Série 3500 da CP

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Automotora da Série 3500, a fazer um serviço urbano da companhia Comboios de Portugal, junto a Xabregas.

A Série 3500 (3501-3519) + (3519-3530 e 3569-3580) refere-se a um tipo de automotora utilizada pelas operadoras Fertagus e Comboios de Portugal em serviços suburbanos da Área Metropolitana de Lisboa, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1998, a operadora Caminhos de Ferro Portugueses encomendou, às empresas GEC Alsthom e Construcciones y Auxiliar de Ferrocarriles, trinta automotoras de dois pisos, para satisfazer a procura de serviços urbanos na Grande Área Metropolitana de Lisboa.[1] Aquela companhia cedeu 18 unidades à Fertagus, para serem utilizadas no Eixo Ferroviário Norte-Sul,[2][3] e ficou com 12 unidades, para circularem na Linha da Azambuja.[3]

No primeiro grupo, destinado à Fertagus, previa-se a entrega da primeira automotora para Outubro de 1998, devendo a última entrar em serviço em Maio de 1999; as doze unidades seguintes seriam recebidas desde Maio até Novembro do mesmo.[3] Este último grupo entrou ao serviço ainda em 1999.[4] Estas foram as primeiras automotoras de dois pisos utilizadas em Portugal.[3]

Desde Novembro de 2013, com a reestruturação de material circulante da CP, estes veículos asseguram a ligação Sintra - Rossio.[5] Continuam nas ligações entre Lisboa e Coina/Setúbal, da Fertagus.

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Fertagus train Lisbon estacao Corroios Portugal.JPGPortuguese train type 3500 at Lisboa Alcantara Terra train station.jpg3500 CP - Lisboa Rossio - 2014-03-18 - dominique Bernardini.jpg
Librés: Fertagus (azul), USGL pré-2011 (verde), USGL (vermelha)

Lotação, acessos e informação ao público[editar | editar código-fonte]

Devido aos seus dois pisos,[2] estas automotoras podem transportar cerca de 40% mais passageiros do que as suas congéneres tradicionais,[3] detendo capacidade para 476 passageiros.[4] Em cada veículo motor, nas pontas da automotora, encontra-se, ainda, um lugar reservado para cadeiras de rodas.[3] Em termos de assentos, foi utilizada a mesma filosofia empregada no material motor da Linha de Sintra, com cadeiras individuais, dispostas em dois pares transversais.[3] Cada banco tem o assento e as costas ligeiramente estofados, com um apoio de braço do lado do corredor, e um suporte de grandes dimensões para os passageiros que viajem de pé, situado entre os bancos alinhados costas com costas; os assentos e as costas foram concebidos para serem facilmente desmontáveis separadamente, nas oficinas.[3]

Os interiores foram desenhados de forma a providenciarem o máximo conforto para os passageiros, sem prejudicar os seus movimentos.[3] Cada veículo possui um sistema de ar condicionado, redundante a 50%, com funções de refrigeração, ventilação e aquecimento, sendo o ar distribuído de forma individual, junto a cada janela.[3] Os equipamentos de alimentação eléctrica do ar condicionado também são redundantes, de forma a que se mantenha o seu funcionamento, em caso em avaria.[3]

Cada veículo dispõe de quatro portas, que, nas motoras, têm uma largura útil de 1300 mm, e, nos reboques, 1800 mm.[3] Em tara e com rodas novas, os vestíbulos encontram-se a 1010 mm de altura, estando os veículos equipados com degraus rebatíveis para colmatar o espaço entre as bordas do vestíbulo e do cais.[3] As portas são do tipo oscilante deslizante, com um comando eléctrico, e possuem um equipamento para prevenir os entalamentos.[3]

Para a informação aos passageiros, cada unidade foi equipada com dezoito indicadores de destino, sendo um em cada ponta da locomotiva, e dezasseis laterais, junto às portas.[3] No interior, existem vários painéis informativos, um em cada vestíbulo e dois por piso, com indicação de destino, e que também podem informar das ligações previstas na próxima paragem, a temperatura exterior, e a hora local.[3] Além dos indicadores visuais, as automotoras também possuem uma instalação sonora, comandada a partir das cabinas de condução, aonde existirá um microfone, e um leitor de discos compactos, com capacidade até dez discos; também podem ser transmitidas mensagens pré-gravadas, de forma automática ou pelo maquinista.[3] Em caso de necessidade, o posto de comando pode falar directamente para os passageiros, através do rádio-solo.[3] O volume dos altifalantes é automaticamente regulado em função do nível de ruído presente.[3]

Outras características[editar | editar código-fonte]

De tracção eléctrica, com tensão de 25 kV a 50 Hz, podem alcançar uma velocidade máxima de 140 km/h; dispõem de um esforço de tracção de 306 kN, e de uma potência de 3475 kW.[4] O tipo de transmissão utilizada é eléctrica assíncrona.[6]

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

Automotora número 3503, ao serviço da transportadora Fertagus, na Estação Ferroviária de Corroios.
  • Características de exploração
    • Entrada ao serviço: 1999[4][6]
    • Natureza do serviço: Suburbano[4]
    • Velocidade máxima: 140 km/h[3][4][6]
    • Esforço de tracção: 306 kN[4]
    • Tipo de tensão: 25 kV 50 Hz[4]
    • Tipo de tracção: Eléctrica[4]
    • Potência: 3475 kW[4]
  • Lotação
    • Lugares sentados:
    • Total por UQE: 476[4]
    • Transmissão
      • Tipo: Eléctrica assíncrona[6]
  • Outras características
    • Disposição dos eixos: B'o B'o + 2'2' + 2'2'+ B'o B'o[3]
    • Ano de entrada ao serviço: 1999[4][6]
    • Número de unidades: 30 (3501-3518)[3] + (3519-3530 e 3569-3580)[4][6]
    • Fabricantes: GEC Alsthom e CAF[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b ERUSTE, Manuel Galán (1998). «Noticias». Madrid: Ed. España Desconocida, S. l. Maquetren (em espanhol). 6 (64). 71 páginas. ISSN 1132-2063 
  2. a b DOURADO, Ana Cristina (Maio de 1999). «A Política Comercial da Fertagus». Lisboa: Associação Portuguesa para o Desenvolvimento do Transporte Ferroviário. FERXXI (16): 35, 36 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v VICENTE, Carlos Hormigo (Dezembro de 1999). «O Material Circulante da CP: O Passado Recente, o Presente e o Futuro». Lisboa: Associação Portuguesa para o Desenvolvimento do Transporte Ferroviário. FERXXI (14): 14, 15 
  4. a b c d e f g h i j k l m «CP USGL/USGP commuter rail trainsets» (em inglês). Railfaneurope. 4 de Dezembro de 2011. Consultado em 27 de Maio de 2012. 
  5. Linha de Sintra/Azambuja - Alteração Temporária de Material Circulante
  6. a b c d e f «Série: 3519-3530 e 3569-3580». Comboios de Portugal. Consultado em 4 de Dezembro de 2014. 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre as automotoras da Série 3500

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.