Estação Ferroviária de Luzianes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Luzianes
BSicon BAHN.svg
Estação de Luzianes, na Década de 1980.
Linha(s): Linha do Sul (PK 242,646)
Coordenadas: 37° 35′ 28,98″ N, 8° 29′ 18,83″ O
Concelho: Odemira
Serviços: Sem serviços
Equipamentos: Acesso para pessoas de mobilidade reduzida Telefones públicos
Inauguração: 1 de Julho de 1888
Encerramento: 2012

A Estação Ferroviária de Luzianes, originalmente denominada de Odemira, é uma gare encerrada da Linha do Sul, que serve a localidade de Luzianes-Gare, no concelho de Odemira, em Portugal.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A estação situa-se a Leste da povoação de Luzianes-Gare.[1] Em Janeiro de 2011, apresentava duas vias de circulação, ambas com cerca de 289 m de comprimento, e tinha duas gares, tendo a primeira 105 m de comprimento e 30 cm de altura, enquanto que a segunda tinha 70 m de comprimento e 70 cm de altura.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Inauguração[editar | editar código-fonte]

Mapa da rede ferroviária do Sul e Sueste em 1895, onde esta gare aparece com o nome de Odemira.

Esta interface insere-se no troço entre Amoreiras-Odemira e Tunes, que abriu à exploração em 1 de Julho de 1888, como parte do Caminho de Ferro do Sul.[3] O nome original desta estação era Odemira, enquanto que a estação de Amoreiras - Odemira se denominava apenas de Amoreiras.[4]

Século XX[editar | editar código-fonte]

No Relatório acêrca do estado da viação ordinaria nas suas relações com as linhas ferreas do sul e sueste, apresentado pelos Caminhos de Ferro do Estado em 21 de Janeiro de 1901, apresentaram-se quais as estradas já existentes ou em construção ou planeamento que se ligavam de forma directa ou indirecta às estações ferroviárias no Alentejo e Algarve.[5] No caso da estação de Odemira, apontou-se que seria servida pelas Estradas Distritais 162, desde a gare até à Tróia, e 197, de Odemira a Lagos, que facilitaria as comunicações entre a estação e a região do litoral ao Sul de Odemira, ambas em construção.[5] Também estava a ser planeada a Estrada Distrital 182, desde a Estrada Distrital 162 até Vila Nova de Milfontes.[5] Em 28 de Outubro de 1903, o Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria determinou os investimentos a fazer na construção de estradas ligadas às estações dos caminhos de ferro, tendo a importância de 7:700$000 sido destacada para a conclusão do lanço entre a estação de Odemira e Monte Novo da Estrada Distrital 162.[6] Em 1913, existia uma carreira de diligências entre a estação e a vila de Odemira.[7]

A revisão do plano geral da rede ferroviária, determinada em 1927, introduziu um projecto para prolongar o Ramal de Lagos até à estação de Odemira, passando pelas localidades de Aljezur e Odemira, e com um troço em comum com a Linha do Sul, para aproveitar o Túnel de Vale de Isca.[8] Um diploma do Ministério das Comunicações de 7 de Agosto de 1956, publicado no Diário do Governo n.º 193, II Série, de 16 de Agosto, aprovou um projecto para a construção de galerias drenantes nos terrenos adjacentes à estação de Odemira, então situada ao PK 242,649.02 da Linha do Sul, e ordenou a expropriação de uma parcela de terreno entre os PKs 242,578.15 e 242,723 da via férrea.[9]

Encerramento[editar | editar código-fonte]

A estação foi encerrada pela empresa Comboios de Portugal em 2012, que justificou esta decisão pela «falta de procura» e pelo «elevado prejuízo financeiro».[10] Esta medida teve grandes consequências para a aldeia e freguesia de Luzianes-Gare, que ficou sem transportes públicos, pelo que os habitantes foram forçados a utilizar os transportes próprios ou serviços táxis nas suas deslocações.[10] Além disso, o comboio era considerado como um dos principais impulsionadores da freguesia, tendo a suspensão dos serviços constituído um obstáculo ao seu progresso, numa área em que a população é em grande parte composta por idosos.[10] Na altura, a decisão da operadora foi criticada pelo presidente da Câmara Municipal de Odemira, José Alberto Guerreiro, que afirmou que «é necessário assegurar um serviço público mínimo, especialmente em zonas de baixa densidade como esta e onde escasseiam transportes públicos».[10] Em Março de 2019, o deputado Hélder Amaral, do CDS-PP, questionou o Ministro das Infraestruturas e da Habitação se estava «prevista alguma intervenção por parte do Ministério, junto da CP, de forma a possibilitar que alguns dos serviços ferroviários possam ter paragem na estação de Luzianes-Gare, em Odemira».[11] Segundo uma nota de imprensa daquele partido, a «estação, no caso desta freguesia, não consegue dissociar-se da existência de um aglomerado populacional considerável, [...] e é com muita tristeza que os populares assistem à passagem de vários comboios no km 243 da Linha do Sul, sem que ali se faça uma paragem para entrada e saída de passageiros».[11] Salienta igualmente que apesar de não servir oficialmente a estação, ainda assim faziam-se ali algumas paragens técnicas, pelo que os passageiros aproveitavam para sair, «existindo desta forma um risco para quem abandona o comboio sem as devidas condições de segurança».[11] Em Maio de 2021, as Comissões de Utentes do Litoral Alentejano iniciaram um baixo-assinado para exigir o reinício dos serviços de passageiros em várias linhas e estações da região, incluindo em Luzianes.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. GORDALINA, Rosário (2010). «Estação Ferroviária de Luzianes». Sistema de Informação para o Património Arquitectónico. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 17 de Março de 2022 
  2. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Directório da Rede 2012. Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011. p. 71-85 
  3. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 69 (1652). Lisboa. 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 8 de Novembro de 2014 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  4. QUARESMA, 2006:318
  5. a b c «Parte Oficial» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 16 (368). Lisboa. 16 de Abril de 1903. p. 119-130. Consultado em 13 de Dezembro de 2016 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  6. «Parte Official» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 16 (382). Lisboa. 16 de Novembro de 1903. p. 377-378. Consultado em 13 de Dezembro de 2016 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  7. «Serviço de Diligencias». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. Ano 39 (168). Lisboa. Outubro de 1913. p. 152-155. Consultado em 22 de Março de 2018 – via Biblioteca Nacional Digital 
  8. SOUSA, José Fernando de (16 de Setembro de 1937). «A Conclusão do Ramal de Sines» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 48 (1170). Lisboa. p. 483-484. Consultado em 16 de Maio de 2013 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  9. «Parte Oficial» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 69 (1650). Lisboa. 16 de Setembro de 1956. p. 425. Consultado em 8 de Outubro de 2017 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  10. a b c d CASTRO, Bianca; FERREIRA, Joana Vazquez (9 de Março de 2021). «Luzianes: onde os comboios passam, mas não param». Consultado em 17 de Março de 2022 
  11. a b c «Odemira: CDS quer saber se comboios voltarão a parar em Luzianes-Gare». 14 de Março de 2019. Consultado em 17 de Março de 2022 
  12. Lusa (14 de Maio de 2021). «Odemira: CDS quer saber se comboios voltarão a parar em Luzianes-Gare». Consultado em 17 de Março de 2022 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre a estação de Luzianes

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • QUARESMA, António (2006). Odemira Histórica: Estudos e Documentos. Odemira: Câmara Municipal de Odemira. 501 páginas. ISBN 972-98168-5-9 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.