Casa da Angélica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Casa da Angélica
Informação geral
Formato Programa de auditório
Gênero Infantil
Duração aprox. 2 horas
País de origem Brasil Brasil
Idioma original (português brasileiro)
Produção
Apresentador(es) Angélica
Exibição
Emissora de televisão original Brasil SBT
Transmissão original 9 de agosto de 199311 de maio de 1996
Cronologia
TV Animal
Angel Mix

Casa da Angélica foi um programa de televisão infantil brasileiro produzido e exibido pelo SBT, entre 9 de agosto de 1993[1] e 11 de maio de 1996.

Após apresentar os programas Clube da Criança e Milk Shake, na extinta Rede Manchete, e ser um estrondoso sucesso Angélica foi convidada por Silvio Santos para comandar um infantil no SBT.

O programa tinha música, plateia, desenhos e quadros de humor. Casa da Angélica passava às 15h em 1993. Em 1994 às 16h o programa conseguia um alto índice de audiência para o SBT (11 pontos) enquanto era do horário da tarde. Em 1995 foi para às 7h30. O programa foi transferido para as manhãs para evitar o desgate da imagem de Angélica que comandava uma maratona de programas na emissora com os também TV Animal e Passa ou Repassa.

História[editar | editar código-fonte]

A apresentadora Angélica após sair da Rede Manchete,onde comandava o Clube da Criança e Milk Shake, chamou a atenção de Silvio Santos que a contratou para comandar o infantil Casa da Angélica. A atração estreou em 9 de agosto de 1993 dirigido por Marcelo Zambelli, repetindo a fórmula dos infantis de sucesso da época com platéia, desenhos e musicais. O programa contava também com quadros de humor aproveitando a performance mostrada pela apresentadora no programa da extinta Rede Manchete, Milk Shake. Entre os quadros e personagens se destacavam: “Anjôlica”, onde Angélica imitava o Jô Soares, a apresentadora satirizava ainda programas de culinária e em especial a culinarista Ofélia, em “AngélicaStrid” ela tirava sarro dos Vjs da MTV, em especial Astrid; 'Cycy' era a prima que tinha problemas de dicção e fazia diversas maldades com Angélica por sentir inveja de seu sucesso; em “Tempestade de Lágrimas”, Angélica satirizava as novelas mexicanas, com muito exagero nos figurinos e sentimentos e também uma apresentadora de programa esportivo que repetia bordões famosos de locutores e apresentadores, como “pimba na gorduchinha”, e “é pá e bola!”, quando costumava tomar uma “bolada” na cabeça. O quadro onde ela se travestia como o grosseiro taxista Bernardão que sempre levava em seu "táxi" com fundo em chroma key uma personalidade famosa fazia Sílvio Santos reclamar: "Eu contratei você e não esse barbudão." Além das competições entre a criançada e atrações musicais no palco, o programa ainda tinha matérias externas do interesse do público infantil, com o repórter Otaviano Costa.

Junto com o programa Angélica lança o álbum "Meu Jeito De Ser", o disco vende 350.000 cópias e rende o grande sucesso "Flecha De Amor".que se transforma em hit com direito à clipe na MTV. Angélica fecha o primeiro ano de programa como principal estrela do SBT e como a artista que mais fez shows naquele ano.

Casa da Angélica começou a ser exibido às 15:00 com 2h30 de duração, passando no seu segundo ano para o horários das 16:00 e findou no horário da manhã quando passou a ser exibido às 7:30 da manhã, nesse último ano o Casa da Angélica tinha só meia hora de duração o programa tinha por arte 15 minutos e os outros 15 era destinado á desenhos . O programa em sua fase vespertina chegava à marcar 15 pontos de audiência índice alto para a época incomodando a Rede Globo que exibia nesse horário a Sessão da Tarde, mas com a transferência para o horário matinal o programa perdeu sua grande audiência, o motivo do Casa da Angélica ter diminuido seu tempo de arte era a preocupação com a imagem da apresentadora, que a partir de 1995 passa a comandar na emissora diariamente também os programas TV Animal e Passa ou Repassa. Silvio Santos também tinha planos de levar a apresentadora para os finais de semana com uma nova versão do Domingo no Parque, para dividir o horário com ele e Gugu, porém, o projeto não foi possível pela saída de Angélica para Rede Globo.

A atração infantil acabou em maio de 1996 quando Angélica foi cotada para assumir as manhãs da Rede Globo e fechou contrato com a emissora. O último programa foi ao ar no dia 11 de maio a apresentadora chegou a gravar sua despedida emocionada, mas, por decisão de diretores do canal acabou não sendo exibida completamente.

Cenários[editar | editar código-fonte]

  • As primeiras gravações do programa eram realizadas nos antigos estúdios da Vila Guilherme. O primeiro cenário fazia alusão a uma casa com seus ambientes, Angélica entrava por uma porta para comandar a atração, com a música Casa da Angélica, existia uma biblioteca onde ela lia cartas e telefonava para os fãs, os convidados eram recebidos da porta da garagem, a platéia ficava em um cercado branco de vizinhança, com algumas crianças também livres pelo palco. Foram inseridos também dois personagens interpertrados por anões com fantasias de Jacaré o "Jaca" e Pinguim.
  • Em 1994 as gravações foram transferidas para os estúdios do Sumaré e o cenário foi modificado ganhando um estilo mais lúdico com elementos de histórias infantis como; João e o pé de feijão, a baleia do Pinóquio por onde entravam os convidados e o relógio do coelho de Alice no país das Maravilhas, de onde a apresentadora chegava para comandar o programa e se dirigia para o final, os personagens Jacaré e Pinguim permaneceram até o fim da atração, assim como a logomarca da apresentadora no centro do palco (uma letra "A" com asas e auréola).

Equipe[editar | editar código-fonte]

Direção Marcelo Zambelli

Cenografia Sérgio Pinheiro José Denivaldo

Coreografias Caio Nunes

Figurinos Jorge Barcellos

Locução Otaviano Costa

Sonoplastia Antonio Carlos Souza

Elenco[editar | editar código-fonte]

Apresentação[editar | editar código-fonte]

Angelicats[editar | editar código-fonte]

Angélicos[editar | editar código-fonte]

  • Samuka
  • Daniel
  • Gabriel Jacques
  • Felipe Marques
  • Gabriel
  • Junior
  • Mateus Rocha
  • Leonardo

Desenhos e Seriados Exibidos[editar | editar código-fonte]

Trilha[editar | editar código-fonte]

Álbuns lançados por Angélica durante o programa.

Ver artigo principal: Discografia de Angélica
Álbum Detalhes Vendas Certificações
Meu Jeito de Ser
  • Lançamento: 1993
  • Formatos: CD, LP, K7, download digital
  • Gravadora: Columbia
  • Brasil: 350.000
  • PMB: Ouro
Angélica
  • Lançamento: 1994
  • Formatos: CD, LP, K7, download digital
  • Gravadora: Columbia
  • Brasil: 100.000
  • PMB: Ouro
Angélica
  • Lançamento: 1995
  • Formatos: CD, LP, K7, download digital
  • Gravadora: Columbia
  • Brasil: 120.000
  • PMB: Ouro

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «O dia na História (09/08/1993): Angélica faz sua estreia oficial na tela do SBT». SBTPédia. 9 de agosto de 2013. Consultado em 27 de fevereiro de 2016