuja capital também é Cartago Nova.

Província romana[editar | editar código-fonte]

Originalmente um dos conventos jurídicos da Tarraconense, a Cartaginense foi separada por Diocleciano em 298 d.C. e subordinada à nova Diocese da Hispânia da prefeitura pretoriana das Gálias. Ela era governada por um praeses que respondia ao vigário da diocese.

Em meados do século IV — possivelmente sob Juliano — o território das ilhas Baleares foi separado e passou a formar a Hispânia Baleárica, uma província autônoma.

A província foi saqueada durante a invasão de vândalos, suevos e alanos de 409 d.C.. Em meados do século V, a região foi finalmente anexada pelos visigodos, dirigidos pelo seu rei Eurico, e passou a fazer parte do Reino Visigótico.

Em princípios do século VI, tropas bizantinas incorporaram ao domínio de Constantinopla em nome do imperador Justiniano I a zona costeira da Cartaginense e parte da Bética, que passaram a formar uma nova província ia do atual Algarve até o sul da atual província de Valência, chamada Espânia. Justiniano mudou o nome da capital pelo de Cartago Espartária e converteu-a na capital da nova província.

Grande parte dos territórios bizantinos foram reconquistados para o Reino Visigótico por Leovigildo (r. 568–586). Cartago Espartária ainda resistiria alguns anos mais, mas acabou conquistada e destruída pelo rei visigodo Suíntila por volta de 622 d.C.

A província desapareceu completamente em 711 d.C. quando os exércitos muçulmanos invadiram a península Ibérica.

Província eclesiástica[editar | editar código-fonte]

Ao cristianizar-se o Império Romano, a primitiva Igreja Cristã assumiu a divisão provincial imperial na sua organização.

Desta forma, as primeiras províncias eclesiásticas corresponderam-se exatamente com as existentes estruturas provinciais romanas, inclusive a província eclesiástica Cartaginense, que exercia assim a função de sé metropolitana sobre todos os bispados que existiam dentro do seu território.

Ficavam dentro da província dioceses tão importantes como Valentia, Toleto, Eliocroca, Begastro ou Ilici.

A coincidência entre divisão política-divisão religiosa existiu até à queda do Império Romano do Ocidente em 476 d.C.. Na metade do século VI, a província eclesiástica cartaginense ficou dividida politicamente em duas: uma parte no centro da península controlada pelos visigodos e outra a sul e a leste controlada pelos Bizantinos.

Concílio de Toledo[editar | editar código-fonte]

O problema surgiu porque a cidade de Toleto (atual Toledo), capital do Reino Visigótico, encontrava-se incluída na Cartaginense, cuja capital estava sob domínio bizantino. Por esta razão, pouco depois da sua chegada ao trono, o rei visigodo Gundemaro promoveu a celebração de um sínodo que se desenvolveu em Toledo e que acordou que Toledo era a metrópole de toda a província, arrebatando este título à sede de Cartagena, declaração que apoiou o rei por decreto de 23 de outubro de 610 d.C..

Desapareceu desta maneira a província eclesiástica Cartaginense. Ao reconquistar-se Cartagena no século XIII, foi restaurada a diocese, mas sem caráter metropolitano.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]