Death Certificate

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Death Certificate
Álbum de estúdio de Ice Cube
Lançamento 29 de Outubro de 1991
Gravação 1991 no Paramount Studios (Los Angeles, California)
Gênero(s) West Coast hip hop, gangsta rap, political hip hop
Duração 61:08
Gravadora(s) Priority/EMI Records
0499 2 57155 2 7
P2-57155

7243 5 43341 2 2
P2-43341 (remasterização de 2003)

50999 6 42635 2 6
P2-42635 (remasterização de 2010)
Produção Sir Jinx, Ice Cube (também exec.), Boogiemen
Certificação Platina (RIAA)
Cronologia de Ice Cube
Kill at Will
(1990)
The Predator
(1992)
Singles de Death Certificate
  1. "Steady Mobbin'"
    Lançamento: 9 de Dezembro de 1991
  2. "True to the Game"
    Lançamento: 14 de Setembro de 1992

Death Certificate (em português: Certidão de óbito), é o segundo álbum de estúdio do rapper Ice Cube, lançado em 29 de outubro de 1991 pela Priority Records. O álbum foi altamente antecipado com mais de um milhão de pedidos avançados,[1] e ganhou certificado de disco de platina em 20 de dezembro de 1991.[2] O álbum estreou no número dois na Billboard 200 e em número 1 na Billboard R&B/Hip-Hop Albums com 105.000 cópias vendidas na primeira semana e acabou vendendo mais de 1.600.134 milhão de cópias.[3][4][5] Também é muito controverso pelo fato de sua venda ser considerada ilegal no Estado do Oregon, devido as letras que lidam com assuntos ofensivos, como venda de drogas, racismo, direito de posse de armas de fogo e ataques ao seu ex-grupo, N.W.A. A MTV o listou como o oitavo melhor álbum de todos os tempos do hip hop.[6]

Em 2003, a Priority Records re-lançou o álbum e acrescentou a faixa "How to Survive in South Central", da trilha sonora de Boyz n the Hood.

Gravação[editar | editar código-fonte]

A gravação e composição de Death Certificate começou no início de 1991, e continuou durante quase o ano todo. Enquanto trabalhava no álbum, Ice Cube também estava envolvido em vários outros projetos, incluindo Make Way for the Motherlode de Yo-Yo, I Wish My Brother George Was Here, de seu primo caçula Del the Funky Homosapien, e talvez o mais importante, seu filme de estreia Boyz n the Hood, onde ele atuou ao lado de Cuba Gooding, Jr. e Laurence Fishburne. Assim como em AmeriKKKa's Most Wanted, Ice Cube estava bem ativo na produção do álbum, mas o som geral mudou. Ao contrário de AmeriKKKa's Most Wanted, que apresentou as batidas pesadas do The Bomb Squad, Death Certificate apresentou um som um pouco mais orientado da West Coast em comparação, com uso pesado de samples de Funk e Soul dos anos 70. A maioria das faixas também apresenta samples tirados de grupos como Zapp e Fishbone.

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Enquanto produzia Death Certificate, Ice Cube se associou à Nação do Islã, que teve um grande impacto na maior parte do conteúdo do álbum. O álbum foi organizado com dois temas, e começa com a explicação de Cube: "O Lado Morte: o mero reflexo de onde estamos hoje, e "O Lado Vida": uma visão de onde precisamos ir." A primeira metade, portanto, é repleta de contos de tráfico de drogas, prostituição e violência, como se é esperado de um álbum de gangsta rap dos anos 90. A segunda metade, possui versos fortes e conscientizadores, uma mistura de gangsta rap com mensagens profundas.

Ambos os lados, no entanto, fornecem uma visão mais introspectiva e encorajadora que se encaixa com a concepção comum do gangsta rap. "A Bird In The Hand", do lado da morte, lamenta a vida de um jovem traficante que descobre que não há bom trabalho para alguém que possui pouca educação e incidentes criminais.

Do I have to sell me a whole lot of crack
For decent shelter and clothes on my back?
Or should I just wait for help from Bush?
Or Jesse Jackson and Operation PUSH?

Não há escassez de uma postura criminosa em "Black Korea" do lado da vida, que prega a rebelião e incêndio criminoso ao lado de empreendedorismo Negro como uma resposta à predominância das mercearias coreanas nos guetos dos Estados Unidos. A faixa foi vista como uma resposta à morte de Latasha Harlins, a garota Afro-Americana de 15 anos que tinha sido morta com um tiro na cabeça por uma proprietária coreana de uma loja em 16 de março de 1991 porque a dona da loja achou que Harlins estava tentando roubar um suco de laranja. Considerando que o lançamento da faixa incentivou os Distúrbios de Los Angeles, em que muitas das pessoas que foram alvo eram de ascendência coreana, Ice Cube foi acusado de incitar o racismo por parte de alguns críticos.

A faixa "Look Who's Burnin ", fala sobre os perigos das doenças sexualmente transmissíveis em bairros de baixa renda, enquanto "Alive on Arrival" conta a história de um jovem que apanhou no fogo cruzado de um tiroteio de gangues e sangra lentamente até a morte, enquanto está na sala de espera de um hospital. "Color Blind" prega a neutralidade e a fraternidade entre as gangues, como os Bloods e os Crips. O álbum é também famoso pelas faixas "True to the Game" e principalmente "No Vaseline", faixas viciantes que atacam os membros do N.W.A.

Ao contrário de outros álbuns de Ice Cube, Death Certificate não foi lançado em uma versão censurada. Porém, as faixas "Steady Mobbin'," "True To The Game," e "Givin' Up The Nappy Dug Out," foram gravadas em versões limpas e lançadas para o rádio.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 5 de 5 estrelas.[7]
The Austin Chronicle 4 de 5 estrelas.[8]
Robert Christgau (C+)[9]
Entertainment Weekly (A-)[10]
Los Angeles Times (favorável)[11]
The New York Times (favorável)[12]
Rolling Stone (mista) (1991)[13]
Rolling Stone 1.5 de 5 estrelas. (1992)[14]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas. (2004)[15]
The Source 5 de 5 estrelas.[16]

Death Certificate recebeu uma magra produção de meros $18.000, e nenhum de seus singles recebeu muito airplay, embora os dois singles do álbum, "Steady Mobbin" e "True to the Game", possuem um vídeo-clipe cada.[17]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Allmusic chama Death Certificate de "ainda mais pesado e raivoso do que AmeriKKKa's Most Wanted ... E continua com idéias nítidas e parece inabalável na vida urbana contemporânea enquanto que sua estréia solo é apenas inusitado, em suma, é incondicional, sem qualquer postura gangsta". Eles também o chamam de funkadélico, barulhento e musicalmente mais eficaz do que AmeriKKKa's Most Wanted."

  • Crítica: Recomendado "...banhado na adrenalina do funk...integra a política vitrólica com o bruto conhecimento das ruas...atinge quase um sentido George Clinton de loucura comemorativa..." - Spin (1/92, p. 72)

Aclamações[editar | editar código-fonte]

  • Número 8 na MTV's Greatest Hip-Hop Albums of All Time em 2005[6]
  • Incluido na lista The Source's 100 Best Rap Albums em 1998[18]
  • Número 17 na lista The Source's The Critic's Top 100 Black Music Album's of All Time em 2006[19]
  • Número 13 na lista About.com's 100 Greatest Hip-Hip Albums em 2008[20]
  • Número 5 na lista Ego Trip's Hip Hop's 25 Greatest Albums by Year 1980-98 em 1999[21]
  • Número 20 na lista Dance De Lux's 25 Best Hip-Hop Records em 2001[21]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Em 1992, como resultado da controvérsia do álbum, o estado do Oregon declarou qualquer exibição da imagem de Ice Cube em lojas de varejo ilegal. Este banimento também incluiu comerciais da cerveja St. Ides, que Ice Cube apoiava na época.[23] No Reino Unido, devido as leis contra incitamento racial, foram removidas as faixas Black Korea e No Vaseline. Na edição de setembro de 2006 da FHM, Ice Cube afirmou em uma entrevista que ele não se arrepende das declarações polêmicas feitas no álbum. Quanto à ofensa causada aos coreanos, ele disse: "Se ainda há um problema, é problema deles."

Lista das faixas[editar | editar código-fonte]

  • as faixas 1-11 são creditadas como "The Death Side" e as faixas 12-20 são creditadas como "The Life Side."
  • A faixa "How to Survive in South Central" do filme Os Donos da Rua aparece como uma faixa bônus em versões remasterizadas.
# Título Cantor(es) Produtor(es) Samples Duração
1 "The Funeral" *Intro* Sir Jinx 1:37
2 "The Wrong Nigga to Fuck Wit" Ice Cube Ice Cube,
Sir Jinx
2:48
3 "My Summer Vacation" Ice Cube Boogiemen,
Ice Cube
3:56
4 "Steady Mobbin'" Ice Cube Boogiemen,
Ice Cube
4:10
5 "Robin Lench" *interlude* Boogiemen,
Sir Jinx
1:13
6 "Givin' Up the Nappy Dug Out" Ice Cube Boogiemen,
Ice Cube
4:15
7 "Look Who's Burnin'" Ice Cube Ice Cube,
Sir Jinx
3:53
8 "A Bird in the Hand" Ice Cube Boogiemen,
Ice Cube
2:17
9 "Man's Best Friend" Ice Cube Boogiemen,
Ice Cube
2:06
10 "Alive on Arrival" Ice Cube Boogiemen,
Ice Cube
3:11
11 "Death" Khalid Muhammad Ice Cube
  • "A Funky Song" by Ripple
1:03
12 "The Birth" Khalid Muhammad Ice Cube,
Sir Jinx
1:21
13 "I Wanna Kill Sam" Ice Cube Ice Cube,
Sir Jinx
3:22
14 "Horny Lil' Devil" Ice Cube Boogiemen,
Ice Cube
3:42
15 "Black Korea" Ice Cube Ice Cube,
Sir Jinx
  • Excerpt from the film Do The Right Thing
0:46
16 "True to the Game" Ice Cube Ice Cube,
Sir Jinx
4:10
17 "Color Blind" Ice Cube,
Deadly Threat,
Kam,
The Madd Circle,
King Tee,
J-Dee
Boogiemen,
Ice Cube
4:29
18 "Doing Dumb Shit" Ice Cube Boogiemen,
Ice Cube
3:45
19 "Us" Ice Cube Ice Cube,
Sir Jinx
  • "Gamin' on Ya!" by Parliament
  • "Synthetic Substitution" by Melvin Bliss
3:43
20 "No Vaseline" Ice Cube Ice Cube,
Sir Jinx
5:15

Créditos[editar | editar código-fonte]

Posição nas paradas[editar | editar código-fonte]

Álbum[editar | editar código-fonte]

Ano Álbum Posição
Billboard 200 Top R&B/Hip Hop Albums
1991 Death Certificate #2 #1

Singles[editar | editar código-fonte]

Ano Single Posição
Billboard Hot 100 Hot R&B/Hip-Hop Singles & Tracks Hot Rap Singles
1991 "Steady Mobbin'" #30 #3

Referências

  1. Ice Cube dot org - Ice Cube Lyrics, Pictures and more - Part of the Rapbasement Network
  2. RIAA Searchable Database - Death Certificate. Recording Industry Association of America. Retrieved on 2008-08-10.
  3. http://articles.latimes.com/1991-11-17/entertainment/ca-53_1_ice-cube
  4. http://homerecording.com/bbs/general-discussions/dj-hip-hop-production/soundscan-album-sales-10-12-2005-a-173006/
  5. Ice Cube | Bio. icecube. Retrieved on 2008-08-10.
  6. a b MTV.com
  7. Jeffries, David. Review: Death Certificate. Allmusic. Retrieved on 2010-03-30.
  8. Coletti, Christopher. Review: Death Certificate. The Austin Chronicle. Retrieved on 2010-03-30.
  9. Christgau, Robert. "Consumer Guide: Death Certificate". The Village Voice: 1991.
  10. Bernard, James. Review: Death Certificate. Entertainment Weekly. Retrieved on 2010-03-30.
  11. Hilburn, Robert. Review: Death Certificate. Los Angeles Times. Retrieved on 2010-03-30.
  12. Pareles, Jon. Review: Death Certificate. The New York Times. Retrieved on 2010-03-30.
  13. Fricke, David. Review: Death Certificate. Rolling Stone. Retrieved on 2010-03-30.
  14. http://www.acclaimedmusic.net/Current/A1560.htm
  15. Hoard, Christian. Review: Death Certificate. Rolling Stone. Retrieved on 2010-04-01.
  16. Columnist. Rating: Death Certificate. The Source. Retrieved on 2010-03-30.
  17. «Rock & Rap Archives: Number 94/January 1992». Consultado em 8 de junho de 2007. 
  18. Rocklistmusic.co.uk
  19. Trevornelson.com
  20. Rap.about.com
  21. a b c d e Acclaimedmusic.net
  22. Album Guide To Coke Rap Referenced 26 July 2010
  23. Ice Cube for St. Ides Malt Liquor - Commercials - SPIKE Powered By IFILM

Ligações externas[editar | editar código-fonte]