Escola Prática de Engenharia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Escola Prática de Engenharia
País Portugal Portugal
Estado Desativada
Corporação Exército Português
Subordinação Comando Forças Terrestres
Missão Engenharia militar
Sigla EPE
Criação 1880
Aniversários 28 de Junho
Extinção 2013
História
Condecorações MHCGOSEMHAMHLMOSD
Sede
Quartel Polígono de Tancos
Concelho Vila Nova da Barquinha
Internet Sítio oficial

A Escola Prática de Engenharia (EPE) MHCGOSEMHAMHL foi um órgão de base do Exército Português cujo objetivo principal era a formação na arma de engenharia. Ficava situada no Polígono de Tancos, concelho de Vila Nova da Barquinha. A EPE foi criada em 1880 e extinta em 2013, passando as suas funções para a então criada Escola das Armas.

História[editar | editar código-fonte]

A Escola Prática de Engenharia foi criada por portaria de 28 de Junho de 1880, pelo Ministro da Guerra, o General João Crisóstomo de Abreu e Sousa. Nesta data, ficou estabelecido que a Escola Prática de Engenharia seria uma unidade independente. Seis anos após a sua criação, dada a importância técnica desta escola, a Escola Prática de Infantaria e a Escola Prática de Cavalaria integram na sua instrução os conhecimentos da EPE.

D. Manuel II, no Verão de 1910, participando em exercícios militares na Base de Tancos; aqui utilizando uma ferrovia ligeira de tração animal que servia a recinto.

Após a reorganização da estrutura militar, em 1911, a escola altera a sua designação para Escola de Aplicação de Engenharia, e passa por uma conjuntura adversa em termos financeiros e materiais. É extinto o Regimento de Engenharia, e criado o Batalhão de Pontoneiros em Santarém.

A EPE teve um papel de relevo tanto na Primeira Guerra Mundial, como no Guerra Colonial Portuguesa, pois a instrução das tropas era realizada em Tancos, a partir de 1916. A sua designação é, de novo, alterada para a original, com a reestruturação de 1927; com a de 1937, a escola vê a sua situação melhorar.

A Escola Prática de Engenharia foi desativada a 1 de outubro de 2013, na sequência da decisão tomada de se unificar as diversas escolas práticas das armas do Exército numa única Escola das Armas.

Obras relevantes[editar | editar código-fonte]

Anos 40[editar | editar código-fonte]

  • Campos de aviação, nomeadamente de Tancos, Lajes, Espinho e Ota
  • Fortificações nos Açores, Madeira e Ultramar

Adesão à OTAN (1949)[editar | editar código-fonte]

Guerra do Ultramar[editar | editar código-fonte]

  • Especialização de Quadros de Engenharia
  • Preparação de especialistas em Minas e Armadilhas
  • Mobilização de tropas e outros meios

Comandantes da EPE[editar | editar código-fonte]

Condecorações recebidas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Escola Prática de Engenharia". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 26 de maio de 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.