Ramal de Viana-Doca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ramal de Viana-Doca
Vista geral da Estação de Viana do Castelo
Bitola: Bitola larga
Continuation backward
L.ª MinhoPorto-S.B.
Unknown route-map component "exCONTg" Straight track
Lª LimaP. Lima (aband.)
Unknown route-map component "uCONTg" Unknown route-map component "exSTR" Straight track
Elevador de Santa Luzia
Unknown route-map component "uKXBHF-Le" Unknown route-map component "exCPICme" Left side of cross-platform interchange
0,000 Viana do Castelo
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "xABZgr"
0,100 L.ª MinhoValença
Unknown route-map component "exKDSTe"
2,313 Doca de Viana do Castelo

O Ramal de Viana-Doca (também referido, muitas vezes, como Ramal da Doca-Viana) foi um troço ferroviário, em Portugal, com um extensão de 2,313 km em bitola ibérica, que ligava a Estação de Viana do Castelo, na Linha do Minho, ao porto da cidade.[1] Entrou ao serviço em 20 de Março de 1924.[2][3] Uma ligação ferrovária semelhante, o Ramal do Porto de Viana, está planeada desde inícios da década de 2000[carece de fontes?].

Estação de Viana do Castelo, fotografada por Emílio Biel (1838-1915)

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O Porto de Viana do Castelo situa-se no estuário do Rio Lima, tendo funcionado, ao longo da sua história, não só como porto de pesca e de abrigo para as embarcações, mas também como um importante entreposto comercial.[4] Com efeito, ainda no Século XIX o Rio Lima era navegável em grande parte do seu percurso, ligando o porto de Viana até Ponte da Barca e Arcos de Valdevez.[5] Devido a problemas de navegabilidade no Rio Cávado, as comunicações do Porto até Braga e Barcelos também eram feitas por Viana do Castelo, utilizando o Rio Lima até Carregadouro, e depois seguindo por estrada.[5]

No entanto, o progressivo assoreamento do Rio Lima, a abertura da estrada de Braga ao Porto e o início das carreiras de diligências de Viana do Castelo até Ponte da Barca e Arcos de Valdevez reduziram o movimento naquele eixo fluvial, retirando importância ao Porto de Viana do Castelo.[6] Além disso, também se verificou uma redução nos navios de longo curso, devido a uma maior concentração nos portos de Leixões e Lisboa, e na cabotagem marítima, em virtude do desenvolvimento dos transportes terrestres.[7]

Por outro lado, após a abertura da linha férrea, em 1 de Julho de 1878[8], a estação de Viana do Castelo passou a ser utilizada para reexportar por caminho de ferro os produtos que chegavam ao porto, vindo das colónias e do estrangeiro.[9] A estação foi construída no limite Norte da cidade, enquanto que as docas ficavam no Sul, e não existindo uma ligação directa entre as docas e a gare ferroviária, as mercadorias tinham de ser transportadas pelas ruas, atravessando toda a cidade.[10] Porém, a maior parte dos arruamentos tinham sido abertos de forma paralela à margem do rio, existindo apenas algumas artérias perpendiculares, e mesmo essas eram normalmente mais estreitas e irregulares, sendo de importância secundária.[10] Este factor gerava grandes problemas de tráfego, que dificultavam o transporte das mercadorias.[9]

A Câmara Municipal estava ciente desta questão desde o princípio, e procurou alargar algumas das ruas perpendiculares, nomeadamente as dos Crúzios, da Carreira e de Santa Ana.[10] Quando a Rua de Santa Ana foi alargada para uma avenida, em 1876, já estava em planeamento a abertura de uma nova avenida entre a futura estação e a doca, mas não dispunha de recursos financeiros para esse projecto.[9] Depois de várias alterações e projectos, a artéria entre a doca e a estação foi aberta em 1917, com o nome de Avenida Central,[9] futuramente renomeada para Avenida dos Combatentes da Grande Guerra.[11]

Estação de Viana do Castelo em 1911.

Planeamento e construção[editar | editar código-fonte]

Em 22 de Março de 1889, foi feito um projecto para desviar a estrada real n.º 4, para ceder à doca uma faixa de terreno onde se iria construir o ramal entre a estação e a doca.[10] Este projecto contemplou a alteração do traçado entre o limite oriental da Doca da Dízima e o Campo do Castelo, tendo sido concluído em 1894.[12]

No entanto, o processo para a construção do ramal só começou em 1909, quando a câmara pediu ao Ministério das Obras Públicas para construir o ramal, como forma de facilitar a deslocação das mercadorias, retirando os camiões das ruas da cidade.[13]

Em 1911, foi formada a Comissão dos Melhoramentos do Porto e Doca de Viana do Castelo, que tinha como objectivo desenvolver a as instalações portuárias.[14] Um dos seus objectivos era executar os estudos necessários para a instalação do ramal para a doca, que era considerado o mais importante componente do projecto.[15] Desta forma, esperava-se combater a concorrência dos outros portos,[15] aumentando o movimento de mercadorias.[7] Previa-se que iria crescer o tráfego de madeira, carvão, sal e outras mercadorias.[10]

Foi delineado um novo projecto, alterando o traçado para ocupar principalmente terrenos municipais e estatais, reduzindo dessa forma os custos de construção em relação ao projecto de 1889.[15] As obras iniciariam-se em 1918.[15] Para a construção, foi necessário expropriar cinco casas térreas e 833.5 m2 de terrenos, mudar a Fonte do Assento, e demolir o redondel das touradas no Campo do Castelo, que foi reconstruído no mesmo campo, numa posição mais a Oeste, em 1921.[15]

Mapa da rede ferroviária em meados do Século XX, incluindo o Ramal de Viana-Doca.

Inauguração e operação[editar | editar código-fonte]

O ramal foi inaugurado a 20 de Março de 1924.[1][16] O atraso da construção do ramal foi considerado como um exemplo da falta de interesse que existia em ligar a rede nacional de caminhos de ferro aos terminais portuários.[17]

Com a inauguração do ramal, a autarquia de Viana do Castelo pôde restringir o tráfego de mercadorias na Avenida Central ainda em 1924, de forma a reconvertê-la num passeio arborizado.[11]

No relatório de 1931 - 1932 da Direcção Geral de Caminhos de Ferro, este ramal aparece como sendo propriedade do estado, mas explorado pela Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses.[18]

O ramal servia essencialmente para o transporte de mercadorias para o Porto de Viana do Castelo, materiais para os Estaleiros de Viana do Castelo e de pessoas que trabalhavam nesses locais (que viajavam acomodadas ao pé da carga).[1] Entre as mercadorias transportadas, estavam os vinhos na zona do Alto Lima, exportados para o estrangeiro através do porto de Viana do Castelo.[19]

Encerramento[editar | editar código-fonte]

O Ramal de Viana-Doca, sem qualquer obra de arte no seu percurso, foi encerrado no Verão de 1988.[1]

Pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 102/99, de 9 de Setembro de 1999, o ramal foi desafectado do domínio público ferroviário e os terrenos passados para a posse da Câmara Municipal de Viana do Castelo para reordenamento urbanístico e viário da zona.[20]

Itinerário[editar | editar código-fonte]

O ramal saía da Estação de Viana do Castelo pela Linha do Minho, na direcção de Valença, e, 100 metros depois, virava à esquerda na direcção do litoral, passando pela Igreja de Nossa Senhora da Agonia, mais à frente pelos Estaleiros de Viana do Castelo, terminando na doca do porto.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Silva, J.R. e Ribeiro, M. (2009). Os comboios de Portugal - Volume II. 2ª ed. Terramar, Lisboa
  2. REIS et al, 2006:62
  3. MARTINS et al, 1996:255
  4. FERNANDES, 1995:76
  5. a b FERNANDES, 1995:77
  6. FERNANDES, 1995:77-78
  7. a b FERNANDES, 1995:80
  8. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 25 de Novembro de 2013. 
  9. a b c d FERNANDES, 1995:70
  10. a b c d e FERNANDES, 1995:96
  11. a b FERNANDES, p. 75
  12. FERNANDES, 1995:69
  13. FERNANDES, 1995:70-75
  14. FERNANDES, 1995:96
  15. a b c d e FERNANDES, 1995:97
  16. Sinfa - Sindicato Nacional de Ferroviários e Afins. «Cronologia de efemérides ferroviárias». Consultado em 1 de Janeiro de 2010. [ligação inativa] 
  17. SOUSA, José Fernando de (16 de Agosto de 1935). «As Obras da Barra de Aveiro» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1144). Gazeta dos Caminhos de Ferro. p. 347-349. Consultado em 25 de Dezembro de 2016. 
  18. «Direcção-Geral de Caminhos de Ferro: Relatório de 1931-1932» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1109). 1 de Março de 1934. p. 127-130. Consultado em 25 de Dezembro de 2016. 
  19. ABREU, 2010:34
  20. «Resolução do Conselho de Ministros n.º 102/99». 9 de Setembro de 1999 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ABREU, Alberto (2010). Viana do Castelo: Roteiros Republicanos. Col: Colecção Roteiros Republicanos. Matosinhos: Quidnovi, Edição e Conteúdos, S. A. e Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República. 128 páginas. ISBN 978-989-554-736-4 
  • FERNANDES, Mário (1995). Viana do Castelo: A Consolidação de uma Cidade (1855-1926). Lisboa: Edições Colibri. 185 páginas. ISBN 972-8288-06-9 
  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado: O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 


Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.