Jesús Huerta de Soto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jesús Huerta de Soto
'
Nascimento Jesús Huerta de Soto Ballester
23 de dezembro de 1956 (64 anos)
Madrid
Residência Espanha
Cidadania Espanha
Alma mater
Ocupação economista, professor universitário, intelectual, conferencista, professor, escritor,
Prêmios
Empregador Universidade Rey Juan Carlos, Universidade Complutense de Madrid
Movimento estético anarquismo, anarcocapitalismo, Escola Austríaca
Ideologia política liberalismo, libertarismo, anarcocapitalismo
Página oficial
http://www.jesushuertadesoto.com/

Jesús Huerta de Soto (Madri, 1956) é um economista da escola austríaca e catedrático da economia política na Universidade Rey Juan Carlos de Madrid.

Educação e Carreira[editar | editar código-fonte]

Huerta de Soto formou-se em economia em 1978 e fez o doutorado em economia em 1992, pela Universidade Complutense. Seu MBA em ciência atuarial é da Universidade de Stanford, 1985.[1][2] Em 2000, ele se tornou professor titular de Economia Política na Universidade Rey Juan Carlos em Madrid.[3] Desde 2007, é diretor do Mestrado em Economia da Áustria, Master Economía de la Escuela Austríaca, da Universidade Rey Juan Carlos.[4]

Huerta de Soto foi editor de sete volumes da versão em espanhol de The Collected Works of F.A. Hayek da University of Chicago Press. Nessa função, ele foi responsável por bibliografias, notas de rodapé, introduções e contratação de tradutores.[5][6][7][8][9] Ele é membro do conselho editorial de New Perspectives on Political Economy[10] e do conselho editorial consultivo do Journal of Markets and Morality.[11] Huerta de Soto é membro sênior do Ludwig von Mises Institute e faz parte do conselho editorial do Quarterly Journal of Austrian Economics.[12] Anteriormente, ele foi curador do Instituto de Estudos Avançados de Madrid (IMDEA)[13] em ciências sociais e foi vice-presidente e diretor da Sociedade Mont Pelerin de 2000 a 2004.

Visões Econômicas[editar | editar código-fonte]

Liberalismo Clássico[editar | editar código-fonte]

Um anarcocapitalista, Huerta argumenta que o liberalismo clássico e seus ideais são teoréticamente impossíveis; ele também ressalta que os liberais clássicos falharam em limitar o tamanho do estado.[14]

Teoria Geral do Equilíbrio[editar | editar código-fonte]

O economista Leland B. Yeager afirma que de Soto despreza a teoria do equilíbrio geral, citando uma passagem em que Soto se refere à "análise perniciosa" do equilíbrio de preços na "interseção de curvas misteriosas ou funções sem qualquer existência real ... mesmo nas mentes dos atores envolvidos. "[15]

Teoria Austríaca dos Ciclos Econômicos e sistema bancário de reserva 100%[editar | editar código-fonte]

Huerta de Soto defende o sistema bancário de reserva total, um sistema em que requisitos de 100% reserva por parte dos bancos impediriam qualquer expansão do crédito.[16][17]

Em 2006, Huerta de Soto escreveu um livro de 876 páginas sobre o assunto, publicado em inglês pelo Mises Institute como Money, Bank Credit, and Economic Cycles. [18] Samuel Gregg revisou o livro dizendo que "a extensão deste texto exigirá muito tempo e concentração dos leitores que desejam absorver totalmente seus insights. Certamente há um elemento de repetição em diferentes pontos. Isso tende, no entanto, a refletir a determinação de De Soto em demonstrar que as dimensões moral, legal e econômica do dinheiro, crédito e sistema bancário não podem ser artificialmente separadas umas das outras sem o risco de perda de uma compreensão sólida do assunto. "[19] Na revista New Perspectives on Political Economy, Ludwig van den Hauwe sugeriu que "mesmo embora possa ser difícil neste momento avaliar de maneira precisa o efeito que o livro terá sobre a profissão de economista em geral, não pode haver dúvida de que o livro está destinado a se tornar um clássico, tanto em virtude dos assuntos que são tratados, quanto em virtude da maneira como são tratados: de forma completa e com autoridade." [20]

A resenha de Larry J. Sechrest do livro de Huerta de Soto, também publicado pelo Mises Institute, afirmou que o autor tentou fornecer "prova final e decisiva" de que o sistema de reservas fracionárias é incompatível com os direitos de propriedade privada, moralidade e uma economia estável. Sechrest escreveu que, embora Huerta de Soto tenha apresentado uma investigação meticulosa da teoria jurídica, história bancária, ciclos econômicos e doutrina teológica medieval, grande parte dela é irrelevante para a tese do livro. Sechrest conclui "Acima de tudo, Huerta de Soto se recusa a sequer considerar a possibilidade de que os clientes dos bancos possam estar bastante dispostos a enfrentar alguma exposição ao risco em troca dos benefícios que os bancos de 100 por cento de reserva são incapazes de fornecer" e acredita que "qualquer desvio do sistema de reserva 100 por cento é automaticamente considerado evidência de fraude por parte dos banqueiros, mesmo quando não há dados claros sobre os detalhes das relações contratuais negociadas pelos depositantes." [21]

Em seu capítulo sobre "Tentativas de justificar legalmente o banco de reservas fracionárias", Huerta de Soto considera a possibilidade "de um determinado grupo de clientes bancários (ou, a título de argumento, todos eles) celebrar um contrato de depósito com conhecimento e aceitação plena que os bancos vão investir (ou emprestar, etc.) grande parte do dinheiro que depositarem ". Nesse caso, argumenta Huerta de Soto, "a suposta autorização dos depositantes carece de validade jurídica" porque poucos leigos entendem a instabilidade inerente ao sistema bancário de reservas fracionárias: acreditam que seu depósito está garantido, o que Huerta de Soto considera um (quase universal) equívoco. Como evidência dos verdadeiros desejos dos depositantes, ele cita os distúrbios que resultaram quando os bancos suspenderam os pagamentos durante a grande depressão argentina de 1998-2002.[22]

Dinheiro e Sistema Bancário[editar | editar código-fonte]

André Azevedo Alves e José Moreira afirmam que Huerta de Soto escreveu a “análise mais completa e integrada das teorias da banca” da Escola de Salamanca.[23]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Em uma resenha para o Mises Institute's Review of Austrian Economics, o Institute Associate Scholar Leland B. Yeager chamou o livro de "o tratamento mais completo impresso das idéias austríacas sobre o setor bancário e o ciclo de negócios".[24] Ron Paul, membro sênior do Mises Institute e ex-representante dos Estados Unidos, endossou a visão de Huerta de Soto de que o banco de reservas fracionárias é a causa da instabilidade financeira.[25][26] Uma revisão do Instituto de Assuntos Econômicos descreveu a Teoria da Eficiência Dinâmica como "uma nova compilação importante no campo da economia austríaca" e chamou Huerta de Soto de "um importante estudioso espanhol".[27]

Honraria Honoris Causa[editar | editar código-fonte]

  • Universidad Francisco Marroquín (2009)[28]
  • Alexandru Ioan Cuza University (2010) [29]
  • Finance University under the Government of the Russian Federation (2011) [30]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Planes de pensiones privados.
  • Lecturas de economía política, ed. (3 vols).
  • Socialismo, cálculo econômico e função empresarial.
  • Estudios de economía política.
  • Moeda, Crédito Bancário e Ciclos Econômicos.
  • A escola austríaca.
  • Nuevos estudios de economía política.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Announcement regarding Jesús Huerta de Soto Archived2013-10-29 at the Wayback Machine, Finance University under the Government of the Russian Federation, April 27, 2011.
  2. Jesús Huerta de Soto website Archived 2005-10-25 at the Wayback Machine, see Curriculum Vitae, Titulos Academicos.
  3. Jesús Huerta de Soto website Archived 2005-10-25 at the Wayback Machine, see Curriculum Vitae, Actividad Docente Desempeñada.
  4. https://www.urjc.es/universidad/facultades/facultad-de-ciencias-de-la-comunicacion/909-economia-de-la-escuela-austriaca
  5. Jesús Huerta de Soto website Archived 2005-10-25 at the Wayback Machine, see Curriculum Vitae, Labor Editorial; section includes information on the Complete Works of F.A. Hayek, pp. 1–2; New Library of Liberty, pp. 3–4; Journal of Market Processes, pp. 4–5
  6. "Plan of the Collected Works of Hayek". U of Chicago Press. Retrieved 26 February 2014.
  7. Stephen Kresge, Editor, Money, Part I: Volume Five of the Collected Works of F.A. Hayek, Routledge, 2013, p. 1904, ISBN 1135630755
  8. F.A. Hayek, The Collected Works of F. A. Hayek, Bruce Caldwell, General Editor, University of Chicago Press, 19 Volumes.
  9. Jesús Huerta de Soto edited these volumes of the series F.A. Hayek, Obras Completas (in Spanish), all published by Unión Editorial, Madrid: La Tendencia del Pensamiento Económico: Ensayos, editor with William Warren Bartley, Stephen Kresge, 1995; Las Vicisitudes del Liberalismo: Ensayos sobre Economía Austriaca y el Ideal de la Libertad, editor with Peter G. Klein, 1996; Contra Keynes y Cambridge: Ensayos, Correspondencia, editor with Bruce Caldwell, 1996; Hayek sobre Hayek: Un Diálogo Autobiográfico, La Fatal Arrogancia: Los Errores del Socialismo, editor with Stephen Kresge, Leif Wenar, 1997; Socialismo y Guerra: Ensayos, Documentos y Reseñas, editor with Bruce Caldwell, 1998; Ensayos de Teoría Monetaria (two volumes in 2000, with Stephen Kresge and José Antonio de Aguirre and 2001. For more details see Jesús Huerta de Soto website Archived 2005-10-25 at the Wayback Machine, Curriculum Vitae, Labor Editorial, A. Compete Works of F.A. Hayek, pp. 1–2.
  10. New Perspectives on Political Economy board listing Archived 2013-09-21 at the Wayback Machine at its website.
  11. Editorial Board listing of the Journal of Markets and Morality at its website.
  12. Editorial Board Listing Archived 2014-09-14 at the Wayback Machine of Quarterly Journal of Austrian Economics
  13. Jesús Huerta de Soto website Archived 2005-10-25 at the Wayback Machine, see Curriculum Vitae, Otros Meritos.
  14. Jesús Huerta de Soto (October 24, 2017). "Classical Liberalism versus Anarchocapitalism". Mises Institute. Retrieved October 7, 2019.
  15. Leland B. Yeager (2011). Is the Market a Test of Truth and Beauty?: Essays in Political Economy. Ludwig von Mises Institute. pp. 13–. ISBN 978-1-61016-421-4. Retrieved 15 June 2013.
  16. Bagus, Philipp (January 1, 2010). "Austrian Business Cycle Theory: Are 100 Percent Reserves Sufficient to Prevent a Business Cycle?" (PDF). Libertarian Papers. Auburn, AL: Ludwig von Mises Institute. 2 (2). Retrieved May 22, 2013. Other Austrians such as ... de Soto (2006) have gone further and advocate a 100 percent reserve banking system ruling out credit expansion altogether.
  17. Rozeff, Michael S. (Spring 2010). "Rothbard on Fractional Reserve Banking: a Critique" (PDF). Independent Review. Oakland, CA: The Independent Institute. 14 (4): 497–512. ISSN 1086-1653. Retrieved May 22, 2013.
  18. Jesús Huerta de Soto (2012). Money, Bank Credit, and Economic Cycles (3rd ed.). Ludwig von Mises Institute. ISBN 978-1-61016-388-0. Retrieved 4 August 2013.
  19. Gregg, Samuel (Spring 2007). "Review of "Money, Bank Credit, and Economic Cycles"". Markets and Morality. 10 (1): 185–187.
  20. van den Hauwe, Ludwig (2006). "Review of Jesús Huerta De Soto's Money, Bank Credit, and Economic Cycles". New Perspectives on Political Economy. 2 (2): 136–142. SSRN 2399403
  21. Larry J. Sechrest, Larry J. Sechrest Book “Free Banking: Theory, History, and a Laissez-Faire Model”, Larry J. Sechrest Preface to June 2008 edition published by Ludwig Von Mises Institute, pp. 1–3; originally published by Quorum Books, 1993
  22. Huerta de Soto, 2012, pp. 141-142.
  23. Andre Azevedo Alves, Jose Moreira, The Salamanca School, from series "Major Conservative and Libertarian Thinkers", Continuum International Publishing Group, 2009, p. 131, ISBN 0826429823, ISBN 9780826429827
  24. Yeager, Leland B. (2001). "The Perils of Base Money" (PDF). The Review of Austrian Economics. 14 (4): 251–266. doi:10.1023/a:1011981013028.
  25. Paul, Ron (October 1, 2009). "The Money Monopoly: How the Federal Reserve Rips You Off". The American Conservative, (from Questia Online Library). American Ideas Institute. Retrieved 23 May 2013.
  26. Ron Paul, End the Fed, Hachette Digital, Inc., 2009, Chapter, "Origin and Nature of the Fed, ISBN 044656818X, ISBN 9780446568180
  27. "Review of Theory of Economic efficiency", Institute of Economic Affairs website, November 12, 2008.
  28. Federico Bauer Rodríguez ¿Por qué la libertad? (I) Archived 2014-01-06 at the Wayback Machine (in Spanish) El Periódico. Retrieved 5 January 2014
  29. LAUDATIO in honour of Professor Jesús Huerta de SOTO from Rey Juan Carlos University, Madrid Archived 2013-10-30 at the Wayback Machine Alexandru Ioan Cuza University. Retrieved 4 January 2014
  30. Announcement regarding Jesús Huerta de Soto Archived 2013-10-29 at the Wayback Machine, Finance University under the Government of the Russian Federation, April 27, 2011.