Escola Prática de Cavalaria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde maio de 2014).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Escola Prática de Cavalaria
País  Portugal
Estado Desativada
Corporação Exército Português
Subordinação Comando Forças Terrestres
Missão Cavalaria
Sigla EPC
Criação 1890
Aniversários 17 de Abril
Extinção 2013
Patrono Joaquim Augusto Mouzinho de Albuquerque
Sede
Quartel Abrantes
Concelho Abrantes
Internet Página oficial

A Escola Prática de Cavalaria (EPC) MHTEMHL era um estabelecimento de ensino do exército português, cujo objectivo era a formação de tropas na arma de Cavalaria. A data da desativação, este estabelecimento estava instalado em Abrantes, no distrito de Santarém.[1]

A EPC foi criada em 1890 e desativada em 2013, passando as suas funções para a então criada Escola das Armas.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1887, é criada a Escola Prática de Infantaria e Cavalaria com sede no Convento de Mafra. Em 1890, esta escola e a de Infantaria são separadas.[2] A primeira sede é em Vila Viçosa. Os primeiros anos são de bastante acção, em particular em Moçambique, para estabelecer a soberania portuguesa naquele país. Em 1902, a Escola muda-se para Torres Novas.[3]

Com a Implantação da República Portuguesa, a 5 de Outubro de 1910, o exército sofre várias reformas. A EPC, vê a sua designação alterada para Escola de Equitação, em 1911. No entanto, pela limitação de funções que esta nova designação trouxe, muda, de novo, de nome para Escola de Aplicação de Cavalaria. Com a Revolução de 28 de Maio de 1926, volta a ter a sua designação original de Escola Prática de Cavalaria. Até à Segunda Guerra Mundial, o cavalo era o ponto central desta escola; embora já existissem alguns meios blindados adquiridos a França e a Inglaterra, aqueles não tinham sido atribuídos a esta escola. Só a partir da Guerra é que se começa a olhar de outra forma para os veículos blindados - mais velozes, potentes e seguros. Esta unidade é equipada com motos, viaturas "Bren", camiões, canhões anti-carro e metralhadoras anti-aéreas. Em 1955, dados os novos equipamentos operacionais desta unidade, e o alargamento das suas responsabilidades com a entrada de Portugal para a OTAN, em 1949, a escola passa para novas instalações, no Entroncamento, distrito de Santarém.[3]

Em 1961, tem início a Guerra Colonial Portuguesa, que só terminaria treze anos mais tarde, no dia 25 de Abril, data em que a EPC tem um papel fundamental. Com a ajuda dos seus blindados, ocupam o Terreiro do Paço, seguindo para o Quartel do Carmo onde obrigam Marcelo Caetano a entregar-se e a pedir a sua demissão.[3]

Em 2006, a EPC muda, novamente de local, passando para Abrantes em 2006.[3]

A Escola Prática de Cavalaria foi desativada a 1 de outubro de 2013, na sequência da decisão tomada de se unificar as diversas escolas práticas das armas do Exército numa única Escola das Armas.

Comandantes da EPC[editar | editar código-fonte]

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Escola Prática de Cavalaria (EPC)
  2. História da Escola Prática de Infantaria
  3. a b c d História da EPC
  4. a b c d e f g EPC - Actividades
  5. a b «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Escola Prática de Cavalaria". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 24 de maio de 2013 

Ligação externa[editar | editar código-fonte]

  • Website oficial da Escola Prática de Cavalaria no Sítio oficial do Exército Português
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.