Transportes Urbanos de Braga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Transportes Urbanos de Braga
TUB
Informações
Local Braga
Tipo de transporte Autocarro
Número de linhas 76
Número de estações 1553
Tráfego 22,556 Milhões de passageiros em 2004
Website Transportes Urbanos de Braga
Dados técnicos
Extensão do sistema 278,6 km

Os Transportes Urbanos de Braga, normalmente designados por TUB, é uma empresa pública, camarária, de transporte de passageiros. Tem como principal objectivo servir as populações do concelho de Braga.

História[editar | editar código-fonte]

O Carro Americano[editar | editar código-fonte]

Em 1877 são iniciadas as obras para a instalação dos carris para o chamado carro Americano. A Carris de Braga, companhia concessionária das linhas, foi fundada por Francisco A. Peixoto Gama. No entanto, pouco tempo após a fundação, por dificuldades financeiras foi adquiria por um abastado capitalista bracarense, Manuel Joaquim Gomes.

O depósito e oficina do carro Americano situava-se onde hoje se encontra o Centro Comercial Avenida, na avenida Central.

A primeira linha atravessava o centro de Este para Oeste. Iniciava-se na Avenida Central (depósito), percorrendo a Rua do Souto, Arco da Porta Nova, Campo das Hortas e terminando na recente estação ferroviária de Braga. Mais tarde foi prolongada para Este, pela rua de São Victor, rua Nova de Santa Cruz, estrada do Bom Jesus até ao Santuário do Bom Jesus do Monte.

Em 1886 é inaugurada a segunda linha. Partindo da Avenida Central, Rua dos Capelistas, Campo da Vinha, Rua dos Biscainhos, terminando no Campo das Hortas na primeira linha.

Elevador do Bom Jesus do Monte[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Elevador do Bom Jesus
Entrada para o elevador no sopé do monte (século XXI).

Com o aumento de peregrinos ao Bom Jesus do Monte a utilizar o carro Americano, que lotavam o carro Americano, os cavalos que o puxavam não conseguiam vencer o grande desnível da estrada Real do Bom Jesus do Monte. Para tal, existia em reserva nos dias mais intensos uma junta de bois para auxiliar na tracção.

No entanto esta solução não era de todo uma boa solução. Joaquim Gomes contrata então o engenheiro suíço Niklaus Riggenbach para construir um ascensor para vencer o desnível. A construção foi então iniciada em 1880, e a 25 de Março de 1882 foi inaugurado. A linha um do carro Americano passa a ir apenas até ao pórtico do Bom Jesus do Monte. Foi o primeiro funicular construído na Península Ibérica. A partir desta data a companhia passou a designar-se de Carris e Ascensor.

O comboio urbano a vapor[editar | editar código-fonte]

Composição com locomotiva e duas carruagens, ao virar do século.

Com o bom desempenho do novo ascensor, a linha um do carro Americano não conseguia manter o ritmo nem a frequência necessária para abastecer o ascensor. Foi então feito um novo investimento no final da década de oitenta, adquiriu-se duas máquinas a vapor para melhorar o desempenho da linha um. Assim, na linha um, a tracção passou de animal para a vapor.

No entanto, com o decorrer do tempo, foram surgindo problemas com a circulação das máquinas a vapor. A população que vivia ao pé da linha queixava-se da trepidação, barulho e as faúlhas. A velocidade com que circulavam dentro da cidade era também considerada elevada. O Atheneu Commercial, actual Associação Comercial de Braga, fez imensa pressão na Câmara Municipal para interditar a circulação das máquinas a vapor. E no dia 8 de Julho de 1891, o traçado entre a estação de caminhos de ferro e a Rua Nova de Santa Cruz voltou a ser feito através de tracção animal, sendo o resto do percurso feito por tracção a vapor.

O eléctrico[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Elétricos de Braga

Em 1905 a Companhia Carris e Ascensor lança o projecto para substituir toda a rede por composições eléctricas, e em 1914 os carros americanos e vapor foram substituídos pelo eléctrico. Na década de 1920 a linha um e dois passaram a ser designadas como apenas linha um, e foi criada uma nova linha dois. A rede foi definitivamente encerrada em 1963, sendo substituída pelos tróleis de Braga. Os carris perduraram até aos anos oitenta do século XX.

Autocarros e Troleicarros[editar | editar código-fonte]

Autocarro dos TUB em 2009.

Em 1948 a câmara municipal de Braga adquire autocarros Leyland para completar a rede de eléctricos dentro da cidade, e cria circuitos cidade periferia. A grande diferença de idades e tecnologia entre os antigos eléctricos e os novos autocarros pôs os eléctricos em decadência. E em 1963 os eléctricos foram definitivamente encerrados, sendo substituídos pelos troleicarros, que entraram em funcionamento no dia 28 de Maio de 1963. No entanto a estadia dos troleicarros em Braga foi curta acabando em 10 de setembro de 1979.

No ano 1968 a câmara municipal entrega a concessão da rede novamente a privados. A empresa escolhida foi a SOTUBE, empresa detida por um empresário Vimaranense.

Em fevereiro de 1982 a câmara municipal readquire a concessão da rede e funda a actual empresa Transportes Urbanos de Braga, TUB. É feito um grande investimento na compra de várias viaturas Magirus/Iveco e Volvo. Só cerca vinte anos depois, em 2000, é que a TUB torna a fazer um investimento de relevo com a compra de viaturas MAN movidas a gás.

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Com a massificação do transporte próprio e uma rede desactualizada face à necessidade da cidade os Transporte Urbanos de Braga entram novamente em declínio, com perdas anuais de milhares de passageiros. O não investimento por parte do governo português em relação à TUB, entre outros operadores públicos de pequenas e médias cidades, ao invés dos avultados investimentos por parte do governo nas operadoras públicas das cidades de Lisboa (Carris) e Porto (STCP), aumenta ainda mais as dificuldades financeiras da empresa.

Linhas[editar | editar código-fonte]

Número Trajecto Comprimento (km) Duração Frequência Cruza
40 Circuito Urbano I 1 hora 30 min.
41 Circuito Urbano II 1 hora 30 min.
43 Estação - UM (bi) 4,25km 15 min. 15 min. 2, 6, 7, 9, 11, 12, 13, 14, 16, 18, 19, 20, 21, 23, 24, 25, 30, 32, 33, 34, 35, 36, 37, 38, 39,41, 42, 44, 47, 49, 52, 53, 54, 56, 57, 58, 59, 60, 61, 62, 63, 66, 68, 69, 70, 71, 74, 75, 77, 78, 79, 82, 83, 84, 85, 87, 88