Linha do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Linha do Sul
A Linha do Sul no tabuleiro inferior da Ponte 25 de Abril.
A Linha do Sul no tabuleiro inferior da Ponte 25 de Abril.
Esboço cartográfico, à escala
Esboço cartográfico, à escala
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZ+lr" Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.Sintra / L.Cintura
Unknown route-map component "num1m!" + Unknown route-map component "kABZc2"
Track turning from left + Unknown route-map component "kSTRq+l"
Unknown route-map component "CONTfq"
Unknown route-map component "HUB06" + Unknown route-map component "kSTRg+l" + Track turning from left
Hub + Junction from right
C.ª Sete Rios(1)
Hub + Continuation forward
Hub + Unknown route-map component "SPLa" + Unknown route-map component "KRWl"
Hub + Unknown route-map component "KRW+r"
L.ª SintraSintra
Station on track
000,000 Campolide A
Unknown route-map component "HUB09"
Hub + Unknown route-map component "vCPICl"
Hub + Unknown route-map component "CPICCCre"
000,000 Campolide A
Junction to left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Sintra
Unknown route-map component "vSKRZ-G4u" Unknown route-map component "tCONTf"
000000 L.ª Sintra
Unknown route-map component "vWTUNNEL"
× Aq. Águas Livres
Unknown route-map component "RP4e" + Unknown route-map component "vhLGD-L"
Unknown route-map component "vSTR"
Unknown route-map component "RP4w" + Unknown route-map component "vhLGD-R"
× Av. Gulbenkian
Unknown route-map component "vÜSTl" + Unknown route-map component "v-SHI3l"
Unknown route-map component "SHI3+r"
L.ª CinturaAlcântara-Terra
Unknown route-map component "vSTRl-KRZo" Junction from right
fly over de Alcântara
Unknown route-map component "SKRZ-G2uhr" Unknown route-map component "SKRZ-G2uhl"
× lig. A5/IP7
Unknown route-map component "SKRZ-G4uhr" Unknown route-map component "SKRZ-G4uhl"
× A5
Unknown route-map component "SKRZ-G2uhr" Unknown route-map component "SKRZ-G2uhl"
× lig. IP7/A5
Junction to left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Cintura
Unknown route-map component "SKRZ-G2o" Continuation forward
000000
Unknown route-map component "SKRZ-G4o"
× Av. Ceuta
Unknown route-map component "RP4" Unknown route-map component "ehCPICla" Unknown route-map component "uexCPICre"
002,200 Alvito-A(inat.)
Unknown route-map component "RP4" Elevated
Metro: L.ª Vermelha (Alvito) (proj.)
Unknown route-map component "RP4lf"
Unknown route-map component "RP4lg" + Unknown route-map component "tSTRa" + Unknown route-map component "lhSTR"
P.te 25 AbrilIP7
Unknown route-map component "RP4q"
Unknown route-map component "RP4q" + Unknown route-map component "RP4" + Unknown route-map component "thSTR"
Unknown route-map component "RP4q"
× Av. Índia
Non-passenger terminus from left
Transverse track + Unknown route-map component "RP4" + Unknown route-map component "thSTR"
Transverse track
× L.ª Cintura
Unknown route-map component "RP4q"
Unknown route-map component "RP4q" + Unknown route-map component "RP4" + Unknown route-map component "thSTR"
Unknown route-map component "RP4q"
× Av. Brasília
Transverse track
Transverse track + Unknown route-map component "RP4" + Unknown route-map component "thSTR"
Transverse track
× L.ª Cascais
Transverse water
Transverse water + Unknown route-map component "RP4" + Unknown route-map component "thSTR" + Unknown route-map component "lGRZq"
Transverse water
4,400 P.te 25 Abril × Rio TejoLSBALM
Unknown route-map component "RP4lf" + Unknown route-map component "tSTR"
Unknown route-map component "RP4q"
IP7
Unknown route-map component "tSTRe"
Túnel do Pragal
Unknown route-map component "hSKRZ-G2oa" Unknown route-map component "RP2lg"
× Av. Jorge Peixinho
Waterway turning from left Unknown route-map component "mhKRZe"
Unknown route-map component "RP2" + Urban transverse track
× MST
Station on track
007,300 Pragal
Right side of urban cross-platform interchange Left side of cross-platform interchange Unknown route-map component "RP2"
007,300 Pragal
Unknown route-map component "hSKRZ-G2oa" Unknown route-map component "RP2rf"
× Av. Jorge Peixinho
Unknown route-map component "hSKRZ-G4o"
× IC20
Unknown route-map component "hSKRZ-G2oe"
× R. Ant.º Calado
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× Estr. V. Mourelos
Underbridge
× pass. sup.
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× R. V. Flores
Unknown route-map component "tSTRa"
Unknown route-map component "tSKRZ-G4"
× IP7/A2
Unknown route-map component "tSKRZ-G2"
× Estr. Algazarra
Unknown route-map component "tSTRe"
Unknown route-map component "CSTR"
Unknown route-map component "WBRÜCKEa"
Elevated + Unknown route-map component "GRZq"
ALMSXL
Unknown route-map component "hSKRZ-G2o"
× R. C.ª Povo
Elevated over water
Unknown route-map component "hSKRZ-G2o"
Unknown route-map component "hSKRZ-G2o"
× Av. V. Milhaços
Station on track
012,380 Corroios
Unknown route-map component "lhSTRef" + Right side of cross-platform interchange
Left side of urban cross-platform interchange
012,380 Corroios
Straight track
MST
Station on track
014,960 Foros de Amora
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× Estr. Foros de Amora
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× R. Oliv. Martins
Unknown route-map component "hSKRZ-GDoa"
Unknown route-map component "hSKRZ-G2o"
Elevated over water
× Ribeira da Arrentela
Unknown route-map component "hSKRZ-G4oh"
× Av. Lib. (EN10) × R. Oliv. Martins
Unknown route-map component "hSKRZ-G2oe"
Station on track
017,730 Fogueteiro
Unknown route-map component "SKRZ-G4u"
× Av. 1.º Dez.
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× Av. Ponte
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× R. Eugénio dos Santos
Non-passenger station/depot on track
021,210 Complexo de Coina
Unknown route-map component "SPLa"
000000  
Unknown route-map component "vSKRZ-G2u"
× R. Vasco da Gama
Unknown route-map component "vSTR-DST"
021,210 Complexo de Coina
Unknown route-map component "SPLe"
Junction from left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 R. Siderurgia
Junction from left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 R. Siderurgia (5 km)
Straight track + Unknown route-map component "GRENZE2lf+rg"
SXLMTA
Straight track + Unknown route-map component "GRENZE2lg" + Unknown route-map component "GRENZE2rg"
SXLMTA
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
024 000
Station on track
022,935 Coina
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× N10
Transverse water + Unknown route-map component "GRENZE2lg+lf" + Unknown route-map component "GRENZE2r"
Unknown route-map component "WBRÜCKEa"
× Vala RealSSBPLMMTA
Elevated + Unknown route-map component "GRENZE2lg+lf"
PLMMTA
Unknown route-map component "hSKRZ-G2oe" + Unknown route-map component "lGRZq"
Unknown route-map component "GRENZE2lg" + Unknown route-map component "GRENZE2r"
× Estr. Q.ta Areia
Unknown route-map component "tSTRa"
Unknown route-map component "tSKRZ-G2"
Unknown route-map component "tSKRZ-G2"
026 000
Unknown route-map component "tSKRZ-G4"
× IC21
Unknown route-map component "tSTRe" + Unknown route-map component "lGRZq"
MTAPLM
Unknown route-map component "SKRZ-G4u"
Unknown route-map component "vENDEar"
Non-passenger terminus from left
Unknown route-map component "vSTRr-" + Unknown route-map component "vÜSTr"
Unknown route-map component "vSKRZ-G2u"
Non-passenger terminus from left Unknown route-map component "vABZgr-STR"
Autoeuropa
Station on track
028,150 Penalva
Unknown route-map component "vDST-BHF"
028,150 Penalva
Unknown route-map component "vWBRÜCKE"
Unknown route-map component "SPLe"
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× EN379-2
Small arched bridge over water
× Vala de Malpique
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Unknown route-map component "SKRZ-G1o"
Junction from left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Alentejo
Junction from left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Alentejo Barreiro
Unknown route-map component "eABZrg" Unknown route-map component "exCONTfq"
R. MontijoMontijo
Unknown route-map component "SKRZ-G4u"
× EN252-2
Station on track
036,806
015,439
Pinhal Novo
Junction to left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Alentejo
Junction to left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Alentejo Funcheira
Stop on track
019,255 Venda do Alcaide
Unknown route-map component "SPLa"
Unknown route-map component "vDST-STR"
022,732 Palmela
Unknown route-map component "vSTR-DST"
Palmela-SLEM
Unknown route-map component "vSTR-DST"
Palmela-Megaço
Unknown route-map component "SPLe"
Stop on track
0023,300 Palmela-A
Unknown route-map component "STR+GRZq"
PLMSTB
Station on track
028,222 Setúbal
Stop on track
028,868 Praça do Quebedo
Enter and exit tunnel
Túnel de Fontainhas II(113 m)
Unknown route-map component "eHST"
029,300 Fontaínhas-Sado(dem.)
Unknown route-map component "eBHF"
029,760 Setúbal-Mar
Unknown route-map component "v-SHI3+l" Unknown route-map component "SHI3gr"
Non-passenger station/depot on track Unknown route-map component "dSTR"
Porto de Setúbal - Auto
Unknown route-map component "v-SHI3l" Unknown route-map component "SHI3g+r"
Water straight and to right Unknown route-map component "eHST"
031,648 CachofarraRio Sado
Non-passenger terminus from left + Hub
Junction from right
Non-passenger head station + Hub + Unknown route-map component "STRc2"
Unknown route-map component "ABZg3"
EDP Setúbal
Unknown route-map component "SHI1r" + Unknown route-map component "vSTR+1-" + Unknown route-map component "vSTR+2-"
Unknown route-map component "STRc34" + Unknown route-map component "eBHF"
033,224 Praias-Sado
Unknown route-map component "vSHI2gl-" + Unknown route-map component "STRc1"
Unknown route-map component "ABZg+4"
Unknown route-map component "vKDSTe-STR" Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Sapec
Unknown route-map component "dKDSTe" Unknown route-map component "cSTRc2" Unknown route-map component "dABZg3" Unknown route-map component "cd"
Portucel
Unknown route-map component "KHST1"
Unknown route-map component "dSTR" + Unknown route-map component "dSTRc4"
033,799 Praias do Sado-A
Junction from left Non-passenger terminus from right
R. Renault-Vale da Rosa
Unknown route-map component "eBHF" + Unknown route-map component "lBST"
035,556 Vale da Rosa
Unknown route-map component "eHST"
036,764 Mourisca-Sado(des.)
Unknown route-map component "eHST"
038,501 Pontes(des.)
Unknown route-map component "eHST"
040,500 Algeruz(des.)
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "evSHI2gl-"
(ant. traçado)
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "vSTR-exBHF"
044,490 Águas de Moura(des.)
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "evSHI2g+l-"
(ant. traçado)
Unknown route-map component "SKRZ-G1o"
× Estr. Zambujal
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× EN10
Unknown route-map component "exSTRc2" Unknown route-map component "eABZg3"
(ant. traçado)
Junction both to and from left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 C.ª Poceirão
Unknown route-map component "exLSTR+1"
Unknown route-map component "kABZgl" + Unknown route-map component "exSTRc4"
Unknown route-map component "num1re"
000000 C.ª Ág. Moura-Sul (1)
Unknown route-map component "exWBRÜCKE" Unknown route-map component "kSTRl+l"
Unknown route-map component "c" + Unknown route-map component "kABZl+l"
Unknown route-map component "cd" + Unknown route-map component "lCONTffq"
L.ª Alentejo
Unknown route-map component "exLSTR" Unknown route-map component "kABZg+l" Unknown route-map component "num2a"
47 000 C.ª Poceirão(2)
Unknown route-map component "exLSTR" Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× EN10
Unknown route-map component "exLSTR2"
Bridge over water + Unknown route-map component "exSTRc3"
× Rib. Marateca
Unknown route-map component "exSTRc1" Unknown route-map component "eABZg+4"
(ant. traçado)
Unknown route-map component "eBHF"
057,777 Pinheiro
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "eABZrf"
L.ª N.ª de SinesSines (proj. 1970)
Unknown route-map component "KRWgl" Unknown route-map component "KRW+r"
Var. de Alcácer
Unknown route-map component "eBHF" Unknown route-map component "LSTR"
064,551 Monte Novo-Palma
Small bridge over water Small bridge over water
× R. S. Martinho
Unknown route-map component "LSTRrg" Unknown route-map component "KRZu" Unknown route-map component "LSTRrf"
× Var. de Alcácer
Bridge over water Straight track
× R. Sado
Unknown route-map component "LSTR" Unknown route-map component "eBHF"
078,247 Alcácer do Sal
Unknown route-map component "LSTR" Bridge over water
Pte. Alcácer do Sal× R. Sado
Unknown route-map component "LSTR" Unknown route-map component "eBHF"
Alcácer - Sul(Est. prov., 1919-20)
Unknown route-map component "LSTR" Unknown route-map component "eBHF"
087,785 Vale do Guizo
Unknown route-map component "LSTR" Non-passenger station/depot on track
092,300 Somincor
Unknown route-map component "KRWl" Unknown route-map component "KRWg+r"
094 000 Var. de Alcácer
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "eABZrf"
96 000 L.ª SinesSines (proj. 2009)[1]
Station on track
101,984 Grândola
Unknown route-map component "eBHF"
109,908 Canal Caveira
Unknown route-map component "eDST"
118,500 Estação técnica(em proj.)
Unknown route-map component "eHST"
121,535 Azinheira dos Barros
Unknown route-map component "eBHF"
125,020 Lousal
Unknown route-map component "STR+GRZq"
GDLSTC
Unknown route-map component "eABZrg" Unknown route-map component "exCONTfq"
L.ª SinesBeja (proj.ab.)
Station on track
129,631 Ermidas-Sado
Unknown route-map component "cd"
Unknown route-map component "v-SHI2gr" + Unknown route-map component "lvBHFf"
Unknown route-map component "c"
129,631 Ermidas-Sado
Unknown route-map component "CONTgq" Junction both to and from right
130,948 L.ª Sines
Unknown route-map component "dCONTgq"
Unknown route-map component "dSTRr+1h" + Unknown route-map component "dSTR2h+r"
Straight track + Unknown route-map component "BS2c3" + Unknown route-map component "BS2c4"
130,948 L.ª Sines Sines
Unknown route-map component "num1l" + Unknown route-map component "BS2c1"
Unknown route-map component "SHI2g+r"
C.ª de Ermidas (1)
Unknown route-map component "eHST"
138,443 Alvalade
Unknown route-map component "STR+GRZq"
STCORQ
Unknown route-map component "eBHF"
169,700 Torre Vã
Unknown route-map component "eHST"
157,461 Montenegro
Junction both to and from left Unknown route-map component "CONTfq"
161,067 L.ª Alentejo
Unknown route-map component "SHI2gl"
Unknown route-map component "BS2c3" + Unknown route-map component "num1r"
161,067 C.ª Funcheira (1)
Straight track + Unknown route-map component "BS2c1" + Unknown route-map component "BS2c2"
Unknown route-map component "dSTRl+4h" + Unknown route-map component "dSTR3h+l"
Unknown route-map component "dCONTfq"
L.ª AlentejoBarreiro
Station on track
164,681
217,600
Funcheira
Unknown route-map component "c"
Unknown route-map component "vSHI2g+l-" + Unknown route-map component "lvBHFg"
Unknown route-map component "cd"
164,681
217,600
Funcheira
Unknown route-map component "eHST"
219,835 Garvão
Unknown route-map component "STR+GRZq"
ORQODM
Unknown route-map component "eBHF"
226,461 Amoreiras-Odemira
Unknown route-map component "eHST"
230,500 Vale da Isca(demolido)
Enter and exit tunnel
Túnel de Vale de Isca(697 m)
Unknown route-map component "eBHF"
242,646 Luzianes
Enter and exit tunnel
Túnel de Horta(99 m)
Transverse water Bridge over water Transverse water
× Rio Mira
Station on track
257,765 Santa Clara-Sabóia
Unknown route-map component "eHST"
263,264 Pereiras
Unknown route-map component "STR+GRZq"
ODMSLV
Station on track
275,854 São Marcos
Station on track
289,770 Messines-Alte
Unknown route-map component "num1l" + Unknown route-map component "exBS2c2"
Unknown route-map component "eSHI2gr"
C.ª Tunes (1)(dem.)
Unknown route-map component "CONTgq" Junction from right
000000 L.ª Algarve
Unknown route-map component "dCONTgq"
Unknown route-map component "exdSTRr+1h" + Unknown route-map component "dSTR2h+r"
Straight track + Unknown route-map component "BS2c3" + Unknown route-map component "exBS2c4"
000000 L.ª Algarve Lagos
Station on track
301,889 Tunes
Unknown route-map component "cd" Unknown route-map component "vBHF" Unknown route-map component "c"
301,889 Tunes
Track turning left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Algarve
Unknown route-map component "BS2c1"
Track turning left + Unknown route-map component "STRl+4h"
Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Algarve VRSA
ver referências a fontes no texto do(s) artigo(s)
Estação de Campolide A, PK 0 da Linha do Sul.
Linha do Sul, perto de Azinheira dos Barros, no concelho de Grândola.
Comboio urbano 17264 (“Linha do Sado”: Praias do Sado A - Barreiro) da CP Lisboa, a entrar no Túnel das Fontainhas, na Linha do Sul.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a antiga Linha do Sado, ou Ramal do Sado, actualmente denominada Linha do Sul. Para a antiga Linha do Sul, também denominada Caminho de Ferro do Sul, veja Linha do Alentejo. Para o serviço USGL denominado Linha do Sado, veja Linha do Sado.

A Linha do Sul é uma ferrovia portuguesa que liga a estação de Campolide A, em Lisboa, à estação de Tunes, no Algarve, numa distância total de 273,6 km. O primeiro troço da linha, entre o Pinhal Novo e Setúbal, entrou ao serviço em 1861 pela Companhia Nacional dos Caminhos de Ferro ao Sul do Tejo[2], e em 1869 passou para a posse do estado, que o prolongou até à Funcheira em 25 de Maio de 1920.[3] A linha foi integrada na Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses em 1927[4], e em 2003 foi prolongada até Lisboa, atravessando o Rio Tejo pela Ponte 25 de Abril.[5]

Caracterização[editar | editar código-fonte]

É a segunda linha ferroviária mais importante de Portugal, a seguir à Linha do Norte [carece de fontes?], ligando Lisboa a Setúbal, e ambos ao sul do país.

Tráfego de passageiros[editar | editar código-fonte]

Entre Campolide e Setúbal existe um forte tráfego de comboios suburbanos explorados por uma empresa privada, a Fertagus, que detém até final de 2010 a concessão deste serviço. Os restantes serviços estão a cargo da CP.

Material circulante[editar | editar código-fonte]

Entre o material circulante a gasóleo utilizado nesta linha, estiveram as locomotivas da Série 1200, que rebocavam serviços urbanos entre o Barreiro, Setúbal e Praias-Sado.[6][7] Estas locomotivas também foram utilizadas para rebocar os comboios regionais ao longo da linha, até à Funcheira.[6] Outras séries utilizadas nesta linha foram a 1520, que em Outubro de 1992 estava a rebocar comboios urbanos entre o Barreiro e Praias-Sado[8], e a Série 1900, nos comboios de carvão a partir de Neves-Corvo.[9] Em termos de automotoras, regista-se a passagem da Série 0600, que em 1999 entrou ao serviço na Linha do Sado.[5]

Quanto a material eléctrico, destacam-se as automotoras da Série 4000, utilizadas nos comboios Alfa Pendulares de Braga a Faro, e as locomotivas da Série 5600, que rebocam os vagões de carvão no itinerário dos granéis.[10]

Comboio de carvão junto a Alcácer do Sal, em 2008.

Tráfego de mercadorias[editar | editar código-fonte]

Ao longo do Século XX, as estações desta linha tiveram um importante movimento de carga com as estações no Algarve, da Área Metropolitana de Lisboa, com predominância para a Península de Setúbal; as Estações de Santa Clara-Sabóia, Pereiras, São Marcos da Serra, Setúbal e Alvalade exportaram madeiras e lenhas em grande quantidade[11], enquanto que Setúbal recebeu, do Algarve, farinhas e óleos e peixe, e azeite em embalagens.[12] Outra estação de elevada importância em termos de tráfego de mercadorias foi São Bartolomeu de Messines, onde se centrava um dos principais núcleos industriais de panificação no Algarve. Por outro lado, a Linha do Sado permitiu um movimento de mercadorias mais rápido entre o Algarve e o resto de Portugal, especialmente as áreas portuárias de Setúbal e Lisboa.[13] Outros importantes serviços de mercadorias são os comboios de carvão desde o Porto de Sines até à Central Termoeléctrica do Pego, iniciados na Década de 1990[14], de minério desde as Mina de Neves-Corvo[9], e de automóveis desde o complexo da AutoEuropa, em Palmela, até ao Porto de Setúbal.[15]

História[editar | editar código-fonte]

Fases da inauguração (por ordem geográfica)[editar | editar código-fonte]

Estações Extensão Inauguração Nomes anteriores Nomes posteriores
Campolide – Fogueteiro 1999
Fogueteiro - Pinhal Novo 2003
Pinhal Novo – Setúbal 12,800 km 1 de Fevereiro de 1861 R. Setúbal / L.ª Sado
Setúbal – Alcácer do Sal 40 km 25 de Maio de 1920 Linha do Sado
Alcácer do Sal – Grândola 25 km 14 de Julho de 1918 Linha do Sado
Grândola – Canal Caveira 6 km 22 de Outubro de 1916 Linha do Sado
Canal Caveira – Lousal 13 km 20 de Setembro de 1916 Linha do Sado
Lousal - Alvalade 13 km 20 de Setembro de 1916 Linha do Sado
Alvalade - Garvão (Funcheira) 11 km 20 de Setembro de 1916 Linha do Sado
Garvão (Funcheira) - Amoreiras 6,626 km 3 de Junho de 1888 C.º de Ferro do Sul
Amoreiras - Odemira - Faro 113,830 km 1 de Julho de 1889 C.º de Ferro do Sul L.ª Algarve (Tunes a Faro)
Faro - Olhão 10 km 1 de Maio de 1904 C.º de Ferro do Sul Linha do Algarve
Olhão - Fuseta 8 km 1 de Setembro de 1904 C.º de Ferro do Sul Linha do Algarve
Fuseta - Luz 1 km 4 de Fevereiro de 1905 C.º de Ferro do Sul Linha do Algarve
Luz - Tavira 6 km 10 de Março de 1905 C.º de Ferro do Sul Linha do Algarve
Tavira - V. R. de Santo António 31 km 14 de Abril de 1906 C.º de Ferro do Sul Linha do Algarve
V. R. S. A. - V. R. S. A.-Guadiana 31 km 14 de Abril de 1906 C.º de Ferro do Sul Linha do Algarve

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Linha do Alentejo

Um dos primeiros projectos ferroviários em Portugal foi a apresentação, em 1844, de uma linha entre Alcácer do Sal e o Alentejo, de modo a complementar as deficientes ligações rodoviárias e marítimas nesta região.[16]

Estação original do Pinhal Novo, nos finais do Século XIX.

Troço entre o Pinhal Novo e Setúbal[editar | editar código-fonte]

Em meados do Século XIX, a Companhia Nacional dos Caminhos de Ferro ao Sul do Tejo propôs uma linha entre a região do Alentejo e margem Sul do Rio Tejo, onde se ligaria a Lisboa por via fluvial.[17] Este projecto foi dividido em duas metades pelo governo, sendo a Companhia Nacional responsável pelo troço desde a margem Sul até Vendas Novas, enquanto que a Companhia do Sueste deveria continuar a linha até Beja e Évora.[17]

Desta forma, a Companhia Nacional inaugurou o troço entre o Barreiro e Vendas Novas em 1 de Fevereiro de 1861, com um ramal entre o Pinhal Novo e Setúbal.[18] Ambos os lanços utilizavam originalmente a bitola padrão, enquanto que a Companhia do Sueste já tinha iniciado a construção além de Vendas Novas, em Bitola ibérica, forçando ao transbordo de passageiros e mercadorias entre comboios naquela estação.[19] De forma a tentar resolver este problema, o governo nacionalizou a Companhia Nacional em finais de 1861, e fundiu-a com a Companhia do Sueste em 1864.[20] O contrato entre o governo e a Companhia do Sueste incluía a obrigatoriedade de mudar a bitola das antigas linhas da Companhia Nacional, e a construção de uma nova estação em Setúbal, num local diferente.[21] No ano seguinte, esta empresa começou a alterar a bitola nas antigas linhas da Companhia Nacional, incluindo o Ramal de Setúbal.[22] Em 1869, a Companhia do Sueste também foi nacionalizada, ficando o estado a explorar directamente a rede ferroviária, formando a divisão dos Caminhos de Ferro do Sul e Sueste.[23]

Originalmente, o Ramal de Setúbal tinha sido construído utilizando carris de ferro em forma de T duplo assimétrico, no sistema champignon simples, com um peso de 30 Kg por metro, seguros por coxins.[24] Os carris foram parcialmente substituídos por outros mais resistentes, quando a Companhia do Sueste alargou a bitola da via férrea, tendo os antigos carris sido utilizados noutras linhas, como o lanço entre Beja e Quintos do Ramal de Moura.[24] Após a integração da divisão do Sul e Sueste, passou a usar carris de aço de perfil vignole, com 30 Kg, do tipo padrão nos caminhos de ferro estatais.[24]

Antiga Ponte Ferroviária de Magra, ao PK 237,835 da Linha do Sul, demolida na primeira metade do Século XX.

Troço entre a Funcheira e Tunes[editar | editar código-fonte]

Os troços do Barreiro a a Vila Real de Santo António, via Beja, foram construídos originalmente como parte do Caminho de Ferro do Sul, igualmente denominado de Linha do Sul.[25] Assim, o lanço entre a Funcheira e Amoreiras-Odemira entrou ao serviço, junto com o troço entre a Funcheira e Casével, em 3 de Junho de 1888, enquanto que o tramo de Amoreiras a Faro abriu à exploração em 1 de Julho de 1889.[25]

Plano da Rede ao Sul do Tejo, incluindo o projecto de Setúbal até Garvão. Nessa altura, o projecto para Sines iniciava-se em Grândola.

Troço entre Setúbal e Funcheira[editar | editar código-fonte]

Primeira fase[editar | editar código-fonte]

Em 1877, o engenheiro e político Sousa Brandão defendeu a continuação da linha de Setúbal até ao Algarve, porque proporcionava uma viagem mais rápida até esta região a partir de Lisboa do que o Caminho de Ferro do Sul, que tinha de dar a volta por Beja.[26] Por outro lado, esta linha seria de fácil construção, apenas se verificando algumas dificuldades na transição do Esteiro da Marateca, e passaria por zonas de elevada produção florestal, mineira e agrícola, no vale do Rio Sado.[26] Esta região, apesar de bastante rica, tinha graves problemas de comunicações, que se esperava que fossem resolvidos pelo caminho de ferro.[27]

Com efeito, em 1872 e 1880 foram registados várias jazidas mineiras no concelho de Grândola[28], e quando se iniciou a exploração das minas, como as da Caveira, Santa Juliana e Aljustrel, o principal meio de transporte eram as carroças dos almocreves, que carregavam a produção mineira até ao porto fluvial de Alcácer do Sal.[29] Nalguns casos, este tráfego continuou mesmo após a construção do caminho de ferro.[29] Ainda na Década de 1860, tinha sido estudada uma linha desde a mina da Caveira até Alcácer do Sal, tendo-se chegado à conclusão que não seria muito dispendiosa, mas este projecto não chegou a avançar, tendo-se continuado a utilizar os carros a tracção animal.[30] Os registos das jazidas de minério no concelho estiveram relacionados com os projectos para a construção da Linha do Sado.a[28]

Assim, o governo começou a planear a construção desta linha, tendo o concurso sido aberto por uma lei de 29 de Março de 1883, e outra lei, de 17 de Setembro, ordenou que o estado fizesse a construção do troço entre a estação de Setúbal e a margem do Rio Sado.[26] Em 1898, um decreto ordenou a formação de duas comissões técnicas para elaborarem os planos das redes ferroviárias a Norte do Rio Mondego e a Sul do Rio Tejo, tendo este último sido oficialmente concluído em 15 de Maio de 1899.[31] Entre os vários projectos classificados pelo Plano da Rede Ferroviária ao Sul do Tejo, estava a Linha do Sado, do Pinhal Novo a Garvão, incorporando o Ramal de Setúbal.[31] Esta linha foi bem aceite pelas corporações consultivas, tendo sido considerada como prioritária pelo jornalista José Fernando de Sousa, que participou na comissão técnica.[31]

O prolongamento até à margem do Sado foi autorizado por uma lei de 14 de Julho de 1899, tendo uma lei de 12 de Julho de 1901 disponibilizado 40.000$000 para auxiliar no pagamento das despesas deste projecto, e facultado à autarquia de Setúbal os meios para a preparação do terrapleno, onde iria ser construída a estação fluvial.[26] Em 16 de Março de 1902, a Gazeta dos Caminhos de Ferro noticiou que já corriam as obras no lanço da estação de Setúbal até à margem do Rio Sado.[32]

A Linha do Sado foi classificada pelo Plano Oficial da Rede ao Sul do Tejo, decretado em 27 de Novembro de 1902, embora o facto de ter o seu ponto inicial no Pinhal Novo tenha provocado alguma polémica.[26] Nesta altura, estavam a ser ponderadas duas alternativas para o traçado inicial: a Linha poderia continuar a partir do Ramal de Setúbal, e assim abranger directamente aquela cidade, e o seu Porto, mas teria de atravessar o Esteiro da Marateca, cuja passagem se previa bastante dispendiosa; a alternativa, a partir do Poceirão, evitaria estas dificuldades, mas a Linha deixaria de passar por Setúbal.[27] A Linha do Sado também deveria passar por Alcácer do Sal e junto a Grândola, por motivos económicos e geográficos.[27] Em Grândola ou em Alvalade, deveria entroncar com o Ramal de Sines.[27] Um diploma do Ministério das Obras Públicas, datado de 28 de Novembro, ordenou a realização dos estudos para as linhas que ainda não tinham projectos e orçamentos, sendo a Linha do Sado considerada prioritária.[27]

Naquele documento, também foi inserida a construção de um caminho de ferro, de carros eléctricos, entre o Seixal ou o Barreiro, até Sesimbra, passando por Azeitão; este projecto devia-se à cobertura insuficiente do Ramal de Setúbal, em relação à Península.[27]

A construção da Linha do Sado foi referida numa proposta de lei de 24 de Abril do ano seguinte, e a lei de 1 de Julho estabeleceu que o traçado deveria passar pelas localidades de Setúbal e Alvalade, tendo a sua construção foi ordenada por uma portaria de 6 de Outubro de 1903; a directriz deste empreendimento foi determinada por uma portaria de 19 de Abril de 1904.[26] Em 1907, foi concluída a linha entre Setúbal e a margem do Rio Sado, onde foi instalada uma estação fluvial.[26]

Gare de Alcácer do Sal, em 2009.

Segunda fase[editar | editar código-fonte]

Uma lei de 27 de Outubro de 1909 ordenou que se continuasse a linha até Garvão, tendo o concurso para a empreitada geral sido aberto por um decreto de 6 de Novembro do mesmo ano.[26] O projecto da variante entre Cachofarra e Gâmbia foi apresentado pela Direcção de Sul e Sueste dos Caminhos de Ferro do Estado em 4 de Junho de 1912, tendo sido aprovado por uma portaria de 14 de Junho, que ordenou a construção do troço até Alcácer do Sal.[33]

A construção da Linha do Sado iniciou-se a partir de Garvão, em 11 de Setembro de 1911, tendo o troço até Alvalade entrado ao serviço em 23 de Agosto de 1914, até Lousal em 1 de Agosto do ano seguinte, Canal Caveira no dia 20 de Setembro de 1916, Grândola em 22 de Outubro do mesmo ano, e até à estação provisória de Alcácer do Sal, na margem Sul do Rio Sado, em 14 de Julho de 1918; a inserção definitiva com a Linha do Sul foi instalada na Funcheira, em princípios de 1919.[26] A linha chegou à margem norte do Rio Sado em 25 de Maio de 1920, tendo sido aberta a estação definitiva de Alcácer do Sal e extinta a interface provisória na outra margem; até à inauguração da ponte definitiva, em 1 de Junho de 1925, a travessia era feita através de uma ponte de serviço, com muitas restrições.[26][34]

Entretanto, nos primeiros anos da República Portuguesa, a empresa proprietária das Minas de Aljustrel pediu ao governo para construir um ramal para o transporte da sua produção, que poderia terminar em Alvalade, na futura Linha do Sado, ou no Carregueiro, na Linha do Alentejo.[35] Foi escolhido este último traçado, tendo o ramal, sido construído na Década de 1920.[35]

Em 1927, os antigos Caminhos de Ferro do Estado foram integrados na Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, que começou a explorar a antiga rede do Sul e Sueste em 11 de Maio desse ano.[4] Nesse ano foram iniciados novos serviços rápidos, que ligavam o Algarve à capital em cerca de 6 horas.[36]

Obras de via no Pinhal Novo, em 1934

Década de 1930[editar | editar código-fonte]

Em meados da Década de 1930, o grupo SAPEC iniciou a exploração das Minas do Lousal, devido, entre outros factores, à conclusão da via férrea até Setúbal, permitindo a exportação do minério para o estrangeiro.[37] Nessa década, foi construída a primeira fábrica que utilizava as pirites de Grândola.[38]

A partir da Década de 1930, iniciou-se uma fase de crise dos caminhos de ferro em Portugal, provocada principalmente pelo desenvolvimento dos transportes rodoviários.[4] Com efeito, nos princípios do Século os acessos por estrada entre Lisboa e o Algarve eram muito deficientes; por exemplo, em 1914, ainda não era possível deslocar-se de automóvel entre a capital e o Algarve, porque ainda não tinha sido concluídos os lanços de estrada entre Ervidel e Aljustrel, e entre Almodôvar e São Brás de Alportel.[39]

Desastre do Rápido do Algarve[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Desastre do Rápido do Algarve

Em 13 de Setembro de 1954, uma composição descarrilou entre o Apeadeiro de Pereiras e a Estação de Santa Clara-Sabóia, provocando entre 29 a 34 vítimas mortais e cerca de 50 feridos.[40]

Década de 1970[editar | editar código-fonte]

Em 1977, foi lançado o sistema de classe única em vários troços da rede nacional, incluindo nos comboios entre o Barreiro e Praias-Sado.[41]

Modernização[editar | editar código-fonte]

Em 1990, foi a concurso o Projecto SISSUL (Sistemas Integrados de Sinalização do Sul), que tinha como objectivo instalar sinalização electrónica em todas as estações e na plena via do chamado Itinerário do Carvão, entre Ermidas-Sado e a Central Termoeléctrica do Pego, que na Linha do Sado corresponde ao troço até Águas de Moura, e no troço até Pinhal Novo via Setúbal.[42] Para controlo de tráfego, foram instalados dois centros de telecomando do tipo Centralized traffic control, um no Entroncamento e outro em Setúbal, utilizando o sistema Solid State Interlocking.[42]

Nos princípios da Década de 1990, iniciou-se o transporte do carvão por via ferroviária, de Sines para a Central do Pego, com o nome do Itinerário dos Granéis.[14]

Nos dias 9 e 10 de Maio de 1995, foi realizado um comboio especial entre o Pinhal Novo e Faro para transportar o Secretário de Estado das Obras Públicas e outros representantes do governo, que foram visitar as obras da Junta Autónoma das Estradas no Algarve, especialmente a Via do Infante.[43] Durante o viagem para o Algarve, a comitiva também visitou Sines, tendo feito esse percurso igualmente de comboio.[43]

Aspecto da ligação ferroviária entre o Túnel do Pragal e a Ponte 25 de Abril, na Linha do Sul.

Ligação a Lisboa[editar | editar código-fonte]

Primeira fase[editar | editar código-fonte]

Ao longo da história, o Rio Tejo foi o principal eixo de comunicação entre as suas duas margens; durante a fase de desenvolvimento dos transportes em Portugal, a partir dos meados do Século XIX, procurou-se melhorar as condições em que se fazia a travessia, através da introdução de embarcações a vapor, e da construção dos caminhos de ferro até à margem Sul.[44]

Já em meados do Século XX, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses tinha iniciado esforços no sentido de construir uma ligação ferroviária directa entre as duas margens do Rio Tejo, junto a Lisboa.[4] Pensou-se em utilizar a ponte sobre o Tejo para este fim, mas esta primeira tentativa falhou, embora a ponte tenha ficado desde logo preparada para uma futura instalação das vias férreas.[45]

Nas últimas décadas do Século XX, a cidade de Lisboa registava várias deficiências com a sua rede de transportes colectivos, que causaram graves problemas a nível económico e social, e levaram a um desenvolvimento massivo do uso do transporte individual.[46] Um dos problemas mais notórios era a circulação entre as duas margens do Tejo, feita maioritariamente pelo eixo fluvial, solução que era considerada muito deficiente em relação às necessidades de transporte.[46] Com efeito, além de ser o local de residência para muitas das pessoas que trabalhavam na capital, a margem Sul também era o ponto terminal dos caminhos de ferro provenientes da região Sul, através das Linhas do Alentejo e do Sado.[46] Por outro lado, com a recente integração na União Europeia esperava-se uma maior facilidade na movimentação de bens e pessoas a vários níveis, o que obrigou ao desenvolvimento dos eixos de comunicações, tanto a nível urbano como internacional[46], tendo sido identificados, neste sentido, vários eixos ferroviários entre Portugal e Espanha, incluindo um entre a capital e Vila Real de Santo António, que ligava Lisboa ao Sul de Espanha.[47] Outro ponto relacionava-se com o facto de Lisboa ser um pólo de concentração de transportes, incluindo os ferroviários, sendo local obrigatório de passagem por parte dos utilizadores que se queriam deslocar de Norte para Sul e vice-versa, transição que se tornava complicada devido ao transbordo forçado do rio.[46] Com efeito, em 1965, 77% do tráfego ferroviário nacional pertencia ao eixo entre Braga e Faro.[48]

Por estes motivos, retomou-se a ideia de construir uma ligação ferroviária sobre o Rio Tejo junto à capital, tendo-se determinado o aproveitamento da Ponte 25 de Abril para este fim.[46] Para este fim, foi criado em 1987 o Gabinete do Nó Ferroviário de Lisboa.[49] Em 1991, a política dos transportes tinha como fim desenvolver e flexibilizar os meios de comunicação para passageiros e mercadorias, através da coordenação e articulação dos transportes urbanos e suburbanos no sentido da intermodalidade, aumentar a capacidade de oferta das redes urbanas, e impulsionar a construção das infra-estruturas de acesso às cidades de Lisboa e Porto.[46] Um das principais medidas tomadas no âmbito desta política foi a aceleração do projecto para a travessia ferroviária sobre o Tejo.[46]

Em 1992, o Conselho de Ministros aprovou a instalação dos caminhos de ferro na Ponte 25 de Abril.[49] Nesse ano, iniciou-se o serviço Comboio Azul, que ligava o Porto ao Algarve aos fins de semana, e que foi complementado com o transporte de automóveis até Faro em 1996.[49]

Segunda fase[editar | editar código-fonte]

Na Década de 1990, o Gabinete do Nó Ferroviário de Lisboa iniciou um conjunto de intervenções nos caminhos de ferro na margem Sul, no âmbito do projecto da travessia ferroviária do Tejo pela Ponte 25 de Abril, que iria ligar a rede ferroviária na margem Sul à Linha de Cintura, em Lisboa.[50] Esta ligação permitiu o estabelecimento de comboios suburbanos entre as duas margens do rio e a Península de Setúbal, e de comboios de longa distância directos entre a capital e as regiões do Sul do país.[50] Desta forma, foi construído um novo troço desde Campolide até ao Pinhal Novo, em via dupla electrificada.[50] A estação de Campolide foi alvo de um processo de ampliação, e foram construídas novas interfaces ferroviárias, como as do Pragal e Fogueteiro.[50] Na primeira fase, o primeiro troço a ser construído na margem Sul foi até Coina, embora os serviços de passageiros só fossem até ao Fogueteiro, formando um eixo até Roma-Areeiro.[50] Em 1998, entrou ao serviço o troço entre Coina e Fogueteiro, e em 1999 foi inaugurada a travessia ferroviária pela Ponte 25 de Abril, ultrapassando pela primeira vez o problema de fazer os comboios circular entre as margens do Rio Tejo junto a Lisboa, que existia há quase 150 anos.[5] Nesse ano, iniciaram-se os serviços urbanos entre Lisboa e a margem Sul, explorados pela empresa Fertagus.[51]

Posteriormente foi construído o troço seguinte, de Coina até Penalva.[50] Já existia um troço construído entre Penalva e Pinhal Novo, que servia como ligação à AutoEuropa, em Palmela, que foi duplicado e adaptado a tracção eléctrica.[50] Numa terceira fase, foi remodelado o lanço entre Pinhal Novo e Setúbal, que também passou a via dupla e foi electrificado.[50] Entretanto, em 1997 foi criada a Rede Ferroviária Nacional, empresa que ficou responsável pela exploração das infra-estruturas ferroviárias, ficando os Caminhos de Ferro Portugueses apenas com a gestão dos comboios.[5]

Ao mesmo tempo, foram feitas obras de modernização noutros troço da Linha do Sul, de forma a melhorar os comboios entre Lisboa e o Algarve, e possibilitar a circulação dos comboios Alfa Pendular.[5] Esta intervenção, executada pela Rede Ferroviária Nacional, incluiu a construção de uma nova plataforma para a via férrea ao longo da Linha do Sul, e obras de consolidação e reperfilamento de taludes no lanço entre Luzianes e São Marcos da Serra.[52]

Em 20 de Junho de 2003, foi organizado um comboio especial de Lisboa até Faro, transportando o ministro das Obras Públicas, Carmona Rodrigues e outros convidados, para uma viagem experimental e de inspecção às obras da Linha do Sul.[53] O ministro garantiu, nessa altura, que em meados de Julho desse ano seria possível realizar um serviço directo de passageiros entre Oriente ou Entrecampos até Faro, sem necessitar de transbordo no Barreiro.[53] Previa-se que em Maio de 2004, data de conclusão das obras, uma grande porção da linha até ao Algarve estaria pronta para velocidades de 160 Km/h, e que em alguns troços poderia-se atingir os 220 km/h, de forma a que os comboios Alfa Pendular consigam percorrer o trajecto entre Lisboa e Faro em 2 horas e 45 minutos.[53] A operadora Caminhos de Ferro Portugueses previa a realização de um comboio deste tipo em cada sentido, e de 3 ou 4 comboios Intercidades por dia, que demorariam cerca de 4 horas e 30 minutos.[53] Segundo Carmona Rodrigues, devido ao facto da linha ainda não estar totalmente equipada com tracção eléctrica e sinalização moderna, inicialmente existiria uma solução intermédia, que demoraria cerca de 4 horas e meia, e que serviria para anunciar ao público que já se podia fazer uma viagem directa entre a capital e o Algarve.[53] No entanto, não se previa que após a abertura da linha os comboios suburbanos fossem desde logo prolongados até Setúbal e Praias-Sado, uma vez que essa concessão ainda estava a ser discutida com a Fertagus, cujos comboios apenas iam de Lisboa ao Fogueteiro.[53] Para prolongar os seus serviços, aquela empresa necessitava de mais comboios, além que ainda não tinham sido definidos os volumes de tráfego a partir dos quais a exploração seria subsidiada pelo governo.[53]

Durante a viagem experimental, foi realizada uma reunião numa das carruagens VIP, entre o ministro e representantes das operadoras Caminhos de Ferro Portugueses e Rede Ferroviária Nacional e do Instituto Nacional do Transporte Ferroviário, que durou cerca de 2 horas.[53] O comboio parou em Coina e na Funcheira para visitar as obras, seguindo depois para Faro, tendo acumulado algum atraso pelo caminho, devido à necessidade de parar a marcha para fazer o cruzamento com os comboios regulares.[53] Assim, o comboio chegou a Faro às 16h00 em vez das 15h20, como estava previsto.[53] No final da viagem, o ministro elogiou as obras, e defendeu a ideia de fazer passar os comboios enquanto ainda decorriam os trabalhos, afirmando que o seu custo, de cerca de 1 milhão de Euros, não seriam relevantes, considerando que o projecto global era orçado em 370 milhões de Euros, que não iriam atrasar as obras em curso, e que existiriam vantagens em ter desde logo comboios directos para o Algarve.[53] Carmona Rodrigues referiu igualmente as obras que estavam a ser feitas nas Linhas do Norte e do Minho e no Ramal de Braga, com o objectivo de criar um corredor ferroviário ao longo do litoral, desde o Minho até ao Algarve, região que concentrava 85% da população portuguesa, e que seria de grande utilidade especialmente durante o Campeonato Europeu de Futebol de 2004.[53] Durante a viagem, o ministro foi questionado sobre as previsões de uma possível explosão urbanística nas zonas da Coina e Penalva devido à presença dos novos meios de comunicação.[53] Carmona Rodrigues, em resposta, declarou que os municípios possuíam instrumentos legais para a ordenação do território, e que em parte a construção do novo troço foi uma objecção às críticas feitas ao governo, que era acusado de construir as infra-estruturas de transportes só depois de terem sido feitas as urbanizações, o que neste caso não estava a acontecer.[53] O regresso da viagem foi feito por estrada.[53]

Ainda em 2003, iniciaram-se os serviços directos entre Faro e a Gare do Oriente, e em 2004 os comboios Alfa Pendular começaram a percorrer todo o Eixo Atlântico, de Braga a Faro.[5]

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Nos finais de 2001, já se encontravam a ser realizados os trabalhos de modernização desta Linha, tendo sido entregues à empresa Ferrovias.[6] Em 2004 concluiu-se uma renovação integral e electrificação da ferrovia entre o Pinhal Novo e Tunes permitindo em alguns troços que os serviços Alfa Pendular atinjam velocidades de 220 km/h. Circulam, igualmente, pesados comboios carvoeiros com 2200 toneladas.

Série 1960 a fazer serviço especial, a passar pelo Variante de Alcácer.

Variante de Alcácer[editar | editar código-fonte]

Construído entre 2007 e 2010 pela TPF planege e com um custo de cerca de 159 milhões de euros[54], a Variante de Alcácer tem aproximadamente 29 km extensão, incluindo quatro viadutos em qual o primeiro é sobre a ribeira de S. Martinho com 852 metros, o segundo pela ribeira de Água Cova com 271 metros, o terceiro pelo o Rio Sado com aproximadamente 2735 metros e o último sobre o IC1 com 52 metros. Localizado entre a Estação do Pinheiro e o km 94,700, o objectivo era reforçar a competitividade do Porto de Sines e reduzir o tempo de percurso entre Lisboa - Algarve, aumentar a segurança do mesmo percurso[54]. Atualmente a variante usa uma linha apesar de ser construída para duas. Entrentanto o antigo traçado ainda continua em operação mas no entanto a os serviços de passageiros foram abatidos ao serviço. Apesar de ter sido inaugurado em 12 de Dezembro de 2010[55], a variante já estava em uso por causa de um descarrilamento junto à Ponte Ferroviária de Alcácer do Sal que obrigou o uso da variante.[56][57]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Linha do Sul

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Estudo com três variantes, sobre cartas IGeoE M888
  2. MARTINS et al, 1996:51
  3. REIS et al, 2006:26
  4. a b c d REIS et al, 2006:63
  5. a b c d e f REIS et al, 2006:202-203
  6. a b c CONCEIÇÃO, Marcos A. (2001). «Caminhos de Ferro Portugueses: Cambios en la Tracción». Maquetren (em espanhol). 10 (100). Madrid: Revistas Profesionales. pp. 74, 75 
  7. BRASÃO, Carlos (1995). «Las "Flausinas" en HO o la transformación del modelo ROCO». Maquetren (em espanhol). 4 (36). Madrid: A. G. B., s. l. pp. 26, 28. ISSN 1132-2063 
  8. «Concurso Fotografico». Maquetren (em espanhol). 3 (21) [S.l.: s.n.] 1994. p. 26 
  9. a b REIS et al, 2006:220
  10. REIS et al, 2006:182, 213
  11. CAVACO, 1976:436
  12. CAVACO, 1976:438-439
  13. CAVACO, 1976:435-438
  14. a b REIS et al, 2006:181
  15. REIS et al, 2006:222
  16. MARTINS et al, 1996:8-11
  17. a b SANTOS, 1995:107
  18. MARTINS et al, 1996:242
  19. SANTOS, 1995:108
  20. SANTOS, 1995:109
  21. SANTOS, 1995:113
  22. TORRES, Carlos Manitto (1 de Fevereiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1683) [S.l.: s.n.] pp. 76–78. Consultado em 8 de Fevereiro de 2017 
  23. REIS et al, 2006:26
  24. a b c SOUSA, José Fernando de (1 de Fevereiro de 1903). «O material de via das Linhas do Estado» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (363) [S.l.: s.n.] pp. 33–35. Consultado em 13 de Fevereiro de 2017 
  25. a b «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 69 (1652) [S.l.: s.n.] 16 de Outubro de 1956. pp. 528–530. Consultado em 10 de Fevereiro de 2017 
  26. a b c d e f g h i j TORRES, Carlos Manitto (16 de Fevereiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1684) [S.l.: s.n.] pp. 91–95. Consultado em 8 de Fevereiro de 2017 
  27. a b c d e f «Parte Official» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (360) [S.l.: s.n.] 16 de Dezembro de 1902. pp. 381–384. Consultado em 8 de Fevereiro de 2017 
  28. a b GUIMARÃES, 2001:133
  29. a b GUIMARÃES, 2001:118
  30. GUIMARÃES et al, 2001:81-82
  31. a b c SOUSA, José Fernando de (1 de Dezembro de 1902). «A rêde ferro-viaria ao Sul do Tejo» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (359) [S.l.: s.n.] pp. 354–356. Consultado em 13 de Fevereiro de 2017 
  32. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (342) [S.l.: s.n.] 16 de Março de 1902. p. 92. Consultado em 13 de Fevereiro de 2017 
  33. PORTUGAL. Portaria de 14 de Junho de 1912. Ministério do Fomento - Caminhos de Ferro do Estado. Publicado em 18 de Junho de 1912.
  34. REIS et al, 2006:62
  35. a b GUIMARÃES, 2001:105-109
  36. GUERREIRO, 1983:13
  37. GUIMARÃES, 2001:56
  38. GUIMARÃES, 2001:83
  39. MARQUES, 2014:183
  40. «O Descarrilamento do "Rápido" do Algarve» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 67 (1605) [S.l.: s.n.] 1 de Novembro de 1954. pp. 305–309. Consultado em 8 de Fevereiro de 2017 
  41. REIS et al, 2006:150
  42. a b MARTINS et al, 1996:158-159
  43. a b A Rede Rodoviária Nacional, Anexo 4
  44. TORRES et al, 2007:107-115
  45. BARRETO e MÓNICA, 1999:226
  46. a b c d e f g h REIS e AMARAL, 1991:135-136
  47. REIS e AMARAL, 1991:131
  48. REIS et al, 2006:103
  49. a b c REIS et al, 2006:150
  50. a b c d e f g h MARTINS et al, 1996:217
  51. REIS et al, 2006:224
  52. REIS et al, 2006:226
  53. a b c d e f g h i j k l m n o CIPRIANO, Carlos (21 de Junho de 2003). «Ministro garante comboios directos para o Algarve em Julho». Público. 14 (4839). Lisboa: Público, Comunicação Social, S. A. p. 50 
  54. a b «Variante de Alcácer». Rede Ferroviária Nacional. 19 de Dezembro de 2010. Consultado em 8 de Outubro de 2014 
  55. «Variante de Alcácer». Rede Ferroviária Nacional. 13 de Dezembro de 2010. Cópia arquivada desde o original em 13 de Outubro de 2014. Consultado em 8 de Outubro de 2014 
  56. «Comboio de mercadorias descarrila na Linha do Sul». Correio da Manhã. 27 de Outubro de 2010. Consultado em 8 de Outubro de 2014 
  57. Nuno P. Chorão e Carlos Cipriano (28 de Outubro de 2010). «Refer admite recorrer à variante de Alcácer para reabrir Linha do Sul até ao Algarve». PÚBLICO. Consultado em 8 de Outubro de 2014 
CP-USGL + Soflusa + Fertagus

(Serviços ferroviários suburbanos de passageiros na Grande Lisboa)
Serviços: BSicon uBHFq.svg Sado (CP+Soflusa)BSicon fBHFq.svg Sintra (CP)
BSicon uexBHFq.svg FertagusBSicon BHFq.svg Azambuja (CP)BSicon BHFq yellow.svg Cascais (CP)


(n) Azambuja 
Unknown route-map component "c"
Unknown route-map component "cd" + Head station
Urban head station
 Praias do Sado-A (u)
(n) Esp. Azambuja 
Unknown route-map component "c"
Unknown route-map component "cd" + Station on track
Urban station on track
 Pç. do Quebedo (u)
(n) V. N. Rainha 
Unknown route-map component "c"
Unknown route-map component "cd" + Station on track
Unknown route-map component "uBHF-L" Unknown route-map component "uexKBHF-Ra"
 Setúbal (u)
(n) Carregado 
Unknown route-map component "c"
Unknown route-map component "cd" + Station on track
Unknown route-map component "uBHF-L" Unknown route-map component "uexBHF-R"
 Palmela (u)
(n) Cast. Ribatejo 
Unknown route-map component "vKBHFa-BHF" Unknown route-map component "uBHF-L" Unknown route-map component "uexBHF-R"
 Venda do Alcaide (u)
(n) Vila Franca de Xira 
Unknown route-map component "vBHF" Unknown route-map component "uBHF-L" Unknown route-map component "uexBHF-R"
 Pinhal Novo (u)(a)
(n) Alhandra 
Unknown route-map component "vBHF" Urban station on track Unused straight waterway
 Penteado (a)
(n) Alverca 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdKBHF-La" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Moita (a)
(n) Póvoa 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Alhos Vedros (a)
(n) Santa Iria 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Baixa da Banheira (a)
(n) Bobadela 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Lavradio (a)
(n) Sacavém 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Barreiro-A (a)
(n) Moscavide 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Barreiro (a)
(n) Oriente 
Unknown route-map component "fvKBHFa-BHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Unknown route-map component "uTRAJEKT" Unused straight waterway
 (Soflusa)
(n)(z) Braço de Prata 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban End station Unused straight waterway
 Terreiro do Paço (a)
(n) Santa Apolónia 
Unknown route-map component "fvSTR" Unknown route-map component "vSTRgl" Transverse terminus from right Unknown route-map component "uexBHF"
 Penalva (u)
(z) Marvila 
Unknown route-map component "fvSTR" Station on track Unknown route-map component "uexBHF"
 Coina (u)
 
Unknown route-map component "fvSTR" Unknown route-map component "KRWl" Unknown route-map component "KRW+r" Unknown route-map component "uexBHF"
 Fogueteiro (u)
(z) Roma - Areeiro 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "uexKBHF-Ma" Unknown route-map component "BHF-R" Unknown route-map component "uexBHF"
 Foros de Amora (u)
(z) Entrecampos 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "uexBHF-M" Unknown route-map component "BHF-R" Unknown route-map component "uexBHF"
 Corroios (u)
(z)(7) Sete Rios 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "uexBHF-M" Unknown route-map component "BHF-R" Unknown route-map component "uexBHF"
 Pragal (u)
 
Unknown route-map component "fvSTR"
Unused waterway turning left + Unknown route-map component "fvSTR+l-"
Unknown route-map component "fSTRq" + Interchange on track
Unused waterway turning right + Unknown route-map component "fSTRlg"
 Campolide (z)(s)(u)*
(s) Benfica 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "d" Straight track Unknown route-map component "fKBHFe"
 Rossio (s)
(s) Sta. Cruz / Damaia 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "d" Straight track Unknown route-map component "KBHFa yellow"
 Cais do Sodré (c)
(s) Reboleira 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "d" Straight track Unknown route-map component "BHF yellow"
 Santos (c)
**(z) Alcântara - Terra 
Unknown route-map component "fvSHI1l"
Unknown route-map component "fSHI1c3" + Unknown route-map component "fSHI1+r"
End station + Hub
Unknown route-map component "BHF yellow" + Hub
 Alcântara - Mar (c)**
(s) Amadora 
Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Belém (c)
(s) Queluz - Belas 
Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Algés (c)
(s) Monte Abraão 
Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Cruz Quebrada (c)
(s) Massamá-Barcarena 
Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Caxias (c)
(s)(o) Agualva-Cacém 
Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Paço de Arcos (c)
(o) Mira Sintra-Meleças 
Unknown route-map component "fKBHFe" + Unknown route-map component "fSHI1c1"
Unknown route-map component "fvSHI1+r" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Santo Amaro (c)
(s) Rio de Mouro 
Unknown route-map component "fvBHF" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Oeiras (c)
(s) Mercês 
Unknown route-map component "fvBHF" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Carcavelos (c)
(s) Algueirão - Mem Martins 
Unknown route-map component "fvBHF" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Parede (c)
(s) Portela de Sintra 
Unknown route-map component "fvBHF" Unknown route-map component "BHF yellow"
 S. Pedro Estoril (c)
(s) Sintra 
Unknown route-map component "fvKBHFe" Unknown route-map component "BHF yellow"
 S. João Estoril (c)
 
Unknown route-map component "BHF yellow"
 Estoril (c)
(c) Cascais 
Unknown route-map component "KBHFl yellow" Unknown route-map component "BHFq yellow" Unknown route-map component "STRrf yellow"
 Monte Estoril (c)

Linhas: a L.ª Alentejoc L.ª Cascaisz L.ª Cintura
n L.ª Norteo L.ª Oestes L.ª Sintrau L.ª Sul7 C.ª 7 R.
(*) vd. Campolide-A (**) vd. Pass. Sup. Alcântara

Fonte: Página oficial, 2013.02
(nomes das estações de acordo com a fonte)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • A Rede Rodoviária Nacional. Lisboa: Junta Autónoma de Estradas, 1995. 52 p.
  • CAVACO, Carminda. O Algarve Oriental: As Vilas, O Campo e o Mar. Faro: Gabinete de Planeamento da Região do Algarve, 1976. 492 p. vol. II.
  • GUERREIRO, Aníbal. História da Camionagem Algarvia (de passageiros) 1925-1975 (da origem à nacionalização). Vila Real de Santo António: Edição do autor, 1983. 233 p.
  • GUIMARÃES, Paulo. Indústria e conflito no meio rural: Os mineiros alentejanos (1858-1938). Lisboa: Edições Colibri e Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora, 2001. 366 p. ISBN 972-772-269-5
  • MARQUES, Ricardo. 1914: Portugal no ano da Grande Guerra. 1.ª ed. Alfragide: Oficina do Livro - Sociedade Editora, Lda., 2014. 302 p. ISBN 978-989-741-128-1
  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel et al. O Caminho de Ferro Revisitado: O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses, 1996. 446 p.
  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto et al. Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP - Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A., 2006. 238 p. ISBN 989-619-078-X
  • SANTOS, Luís Filipe Rosa. Os Acessos a Faro e aos Concelhos Limítrofes na Segunda Metade do Séc. XIX. Faro: Câmara Municipal de Faro, 1995. 213 p.
  • TORRES, Alcídio; AZEVEDO, Rosa Bela; LEAL, Armando. Montijo (Aldeia Galega): Cem anos de História Municipal. 14.ª ed. Lisboa: Âncora Editora, 2007. 339 p. ISBN 972-780-124-2

Leitura recomendada[editar | editar código-fonte]

  • Ligação Lisboa - Algarve: troço Pinhal Novo - Faro. Lisboa: Rede Ferroviária Nacional - REFER EP, 2004. 47 p.
  • Sem Margens – Intervenções Plásticas nas Estações da Travessia Ferroviária Norte-Sul. Lisboa: Rede Ferroviária Nacional, 2001.
  • CERVEIRA, Augusto; CASTRO, Francisco Almeida e. Material e tracção: os caminhos de ferro portugueses nos anos 1940-70. Lisboa: CP-Comboios de Portugal, 2006. 270 p. ISBN 989-95182-0-4
  • MEDEIROS, Carlos Russo et al. Variante de Alcácer. Lisboa: Rede Ferroviária Nacional, 2010. 191 p. ISBN 978-972-98557-8-8
  • MEISEL, Maria Leonor. Sado: economia, sustentabilidade e qualidade de vida. Alcácer do Sal e Lisboa: Câmara Municipal de Alcácer do Sal e Edições Colibri, 2003. 118 p. ISBN 972-772-381-0

Ligações externas[editar | editar código-fonte]