El Cid (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
El Cid
El Cid
El Cid (PT/BR)
El Cild.jpg
Poster do Filme El Cid
 Itália /  Estados Unidos
1961 •  cor •  182 min 
Direção Anthony Mann (direção geral)
Codireção Yakima Canutt (diretor da segunda unidade)
José López Rodero (assistente do diretor)
José María Ochoa (diretor assistente)
Luciano Sacripanti (assistente do diretor)
Julio Sempere (segundo assistente do diretor)
Produção Samuel Bronston
Coprodução Dear Film Production
Produção executiva Jaime Prades e Michal Waszynski
Leon Chooluck (gerente de produção)
Guy Luongo (gerente de produção)
Tadeo Villalba (gerente de unidade)
Roteiro Philip Yordan / Fredric M. Frank / Ben Barzman
Pat Miller(supervisor de roteiro)
História Fredric M. Frank
Elenco Charlton Heston
Sophia Loren
Herbert Lom
Raf Vallone
Geneviève Page
John Fraser
Douglas Wilmer
Frank Thring
Michael Hordern
Andrew Cruickshank
Gary Raymond
Ralph Truman
Massimo Serato
Hurd Hatfield
Tullio Carminati
Fausto Tozzi
Christopher Rhodes
Carlo Giustini
Gerard Tichy
Barbara Everest
Katina Noble
Nerio Bernardi
Franco Fantasia
Gênero drama histórico / épico
Música Miklós Rózsa
Edna Bullock (editor de música)
Magdalena Paradell(assistente do editor de música)
Lucie Svehlova (líder de orquestra)
Tadlow (regravação)
Eugene Zador (orquestrador)
Diretor de iluminação Robert Krasker
Direção de arte Veniero Colasanti e John Moore
Direção de fotografia Manuel Berenguer (diretor de fotografia: segunda unidade)
Carl Gibson (cabeça de aderência)
John Harriss (operador de câmera)
Norton Kurland (supervisor eletricista)
John Harris (operador de câmara)
Jogo de cena Veniero Colasanti e John Moore
Figurino Gloria Musetta (diretora de figurino)
Mario Van Riel (maquiador)
Grazia De Rossi (estilos de cabelo)
Cinematografia Robert Krasker
Edição Robert Lawrence
Companhia(s) produtora(s) Samuel Bronston Productions
Distribuição Allied Artists Pictures Corporation
Lançamento Teatro Metropole, Victoria, Londres em 06 de dezembro de 1961
Idioma latim / inglês
Orçamento US$ 8.000.000
Página no IMDb (em inglês)

El Cid é um filme épico de 1961 que conta a história romanceada da vida do cristão e maior herói do Reino de Castela o cavaleiro Don Rodrigo Díaz de Bivar (Vivar), chamado de "El Cid" (do árabe as-Sidi, que significa "O Senhor"), que, no século XI, lutou contra o norte-Africano Almoravides e, finalmente, contribuiu para a unificação da Espanha. O filme é estrelado Charlton Heston no papel-título e Sophia Loren como Doña Ximena[1] . Feito por Samuel Bronston Productions em associação com Dear Film Production e lançado nos Estados Unidos por Allied Artists Pictures Corporation, o filme foi dirigido por Anthony Mann e produzido por Samuel Bronston com Jaime Prades e Michal Waszynski como produtores associados. O roteiro foi de Philip Yordan, Ben Barzman e Fredric M. Frank a partir de uma história de Frank. A trilha sonora foi de Miklós Rózsa, a cinematografia realizada por Robert Krasker e a edição por Robert Lawrence. O filme teve sua estréia mundial no Teatro Metropole, Victoria, Londres, em 06 de dezembro de 1961.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O general Ibn (pronuncia-se Ben) Yussuf (Herbert Lom) da dinastia Almoravides convocou todos os Emirs de Al-Andalus para o Norte de África e castiga-os por sua complacência com os infiéis e revela seu plano para dominar o mundo islâmico.

Mais tarde, durante o caminho para cumprir seus votos de noivar-se com Doña Ximena (Sophia Loren), o nosso herói Don Rodrigo (Charlton Heston), torna-se envolvido em uma batalha contra o exército Moorish. Dois dos emires, Al-Mu'tamin (Douglas Wilmer) de Zaragoza e Al-Kadir (Frank Thring) de Valência, são capturados, mas Rodrigo liberta-os na condição de prometer nunca mais atacar as cercanias de rei Ferdinand de Castela (Ralph Truman). Assim os emires proclama-o "El Cid" (castelhano espanhol para pronúncia árabe de Senhor: "Al Sidi") e juram fidelidade a ele[2] . Por este ato de misericórdia, Don Rodrigo é acusado de traição contra o rei pelo conde García Ordóñez (Raf Vallone), e mais tarde pelo pai de Ximena, Gomez de Oviedo (Andrew Cruickshank). Por esse motivo o pai de Rodrigo, Don Diego (Michael Hordern), declara ser Contagem e Ordóñez mentirosos. Contagem atinge Don Diego, com uma luva, para desafiar o velho homem a uma duelo[3] .

Combate pelo controle da cidade de Calahorra

Rodrigo chega a implorar a Gormaz que é o Campeão do Rei para retirar o desafio, porém ele se recusa a tomar de volta o mesmo, e Rodrigo mata-o por este duelo. Ximena jura vingança contra o assassino de seu pai que é seu próprio noivo. Rodrigo, em seguida, reclama para si o manto de Campeão do Rei em um único combate pelo controle da cidade de Calahorra, que ele ganha[3] . Rodrigo é enviado em uma missão para recolher o tributo de vassalos mouros da coroa castelhana, mas Ximena, em aliança com o conde Ordóñez, se juntam para tentar matá-lo. Rodrigo e seus homens são emboscados, mas são salvos pela Al-Mu'tamin, um dos pares a quem mostrou misericórdia no início da história. Voltando para casa, sua recompensa é a mão de Ximena em casamento. Mas o casamento não se consuma e ela desloca-se para um convento[2] .

Com a morte do rei Fernando, seu filho mais velho, príncipe Sancho (Gary Raymond), torna-se rei. O filho mais novo, Príncipe Alfonso (John Fraser), também deseja o trono, sua irmã, a princesa Urraca (Geneviève Page) desenvolve o assassinato de Sancho. Na coroação de Alfonso, El Cid faz-o jurar sobre a Bíblia, que ele não tinha parte na morte de seu irmão. Desde que ele não tinha parte nisso (como sua irmã era responsável), ele jura, e faz Rodrigo banido por seu atrevimento. O amor de Ximena para El Cid reacendeu. Ela acompanha-o em seu banimento[carece de fontes?].

Mas Rodrigo é posto em serviço por outros combatentes espanhóis exilados e eventualmente, para o serviço do rei em proteger Castella do exército norte-Africano de Yussuf. Rodrigo não se junta ao rei, mas alia-se com os emires que lutam em Valência, onde Rodrigo alivia a cidade dos ímpios Emires de Al-Kadir, que o traiu[carece de fontes?].

Ordóñez traz Ximena de onde o rei tinha aprisionado-a com e seus filhos depois de sua derrota pelos mouros. Valência cai e o Emir Al-Mu'tamin juntamente com o exército de Rodrigo e os valencianos oferecem a coroa à Rodrigo, "O Cid", mas ele se recusa e envia a coroa para o Rei Alfonso. Rodrigo então repele o exército do invasor de Ben Yussuf, mas é ferido em batalha por uma flecha antes da vitória final. Se a seta fosse removida, ele seria incapaz de levar seus combatentes, mas ele teria uma chance de recuperação. El Cid obtém uma promessa de Ximena de não retirar a flecha, optando por montar em seu cavalo e degladir, morrendo ou morto. O Rei Alfonso chega em seu leito e pede seu perdão[carece de fontes?].

Rodrigo, El Cid, morre, e assim seu corpo é preso na cela de seu cavalo e enviado à frente de seu exército com o rei Alfonso e Emir Al-Mu'tamin monta em ambos os lados. Quando o exército de Yussuf vê-o com os olhos ainda em aberto, eles acreditam que o fantasma de El Cid voltou dos mortos. Babieca, seu cavalo, atropela e mata Ben Yussuf, que está apavorado demais para lutar. O exército norte-Africano invadindo é esmagado. O rei Alfonso leva mouros e cristãos em uma oração "para o cavaleiro mais puro de todos"[carece de fontes?].

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco principal[editar | editar código-fonte]

Raf Vallone interpretando Garcia Odóñez

Pré-produção[editar | editar código-fonte]

Sophia Loren recebeu US$ 200.000 para o trabalho de 10 semanas; produtor Samuel Bronston também concordou em pagar US$ 200 por semana para seu cabeleireiro [4]

Ramón Menéndez Pidal, uma autoridade espanhola em El Cid e Espanha na Idade Média, era o conselheiro histórica para o cinema e para a interpretação do herói como apresentado por Charlton Heston. [5] .

Produção[editar | editar código-fonte]

A revista Time forneceu alguns detalhes da produção: "Inevitavelmente, o filme é colossal - ele funciona 3 horas e 15 minutos (incluindo intervalo), custou 6,2 milhão dólares, empregou um widescreen extra-grande com um processo especial de cor, 7.000 extras, 10.000 figurinos, 35 navios, 50 grandes engenhos de guerras medievais, e quatro dos mais nobres e antigos castelos da Espanha: Ampudia, Belmonte, Peníscola e Torrelobatón [6] Ampudia aparece como a aldeia invadida no início do filme, Torrelobatón como a cidade natal de El Cid, o Castelo de Belmonte aparece como Calahorra, [7] e Peníscola e Castelo de Bamburgh como Valência. [7]

Locais de Filmagem[editar | editar código-fonte]

El Cid foi filmado principalmente em locações na Espanha, mas algumas cenas de estúdio foram filmadas na Roma, para obter o estatuto de co-produção. Um avião Iberia supostamente está sendo visto no fundo durante as cenas de batalha Valência.

A Cidade Velha de Peníscola

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Imagem ligada a estreia do filme na Espanha

Directors Guild of America (DGA)[editar | editar código-fonte]

Direção (Outstanding Directorial Achievement in Motion Pictures)

  • Indicado, Anthony Mann[9] .

Globo de Ouro 1962[editar | editar código-fonte]

Cinema - Filme - Drama[9]

  • Indicado El Cid

Cinema - Trilha Sonora[9]

Diretor[9]

  • Indicado, Anthony Mann (Melhor Diretor de Movimento de Imagem).

Prêmio Especial (Documentário)[10]

Oscar® 1962 (EUA)[editar | editar código-fonte]

Canção[9]

  • Indicado, Miklós Rózsa Pela canção "Love Theme from El Cid (The Falcon and the Dove)".

Direção de Arte - Decoração de Cenários, Colorido[9]

Trilha Sonora (Drama ou Comédia)[9] .

British Society of Cinematographers 1961[editar | editar código-fonte]

Prêmio de Melhor Direção de Fotografia[10]

Golden Reel Award 1962[editar | editar código-fonte]

Motion Picture Editors Sound[10]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

O filme arrecadou US$ 12 milhões em locações do filme por norte-americanos [11] . Após o lançamento de El Cid, Bosley Crowther escreveu que:

Cquote1.svg ...é difícil lembrar de uma imagem, não excluindo Henry V, Ivanhoe, Helen of Troy e, naturalmente, Ben-Hur, em que cenário e ritos régias e guerra têm sido tão magnificamente montados e fotografados como eles estão neste dazzler ... A estrutura gráfica pura das imagens, o arranjo imponente das cenas, o fluxo dinâmico da acção contra forte fundos, tudo fotografado com a câmera de cor 70 milímetros e projetado na Super Technirama 70 tela que dá uma grandeza e eloquência a essa produção que valem a pena ver por si mesmos [...] o espetáculo é fantástico o drama humano é duro e maçante[7] Cquote2.svg

O filme é um dos favoritos de Martin Scorsese, que o chamou "de uma das maiores épicos já feitos." [12] .

Scorsese foi uma das principais forças por trás de uma restauração e re-lançamento de El Cid em 1993 [13] .

Um grupo das forças armadas de Francisco Franco foi usado como figurantes no filme e o próprio general só não esteve presente na estreia, segundo "crônicas da época", devido a um acidente ocorrido num dia de caça[14] .

Ficção e realidade[editar | editar código-fonte]

Todo o contexto da vida do Rodrigo histórico, tanto quanto se sabe, difere muito do El Cid do poema de [Cantar de Mio Cid|Mio Cid] e do filme de Anthony Mann.

O filme inicia-se com Rodrigo Diaz de Vivar a recusar-se a entregar ao Rei Fernando I de Castela, Leão e Astúrias cinco Emires de taifas,[nota 1] os quais ele teria capturado depois dos mesmos atacarem o território cristão sob pressão de Ben Yussuf. Pela virtude revelada ao poupar-lhes a vida e restituir-lhes a liberdade, o Emir de Saragoça, que no filme tem o nome de Mutamin, apelida Rodrigo de Cid, ou Senhor[nota 2] . Historicamente observando, neste período, o rei da taifa de Saragoça era Al-Muqtadir e será muito mais tarde o seu sucessor Al-Mutamin, que o contratará como mercenário para proteger Saragoça do reino de Aragão[15] .

Nas senas subsequentes para vingar uma ofensa feita ao seu pai, Rodrigo vê-se obrigado a matar o Conde Gomez de Oviedo, pai de Jimena (Ximena ou Chimène), a sua noiva. Também aqui e de acordo com Ian Michael, trata-se de uma das lendas nascidas já no fim do século XIV que exageravam a imagem de El Cid[16] .

No filme, instantes depois, no papel de experiente caudilho, dirige uma expedição militar em que é acompanhado pelo quase adolescente Infante D. Sancho. O contexto histórico conta-nos tratar da Batalha de Graus que no complicado jogo político ibérico que vai muito além da oposição entre cristãos e muçulmanos foi organizada para auxiliar Al-Muqtadir de Saragoça contra Ramiro I de Aragão. Rodrigo, que de fato teria acompanhado D. Sancho nesta época não teria mais do que quinze anos. O desencontro entre o mito e a história continua ao longo do filme, tendo talvez como maiores discrepância o momento da coroação de D. Afonso depois da morte do irmão D. Sancho, em que Rodrigo o força a jurar não ter parte na morte do irmão, fato que ultrapassa o próprio mito, uma vez que mesmo na lenda do Juramento de Santa Gádea, este juramento nunca foi imposto por Rodrigo[17] [18] [19] .

Quando ao final Ibn (Bem) Yussuf desembarca nas praias de Valência e cerca a cidade, El Cid tendo sido ferido na batalha, retira-se e regressa ao interior da cidade fortificada. Embora ferido gravemente, no dia seguinte é colocado já morto sobre o seu cavalo Babieca e quando os almorávidas, julgando-o morto, o vêem sobre o seu cavalo, fogem descontroladamente para os navios, deixando o combate[nota 3] . Ainda aqui relata-nos o texto de Ian Michael ser esta mais um dos mitos para o engrandecimento de El Cidcriadas no final do século XIV. A morte do campero, na realidade foi ocasionada alguns anos depois desta batalha retratada no filme, que teria sido em 1094, após outra incursão em 1097, onde Rodrigo teria vencido, juntamente com o rei de Aragão[16] .

Blu-ray[editar | editar código-fonte]

A ClassicLine (distribuidora independente brasileira) se especializou em lançar títulos antigos e clássicos no Brasil. E no final de 2011 assumiu o mercado de Blu-ray . El Cid que era disponibilizado em forma de DVD com condições precárias (em termos de apresentação e qualidade técnica) em letterbox 4:3, com o lançamento do Blu-ray em 2012 pode-se observar um "aprecialvel" upgrade de qualidade e nestas condições a distribuidora também relançou o filme em DVD, provavelmente empregando a mesma transferência anamórfica do BD. Tanto DVD como Blu-ray foram lançados em embalagem simples, um estojo Keep case padrão[20] .

O filme foi rodado no aspect ratio 2.75:1, e a transferência widescreen anamórfica 1080p/AVC MPEG-4, e anatemizando as edições europeias (o filme é inédito em Blu-ray nos EUA) que se encontram na proporção 2.35:1. Ou seja, apesar de haver informações de que o formato de tela original foi respeitado, as tarjas pretas horizontais da imagem foram minimizadas, desencadeando a perda de informações visuais nas bordas laterais configurando a alteração no seu formato original de tela[20] .

A versão brasileira do filme ao que tudo indica replica a transfer alemã (preservando os interlúdios musicais do filme: “Overture”, “Intermission” e “Exit music”). O nível de detalhes e nitidez, na maior parte dos quadros são muito bons com cores estáveis e firmes. Porém, danos na película são percebidos em eventuais instantes e/ou em outros momentos os níveis de preto nem sempre são consistentes[20] .

Com a granulação abaixo do normal[nota 4] e a falta de ajustes finos em determinados close-ups faciais, percebe-se a aplicação moderada de Digital Noise Reduction. Apesar disso, foi preservada qualidade suficiente para tornar a melhor apresentação visual que este épico já recebeu[20] .

A condição do Áudio é bem inferior à visual. A faixa lossless original em inglês DTS-HD MA 5.1 possui boa fidelidade, porém demonstra o peso dos anos através de um dynamic range muito discreto, com muito espaço para distorção e graves. O único momento do filme onde se pode perceber a existência do subwoofer foi na cena do atentado à vida do Príncipe Sancho, que é acompanhada pelo som de trovões, sem isso o som fica limitado praticamente aos canais frontais, onde o efeito estéreo é notado praticamente apenas na partitura de Miklos Rozsa. Os efeitos de surround são discretíssimos, aparecendo apenas em alguns momentos de combate. A dublagem em português é a original da TV em Monoaural (mono) e em Dolby 2.0 As únicas legendas disponíveis são português. Os menus pop up e principal também estão em português[20] .

Notas

  1. Pequenos reinos muçulmanos que resultaram da desintegração do Califado de Córdova no início do século XI[15]
  2. Cid (Sidi) resulta da corruptela da transliteração do árabe Sayyid, que significa Senhor no sentido de grande chefe militar[15] .
  3. Faz também parte da construção dos guerreiros míticos o prolongamento do seu heroísmo num cavalo como no caso de Alexandre, o Bucéfalo ou o Branco de Napoleão. Calígula terá mesmo feito de Incitatus senador na sua loucura. Não se pode esquecer a sátira de Cervantes aos romances de cavalaria e o seu Rocinante[16] .
  4. padrões normais para a época

Referências

  1. interfilmes, El Cid, interfilmes.com, 2015, Visitado em 30 de maio de 2015.
  2. a b Filmes de TV, Qual é a história da "El Cid"?, 2015, Visitado em 30 de maio de 2015.
  3. a b Adoro Cinema, El Cid, Sinopse e detalhes, Webedia group, 2015, Visitado em 30 de maio de 2015.
  4. "Egos: Watch My Line". Time. 05 de janeiro de 1962. Visitado em 2009-12-11.
  5. Richard A. Fletcher "Capítulo 1. The Quest for El Cid, (1990), ISBN 0-394-57447-8. Fletcher considera o trabalho de Pidal em El Cid um pouco idealizada e "excêntrico".
  6. Revista Time, Mesa redonda, Time, publicado em 22 de dezembro de 1961, Visitado em 2009-12-11
  7. a b c Crowther, Bosley, "of El Cid Opens: Epic About a Spanish Hero at the Warner". The New York Times. (December 15, 1961). Visitado em 2009-12-11.
  8. a b c d e f g h R7 Filmes,Locais de Filmagem de El Cid, epipoca.com.br, Visitado em 03/06/2015.
  9. a b c d e f g h R7 Filmes,http://www.epipoca.com.br/filmes/premiacoes/11212/el-cid Prêmios e indicações de El Cid], epipoca.com.br, Visitado em 03/06/2015.
  10. a b c New York Times, NY Times: El Cid , visitado em 2008-12-24
  11. "All-time top film grossers", ditribuido em 8 January 1964 p 37.
  12. James Berardinelli, El Cid, ReelViews.net, 1993
  13. Variety, Miramax para relançar um restaurado ' 61 'El Cid', publicado em 16 de abril de 1993, Acesso data, 2009-12-11
  14. Consorcio Camino del CidCaminho de El Cid,caminodelcid.org, Visitado em 11/05/2012
  15. a b c Fletcher, Richard A., The Quest for El Cid Ed Oxford University Press, Junho de 1991, 240 p. -ISBN 9780195069556
  16. a b c Michael, Ian, La imagen del Cid en la historia, la literatura y la leyenda, conferencia pronunciada na Biblioteca Nacional da España, em 17 de mayo de 2007. Disponible en formato .doc, p. 3, Visitado em 29-11-2009
  17. GARCÍA FITZ, Francisco (2002). «Bibliografía Cidiana: últimas aportaciones (1999-2002)». Medievalismo: Boletín de la Sociedad Española de Estudios Medievales (Sociedad Española de Estudios Medievales) (12): 197–224. ISSN 1131-8155.
  18. LUIS MUNTADA, Eduardo (1998). El Cid, la novela. Madrid: Ediciones Alcántara. ISBN 84-95218-01-1.
  19. MARTÍNEZ DIEZ, Gonzalo (2001). El Cid histórico (1ª edición). Editorial Planeta. ISBN 84-08-03932-6.
  20. a b c d e Saldanha, Jorge, (18/03/2012) Crítica sobre o Blu-ray "El Cid", dvdmagazine.com, Visitado em 03/06/2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]