Linha do Cávado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o projecto abandonado para a linha de Esposende a Braga. Se procura o projecto abandonado de Braga a Chaves, também denominado de Linha do Alto Cávado, veja Linha de Braga a Chaves.
Linha do Cávado
Barcelos L1180529 (25097024622).jpg
Estação de Barcelos
Área de operação Distrito de Braga,  Portugal
Bitola Bitola métrica (1000 mm)
Extensão 38 Km
Linha do Cávado (proj. 1930)
Bitola: Bitola estreita
Unknown route-map component "exnKSTRaq" Unknown route-map component "exnSTR+r"
T. MinhoArcos de Valdevez (proj. abd.)
Unknown route-map component "XPLTaq" + Unknown route-map component "exnSTR" + Unknown route-map component "exlBHF"
Unknown route-map component "KXBHF-Ra"
Braga
Unknown route-map component "CONTgq"
Transverse track + Unknown route-map component "exnSTR"
One way rightward
R. BragaNine
Unknown route-map component "exnABZgl" Unknown route-map component "exnKSTReq"
T. MinhoEntre-os-Rios (proj. abd.)
Continuation backward Unknown route-map component "exnSTR"
L. MinhoValença
Unknown route-map component "XBHF-L"
Unknown route-map component "exnSTR" + Unknown route-map component "XPLTeq" + Unknown route-map component "exlBHF"
Barcelos
One way leftward
Transverse track + Unknown route-map component "exnSTR"
Unknown route-map component "CONTfq"
L. MinhoSão Bento
Unknown route-map component "exnKSTRaq"
Unknown route-map component "exnABZg+r" + Unknown route-map component "exnSTR"
L. Litoral do MinhoViana do Castelo
Unknown route-map component "exnSTR" + Unknown route-map component "exlBHF"
Esposende
Unknown route-map component "exnSTRl" Unknown route-map component "exnKSTReq"
L. L. MinhoSenhora da Hora (proj. abd.)

A Linha do Cávado, igualmente conhecida como Linha do Vale do Cávado, foi um caminho de ferro de via estreita que foi projectado mas nunca construído, que deveria ligar Esposende a Braga, no Distrito de Braga, em Portugal. Caso tivesse sido construída, a linha teria um comprimento aproximado de 38 Km.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em meados do Século XIX, o interior do Minho tinha grandes problemas de comunicações, uma vez que as vias terrestres eram pouco adequadas, sendo então principalmente usados os rios como meio de transporte.[2] No caso do Cávado, este curso de água tinha problemas de navegabilidade, pelo que as comunicações entre Braga e o Porto eram normalmente feitas através de via terrestre até ao Carregadouro, e depois seguindo o Rio Lima até Viana do Castelo.[2] Foram feitas várias tentativas para melhorar a navegabilidade do Cávado, mas sem sucesso, e posteriormente o eixo fluvial perdeu importância quando foi concluída a estrada de Braga ao Porto.[2]

Quando se iniciou o planeamento da Linha do Minho, foram propostos vários traçados, alguns mais pelo interior do Minho, e outros seguindo principalmente o litoral; Francisco Maria de Sousa Brandão, num discurso à Associação dos Engenheiros Civis Portugueses, em 4 de Novembro de 1876, relatou que um conde espanhol, o Conde de Réus, propôs uma linha do Porto à Galiza que seguia pelo litoral a partir de Vila do Conde, passando por Esposende.[3] O governo ordenou a realização de um novo projecto para aquele caminho de ferro, que incluísse desde logo um ramal para Braga, sendo o novo traçado pelo interior até à foz do Cávado.[3] Projectos consequentes para a Linha do Minho reduziram ainda mais o percurso do litoral, até que o definitivo apenas o fez chegar ao mar em Viana do Castelo.[3] Em 21 de Maio de 1875, entrou ao serviço o Ramal de Braga, que ligava a cidade de Braga à Estação de Nine, na Linha do Minho.[4] Por seu turno, a Estação de Barcelos abriu em 21 de Outubro de 1877.[5]

Mapa do Plano da Rede de 1930, incluindo a Linha do Cávado.

Planeamento[editar | editar código-fonte]

Em 10 de Agosto de 1897, o Ministro da Fazenda, Mariano de Carvalho, apresentou um projecto de lei às Câmaras, para autorizar o governo a adjudicar a construção e exploração de várias linhas em hasta pública, incluindo uma de Esposende a Barcelos.[6]

Em Março de 1925, foi noticiado que já tinham começado os trabalhos da Linha do Vale do Cávado, que deveria terminar na Póvoa de Varzim.[7]

Em finais de 1926, a Associação Comercial de Braga pediu ao Ministro do Comércio a publicação de um decreto para a concessão da construção e exploração da Linha do Cávado.[8]

Em 1928, a concessão para esta linha pertencia à Companhia dos Caminhos de Ferro do Norte de Portugal, tendo o Conselho Superior de Obras Públicas proposto que fosse adiado o projecto de Esposende a Braga, sugerindo em vez disso à Companhia do Norte que construísse a linha de Braga a Arcos de Valdevez.[9] Em Abril de 1928, a Companhia do Norte foi autorizada a dar preferência à linha de Braga a Arcos de Valdevez.[10]

O Plano Geral da Rede Ferroviária, publicado pelo Decreto n.º 18:190, de 28 de Março de 1930, reorganizou a rede ferroviária portuguesa, tendo introduzido novos projectos ou reorganizado os já existentes para troços ferroviários. Um dos caminhos de ferro incluídos no plano foi a Linha do Cávado, que se iniciaria em Esposende, onde se ligaria à também planeada Linha do Litoral do Minho, passaria por Barcelos, na Linha do Minho, e terminaria em Braga, onde se uniria à projectada Transversal do Minho, e ao Ramal de Braga, que já estava em funcionamento..[11]

Em 1933, a Companhia do Norte tinha a concessão para construir os troços entre a Póvoa de Varzim e Guimarães por Esposende, Barcelos e Braga, tendo já sido aprovado o projecto para a secção entre a Póvoa e Fão.[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. SOUSA, José (1 de Junho de 1935). «A Crise Actual de Viação e os nossos Caminhos de Ferro de Via Estreita» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1139). pp. 235–237. Consultado em 8 de Dezembro de 2016. 
  2. a b c FERNANDES, p. 66
  3. a b c FERNANDES, p. 83
  4. MARTINS et al, p. 9
  5. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 8 de Dezembro de 2016. 
  6. «Há Quarenta Anos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 49 (1190). 16 de Julho de 1937. p. 367-368. Consultado em 8 de Dezembro de 2016. 
  7. «Efemérides» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 51 (1234). 16 de Maio de 1939. p. 259-261. Consultado em 8 de Dezembro de 2016. 
  8. «Linhas Portuguesas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 40 (937). 1 de Janeiro de 1927. p. 6. Consultado em 8 de Dezembro de 2016. 
  9. a b SOUSA, José (1 de Maio de 1933). «A Coordenação dos Meios de Transporte» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1089). p. 259-261. Consultado em 8 de Dezembro de 2016. 
  10. «Efemérides» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 51 (1235). 1 de Junho de 1939. p. 281-284. Consultado em 8 de Dezembro de 2016. 
  11. PORTUGAL. Decreto n.º 18:190, de 28 de Março de 1930. Ministério do Comércio e Comunicações - Direcção Geral de Caminhos de Ferro - Divisão Central e de Estudos - Secção de Expediente, Publicado na Série I do Diário do Governo n.º 83, de 10 de Abril de 1930.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • FERNANDES, Mário (1995). Viana do Castelo: A Consolidação de uma Cidade (1855-1926). Lisboa: Edições Colibri. 185 páginas. ISBN 972-8288-06-9 
  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado: O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 



Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.