Linha de Cintura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Linha de Cintura
Flickr - nmorao - PK 5, Linha de Cintura, 2009.06.24.jpg
Entrecampos vista de oeste, 2009.
Área de operação Lisboa,  Portugal
Tempo de operação 1888–
Bitola 1668 mm (Bitola Ibérica)
Extensão 10,5 km
Interconexão Ferroviária Linha do Norte, em Braço de Prata
Linha de Sintra, em Campolide
Linha de Cascais, em Alcântara
Linha de Cintura
Entroncamento da L.ª Cintura (à d.ta) na L.ª Norte, em B.ço Prata.
Entroncamento da L.ª Cintura (à d.ta) na L.ª Norte, em B.ço Prata.
Mapa da linha
Mapa da linha
Comprimento: 12 km
Bitola: Bitola larga
Non-passenger head station
00000 Doca de Alcântara
Pier Non-passenger head station Pier
00000 Doca de Alcântara (*)
Unknown route-map component "RP4" Unknown route-map component "STR+BSl"
(*)∥ R. Gen. Araújo
Unknown route-map component "SKRZ-G2"
(*)× R. Doca de Alcântara
Unknown route-map component "exSTR+l" + Unknown route-map component "exENDEaq+BSaer"
Unknown route-map component "exSKRZ-G4uq" Unknown route-map component "eABZg+r" Pier
Dc. Alcântara N(dem.) × V. Alc.Dc. S. Am.
Unknown route-map component "exCONTf" Straight track
L.ª CascaisCais do Sodré[1]
Unknown route-map component "xABZgl+l" + Unknown route-map component "num1r"
Unknown route-map component "hKRZ" Unknown route-map component "KDSTeq"
Areias (*)× L.ª Sul, P.te 25 Abr.; (➀ dem.[2])
Unknown route-map component "RP4+l"
Unknown route-map component "RP4q" + Straight track
Unknown route-map component "hSKRZ-G4"
(*)× Av. Brasília
Unknown route-map component "ABZg+l" Unknown route-map component "CONTfq"
00000 L.ª Cascais
Unknown route-map component "RP4rf"
Unknown route-map component "ABZgxl+l" + Unknown route-map component "num1l"
Unknown route-map component "hKRZ" Unknown route-map component "CONTfq"
00000 L.ª Cascais Cascais (➀ lig. dem.[2])
Unknown route-map component "STR+l"
Unknown route-map component "BLa" + Stop on transverse track + Unknown route-map component "PORTALf"
Unknown route-map component "ABZgr" Unknown route-map component "RP4+l"
2,668 (Alcântara-Mar)pass. inf.
Straight track Unknown route-map component "RP2seRP2" Unknown route-map component "SKRZ-G2" Unknown route-map component "RP2rf"
(*)× Av. Índia
Unknown route-map component "SKRZ-G2h" Unknown route-map component "RP2uhRP2" Unknown route-map component "SKRZ-G2h"
(*)× Viaduto de Alcântara
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZgr"
00000 L.ª Cascais
Continuation forward Unknown route-map component "RP2enRP2" Unknown route-map component "SKRZ-G2" Unknown route-map component "RP2+r"
Unknown route-map component "RP2neRP2" Unknown route-map component "SKRZ-G2" Unknown route-map component "RP2xRP2"
Unknown route-map component "BL" + Unknown route-map component "BLaq" + Unknown route-map component "PORTALg"
Unknown route-map component "eABZg+l" + Unknown route-map component "BLq"
Unknown route-map component "RP4" + Unknown route-map component "exSTRq" + Unknown route-map component "BLq"
Unknown route-map component "exKDSTeq"
(*)×∥ Pass. Sup. Alcântara (dem.)[1] ∥ R. Cascais
Unknown route-map component "RP4q" + Urban transverse track + Unknown route-map component "BL"
Unknown route-map component "RP4q" + Unknown route-map component "mKRZ"
Unknown route-map component "RP4xRP4" + Urban transverse track
(*)× Carris: C.S.-C.Qb., Av. 24 J. ∥ R. O. Mig.
Unknown route-map component "RP2q" + Unknown route-map component "uxWSLgrq"
Unknown route-map component "RP2q" + Unused transverse waterway + Unknown route-map component "BL"
Unknown route-map component "RP2q" + Unused transverse waterway + Unknown route-map component "SHI1r" + Unknown route-map component "ELCa"
Unknown route-map component "RP4xRP2" + Unused transverse waterway
(*)× Carris: C.S.to-Ajuda, R. P. Crato
Station on track
00,000 Alcântara-Terra
Unknown route-map component "BLl+g" Unknown route-map component "vDST-KBHFa"
Unknown route-map component "ABZg+l" Unknown route-map component "CONTfq"
00000 L.ª Sul
Unknown route-map component "SPLe" Unknown route-map component "LCONTg"
00000 L.ª Sul Tunes
Enter and exit tunnel Unknown route-map component "LSTR"
Túnel de Alcântara (514 m)
Unknown route-map component "SKRZ-G2o" Unknown route-map component "LSTR"
× R. Arco Carvalhão
Unknown route-map component "eBUE" Unknown route-map component "LSTR"
Enter and exit tunnel + Unknown route-map component "CSTR-L" + Unknown route-map component "lDSTR-R"
Unknown route-map component "LSTR"
0,443
0,521
Túnel de Alcântara II: 78 m (dem.)
Unknown route-map component "SKRZ-G2hl" Unknown route-map component "hSKRZ-G2hru"
× acesso A5Lisboa
Unknown route-map component "SKRZ-G4hl" Unknown route-map component "hSKRZ-G4hru"
× Viaduto Duarte Pacheco (A5)
Unknown route-map component "SKRZ-G2hl" Unknown route-map component "hSKRZ-G2hru"
× acesso A5Cascais
Unknown route-map component "STRc2"
Unknown route-map component "STR3" + Unknown route-map component "STR2uh"
Unknown route-map component "hSTR3"
Unknown route-map component "STR+1"
Unknown route-map component "hSTR+1" + Unknown route-map component "STRc4"
Unknown route-map component "STR+4uh"
fly over de Alcântara
Unknown route-map component "STR2"
Unknown route-map component "SPLa" + Unknown route-map component "lhSTReg" + Unknown route-map component "STRc23"
Unknown route-map component "STR3"
Unknown route-map component "RP4e" + Unknown route-map component "STRc1" + Unknown route-map component "vhLGD-L"
Unknown route-map component "vSTR" + Unknown route-map component "vSTR+4-STR+1"
Unknown route-map component "RP4w" + Unknown route-map component "STRc4" + Unknown route-map component "vhLGD-R"
× Av. Gulbenkian
Unknown route-map component "vWTUNNEL"
× Aq. Águas Livres
Unknown route-map component "RP2e" + Unknown route-map component "vhLGD-L"
Unknown route-map component "vSTR"
Unknown route-map component "RP2w" + Unknown route-map component "vhLGD-R"
× Cç. Estação
Unknown route-map component "tCONTg" Unknown route-map component "vSTR"
L.ª SintraRossio
Station on track
00000 Campolide A
Unknown route-map component "CPICCCla" Unknown route-map component "vCPICr"
00000 Campolide A
Junction both to and from left Unknown route-map component "CONTfq"
03,027 L.ª Sintra
Straight track Unknown route-map component "vSTR" Continuation backward
03,027 L.ª SintraSintra
Non-passenger head station
Unknown route-map component "SHI3gl" + Unknown route-map component "SHI3+l"
Unknown route-map component "vSHI3gr-STR" + Unknown route-map component "vSHI3+r-"
Unknown route-map component "STRc2" + Unknown route-map component "num3l"
Unknown route-map component "ABZg3"
EMEF Campolide
Unknown route-map component "STR2"
Unknown route-map component "STR+c3" + Unknown route-map component "num1l"
Unknown route-map component "vSTRegl"
Unknown route-map component "ABZ1+fr" + Unknown route-map component "num2r"
Unknown route-map component "STR+c4" + Unknown route-map component "num1l"
03,027 c.ª Benfica-Camp.A ➁(*)
Unknown route-map component "STRc1" Unknown route-map component "ABZg+4" Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Straight track + Unknown route-map component "num3l"
Straight track
× Av. Correia Barreto
Unknown route-map component "ABZgl" Unknown route-map component "KRZo" Unknown route-map component "KRZo"
Unknown route-map component "xABZgr" + Unknown route-map component "num4l"
C.ª Sete Rios(traç. ant. ➃)
Unknown route-map component "ENDEe"
Unknown route-map component "SHI1r" + Unknown route-map component "STRc2"
Unknown route-map component "ABZ3+gl" + Unknown route-map component "num3r"
Unknown route-map component "exSTRr" + Unknown route-map component "ENDEeq"
resguardos USGL: Campolide / Sete Rios
Unknown route-map component "RP2e" + Unknown route-map component "vhLGD-La"
Unknown route-map component "vSTR-" + Unknown route-map component "v-STR+1"
Unknown route-map component "RP2w" + Unknown route-map component "STRc4" + Unknown route-map component "vhLGD-Ra"
× R. Campolide
Unknown route-map component "RP4e" + Unknown route-map component "leer+hl"
Unknown route-map component "vSTR" + Unknown route-map component "num3l"
Unknown route-map component "RP4w" + Unknown route-map component "leer+hr"
× Av. Columbano
Station on track
04,050 Sete Rios
Unknown route-map component "leer+hl" Unknown route-map component "vCPICl"
Left side of urban tunnel cross-platform interchange + Unknown route-map component "leer+hr"
04,050 Sete Rios
Unknown route-map component "utSTRq" + Unknown route-map component "leer+hl"
Unknown route-map component "vÜSTr" + Unknown route-map component "utSTRq"
Unknown route-map component "utSTRr" + Unknown route-map component "leer+hr"
Metro: L.ª Azul (J. Zool.)
Unknown route-map component "RP2e" + Unknown route-map component "vhLGD-Le"
Unknown route-map component "vÜSTl"
Unknown route-map component "RP2w" + Unknown route-map component "vhLGD-Re"
× R. Lima Basto
Unknown route-map component "uextSTRq"
Unknown route-map component "uextSTRq" + Unknown route-map component "SPLe"
Unknown route-map component "uexKDSTCCeq" + Unknown route-map component "HUBa"
Metro: PMO I
Unknown route-map component "eABZg+l"
Unknown route-map component "exENDEeq" + Unknown route-map component "HUBe"
04,522 dem. 2001(?)
Unknown route-map component "eHST"
Laranjeiras(demolido)
Unknown route-map component "SKRZ-G4u"
× Av. Combatentes → Sul
Unknown route-map component "SKRZ-G4u"
× Av. Combatentes → Norte
Unknown route-map component "RP2e"
Unknown route-map component "exlBUE" + Underbridge
Unknown route-map component "RP2w"
pass. aér. ⤫ R. Benif.
Unknown route-map component "eBHF"
5,092 Rego(demolida)
Unknown route-map component "RP2oeRP2" + Straight track
× Túnel do Rego = R. Rego
Unknown route-map component "exSTR" + Unknown route-map component "SPLa"
(antigo traçado: até 1968)
Stop on track
05,377 Entrecampos-Poente
Unknown route-map component "exvSHI4+l-" + Unknown route-map component "exSTRc2"
Unknown route-map component "exvSHI4r-" + Unknown route-map component "exSTR3" + Unknown route-map component "vSTR-HST"
Unknown route-map component "exSTR+1" + Unknown route-map component "exvKHSTe-"
Unknown route-map component "exSTRc4" + Unknown route-map component "SPLe" + Unknown route-map component "num1l"
05,700 5 de Outubro(199X-1999); ➀(*)
Unknown route-map component "RP2e"
Unknown route-map component "tRP1aeq" + Unknown route-map component "exSTR"
Unknown route-map component "hSKRZ-G2a" Unknown route-map component "RP2w"
× Av. 5 de Outubro (túnel de 1 faixa, até 1968)
Unknown route-map component "exDABZgl"
Unknown route-map component "exDSTRefq" + Unknown route-map component "ehKRZ"
Unknown route-map component "exKDSTeq"
Matadouro(dem. ~1960)[3]
Station on track
05,930 Entrecampos
Unknown route-map component "exDBHF" Unknown route-map component "hCPICl" Left side of urban tunnel cross-platform interchange
05,930 Entrecampos
Unknown route-map component "RP4e" Unknown route-map component "exSKRZ-G4o" Unknown route-map component "hSKRZ-G4e" Unknown route-map component "RP4w"
Av. Rep.Metro: L.ª Amarela (Entre Campos)
Unknown route-map component "exKRWl" Unknown route-map component "eKRWg+r"
(antigo traçado: até 1968)
Unknown route-map component "eABZg2" Unknown route-map component "exSTRc3"
Variante(proj. abd.)
Underbridge + Unknown route-map component "exSTRc1"
Unknown route-map component "exSTR2+4" Unknown route-map component "exSTRc3"
pass. aér.
Enter and exit tunnel + Unknown route-map component "RP4q" + Unknown route-map component "exlHST"
Unknown route-map component "exSTRc1" Unknown route-map component "extSTR+4a"
06,500 Av. Roma(proj. abd., 1945) × Av. Roma [4]
Unknown route-map component "utSTR+l" Unknown route-map component "mKRZt"
Unknown route-map component "BLa" + Unknown route-map component "utBHFq"
Unknown route-map component "extSTR"
Metro: L.ª Verde (Roma)
Station on track
07,014 Roma-Areeiro
Unknown route-map component "uetCPICl"
Unknown route-map component "BLaq" + Left side of cross-platform interchange
Unknown route-map component "BLr+g" Unknown route-map component "extSTRe"
07,014 Roma-Areeiro ⇄ 〃 (Madrid, pj.)
Unknown route-map component "BLaq" + Urban tunnel station on track
Unknown route-map component "BLr+g" + Underbridge
Unknown route-map component "exkABZg3"
Metro: L.ª Verde (Areeiro)
Unknown route-map component "exKBHFaq" Unknown route-map component "exSTRq" Unknown route-map component "eKRZ"
Unknown route-map component "exkSTRr+1" + Unknown route-map component "exSTR2+r"
Unknown route-map component "exSTR+k4" + Unknown route-map component "exSTRc3"
N. Est. Central de Lisboa(proj. abd.)
Unknown route-map component "SKRZ-G4u" Unknown route-map component "exSTRc12"
Unknown route-map component "exSTR3+4" + Unknown route-map component "exSTR3"
× Av. Gago Coutinho
Non-passenger station/depot on track + Unknown route-map component "exSTRc2"
Unknown route-map component "exSTR3+1" Unknown route-map component "exSTRc4"
7,700 Terminal Técnico de Chelas
Unknown route-map component "eABZg+1" Unknown route-map component "exSTRc4"
Variante(proj. abd.)
Unknown route-map component "utCPICCCreq" Unknown route-map component "mKRZh" Unknown route-map component "uhtSTRaq"
× Metro: L.ª Vermelha
Unknown route-map component "CPIClf" Unknown route-map component "eCPICr"
Chelas(proj.)[5]Metro: L.ª Vermelha (Olaias)
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× Av. Carlos Pinhão
Stop on track
08,689 Chelas
Unknown route-map component "BS2c2" Unknown route-map component "SHI2gr"
08,632 Bif. de Chelas
Unknown route-map component "RP2q" + Unknown route-map component "lv-BUE"
Unknown route-map component "RP2q" + Unknown route-map component "evBHF" + Unknown route-map component "lv-HST"
Unknown route-map component "RP2q" + Unknown route-map component "lvBUE-"
Unknown route-map component "d"
08,698 Chelas PN × Cç. Pich.ª
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZgr"
00000 C.ª Xabregas
Unknown route-map component "dCONTgq"
Unknown route-map component "d" + One way rightward
Straight track
00000 C.ª Xabregas L.ª Norte
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× Estr. Chelas
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× R. Cima Chelas
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "eABZgr"
R. Montijo(via P.te Montijo-Grilos, proj. abd.)
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× Az. Salgada
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "eABZgr"
L.ª Alentejo(via TTT, 2013)
Stop on track
09,684 Marvila
Unknown route-map component "SKRZ-G2BUE"
PN × Az. Alfinetes
Unknown route-map component "SKRZ-G2BUE"
PN × R. Q. Mq. Abrantes
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
10,183 × R. J. Patrocínio
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZg+r"
00000 L.ª Norte
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "vSTRg+r"
00000 L.ª Norte S. Apolónia
Unknown route-map component "RP2e" + Unknown route-map component "vhLGD-L"
Unknown route-map component "vSTR"
Unknown route-map component "RP2w" + Unknown route-map component "vhLGD-R"
× R. V. Formoso Cima
Unknown route-map component "RP4e" + Unknown route-map component "vhLGD-L"
Unknown route-map component "vSTR"
Unknown route-map component "RP4w" + Unknown route-map component "vhLGD-R"
× Av. Inf. D. Henrique
Station on track
10,500 Braço de Prata
Unknown route-map component "vBHF"
Unknown route-map component "vLSTR"
Unknown route-map component "vÜSTl"
Unknown route-map component "vLSTR"
Unknown route-map component "vÜSTr"
Unknown route-map component "vLSTR"
Unknown route-map component "vBHF"
(Lisboa-Oriente)
One way leftward Unknown route-map component "CONTfq"
00000 L.ª Norte
Unknown route-map component "SPLel" Unknown route-map component "CONTfq"
00000 L.ª Norte Campanhã

(*) Ligações sem serviço de passageiros.

UQE de 2 Pisos e UQE da CP-Lisboa em Entrecampos, na Linha de Cintura.
UQE de 2 pisos da Fertagus em Roma-Areeiro, da Linha de Cintura.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a Linha de Cintura em Lisboa. Para a Linha de Cintura do Porto (designação não oficial), veja Linha de Leixões.

A Linha de Cintura, originalmente denominada de Linha de Circumvalação de Lisboa, é uma curta mas importante ferrovia situada em Lisboa, Portugal. Foi inaugurada em 1888[6] e tem cerca de doze quilómetros num traçado aproximadamente semi-circular, ligando todas as linhas radiais com términus em Lisboa: Cascais, Sul, Sintra/Oeste, Alentejo (no futuro,via TTT), e Norte — para algumas das quais se encontra dotada de concordâncias (em Sete Rios e Xabregas). Cruza também todas as linhas do Metropolitano de Lisboa, tendo ligações de transbordo para quatro estações em três linhas desta rede (e mais uma prevista para a quarta[5]).

Caraterização[editar | editar código-fonte]

Esta linha é maioritariamente em via dupla, sendo quádrupla entre Sete Rios e Roma-Areeiro, e única de Campolide A a Alcântara-Terra. Encontra-se eletrificada em toda a sua extensão, com exceção do segmento terminal entre Alcântara-Terra e o Doca de Alcântara, onde se cruza a Linha de Cascais, que tem um regime de eletrificação diferente.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O antecessor da Linha de Cintura foi o sistema Larmanjat, que ligava, na Década de 1870, várias localidades ao Lumiar, em Lisboa.[7] Nessa Década, iniciou-se o planeamento para a expansão das vias férreas em Lisboa, de forma a trazer o caminho de ferro até à zona Ocidental da cidade, e depois até Cascais e Sintra.[8] Os primeiros planos concentraram-se na continuação da linha já construída até Santa Apolónia, fazendo a linha correr ao longo da margem do Rio Tejo, embora este traçado não tenha chegado a ser feito devido a problemas de ordem técnica, e aos receios em que uma linha férrea deturpasse a estética do conjunto monumental do Terreiro do Paço.[8]

Em Janeiro de 1880, foi apresentado ao Parlamento o teor de um contracto que tinha sido sido celebrado com a Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses nesse mês, para a construção de uma linha entre Lisboa e Pombal, seguindo ao longo da costa litoral.[9] A via férrea sairia da estação de Santa Apolónia e seguiria pelo vale de Chelas, dirigindo-se depois à costa Oeste, onde serviria Torres Vedras, Caldas da Rainha, São Martinho do Porto, Marinha Grande, terminando na Pombal, na Linha do Norte.[9] Para a exploração da linha, seria atribuída uma garantia de juro de 6%.[9] Porém, estes planos foram abandonados com a queda do governo, pelo que em 31 de Janeiro de 1882 foi apresentada uma nova proposta ao parlamento para a construção de linhas férreas entre Lisboa e a região Oeste, desta vez a iniciar-se na zona de Alcântara, em Lisboa, terminando em Alfarelos, na Linha do Norte, e na Figueira da Foz, e com ramais para Alfarelos, na Linha do Norte, Sintra, e Merceana.[9] Este projecto foi dividido em duas partes, tendo a construção dos lanços a Sul de Torres Vedras sido aprovada por uma lei de 20 de Maio do mesmo ano, e entregue à casa Henry Burnay & Companhia, enquanto que a segunda metade estava a cargo da Companhia Real.[9]

Antiga estação de Campolide.

Planeamento e construção[editar | editar código-fonte]

Em 1885, a Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses adquiriu os direitos de construção e gestão deste caminho de ferro, e abriu à circulação o troço entre Alcântara-Terra e Sintra em 2 de Abril de 1887, e entre o Cacém e Torres Vedras em 21 de Maio do mesmo ano.[7] A via entre Campolide e o Cacém foi duplicada em 1895.[7] O troço entre Campolide e Alcântara-Terra pertencia à Linha do Oeste antes da construção do túnel e estação do Rossio, em 1890; foi designado oficialmente Ramal de Alcântara até pelo menos 1988[10], antes de ser nominalmente integrado na Linha de Cintura.

Um alvará de 7 de Julho de 1886 concedeu à Companhia Real o direito de construção de uma linha, sem quaisquer apoios do estado, que ligasse a Linha do Leste, em Xabregas, à Linha do Oeste, em Benfica.[7] A construção desta e de outras linhas em Lisboa já tinha sido sugerida por um parecer da Junta Consultiva de Obras Públicas e Minas.[8] Em 9 de Abril de 1887, um alvará autorizou a Companhia Real a construir e explorar a Linha de Cintura de Lisboa[11] enquanto que outro alvará, de 23 de Julho desse ano, autorizou que esta linha fosse feita em via dupla, e que tivesse dois ramais para ligação à programada Estação Central de Lisboa (futura Estação do Rossio), que seria edificada no Terreiro do Duque.[7] Deveriam ser, igualmente, construídas duas concordâncias, uma (de Xabregas) entre Chelas e o Poço do Bispo (Braço de Prata), para fechar a ligação à Linha do Leste, enquanto a outra (mais tarde renomeada de Sete Rios), para a Linha do Oeste, ligaria a Sete Rios a Campolide.[7] A linha entre Benfica e Santa Apolónia foi aberta à exploração em 20 de Maio de 1888, enquanto que ambas as concordâncias só entraram ao serviço em 5 de Setembro de 1891[7], concluindo desta forma a Linha de Cintura de Lisboa.[12] Na construção da Linha de Cintura, foram utilizadas principalmente pontes de estruturas metálicas, seguindo a tendência verificada nos finais do século.[13]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Horário dos comboios suburbanos entre o Rossio e Vila Franca de Xira, em 1913.

Década de 1900 e 1910[editar | editar código-fonte]

Em 16 de Maio de 1902, a Gazeta dos Caminhos de Ferro noticiou a existência de um projecto para urbanizar parte da zona do Campo Grande, formando o Bairro da Europa, que deveria ser servido pelos Eléctricos de Lisboa e pelos comboios da Linha de Cintura.[14] Em 16 de Junho desse ano, a Gazeta informou que em Campolide tinha sido construída uma junção transversal, de forma a permitir a ligação directa entre Santa Apolónia e Alcântara-Terra.[15] Em 16 de Julho, a Gazeta reportou que tinha sido concluída a linha dos eléctricos ligando o Campo Grande ao Campo Pequeno, tendo sido assentes as vias dos eléctricos na Passagem de Nível de Entre-Campos, por combinação entre a Companhia Carris de Ferro e a Companhia Real dos Caminhos de Ferro.[16] A primeira concordou em instalar linhas de resguardo com as correspondentes agulhas conjugadas aos aparelhos de sinais à distância, por motivos de segurança, mas não o fez para reduzir os custos, pelo que a Companhia Real proibiu o trânsito de eléctricos pela passagem de nível, obrigando ao transbordo dos passageiros entre os dois lados.[16]

Em Janeiro de 1914, ocorreu uma grande greve dos funcionários da Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, durante a qual foram feitos vários actos de sabotagem, resultando em descarrilamentos, incluindo um em Chelas.[17]

Décadas de 1920 e 1930[editar | editar código-fonte]

Na Década de 1920, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses iniciou um plano de investimentos, que tinha como objectivo financiar grandes obras na sua rede, incluindo a electrificação das suas linhas suburbanas, e a construção de uma grande estação ferroviária em Lisboa, na zona do Areeiro, obras que no entanto foram muito atrasadas ou não chegaram a avançar, devido à grande crise financeira internacional que se iniciou em 1929.[18] Em 1 de Julho de 1926, a Gazeta dos Caminhos de Ferro noticiou que a Companhia tinha aberto concurso para a electrificação dos lanços do Rossio a Sintra e ao Braço de Prata, prevendo-se que esta obra estaria concluída no prazo de três a quatro anos.[19] Esta intenção de adaptar à tracção eléctrica as linhas suburbanas de Lisboa veio na sequência de um processo semelhante levado a cabo na Linha de Cascais, que apesar de ter inicialmente enfrentado alguns problemas técnicos, trouxe grandes benefícios à exploração da linha.[20]

O projecto para a nova estação no Areeiro chegou a ser alvo de um estudo do engenheiro António Vicente Ferreira, que propunha a instalação entre a Avenida Almirante Reis e o Instituto Superior Técnico, e que foi aprovado pela Comissão Especial de Novas Obras em 28 de Outubro de 1931.[21]

A partir de 1930, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses iniciou um programa de substituição das pontes metálicas nas suas linhas, incluindo a de Cintura.[12]

No relatório de 1931 - 1932 da Direcção Geral de Caminhos de Ferro, a Linha de Cintura surge com o nome de Ramal de Santa Apolónia a Bemfica, sendo constituído pelo lanço entre Xabregas e a Bifurcação de Bemfica, e pelo Ramal de Braço de Prata, totalizando 8,935 Km.[22]

Década de 1940[editar | editar código-fonte]

Em 13 de Julho de 1949, a Câmara Municipal de Lisboa aprovou o projecto para o Viaduto de Entrecampos, que deveria transportar a linha por cima da Avenida da República.[23]

Estação de Campolide, em 1956.

Décadas de 1950 e 1960[editar | editar código-fonte]

Na Década de 1950, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses começou um programa de modernização das suas vias férreas, que incluía a adaptação a tracção eléctrica, e a instalação de novos equipamentos de sinalização e controlo de tráfego.[24] A primeira fase deste programa englobava as linhas de Sintra e Cintura, e parte da Linha do Norte.[24] Estes empreendimentos foram entregues ao consórcio Groupement d`Étude et Electrification des Chemins de Fer en Monophasé 50 Hz, composto por várias empresas, incluindo a Alsthom, que foi responsável pela instalação do bloco automático e da automatização das passagens de nível, e dos sistemas de sinalização, do tipo electromecânico Jeumont, na estação do Rego.[24] A circulação na Linha de Cintura foi beneficiada com a abertura à exploração da tracção eléctrica em 28 de Abril de 1957.

O viaduto da Linha de Cintura sobre as Avenidas 5 de Outubro e da República, cujo concurso foi aberto em 1968, foi desde logo planeado para passar de via dupla para via quádrupla, de forma a acolher mais tráfego, se necessário, e devido ao projecto que existia para expandir a estação do Rego.[25]

Estação do Rego e Apeadeiro de Laranjeiras, eliminados no séc. XX, situados entre Sete Rios e Entrecampos, na Linha de Cintura.

Década de 1990[editar | editar código-fonte]

Na Década de 1990, iniciou-se um novo programa de modernização das linhas suburbanas de Lisboa, deste vez sob a égide do Gabinete do Nó Ferroviário de Lisboa, tendo um dos principais projectos sido o do Eixo Norte - Sul, que procurou melhorar as ligações ferroviárias entre as duas margens do Rio Tejo em Lisboa, através da construção de uma linha linha entre Campolide e Coina utilizando o tabuleiro inferior da Ponte 25 de Abril, e do desenvolvimento dos já existentes.[26] Desta forma, planeou-se a quadruplicação dos lanços entre Braço de Prata e a Concordância de Cruz da Pedra, que também seria aplicada na Linha de Sintra e em parte da Linha do Norte.[26] Previa-se que a primeira secção do futuro Eixo Norte - Sul seria entre Chelas e Coina, em termos operacionais, e do Areeiro ao Fogueteiro, para os serviços de passageiros.[26] Também estava programada a construção de novas estações em Chelas e Campolide, e melhorar a interligação com o Metropolitano de Lisboa nestas duas interfaces, junto com Roma Areeiro, Entrecampos e Sete Rios.[26] Em 1992, começaram a ser utilizadas novas automotoras quádruplas eléctricas nas linhas de Sintra e de Cintura[27], e em 1993 entrou ao serviço o sistema CONVEL - Controlo Automático de Velocidade nas linhas de Cintura e de Sintra.[28] Em 1996, já se tinham iniciado várias empreitadas em ambas as margens do Tejo, no âmbito do projecto do Eixo Norte - Sul, destacando-se a estação de Sete Rios e o Viaduto de Campolide.[26]

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Em 2001, iniciaram-se os serviços com comboios de dois pisos entre Alcântara Terra e Vila Franca de Xira.[29] Em 5 de Setembro de 2003, foram abertas à exploração a terceira e quarta vias do troço entre Entrecampos e o Terminal Técnico de Chelas.

Exploração comercial[editar | editar código-fonte]

Alcântara-Terra, términus comercial da Linha de Cintura.

Não havendo actualmente exploração comercial da Linha de Cintura enquanto tal (estando mesmo sem serviço de passageiros o troço Alcântara-Terra - Linha de Cascais e a Concordância de Xabregas contando apenas com uma circulação diária), esta é no entanto uma dais mais movimentadas artérias ferroviárias portuguesas, com circulações suburbanas (CP-USGL: famílias de Sintra e Azambuja, e Fertagus), regionais (linhas do Oeste, Norte, e Sul), Alfa Pendular, Intercidades, e de mercadorias.

O apeadeiro de Entrecampos-Poente é términus de algumas ciculações oriundas das linhas de Sintra e do Oeste (tal como o anterior apeadeiro da 5 de Outubro); a via que o liga a Entrecampos não faz serviço comercial, servindo porém a manobras frequentes.

Composição de mercadorias circulando na Linha de Cintura junto ao PN K 4 (Sete Rios); à esquerda, linhas do PMO I do ML, em tempos ligado à Linha de Cintura.

Ligação ao Metro[editar | editar código-fonte]

Na Linha de Cintura, junto à estação de Sete Rios, situava-se a única ligação (em via algaliada) entre o sistema ferroviário português geral (bitola ibérica) e a rede do Metropolitano de Lisboa (bitola internacional). Com o encerramento do respectivo PMO I (actual terminal rodoviário de Sete Rios) em 2001[carece de fontes?] esta ligação desapareceu, tendo sido a linha vedada e a agulha levantada.

Locomotiva a diesel da série 1400 circulando na Doca de Alcântara do Porto de Lisboa (vista nascente), num ramal associado à Linha de Cintura.

Ligação de Alcântara[editar | editar código-fonte]

O troço entre Alcântara-Terra e a Doca de Alcântara, com entroncamentos com a Linha de Cascais (permitindo os trajectos Alcântara-Terra ⇄ Belém e Alcântara-Mar ⇄ Doca) não está eletrificado, sendo usado apenas por composições de mercadorias em manobras, puxadas por locomotivas a diesel.

Não há serviço de passageiros, tendo as estações de Alcântara-Terra e Alcântara-Mar estado ligadas por uma passagem elevada, a Passagem Superior de Alcântara, munida de escadas e passadeiras rolantes, construída em 1991 e demolida em 2008.

CP-USGL + Soflusa + Fertagus

(Serviços ferroviários suburbanos de passageiros na Grande Lisboa)
Serviços: BSicon uBHFq.svg Sado (CP+Soflusa)BSicon fBHFq.svg Sintra (CP)
BSicon uexBHFq.svg FertagusBSicon BHFq.svg Azambuja (CP)BSicon BHFq yellow.svg Cascais (CP)


(n) Azambuja 
Unknown route-map component "c"
Unknown route-map component "cd" + Head station
Urban head station
 Praias do Sado-A (u)
(n) Esp. Azambuja 
Unknown route-map component "c"
Unknown route-map component "cd" + Station on track
Urban station on track
 Pç. do Quebedo (u)
(n) V. N. Rainha 
Unknown route-map component "c"
Unknown route-map component "cd" + Station on track
Unknown route-map component "uBHF-L" Unknown route-map component "uexKBHF-Ra"
 Setúbal (u)
(n) Carregado 
Unknown route-map component "c"
Unknown route-map component "cd" + Station on track
Unknown route-map component "uBHF-L" Unknown route-map component "uexBHF-R"
 Palmela (u)
(n) Cast. Ribatejo 
Unknown route-map component "vKBHFa-BHF" Unknown route-map component "uBHF-L" Unknown route-map component "uexBHF-R"
 Venda do Alcaide (u)
(n) Vila Franca de Xira 
Unknown route-map component "vBHF" Unknown route-map component "uBHF-L" Unknown route-map component "uexBHF-R"
 Pinhal Novo (u)(a)
(n) Alhandra 
Unknown route-map component "vBHF" Urban station on track Unused straight waterway
 Penteado (a)
(n) Alverca 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdKBHF-La" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Moita (a)
(n) Póvoa 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Alhos Vedros (a)
(n) Santa Iria 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Baixa da Banheira (a)
(n) Bobadela 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Lavradio (a)
(n) Sacavém 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Barreiro-A (a)
(n) Moscavide 
Unknown route-map component "d" Unknown route-map component "fdBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban station on track Unused straight waterway
 Barreiro (a)
(n) Oriente 
Unknown route-map component "fvKBHFa-BHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Unknown route-map component "uTRAJEKT" Unused straight waterway
 (Soflusa)
(n)(z) Braço de Prata 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "vBHF-R" Urban End station Unused straight waterway
 Terreiro do Paço (a)
(n) Santa Apolónia 
Unknown route-map component "fvSTR" Unknown route-map component "vSTRgl" Unknown route-map component "KBHFeq" Unknown route-map component "uexBHF"
 Penalva (u)
(z) Marvila 
Unknown route-map component "fvSTR" Station on track Unknown route-map component "uexBHF"
 Coina (u)
 
Unknown route-map component "fvSTR" Unknown route-map component "KRWl" Unknown route-map component "KRW+r" Unknown route-map component "uexBHF"
 Fogueteiro (u)
(z) Roma - Areeiro 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "uexKBHF-Ma" Unknown route-map component "BHF-R" Unknown route-map component "uexBHF"
 Foros de Amora (u)
(z) Entrecampos 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "uexBHF-M" Unknown route-map component "BHF-R" Unknown route-map component "uexBHF"
 Corroios (u)
(z)(7) Sete Rios 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "uexBHF-M" Unknown route-map component "BHF-R" Unknown route-map component "uexBHF"
 Pragal (u)
 
Unknown route-map component "fvSTR"
Unknown route-map component "uexSTRl" + Unknown route-map component "fvSTR+l-"
Unknown route-map component "fSTRq" + Interchange on track
Unknown route-map component "uexSTRr" + Unknown route-map component "fSTR+r"
 Campolide (z)(s)(u)*
(s) Benfica 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "d" Straight track Unknown route-map component "fKBHFe"
 Rossio (s)
(s) Sta. Cruz / Damaia 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "d" Straight track Unknown route-map component "KBHFa yellow"
 Cais do Sodré (c)
(s) Reboleira 
Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "d" Straight track Unknown route-map component "BHF yellow"
 Santos (c)
**(z) Alcântara - Terra 
Unknown route-map component "fvSHI1l"
Unknown route-map component "fSHI1c3" + Unknown route-map component "fSHI1+r"
End station + Unknown route-map component "HUBaq"
Unknown route-map component "BHF yellow" + Unknown route-map component "HUBeq"
 Alcântara - Mar (c)**
(s) Amadora 
Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Belém (c)
(s) Queluz - Belas 
Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Algés (c)
(s) Monte Abraão 
Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Cruz Quebrada (c)
(s) Massamá-Barcarena 
Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Caxias (c)
(s)(o) Agualva-Cacém 
Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "fvBHF-L" Unknown route-map component "fdBHF-R" Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Paço de Arcos (c)
(o) Mira Sintra-Meleças 
Unknown route-map component "fKBHFe" + Unknown route-map component "fSHI1c1"
Unknown route-map component "fvSHI1+r" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Santo Amaro (c)
(s) Rio de Mouro 
Unknown route-map component "fvBHF" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Oeiras (c)
(s) Mercês 
Unknown route-map component "fvBHF" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Carcavelos (c)
(s) Algueirão - Mem Martins 
Unknown route-map component "fvBHF" Unknown route-map component "BHF yellow"
 Parede (c)
(s) Portela de Sintra 
Unknown route-map component "fvBHF" Unknown route-map component "BHF yellow"
 S. Pedro Estoril (c)
(s) Sintra 
Unknown route-map component "fvKBHFe" Unknown route-map component "BHF yellow"
 S. João Estoril (c)
 
Unknown route-map component "BHF yellow"
 Estoril (c)
(c) Cascais 
Unknown route-map component "KBHFaq yellow" Unknown route-map component "BHFq yellow" Unknown route-map component "STRr yellow"
 Monte Estoril (c)

Linhas: a L.ª Alentejoc L.ª Cascaisz L.ª Cintura
n L.ª Norteo L.ª Oestes L.ª Sintrau L.ª Sul7 C.ª 7 R.
(*) vd. Campolide-A (**) vd. Pass. Sup. Alcântara

Fonte: Página oficial, 2013.02
(nomes das estações de acordo com a fonte)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BARRETO, António; MÓNICA, Maria Filomena (1999). Dicionário de História de Portugal: Suplemento A/E. Volume 7 de 9 1.ª ed. Lisboa: Livraria Figueirinhas. 714 páginas. ISBN 972-661-159-8 
  • GONÇALVES, Eunice; et al. (1993). Terra de Águas: Caldas da Rainha, História e Cultura 1.ª ed. Caldas da Rainha: Câmara Municipal de Caldas da Rainha. 527 páginas 
  • MARQUES, Ricardo (2014). 1914: Portugal no ano da Grande Guerra 1.ª ed. Alfragide: Oficina do Livro - Sociedade Editora, Lda. 302 páginas. ISBN 978-989-741-128-1 
  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel de; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado. O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 

Leitura recomendada[editar | editar código-fonte]

  • ABRAGÃO, Frederico de Quadros (1956). Caminhos de ferro portugueses – esboço da sua história. Lisboa: Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses 
  • ANTUNES, J. A. Aranha; et al. (2010). 1910-2010: o caminho de ferro em Portugal. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e REFER - Rede Ferroviária Nacional. 233 páginas. ISBN 978-989-97035-0-6 
  • CERVEIRA, Augusto; CASTRO, Francisco Almeida e (2006). Material e tracção: os caminhos de ferro portugueses nos anos 1940-70. Col: Para a História do Caminho de Ferro em Portugal. Volume 5. Lisboa: CP-Comboios de Portugal. 270 páginas. ISBN 989-95182-0-4 
  • VILLAS-BOAS, Alfredo Vieira Peixoto de (2010) [1905]. Caminhos de Ferro Portuguezes. Lisboa e Valladollid: Livraria Clássica Editora e Editorial Maxtor. 583 páginas. ISBN 8497618556 
  • SALGUEIRO, Ângela (2008). A Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses: 1859-1891. Lisboa: Univ. Nova de Lisboa. 145 páginas 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Linha de Cintura

Referências

  1. a b Câmara Municipal de Lisboa : Planta da Cidade (folha n.º 28), 1922.
  2. a b Alvaro SANTOS “Tourist” Planta de Lisboa : Folha Nº 2 1924
  3. J. R. Silva: Metropolitano de Lisboa. 1959~1963 (Mapa)
  4. Faria da COSTA Plano de Urbanização da Zona a Sul da Av.da Alferes Malheiro 1945
  5. a b Mário LOPES: “Localização da Estação Central de Lisboa : Reflexão sobre a comparação de diferentes alternativasTransportes em Revista 2009.02.14
  6. REIS et al, 2006:12
  7. a b c d e f g TORRES, Carlos Manitto (16 de Janeiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1682). p. 61-64. Consultado em 3 de Março de 2014 
  8. a b c MARTINS et al, 1996:29
  9. a b c d e GONÇALVES et al, 1993:297
  10. Diagrama das Linhas Férreas Portuguesas com as estações (Edição de 1988), CP: Direcção de Transportes: Serviço de Regulamentação e Segurança, digitalizado por “miguelanjo”, no Flickr
  11. MARTINS et al, 1996:249
  12. a b MARTINS et al, 1996:120-121
  13. MARTINS et al, 1996:251
  14. «O Bairro da Europa» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (346). 16 de Maio de 1902. p. 145-146. Consultado em 2 de Dezembro de 2017 
  15. «Linhas Portuguesas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (348). 16 de Junho de 1902. p. 186. Consultado em 2 de Dezembro de 2017 
  16. a b «Tracção Electrica» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (350). 16 de Julho de 1902. p. 212. Consultado em 2 de Dezembro de 2017 
  17. MARQUES et al, 2014:126
  18. BARRETO e MÓNICA, 1999:226
  19. «Linhas Portuguesas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 39 (925). 1 de Julho de 1926. p. 208. Consultado em 2 de Dezembro de 2017 
  20. SOUSA, José Fernando de (1 de Janeiro de 1927). «O Ano que Findou» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 40 (937). p. 1-3. Consultado em 2 de Dezembro de 2017 
  21. MARTINS et al, 1996:258
  22. «Direcção-Geral de Caminhos de Ferro: Relatório de 1931-1932» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1109). 1 de Março de 1934. p. 127-130. Consultado em 2 de Dezembro de 2017 
  23. MARTINS et al, 1996:263
  24. a b c MARTINS et al, 1996:157-158
  25. «Jornal do Mês» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 81 (1930). 16 de Outubro de 1968. p. 122. Consultado em 21 de Fevereiro de 2013 
  26. a b c d e MARTINS et al, 1996:216-217
  27. MARTINS et al, 1996:114
  28. REIS et al, 2006:150
  29. REIS et al, 2006:202

Ligações externas[editar | editar código-fonte]