David D. Friedman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
David D. Friedman
Nascimento 12 de fevereiro de 1945 (77 anos)
Estados Unidos
Cidadania Estados Unidos
Progenitores
Filho(s) Patri Friedman
Alma mater
Ocupação economista, físico, blogueiro, escritor, professor(a) universitário(a), romancista, poeta
Empregador Universidade de Santa Clara, Liberty, Universidade da Califórnia em Los Angeles, Instituto Politécnico e Universidade Estadual da Virgínia
Religião ateu
Ideologia política anarcocapitalismo
Página oficial
http://daviddfriedman.com/

David Director Friedman (12 de fevereiro de 1945) é um escritor que se tornou uma figura proeminente na comunidade anarcocapitalista com a publicação de The Machinery of Freedom (O Maquinário da Liberdade) em 1973, revisado em 1989.[1]

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

David Friedman é o filho dos economistas Milton Friedman e Rose Friedman. É formado magna cum laude em física e química pela Universidade de Harvard, e Ph.D em física teórica pela Universidade de Chicago,[2] embora seja conhecido principalmente por seu trabalho em teoria política e econômica. Ele é atualmente professor de direito na Universidade de Santa Clara[3].

Anarcocapitalismo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Libertarianismo consequencialista

É defensor do free banking (sistema bancário inteiramente livre de regulamentações). Em seu livro The Machinery of Freedom, ele defende uma versão consequencialista do anarcocapitalismo, defendendo-o em uma análise de custo-benefício do estado versus nenhum estado. Ela é contrastada com a abordagem dos direitos naturais como proposta mais notavelmente pelo economista e Murray Rothbard. Friedman advoga um gradual processo para alcançar o anarcocapitalismo, pela privatização aos poucos de áreas onde o governo esta envolvido, deixando por último lei e ordem. No livro ele declara sua oposição a revolução anarcocapitalista por meios violentos.[4]

Essa versão utilitarista do anarcocapitalismo tem sido chamada de versão da Escola de Chicago.[5]

Interesses não acadêmicos[editar | editar código-fonte]

Friedman é um membro de longa data da Sociedade para o Anacronismo Criativo (SCA em inglês), onde ele é conhecido como Duke Cariadoc. Ele é muito conhecido por seus artigos sobre práticas históricas de recreação, especialmente relacionadas ao Oriente Médio Medieval.[6] Seu trabalho está compilado na popular coleção Cariadoc.[7] Ele fundou o maior e mais antigo evento da SCA, a Guerra de Pennsic; como rei do reino médio desafiou o reino do oriente, e mais tarde como rei do reino do oriente aceitou desafio do outro reino, perdendo.[8]

Referências

  1. Caplan, Bryan (2008). «Friedman, David (1945– )». In: Hamowy, Ronald. The Encyclopedia of Libertarianism. Thousand Oaks, CA: SAGE; Cato Institute. pp. 194–95. ISBN 978-1412965804. LCCN 2008009151. OCLC 750831024. doi:10.4135/9781412965811.n117 
  2. Faculty Profile: David Friedman Arquivado 2014-07-22 no Wayback Machine. Santa Clara Law School
  3. SCU Faculty Directory
  4. Friedman, David D. «Revolution Is the Hell of It». The Machinery of Freedom. [S.l.: s.n.] pp. 149–150. ISBN 0-8126-9069-9 
  5. Morris, Christopher. 1992. An Essay on the Modern State. Cambridge University Press. p. 62.
  6. Friedman, David D. "On Restructuring the SCA"
  7. Cariadoc's Miscellany
  8. F.L. Watkins (Fólki Þorgilsson). 2005. HERSTAĐR-SAGA: An Incomplete History of Pennsic Urbana, Illinois: Folump Enterprises

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: David Friedman